imagem google

‘A Madrinha Embriagada’ pode fazer com que mercado de teatro musical no Brasil cresça, diz maestro do espetáculo

Diretor musical da peça, Carlos Bauzys destaca acesso ao gênero no país a partir da encenação de “A Madrinha Embriagada”

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

Regente, compositor e educador musical, Carlos Bauzys é o responsável por preparar o coro, os solistas e a orquestra do espetáculo “A Madrinha Embriagada”, uma adaptação do musical da Broadway, “The Drowsy Chaperone”, montada por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP).  A novidade: neste espetáculo, os treze músicos que compõem a orquestra vão ficar suspensos. Eles são parte do cenário.

Segundo Bauzys, a ideia de construir um mezanino para a orquestra em pleno cenário vai além da estética e é fruto da intenção de recrutar um novo público para o teatro musical no Brasil.

Bauzys: ideia de construir um mezanino para a orquestra vai além da estética. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Bauzys: ideia de construir um mezanino para a orquestra vai além da estética. Foto: Everton Amaro/Fiesp


“A ideia é mostrar que tem uma orquestra tocando, já que as pessoas tendem a achar que é um playback”, diz o maestro. “A música ao vivo faz toda a diferença, deixa o espetáculo mais vivo, mais teatral”, explica.

Geralmente, a orquestra, o pulso de qualquer teatro musical, se abriga em um fosso, uma área construída entre a plateia e o palco, abaixo do nível da plataforma. Quanto mais longe o assento do palco, menor a visibilidade dos músicos e do maestro.

A ideia de deixar a orquestra suspensa sobre os atores em cena cumpriu a missão didática de aproximar o musical de um novo público, mas também resolveu um problema de espaço. “Quando o teatro não tem fosso, a gente tem de dar outro jeito. Ou fica no palco, ou nos cantos da plateia, ou no mezanino. Neste caso, foi feito um mezanino”, conta Bauzys.

Enquanto os atores contracenam e cantam, luzes coloridas refletem a silhueta dos músicos e dos seus instrumentos em dois mezaninos separados. Sem luz, as estruturas são apenas a continuação de um papel de parede azul claro das paredes do cenário, um apartamento no centro de São Paulo nos anos 1920.

Os músicos de "A Madrinha Embriagada": no palco, como parte do cenário. Foto: Julia Moraes/Fiesp

Os músicos de "A Madrinha Embriagada": no palco, como parte do cenário. Foto: Julia Moraes/Fiesp


“É toda uma engenharia para a coisa funcionar ali”, conta o diretor musical do espetáculo. “Para os músicos da esquerda ouvirem os da direita eles precisam estar com fone, os músicos da direita têm uma TV para acompanhar a regência, que fica no mezanino esquerdo do palco”, explica Bauzys.

Responsável por guiar os músicos, a maestrina acompanha cena por cena em outro aparelho de TV. O musical é transmitido por uma câmera instalada atrás da plateia.

Para Bauzys, a exibição da orquestra, a simplicidade didática do espetáculo e a vontade dos artistas em promover o teatro musical em cada cena pode contribuir para mudar a cena artística nacional na área. “Esse espetáculo foi um acerto no sentido de formação de público porque é um musical que fala de musicais. E se dirige a todo o tipo de público, é bem resolvido”, afirma o maestro.

“A Madrinha Embriagada” faz parte do Projeto Teatro Musical, do Sesi-SP, que deve capacitar novos atores com um curso de formação de três anos, descobrindo talentos por meio de oficinas de vivência na área e contribuindo para motivar a formação de um público para o gênero.