“Competência não é só resultado”, afirma palestrante no Congresso de Empreendedorismo do Ciesp

Amanda Viana, Agência Indusnet Fiesp

A competência não é sinônimo de resultado, mas é diretamente proporcional a ele, explicou o professor Eugênio Mussak durante sua palestra no 12º Congresso Estadual de Empreendedorismo NJE-Ciesp, na tarde desta sexta-feira (25).

A fórmula da competência operacional de uma empresa, por exemplo, é avaliada por um coeficiente, uma divisão. Essa equação da competência é o resultado sobre os recursos, ou seja, ela será mais competente quanto maior for o resultado entregue, e todo trabalho tem alguma expectativa de resultado.

“O serviço público no Brasil demora demais para entregar resultados e cobra muito caro por isso. É preciso construir um país dentro dessa equação, não adianta cobrar só do governo central, nós precisamos fazer a nossa parte também”, comentou Mussak.

Sobre o resultado, Mussak disse que existem quatro variáveis que precisam ser analisadas: a quantidade, a qualidade, a sustentabilidade e a progressividade. “Por incrível que pareça, olhar o resultado é mais fácil do que olhar a parte de baixo da equação. Precisamos alavancar os recursos da parte de baixo.”

Em relação à competência, o palestrante explicou que ela pode ser dividida também em quatro grupos: o saber fazer, saber organizar, saber conviver e saber aprimorar. “Hoje a competência está muito ligada à boa utilização do tempo. Os bons gestores são, acima de tudo, bons gestores do tempo”, analisou Eugênio Mussak.

O professor Eugênio Mussak em palestra no 12º Congresso Estadual de Empreendedorismo NJE-Ciesp. Foto: Everton Amaro/Fiesp

 

Pedagogia da superação

José Luiz Tejon tem uma história pessoal de superação. Filho de pais adotivos, teve seu rosto queimado ainda criança por um acidente doméstico, passou por muitas dificuldades, mas hoje alcançou sucesso no que faz.

Em sua palestra “Pedagogia da Superação: o poder da educação na construção do sucesso humano, com ou sem crises”, Tejon afirmou que para cada um de nós o maior legado na superação é aprender a aprender. “Isso significa eternamente a busca por sua criança interior”.

Para ele, a superação é ensinar sobre o poder do olhar. “Um novo líder tem que ser o novo educador. O desafio é a busca da pedagogia da superação: como aprendemos e como ensinamos a superar?”, questionou.

Tejon explicou que estudou casos de superação e casos de pessoas que não superaram. Desses estudos, o professor levantou alguns pontos de como ter sucesso na superação: o limiar de dor, a relação entre pessoas que se fazem de vítimas e aquelas que assumem uma postura de protagonistas, talentos e habilidades, atrair ajuda, ser amável, ter engajamento e profundidade, capacidade de amar, poder de estabilização, emocional, foco priorizado em valores. Todos os fatores que, de acordo com ele, mantêm viva a criança que há dentro das pessoas.

“Para mim, tudo deu certo por causa do processo da educação. Meu desafio hoje é ensinar a superação para as pessoas”, finalizou Tejon.

José Luiz Tejon falou sobre pedagogia da superação no Congresso de Empreendedorismo do Ciesp. Foto: Everton Amaro/Fiesp