Dia dos Mestres: veja a mensagem do diretor regional do Senai-SP

Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540274165

Walter Vicioni: educadores do Sesi-SP e do Senai-SP dão significado e direção à vida de nossos alunos. Foto: Everton Amaro/Fiesp

O superintendente do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) e diretor regional do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) distribuiu na manhã desta quarta-feira (15/10) uma mensagem pelo Dia dos Mestres.

No texto, sob o título “Que palavra você escreveria com giz colorido?”, Vicioni diz que escolheu render sua homenagem aos educadores das duas instituições por meio da história de Wei Minzhi, contada no filme chinês “Nenhum a Menos” (do diretor chinês Zhang Yimou), vencedor do Leão de Ouro no Festival Internacional de Cinema de Veneza de 1999.

“O filme nos mostra as condições da educação em Shuiquan, aldeia na zona rural chinesa, minúscula e distante de tudo. É impossível um educador assistir às cenas e não se sensibilizar com os desafios ali apresentados: evasão escolar, falta de recursos, instalações precárias, professores despreparados e mal remunerados, comportamento inadequado dos alunos, conteúdos sem significado, entre tantos outros”, relata Vicioni na mensagem.

“A desprovida escola mostrada no filme abriga alunos de uma turma multisseriada, da pré-escola à 3ª série, cujo professor, Gao Enman, precisa se ausentar por um mês. O prefeito do vilarejo, contudo, não encontra um professor substituto que aceite trabalhar naquelas condições. Até que Wei Minzhi se apresenta, voluntária, tímida, de apenas 13 anos, que, tendo cursado apenas o primário, não possui os recursos necessários para lecionar˜, prossegue o diretor regional do Senai-SP e superintendente do Sesi-SP na mensagem.

“Perguntada pelo professor sobre o que sabe fazer, ela responde que sabe cantar. Mas nem isso consegue fazer, pois não se recorda das palavras da canção. Na despedida, o professor deixa-lhe a tarefa de escrever – com a recomendação de usar apenas um giz por dia letivo – as lições no quadro para que os alunos as copiem. Deixa-lhe ainda a difícil missão de não permitir que nenhum aluno, dos 28 ali presentes, abandone a escola. Nenhum a menos, ele lhe pede, encarecidamente, ao se despedir”, conta Vicioni.

“No desenrolar da ação, entretanto, a professorinha vai revelando qualidades de um verdadeiro educador. Demonstra coragem, persistência e fibra ao tentar impedir que uma de suas alunas, boa na corrida, seja levada pelos superiores para treinar na cidade. Luta à exaustão para cumprir a promessa feita, Nenhum a Menos, quando descobre que o arruaceiro e desatento da sala, o aluno Zhang Huike, órfão de pai e miserável, fora mandado à cidade, pela mãe endividada, para trabalhar”, continua ele no texto.

“Desafiados a resolver um problema real – obter dinheiro para que a professora vá à cidade em busca de Zhang Huike – os alunos mudam de comportamento, ajudando nos cálculos sobre quantos tijolos precisam carregar e empilhar na olaria localizada nas imediações, em troca do dinheiro necessário. A aprendizagem precisa ter um significado e isto é mostrado no filme, de maneira singela, porém categórica”, explica Vicioni.

“Wei Minzhi descobre a vida urbana, ainda mais cruel e adversa aos desfavorecidos pela sorte. Explorada, exausta, com fome e com sono, presa a uma situação nefasta, ela procura o aluno sem cessar, sem desistir, até que, com a ajuda do diretor de um canal de televisão, ela encontra sua ovelha desgarrada. Como recompensa por tantas aflições por que passou sua jovem professora, a escola recebe considerável ajuda financeira para a reforma do prédio e enorme quantidade de caixas de giz. Brancos e coloridos, para a imensa alegria das crianças, que jamais haviam visto tesouro mais valioso”, resume o professor.

“Na cena final, a professora convida os alunos a escreverem – com giz colorido – uma palavra no quadro. Que palavra você escreveria com giz colorido? A primeira aluna escreve Céu. Vêm depois, felicidade, água, nome, diligência e lar. Uma pequena aluna diz que ainda não sabe escrever, mas rindo, diz que pode desenhar uma flor. Zhang Huike, o aluno reintegrado, que no começo se recusara a chamá-la professora, escreve: Professora Wei”, finaliza o relato.

Depois de falar sobre o filme, Vicioni afirma que  escreveria a palavra “Professor”com giz colorido.

“Escreveria, ainda, meus respeitos e meus cordiais agradecimentos a vocês educadores que, de maneira brilhante, operam diariamente a missão do Sesi-SP e do Senai-SP, dando significado e direção à vida de nossos alunos. Mostrando-lhes o caminho da luz, do conhecimento e da virtude; do desejo de concretizar seus sonhos, possíveis e impossíveis”, conclui.

França homenageia superintendente do Sesi-SP e diretor regional do Senai-SP

Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540274165

Damien Loras, cônsul geral do Consulado Geral da França, entrega condecoração a Walter Vicioni. Foto: Divulgação

O professor Walter Vicioni Gonçalves, superintendente do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) e diretor regional do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP), foi nomeado como Chevalier dans L’Ordre des Palmes Académiques (Cavaleiro da Ordem das Palmas Acadêmicas). O evento aconteceu no dia 5 de dezembro, no Consulado Geral da França, em São Paulo.

A condecoração é concedida aos parceiros do mundo acadêmico e reconhece méritos das pessoas do mundo da educação, da pesquisa e da tecnologia que se distinguiram e prestaram serviços importantes na cooperação científica, técnica e tecnológica com a França.

“Fiquei muito honrado ao receber a homenagem e compartilhá-la junto aos meus familiares, amigos e companheiros de trabalho”, afirmou Vicioni, ao receber o título das mãos do cônsul geral da França em São Paulo, Damien Loras, em nome do presidente francês, François Hollande.

Durante discurso, o cônsul da França reconheceu os esforços de Walter Vicioni na área educacional. “A França não lhe faz uma honraria. Ela paga uma dívida e lhe testemunha seu maior reconhecimento pelos inestimáveis serviços prestados à nossa cooperação”.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540274165

Condecoração é concedida aos parceiros do mundo acadêmico e reconhece méritos das pessoas do mundo da educação, da pesquisa e da tecnologia. Foto: Divulgação