imagem google

A exposição J. Borges – o mestre da Xilogravura, agora também em tour virtual 

Com 66 obras, a mostra, em cartaz desde 5 de abril no Centro Cultural Fiesp, chega também ao mundo virtual 

Agência Indusnet Fiesp

Já é possível apreciar algumas das mais importantes obras da carreira do mundialmente reconhecido J. Borges sem sair de casa. O tour virtual da exposição, que está em cartaz desde abril deste ano, pode ser acessado nesta notícia. Para quem preferir ter contato com o patrimônio do artista de maneira presencial, a mostra segue para visitação no Espaço de Exposições do Centro Cultural Fiesp (CCF), na avenida Paulista até o dia 7 de agosto.  

PARA ENTRAR NO TOUR VIRTUAL DA EXPOSIÇÃO, CLIQUE AQUI

O artista popular já teve suas obras expostas em museus pelo mundo todo, China, Japão, França, Estados Unidos e Venezuela foram alguns dos lugares que receberam as xilogravuras do Patrimônio Vivo de Pernambuco.  

As xilogravuras tratam do cotidiano do agreste, acontecimentos políticos, fatos lendários, folclóricos e pitorescos da vida. O xilogravurista, considerado pelo dramaturgo Ariano Suassuna como o melhor gravador popular do Brasil, ainda criou 10 obras inéditas para integrarem a mostra em cartaz.  

José Francisco Borges, o J. Borges, de 86 anos, é Patrimônio Vivo de Pernambuco, título concedido pelo Estado aos mestres da cultura popular pernambucana, reconhecidos como Patrimônio Imaterial. É natural de Bezerros, no Agreste pernambucano, onde vive e trabalha até hoje. Filho de agricultores, trabalhava desde os 10 anos na lida do campo. O gosto pela poesia o fez encontrar, nos folhetos de cordel, um substituto para os livros escolares.  

Ao longo da trajetória, J. Borges narrou o Nordeste e, sobretudo, o interior de Pernambuco com os temas que entraram para sua coleção mais importante, a exemplo das telas ‘No Tempo da Minha Infância’, ‘Na Minha Adolescência’, ‘Vendendo Bolas Dançando e Bebendo’, ‘Serviços do Campo’, ‘Cantando Cordel’, ‘Plantio de Algodão’, ‘A vida na Mata’, ‘Plantio e Corte de Cana’, ‘Forró Nordestino’ e ‘Viagens a Trabalho e Negócios’. Todas poderão ser apreciadas pelo público durante a exposição.  

“Estou muito alegre com essa exposição sobre meu trabalho na xilogravura. Eu ainda quero viver bastante. O que me inspira é a vida, é a continuação, é o movimento. É aquilo que eu vejo, aquilo que eu sinto”, afirma J. Borges.  

Cordelista há mais de 50 anos, os versos de J. Borges tratam do cotidiano da vida simples do campo, o cangaço, o amor, os castigos do céu, os mistérios, os milagres, crimes e corrupção, os folguedos populares, a religiosidade, a picardia, entre outros assuntos. A originalidade, irreverência e personagens imaginários são notáveis nas suas obras. Por esse motivo, livretos de cordel estarão disponíveis na exposição, pendurados por um barbante, tal como no Nordeste.

O Sesi-SP é uma instituição que trabalha pela educação de forma ampla e a cultura é parte importante nesse processo. “Nós ficamos muito felizes por sediar uma mostra como J. Borges – O Mestre da Xilogravura. Assim, seguimos com o propósito de difundir a cultura, reconhecendo e valorizando nossos artistas e colaborando para a formação de público cada vez mais consciente na apreciação das artes visuais”, explica Débora Viana, gerente de Cultura do Sesi-SP.  

A mostra também apresenta 4 obras assinadas por Pablo Borges e Bacaro Borges, filhos e aprendizes do artista, além da exibição de uma cinebiografia sobre a vida e obra do artista, assinada pelo jornalista Eduardo Homem.  

“A exposição retrata a magia da sua obra, tão importante para o povo brasileiro e para o mundo. A arte visual brasileira se tornou mais importante depois que J.Borges começou a criar seu trabalho de xilogravuras, tornando-se um dos maiores xilogravuristas do mundo. Sem dúvida, ficará na memória do público para sempre”, afirma Ângelo Filizola, curador da exposição e responsável pela Cactus Promoções e Produções, que produz a mostra.  

Serviço:

Borges – o mestre da xilogravura

Espaço de Exposições do Centro Cultural Fiesp  

Período expositivo: De 6 de abril a 7 de agosto  

Horário de funcionamento: De quarta a domingo, das 10h às 20h 

Endereço: Avenida Paulista, 1313 – Em frente à estação Trianon-Masp do metrô 

Entrada gratuita