imagem google

Burocracia é criativa em encontrar alternativas de cobrança, diz presidente de Frente Parlamentar da Micro e Pequena Empresa

Deputado federal Guilherme Campos participou do encerramento do VIII Congresso da Micro e Pequena Indústria da Fiesp

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

Embora a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa tenha significado um ganho para o desenvolvimento dos negócios da micro e pequena indústria no país, a burocracia brasileira ainda consegue encontrar alternativas para cobrar e “fazer valer seu poder”, de acordo com o deputado federal Guilherme Campos ao participar do VIII Congresso da Micro e Pequena Indústria, realizado nesta quinta-feira (10/10) pela Federação e pelo Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp).

Campos é presidente da Frente Parlamentar Mista da Micro e Pequena Empresa. Ele afirmou que a correção da faixa de faturamento das empresas enquadradas no Simples Nacional, a simplificação no cálculo do imposto devido e a universalização dos tributos estão entre as principais reivindicações da frente no Congresso.

“São os principais pontos colocados nesse momento para alteração”, afirmou. “As nossas burocracias federal, estadual e municipal são muito criativas e conseguem achar alternativas”, completou o deputado.

No encerramento do evento, o 2º vice-presidente da Fiesp, João Guilherme Sabino Ometto, disse que a entidade pertence aos empresários da micro e pequena indústria e está à disposição para conhecer os problemas do setor e propor soluções e parcerias para estimular sua atividade.

“Pensam, por aí, que a Fiesp é feita por grande industriai. Mas ela é feita, em sua maior parte, pelas micro  e pequenas empresas”, afirmou Ometto. “É muito importante vocês comparecerem. A Fiesp, o Senai-SP [Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo] é a casa de vocês. E fazendo essa aproximação, procuramos ajudar na elaboração de movimentos que permitam mais facilidade”, acrescentou.

O diretor-titular do Departamento da Micro, Pequena e Média Indústria (Dempi), Milton Bogus, fechou o evento com mais algumas palavras. “Se todos ficaram até esse horário, significa que nosso congresso foi bem produtivo.”