imagem google

Iniciativas Sustentáveis: Gerdau – Inovação e Saúde de mãos dadas


Com foco em inovação, reabilitação e prevenção essa siderúrgica economizou mais de 600 mil reais com cirurgias que deixaram de ser necessárias

Imagem relacionada a matéria - Id: 1638133770

Por Karen Pegorari Silveira

Uma companhia que produz aço está inserida no grau de risco 4, que contempla as atividades mais perigosas e com maior incidência de problemas de segurança que todas as outras e onde aplicam-se exigências mais complexas para permitir que os trabalhadores tenham plenas condições de desempenhar suas atividades profissionais sem colocar a saúde e integridade em risco.

Para enfrentar esse grande desafio e se adequar ao novo conceito da indústria 4.0 a Gerdau precisou se reinventar. A solução foi criar o Centro de Inovação em Saúde, Segurança e Meio Ambiente (SSMA) e focar na prevenção de acidentes e doenças ocupacionais, além da melhoria da qualidade de vida, manutenção e reabilitação da saúde dos trabalhadores da empresa, aumentando a produtividade e reduzindo custos.

No quesito ‘Reabilitação’ foram avaliados todos os colaboradores com restrição e selecionados através de 2 critérios: não ter sido operado e possuir queixa e restrição laboral; e ter sido operado e possuir restrições, queixas e baixa produtividade. Os trabalhadores foram avaliados por equipe multidisciplinar e realizaram terapias com fisioterapeutas 2 vezes por semana durante 6 meses.

No total foram tratados 64 trabalhadores no período de um ano. As queixas e restrições foram relacionadas às lesões e doenças osteomusculares e divididas por seguimentos. Sendo relacionados 53,12% a coluna, 26,56% a membros superiores, 18,75% a membros inferiores e 1,5% a quadril. Foi avaliado o índice de massa corporal (IMC) e 48% do grupo apresentou sobrepeso e 33% obesidade.

Como resultados desse trabalho de reabilitação, utilizando o critério de EVA (escala visual analógica) 48,43% apresentaram estabilidade das queixas dolorosas, 31,25% dos trabalhadores referiram melhora e 15,62% negaram dor. O resultado mais impactante ocorreu em ombro direito e coluna cervical. Entre os colaboradores que não tinham cirurgia 19 deles (47,5%) apresentaram melhora significativa do quadro, não havendo mais indicação de cirurgia, o que representa uma economia estimada em R$ 608 mil.

Também foi avaliado o absenteísmo no período anterior e durante o tratamento com um ganho absoluto de 130 dias, correspondendo a 1040 horas.

O grupo que apresentou pior resposta aos tratamentos, e que corrobora com a literatura quando se fala na influência do peso no desenvolvimento de lesões osteomusculares, foi o grupo com excesso de peso.

O Centro de Inovação da Gerdau está localizado dentro da Usina de produção de aço da empresa, na cidade de Pindamonhangaba, interior de São Paulo (SP). O prédio, com cerca de 200m², taticamente localizado ao lado da unidade de saúde, possui uma sala de Pilates e fortalecimento muscular, uma sala de treinamento, uma sala de fisioterapia e reabilitação, uma sala de atendimento multidisciplinar e um grande salão, onde os diversos profissionais trabalham, trocam ideias e informações e discutem os melhores caminhos e resultados dos Projetos e Ações.

Neste mesmo espaço existe ainda os projetos ‘Alimente-se BEM’ – Enfermagem e Nutricionista; ‘FOCO na ergonomia’ – Enfermagem e Ergonomia; e ‘PEO’ – Programa de Excelência Operacional – Enfermagem, Segurança e Psicologia.

De acordo com a coordenadora de Saúde Ocupacional da Gerdau, Dra. Andressa Franzoni Borges Telles, a saúde e a segurança das pessoas está em primeiro lugar na Gerdau. “Sempre buscamos reforçar e aprimorar práticas de cuidado com as pessoas. O Centro de Inovação em SSMA – Gerdau Pindamonhangaba é um exemplo de iniciativa de cuidado com nossos colaboradores, onde realizamos diversos projetos de Saúde e Bem-estar dentro da nossa agenda ESG (sigla em inglês para ambiental, social e governança), que prevê o compromisso da Gerdau com o tema social”, diz.

Sobre a Gerdau

A trajetória da Gerdau começou a partir da compra da Cia Fábrica de Pregos Pontas em 1901 e após 120 anos a companhia está presente em 10 países, e conta com mais de 30 mil colaboradores diretos e indiretos em todas as suas operações. Recentemente, pela primeira vez, a Gerdau nomeou uma mulher como CEO de uma unidade industrial – a engenheira Michele Robert.