imagem google

Campetro Energy 2018 fortalece pelo 6º ano consecutivo o polo de P&G e energias renováveis de Campinas e região

Evento realizado pelo Ciesp e pela Fiesp reuniu os principais players dos setores de energia, petróleo e gás

Carla Marins – Comunicação Ciesp Campinas

No dia 07 de novembro, o Ciesp Campinas e a Fiesp, com o patrocínio da Petrobras, realizaram a 6ª edição do Campetro Energy, um dos maiores eventos do Setor de Energia, Petróleo e Gás Natural do interior paulista. O evento, realizado no Centro de Convenções – Expo Dom Pedro, com o tema “O Momento da Retomada”, reuniu lideranças e autoridades de âmbito nacional, visando o aproveitamento e maior produtividade para este importante setor da economia.

O Campetro Energy 2018 reuniu, mais uma vez, os principais players dos setores de energia, petróleo e gás. O Encontro de Negócios direcionado à cadeia de P&G e energias renováveis promoveu em torno de 600 reuniões, com expectativa de geração de negócios futuros prevista entre R$ 700 mil e R$ 1 milhão.

A objetividade em unir esforços para construção de uma nova indústria, ainda mais forte neste momento de retomada, foi ponto de concordância na mesa de abertura. O 3º vice-presidente da Fiesp e do Ciesp, Rafael Cervone, destacou o desafio de continuar a prover energia para movimentar a economia, mas com menor quantidade de emissão de gases que acentuam o efeito estufa, um dos principais responsáveis pelo aquecimento global. As questões relacionadas a essa inevitável transição energética, com a busca por fontes mais limpas é um dos principais pontos de debate.

“Quero fazer uma viagem no tempo para esta mesma sala, há dois anos. Naquela ocasião, tudo era esperança. A cadeia brasileira de Petróleo & Gás Natural passou por momentos decisivos. A gravidade da situação da maior operadora, a Petrobras, exigiu da nova direção coragem, determinação e correção de rota. A partir dali, tenta-se construir uma indústria mais unida. Era um ambiente diferente. Hoje caminhamos para ter diversidade de empresas atuando e diversidade de oportunidades no setor. Foram anos duros de crise, mas aos poucos o setor dá sinais de uma retomada que pode ser decisiva para a economia do país.”, disse.

A recuperação da Petrobras e a nova era da companhia, bem como as novas energias foram o enfoque da palestra magna da Petrobras, a qual apresentou os dados de seu último relatório e estratégias de mercado a curto, médio e longo prazo. Nelson Luiz Costa Silva, diretor executivo de Estratégia, Organização e Sistema de Gestão da companhia, relatou que no atual plano de gestão (2015-2018), o qual se conclui ao final deste ano, foram contemplados 18 sistemas de produção. Sobre os possíveis investimentos na área de renováveis, o executivo afirmou que de acordo com os termos de aprovação de projetos e com parcerias que sejam consideradas de retorno para empresa é possível que seja destinada uma faixa a essa categoria no próximo plano de gestão (2019-2023), em especial à energia eólica, por meio de parceiros potenciais para esta alavancagem no país.

Ao falar da atratividade do país em prospecção e exploração frente a outros produtores de P&G, o diretor executivo apresentou os resultados dos leilões da ANP – Agência Nacional do Petróleo. “Os recentes resultados criam uma previsibilidade para o setor, lembrando que este é um setor de longo prazo. Vejo como muito importante a regularidade de rodadas de blocos da ANP. Ao avaliarmos o número de empresas atraídas e participantes observamos que há um interesse a nível mundial pelo país”, analisou.

Sobre os temas a serem priorizados para continuidade da evolução da regulação no mercado de P&G, Silva destacou o tema das mudanças climáticas “que permeia tudo que fazemos. Nessa seara as exigências só devem aumentar a nível global, assim a adoção de tecnologia para encurtar o tempo de desenvolvimento, o que tem sido norma para a companhia, acelerando sempre por meio da tecnologia para permitir a maior produtividade e redução de custos”, validou.

Rogério Daisson Santos, gerente geral da Refinaria de Paulínia, salientou a relevância da atuação de entidades representativas do setor industrial. “São participações importantíssimas, através de entidades como o Ciesp e a Fiesp a cadeia produtiva se organiza com demandas definidas e tem a força para o encaminhamento adequado dos pleitos à empresas e indústrias, e da indústria ao mercado”, disse.

José Nunes Filho, diretor titular do Ciesp Campinas, falou do potencial do polo regional de P&G, que sedia a Replan, maior refinaria do Hemisfério Sul, além do referencial expresso pelo pujante setor de Turismo de Negócios da Região Metropolitana de Campinas. “Temos a maior refinaria de petróleo do hemisfério sul, a Replan, o que demanda a produção de uma série de produtos e serviços, assim a grande vantagem de fortalecermos cada vez mais a cadeia de P&G em nossa região”, destacou.

A região de Campinas já é reconhecida por seu alto potencial liderando os rankings das melhores cidades do Brasil para se fazer negócios e que atrai cada vez mais fabricantes de equipamentos e energias limpas, tendo destaque a BYD e a Globo Brasil, ambos com unidades de painéis solares fotovoltaicos em Campinas, que rendem significativo investimento e geração de renda. Na abertura, o secretário de Desenvolvimento Econômico, Turismo e Social de Campinas, André Von Zuben, lembrou o fato de Campinas, ser a primeira cidade no Brasil a colocar na rua uma frota de ônibus elétrico.

“Com a retomada do crescimento teremos o aumento da demanda de energia, daí a importância de nos prepararmos para este momento, a fim de atendermos a esta demanda com qualidade preço, sendo assim um setor-chave para o desenvolvimento do país. Nós aqui em Campinas apostamos muito na energia do futuro, foi aprovada este ano uma lei municipal que concede incentivos para as empresas de energias renováveis aqui se instalarem, a qual já é um polo de energia renovável, assim estamos fortalecendo isso porque acreditamos”, descreveu o secretário que também fortaleceu o fomento e incentivo a cadeia de P&G que é muito forte na região e no Estado.

Confira aqui a cobertura completa do Campetro Energy 2018.