imagem google

“Brasil precisa ter base industrial de Defesa consistente”, diz Nelson Jobim

Afirmação foi feita pelo ministro da Defesa durante seminário internacional realizado nesta quarta-feira (5), na Fiesp

Agência Indusnet Fiesp 

Imagem relacionada a matéria - Id: 1558343865

Paulo Skaf (esq.), presidente da Fiesp, e Nelson Jobim, ministro da Defesa. Foto: Vitor Salgado

A necessidade de envolver a sociedade civil na discussão dos assuntos de Defesa e a inserção do Brasil no cenário mundial reuniu autoridades e empresários do setor na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), na última quarta-feira (5).

Na abertura do evento, o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, disse que “o encontro demonstra como as Forças Armadas são necessárias para o interesse maior da sociedade e do Brasil”.

Ao tomar posse na Fiesp, em 2004, Skaf criou o Departamento da Indústria de Defesa (Comdefesa), que desde então tem contribuído com o Ministério da Defesa.

Em seu discurso, o dirigente empresarial cumprimentou o ministro da Defesa, Nelson Jobim, pelo estímulo à tropa e pelo reaparelhamento das Forças Armadas. “Temos orgulho das Forças Armadas e estaremos sempre à disposição delas como sociedade e indústria”, reiterou.

Satisfação

Jobim, disse estar “muito satisfeito por poder discutir este assunto na Fiesp”. Ele ressaltou que os temas de Defesa não são restritos aos militares e que é importante trazer esta temática para a agenda da sociedade.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1558343865

Seminário de Segurança Internacional promovido pelo Comdefesa da Fiesp e o Ministério da Defesa lotou o Salão Nobre. Foto: Vitor Salgado

“Este tema passou a ser vital para a Defesa do País”, salientou. O ministro observou que, com a queda do Muro de Berlim, o mundo saiu de uma situação bipolar e atualmente “caminha para uma multipolaridade” de posições.

Jobim acredita que a capacidade de dissuadir e de dizer não ao que for contrário aos interesses da nação dependerá da própria sociedade. Para ele, é fundamental a formação de uma “base industrial de defesa consistente e econômica” e que faça a junção de Defesa e desenvolvimento nacional.