imagem google

2011 será o ano da construção, mas algumas contas não fecham, afirmam especialistas

Consic/Fiesp debateu equação para solucionar falta de mão de obra, necessidade habitacional da ordem de 23 milhões até 2022 e gargalos de financiamento

Solange Sólon Borges, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1656298052

Manuel Rossito, diretor do Deconcic da Fiesp

A reunião desta terça-feira (15) do Conselho Superior da Construção (Consic) da Fiesp teve como palco a 19ª Feicon Batimat, que acontece até sábado (19), das 10h às 19h, no Pavilhão de Exposições do Anhembi (Av. Olavo Fontoura, 1209), na Capital.

Nada melhor do que debater as expectativas do setor e seus gargalos no centro daquela que é considerada a maior feira da construção na América Latina. Assim, as propostas do ConstruBusiness e do 9º Congresso Brasileiro da Construção acabaram ganhando destaque nas discussões.

O diretor do Departamento da Indústria da Construção (Deconcic) da Fiesp, Manuel Rossito, foi enfático ao afirmar que “2011 é o ano de crescimento da nossa construção”, mas ressaltou que a inovação tecnológica e a segurança jurídica são pilares essenciais para garantir investimentos.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1656298052

João Cláudio Robusti, diretor-adjunto

O diretor-adjunto do Deconcic, João Cláudio Robusti, também sublinhou a necessidade de se resolver os problemas relativos à infraestrutura, para que a construção não entre em colapso, apesar do crescimento verificado no setor nos últimos cinco anos.

O representante da indústria defendeu um ataque sistêmico na área da habitação. Em sua avaliação, com déficit de 3,2 milhões de trabalhadores na construção, faltará mão de obra, pois a população brasileira não cresce na mesma proporção: “A solução é atrair mão de obra de outros segmentos e criar mecanismos alternativos a fim de manter a competitividade”, indicou.

Não é só esta conta que não fecha. Diante da necessidade de construção de 23 milhões de moradias até 2022 – envolvendo investimentos da ordem de R$ 3 trilhões –, demandam 900 milhões de metros quadrados e atenção quanto às leis de zoneamento para o desenvolvimento urbano, de acordo com Robusti.

E complementou chamando a atenção para outros pontos de atenção que dizem respeito ao Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e à caderneta de poupança, insuficientes para dar conta dos financiamentos necessários à próxima década no campo da habitação.

Serviço
19ª edição da Feicon/Batimat – 19º Salão Internacional da Construção
Data: até 19 de março, de terça a sábado, das 10h às 19h
Local: Pavilhão de Exposições do Anhembi. Av. Olavo Fontoura, 1209. São Paulo
Visitação: proibida a entrada de menores de 12 anos, mesmo que acompanhados.
O visitante que comparecer ao evento sem convite ou sem o pré-credenciamento feito deverá fazer sua inscrição no local. A entrada custará R$ 50.
Mais informações: (11) 3717-0737 ou feicon.inscricao@reedalcantara.com.br
Visite o site: http://www.feicon.com.br