2ª edição do Parcerize, do Inmetro, busca apoiar inovação no setor automotivo

Agência Indusnet Fiesp

O Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) promove nesta sexta-feira (28/09), em Duque da Caxias (RJ), a 2ª edição do Parcerize – evento que apresenta as tecnologias e serviços do Instituto a empresários e representantes do setor automotivo.

Nesta edição, empreendedores e empresas poderão interagir com especialistas em design automotivo, biocombustíveis, metrologia química e de materiais. Além disso, receberão apoio em possíveis projetos de inovação tecnológica, com destaque para incubação de projetos e parque tecnológico.

Durante o Parcerize, pesquisadores do Inmetro atenderão individualmente os empresários, a fim de buscar soluções para as demandas tecnológicas das empresas. Também estarão presentes representantes das agências de fomento, que darão orientações sobre financiamento de projetos.

Para obter mais informações, acesse o site http://www2.inmetro.gov.br/palestras/parcerize/.

Serviço:
2ª Edição do Parcerize – Inmetro
Data: 28 de setembro de 2012, sexta-feira
Horário: Das 8h30 às 13h
Local: Auditório do Centro Operacional do Inmetro
Endereço: Av. Nossa Senhora das Graças, 50 – Xerém – Duque de Caxias (RJ)
Contato: telefone (21) 2679-9341 ou e-mail nit@inmetro.gov.br

IV Telecom: agências reguladoras não acompanham expansão da tecnologia, diz diretor da Fiesp

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

Carlos Cavalcanti, diretor-titular do Deinfra da Fiesp. Foto: Everton Amaro

Carlos Cavalcanti, diretor-titular do Deinfra da Fiesp

De um lado, uma vertiginosa evolução do setor de telecomunicações do Brasil, com destaque para os mais de 250 milhões de chips de telefonia móvel licenciados no país. Do outro, salta aos olhos a ineficiência dos instrumentos de regulação no Brasil, que atua com dinâmica desproporcional à velocidade das tecnologias de informação e comunicação.

A avaliação é do diretor-titular do Departamento de Infraestrutura (Deinfra) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Carlos Cavalcanti.

“Isso forma um ambiente regulatório permanentemente desatualizado, às vezes omisso em relação a questões cruciais, impondo obstáculos com relação ao desenvolvimento do setor [de telecomunicações] e do país”, alertou Cavalcanti, em seu discurso de abertura do IV Seminário de Telecomunicações da Fiesp – Qual o futuro das nossas telecomunicações?”, evento que acontece nesta terça-feira (25/09) na sede da entidade.

Seminário Telecomunicações. Cezar Alvarez, secretário-executivo do Ministério das Comunicações. Foto: Everton Amaro

Cezar Alvarez, secretário-executivo do Ministério das Comunicações

Ao comentar a reivindicação da Fiesp, o secretário-executivo do Ministério das Comunicações, Cezar Alvarez, também no evento, afirmou que os regulamentos podem, sim, ficar defasados. Ele pondera, no entanto, que faltou cuidado ao setor de telecomunicações na hora de mensurar o consumo.

“O regulamento surge e depois é que a vida mostra que precisa mudar ou adaptar. Mas percebendo o jeito que estava a curva do consumo, [o setor] tinha que fazer mais rede, discutir com o governo, discutir juntos no BNDES. Lamentavelmente, o setor foi imprevidente”, afirmou o secretário a jornalistas após abertura do seminário.

3G e 4G

O tema do seminário ganha destaque uma vez que as atenções do setor estão voltadas para a votação do Marco Civil da Internet no Congresso, adiada para outubro.

De acordo com Cavalcanti, a animosidade do sistema regulatório e a excessiva burocracia explicam por que ainda não foi concluída a implementação de tecnologia de terceira geração (3G). Segundo ele, os instrumentos de regulação não atuaram devidamente para que “os investimentos das concessionárias fossem feitos em tempo adequado”.

“O Brasil foi obrigado a acompanhar os avanços tecnológicos da telefonia móvel 4G sem que o sistema 3G tivesse sido plenamente implantado”, comentou Cavalcanti, acrescentando que a qualidade do serviço ainda tem um caminho longo a percorrer.

“Sem falar na grande deficiência no atendimento ao consumidor. Não é à toa que em várias enquetes realizadas neste ano constataram a insatisfação de mais de 60% dos usuários, os quais consideram ruim ou péssima a qualidade de banda larga móvel.”

Qualidade do serviço

Na visão do titular do Deinfra, para que a prestação de serviços, sobretudo em telefonia móvel, seja eficiente e satisfaça o consumidor, o governo deve atuar como planejador, regulador e fiscalizador dos serviços públicos, enquanto os municípios têm papel importante na desburocratização. Já o setor privado deve participar intensamente dos investimentos e da prestação de serviços na medida em que o governo realiza concessões ou autorizações.

“O governo federal, que representa o poder concedente, precisa buscar o interesse social público em vez de assumir o papel de agentes do mercado em atividades que poderiam e deveriam ser realizadas por iniciativa privada”, ressaltou o diretor.

Cavalcanti classificou como “desproporcional e polêmica” a medida adotada em julho deste ano pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que suspendeu a vendas de serviços de operadoras de telefonia móvel por má qualidade.

USP sedia debate sobre as novas tecnologias e seus reflexos nos negócios e no direito

Agência Indúsnet Fiesp, com informações da USP

Nos próximos dias 24 e 25 de setembro, a Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da Universidade de São Paulo (USP) sediará o “Technology, Business & Law”, evento que integra os principais setores envolvidos nas discussões sobre as novas tecnologias e seus reflexos nos negócios e no direito. O objetivo é promover a interdisciplinaridade e discutir o assunto pelas diferentes visões. As inscrições são gratuitas. A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Promovido pela USP, em conjunto com a Escola de Direito do Brasil (EDB), a Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (Camara-e.net) e o Conselho Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Direito (Condepi), o evento abordará, entre outros, os temas:

  • Direitos fundamentais e as políticas de privacidade;
  • Marco civil da internet;
  • Negócios, compras e meios de pagamento na rede;
  • Sustentabilidade digital
  • Desafios do setor de infraestrutura para as demandas do setor de tecnologia.

Participam dos debates Gilmar Ferreira Mendes (STF), Gil da Costa Marques (Superintendente de TI da USP), Ingo Wolfgang Sarlet (PUCRGS), Marcel Leonardi (Google), Laura Fragomeni (Mercado Livre), Ludovino Lopes (Presidente da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico – Camara-e.net), João Paulo Foini (Imprensa Oficial), Rubens Beçak (FDRP-FD | USP), David Zylbersztajn (USP), Eduardo Meirelles Massaud (Alcatel-Lucent) e outros especialistas.

Além dos debates, estão abertas as inscrições para a apresentação de artigos científicos para os Grupos de Trabalho (GTs) organizados pelo Condepi. Os trabalhos escolhidos serão publicados em revistas científicas e livros organizados a partir dos resultados do evento. Serão dois GTs, sobre “sustentabilidade digital” e “marcos regulatórios, negócios, compras e meios de pagamento na internet”.

Serviço
Local: Universidade de São Paulo (USP) | Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) – Cidade Universitária
Data: 24 e 25 de setembro – Inscrições gratuitas | vagas limitadas
Os debates ocorrem nas duas manhãs, a partir das 9h, e os GTs no período da tarde, a partir das 14h45.

Inscrições e informações:
www.edbcursos.com.br/tbl
relacionamento@edbcursos.com.br
Tel. (11) 3272-2321

O número de vagas é limitado e as inscrições são gratuitas. O evento terá transmissão ao vivo pelo site da USP (http://www5.usp.br).

Apoio: Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Centro de Estudos das Sociedades de Advogados (Cesa), Interamerican Bar Associacion (FIA), Google, Mercado Livre, Polycom, União Nacional dos Advogados Públicos Federais (Unafe), Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado (Fonocate), Escola de Magistrados da Justiça Federal da 3a Região (Emag), Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/SP), Instituto Brasiliense de Direito Público  (IDP), APG/PUC-SP, ParaSaber, Solve System, Vida Jurídica Acadêmica e Fundação Escola do Comércio Álvares Penteado (Fecap).