imagem google

Ambiente de trabalho pode ter saúde e qualidade de vida, diz diretor da Fiesp

Tema foi debatido em palestra durante Mostra Fiesp/Ciesp de Responsabilidade Socioambiental. Alberto Ogata foi moderador do encontro

Com uma plateia descontraída fazendo exercícios de alongamento e relaxamento, o módulo Programas de Saúde e Qualidade de Vida para empresas e comunidades da Mostra Fiesp/Ciesp de Responsabilidade Socioambientacomeçou de acordo com a proposta de saúde e qualidade de vida do encontro.

E é dessa forma que muitos funcionários Brasil a fora iniciam seu dia de atividades. “Projetos como ginástica laboral, “prato light” (no qual um nutricionista cuida da refeição que será servida aos funcionários) e “hora da fruta” já mudaram – e muito – a rotina dos trabalhadores na nossa empresa”, informou a representante da CHR Hansen, Elizabeth Rodrigues.

A empresa de molas e componentes de suspensão, ThyssenKrupp, que acumula prêmios na categoria Melhor Para se Trabalhar, tem a preocupação de propiciar aos seus funcionários uma estrutura de esportes, lazer e confraternização, o que promove a integração e diversão dos mesmos.

Para a representante da ThyssenKrupp, Christine Vidal, o cuidado com a saúde dos colaboradores vai além do bem-estar: “Um projeto que praticamos é o ‘Bom da Vida’, que tem como objetivo principal prevenir doenças e oferece cuidados médicos, odontológicos, psicológicos, terapias, sessões com nutricionistas, ginástica.”


Parceria

Além da preocupação com a saúde de funcionários nas empresas, a palestra abordou também a parceria que do Sesi-SP com Moçambique. O país africano recebeu um curso da entidade que ensina a preparar pratos que ajudam a prevenir doenças.

De acordo com a nutrionista do Sesi-SP enviada a Moçambique, Camilla Augusto Martins, o programa é especialmente importante por se tratar de uma população de alto número de portadores de HIV. “Eles são mais frágeis devido aos coquetéis de remédios e à falta de alimentos variados. Pensando nisso, organizamos um cardápio mais reforçado”, explicou Martins.

Já a diferença de região obrigou uma adaptação do formato do curso. “As receitas foram criadas a partir de ingredientes encontrados naquela região e de acordo com o sistema utilizado na preparação. Por exemplo, lá a comunidade não tem utensílhos como liquitificador, triturador e até mesmo fornos”, contou a nutricionista.


Alimente-se Bem

Criado em 1999, o Alimente-se Bem é um programa educativo, que incentiva a mudança de hábitos alimentares para a população. Suas aulas práticas ensinam receitas saborosas e nutritivas a baixo custo, utilizando conceitos para o aproveitamento integral dos alimentos.