imagem google

Cenário global de segurança cibernética e seus desafios são tema de visita técnica e plenária da Fiesp

Ao longo dos eventos foram apresentados programas da Escola Senai de Informática e do Comando de Defesa Cibernética do Exército para resposta e contenção a ataques

Sarah Toledo, Agência Indusnet Fiesp

Na última quarta-feira (8/12), a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) conduziu visita técnica da comitiva do Exército à Escola Senai de Informática. Além da apresentação da Escola Senai de Informática e da nova unidade que contemplará uma Arena de Cibersegurança, com 362m², também ocorreram demonstrações da capacidade técnica do laboratório local e das ferramentas de mapeamento e vulnerabilidade e simulação de ataque pelo programa Cyber War – Gameficando Ataques.

O simulador hiper-realista permite um treinamento avançado de capacitação de profissionais na técnica de detectar e subtrair possíveis ataques sofridos em ambiente virtual. Os alunos são divididos em dois times, um de ataque e outro de defesa, e são instigados a tomar as medidas necessárias para reverter a ação criminosa, além de evitar que novas invasões aconteçam.

Entre os presentes, Ricardo Terra, diretor regional do Senai-SP, Carlos Erane de Aguiar, diretor titular do Departamento de Defesa e Segurança (Deseg) e presidente do Sindicato Nacional das Indústrias de Materiais de Defesa (Simde), o general de Exército Guido Amin Naves, chefe do Departamento de Ciência e Tecnologia do Exército, o general de Exército Modesto, chefe do Escritório do SisDIA de Inovação em São Paulo, o general de Divisão Heber Garcia Portella, comandante de Defesa Cibernética, e o general de Divisão Adalmir Manoel Domingos, coordenador executivo dos Conselhos e Departamentos da Fiesp.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1642632230

Fotos: Karim Kahn/Fiesp

Após a visita, foi oferecido a todos um almoço reservado na sede da Federação, seguido de reunião plenária conjunta do Deseg e do Simde, com apresentação do Comando de Defesa Cibernética do Exército aos Diretores do Departamento. Segundo os dados apresentados, hoje 86% dos ataques cibernéticos têm motivação financeira e 10% por espionagem. Em 2017, foram 70.400.000 vítimas de crimes cibernéticos no mundo. “Estamos enfrentando um cenário global de ameaças e desafios frente a um mundo em que metade da população está conectada. O crescente compartilhamento de informações e o avanço da Internet das Coisas (IoT), combinados à alta vulnerabilidade de dispositivos móveis e a infraestruturas críticas dos países concorrem, sem dúvida, para a busca de soluções de várias demandas da sociedade” iniciou Carlos Erane.

Em apresentação, o general Heber explicou que foi criada, em 2016, uma evolução natural do setor cibernético de defesa (2010), o Com D Ciber, um comando conjunto (Marinha, Exército e Aeronáutica) de segurança e proteção cibernética. “Eu interpreto como uma grande vantagem para o Com D Ciber. É uma sinergia de capacidades, que faz com que o meu operacional evolua muito. Nos últimos anos, nossa capacidade de gestão de ativos, de proteção de ativos, evoluiu bastante. Por quê? O engenheiro formado no Instituto Militar de Engenharia (IME) está vendo o que está acontecendo, está na linha de frente todo dia e ele tem a capacidade de desenvolver ou aprimorar a utilização de um software, por exemplo, de proteção cibernética” comentou.

O órgão atua na proteção dos sites do Exército, da Marinha e da Aeronáutica que têm, juntos, em torno de 2.500 sites. Também fazem varreduras em aproximadamente 47.000 domínios governamentais diariamente e informam quando encontram algum tipo de vulnerabilidade. Outro aporte do Comando de Defesa Cibernética do Exército é o Programa de Defesa Cibernética na Defesa Nacional, que contribuiu com a ampliação da capacidade cibernética nacional, especialmente de setores estratégicos que contém infraestruturas críticas.

Também foram citados o Projeto do Sistema Militar, Projeto da Escola Nacional de Defesa Cibernética, Projeto do Centro de Operações de Defesa Cibernética, Projeto Capacidades Cibernéticas, Projeto Avaliação de Sistemas Cibernéticos e ações complementares de apoio à Marinha, à Aeronáutica e ao Exército.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1642632230