imagem google

Alexandre Lee será o novo comandante do Judô do Sesi-SP

Sesi Bauru anuncia contratação de Alexandre Lee para ser o novo técnico da equipe profissional a partir de outubro

Marcelo Ferrazoli, Sesi Bauru

O judô do Sesi-SP já tem um novo comandante. Após a aposentadoria do sensei kodansha Omar Augusto Miquinioty Junior, o Sesi Bauru acertou a contratação de Alexandre Lee para assumir o comando técnico da equipe de Judô Rendimento do Sesi-SP a partir do próximo dia 1 de outubro.

Lee deixará o mesmo cargo em que ocupava, nos últimos 11 anos, no Clube Paineiras do Morumby, na capital paulista, para se transferir ao Sesi-SP em um novo desafio em sua trajetória profissional. “A estrutura do Sesi e o potencial de construção e formação do judô com tantas unidades e abrangência do Sesi no Estado me chamaram muito a atenção e foram os motivos determinantes para eu aceitar esse novo e grande desafio”, destacou Lee ao explicar as razões que lhe motivaram a aceitar a proposta do Sesi-SP.

Lee também analisou e projetou metas a curto e longo prazo para o time de judocas que comandará em breve. “É uma equipe jovem com muitos resultados em mundiais de base. Vejo uma equipe de futuro, com atletas promissores para estar no Campeonato Mundial Sub-21 de 2022 e subirem ao pódio. Também há atletas que passaram por um processo de desenvolvimento no Sesi, que agora já são adultos e são promissores para disputar vagas aos Jogos Olímpicos de Paris 2024. Vejo essas metas a curto prazo e, a longo prazo, um processo de construção para os Jogos Olímpicos de Los Angeles 2028 com potencial muito grande para os atletas do Sesi”, ressaltou o novo comandante do judô do Sesi Bauru.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1632094756
Foto: Marcelo Ferrazoli, Sesi Bauru

Trajetória e currículo 

Alexandre Dae Jin Lee tem 44 anos e é natural de Mogi das Cruzes (SP). Filho de pai coreano e mãe brasileira, começou no judô ainda criança, com sete anos. “Minha família, na época, morava no Vale do Paraíba e eu era um menino típico, agitado e hiperativo, e acabei me encontrando no judô. Não saí mais e no judô quis ficar, me desenvolver e competir”, recordou Lee.

A partir daí, com o judô integrado em sua vida, sua trajetória foi ascendente na modalidade. “Com 13 anos, treinava na região do Alto Tietê, em Suzano e Mogi das Cruzes. Foi quando eu quis ir para um internato de judô, em Bastos, com o sensei Uichiro Umakakeba. Fiquei ali por dois anos treinando, período em que consegui me desenvolver muito, e com 15 para 16 anos fui para a Capital, no Centro de Excelência, no Ibirapuera, em outro sistema de internato, onde fiquei durante três anos”, contou Lee.

Depois de passar por clubes, como São Caetano, e representar a equipe da Prefeitura de Guarulhos, Lee mudou-se para o Rio de Janeiro para defender o Vasco da Gama visando um ciclo para os Jogos Olímpicos de Sydney 2000, onde participou como atleta reserva. Após mais dois anos no Rio de Janeiro, retornou a São Paulo, e, em 2004, integrou a seleção brasileira como atleta titular nos Jogos Olímpicos de Atenas 2004.

Como atleta, foi tricampeão brasileiro, medalhista nos Jogos Pan-Americanos 2007 e no Circuito Mundial, tendo sido campeão dos torneios de Roma e da Tunísia. Em 2008, tentou, sem sucesso, a vaga para as Olimpíadas de Pequim 2008. “A partir daí, comecei fazer minha transição de carreira. Fui terminar a faculdade de Administração de Empresas e, em 2010, recebi convite para trabalhar como técnico no Clube Paineiras, iniciando minha trajetória como técnico”, detalhou Lee.

E, como técnico do judô do Clube Paineiras, conquistou resultados expressivos. Os mais recentes deles foram a convocação de dois atletas para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 e, em 2019, no Troféu Brasil Interclubes, o principal torneio da classe adulta, levou a agremiação ao vice-campeonato na contagem geral.