Fora das quadras, Sidão fica um ‘pouco nervoso’ ao torcer por Dani Lins

Talita Camargo e Juan Saavedra, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539618201

Sidão (de óculos, à esquerda) na torcida. O levantador Everaldo é o terceiro (no centro). Foto: Talita Camargo/Fiesp

O time feminino vôlei do Sesi-SP recebeu uma torcida especial na partida desta terça-feira (05/2), contra o Sollys/Nestlé (Osasco, SP): jogadores do time masculino como Murilo, Everaldo e Cleber acompanharam o clássico.

Entre eles, o destaque foi para Sidão, que torceu em dobro na partida: pelo time e pela namorada, a levantadora Dani Lins. “Eu fico um pouco nervoso, torço demais por ela”, comentou o central, para quem o papel de torcedor é bem mais difícil do que o de estar em quadra, jogando.

Sidão revela que a recíproca é verdadeira. “Às vezes, quando estou jogando, olho para o lado e ela está sempre lá, nervosa.”

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539618201

Dani Lins no jogo com o Sollys/Nestlé. Foto: Everton Amaro

E ele tem razão. Dani Lins aprova a participação do namorado na vida profissional. “Eu gosto que ele venha assistir aos jogos. Peço para ele ver como estou jogando”, afirmou a levantadora. “Ele sempre dá umas dicas e me ajuda muito”, completou.

Dani Lins ressaltou ainda que a torcida de todo o time masculino é importante para elas. “Sempre que nos reunimos, as críticas são construtivas”.

Para Sidão, a parceria na vida amorosa engloba tudo, inclusive o profissional. “Acho que quando a gente está junto e gosta de uma pessoa, a gente quer sempre o melhor. E a torcida faz parte”, concluiu.



Leia mais

Torcedor do Sesi-SP que sofre de paralisia realiza sonho de conhecer campeãs olímpicas de vôlei

Talita Camargo, Agência Indusnet Fiesp

Paulo Henrique Machado é um dos pacientes mais antigos do Instituto de Ortopedia e Traumatologia (IOT) do Hospital das Clínicas (HC), em São Paulo, um prédio feito originalmente para a paralisia infantil. Ele representa uma das últimas vítimas do surto de paralisia infantil que ocorreu no Brasil, no início da década de 1970.

Sua mãe faleceu no parto e sua avó cuidou dele até adoecer e também falecer. O hospital passou a ser a residência fixa de Paulo desde os dois anos de idade, quando ele foi diagnosticado com o vírus da poliomielite. A doença tirou dele muitas coisas, como o movimento das pernas e a capacidade de respirar sozinho, que o tornou dependente de um equipamento de respiração de ar comprimido. Mas a poliomielite não conseguiu tirar de Paulo a capacidade de sonhar.

Aos 45 anos de idade, o grande sonho de Paulo era simples: conhecer três atletas campeãs olímpicas em Londres-2012 do time de vôlei feminino: Dani Lins (Sesi-SP), Jaqueline e Thaísa (Sollys/Nestlé). “Depois das Olimpíadas de Londres-2012, em que o time feminino ganhou medalha de ouro, eu publiquei no meu Facebook que gostaria de ter a oportunidade de conhecer as jogadoras da seleção, mas acabou não dando certo. E eu entendo, porque sei que é muito complicado e muito difícil”, explicou.

Dani Lins e Paulo Henrique Cardoso. Foto: Lucas Dantas/Fiesp

Paulo ao lado de Dani Lins: "É tanta alegria, que não tenho nem como transmitir essa sensação. É maravilhoso poder sentir essa felicidade que estou sentindo”. Foto: Lucas Dantas/Fiesp

Mas na noite desta terça-feira (05/02), o cenário do já conhecido ginásio do Sesi Vila Leopoldina transformou-se em um pedaço do HC para receber Paulo. Depois do clássico Sesi-SP x Sollys/Nestlé, vencido pela equipe de Osasco por 3 sets a 1, ele recebeu a tão esperada visita de Dani Lins, Jaqueline e Thaísa. Ao encontrar as jogadoras, Paulo confessou: “elas são mais bonitas pessoalmente do que na televisão”. E quando questionado por elas para quem torceu, Paulo foi elegante e brincalhão: “Não torci para nenhum dos dois. Eu torço para o Brasil”.

“Esperávamos a visita dele há um mês e é maravilhoso tê-lo aqui”, afirmou a levantadora do Sesi-SP, Dani Lins, que acredita que a história de Paulo é uma lição: “serve para pararmos de reclamar um pouco de vida. É de arrepiar”. Na opinião dela, a vida dele é um aprendizado. “Saber que uma pessoa que está há 40 anos num hospital, é fã do vôlei e conhece a gente… é uma lição de vida”, afirmou a levantadora.

Jaqueline, ponteira da seleção brasileira, também ficou emocionada. “Olhei para ele e ele começou a rir. As lágrimas começaram a escorrer [no meu rosto]. A gente sabe o trabalho que dá, pegar a ambulância e ele vir até aqui [na Vila Leopoldina]. E ele fez tudo isso por amor”, disse a atleta.

Emocionado e feliz, Paulo agradeceu à equipe do Sesi-SP pela oportunidade. “É tanta alegria, que não tenho nem como transmitir essa sensação. É maravilhoso poder sentir essa felicidade que estou sentindo”, declarou.

Logística

Paulo Henrique Machado com com as atletas de vôlei Jaque, Thaisa e Dani Lins. Foto: Lucas Dantas/Fiesp

Paulo com Jaque, Thaisa e Dani Lins. Foto: Lucas Dantas/Fiesp


Embora sair do Hospital das Clínicas não seja algo inédito para Paulo, a logística envolve um planejamento antecipado. “É dificultoso de ele sair do hospital”, explicou a assistente social Ligia Marcia Finetto, que acompanha Paulo há muitos anos.

Segundo ela, graças ao avanço tecnológico e ao desenvolvimento de um novo aparelho de ar comprimido, que funciona apenas conectando-o a uma tomada, tudo o que ele precisa para sair do hospital é do transporte de uma ambulância, a maca onde fica deitado, o aparelho de ar comprimido, o aspirador e um enfermeiro para acompanhá-lo.

A assistente social explicou também que quando algum paciente portador de paralisia deseja sair do hospital, ela tem que entrar em contato com os responsáveis pelo estabelecimento onde ele quer ir, para organizar o passeio.

Superação

Embora as limitações sejam inúmeras, Paulo completou o Ensino Fundamental e o Ensino Médio por meio de aulas realizadas no próprio hospital. “O HC foi o primeiro hospital a ter uma classe de escola, pois percebemos que as crianças estavam crescendo e não podíamos deixá-las sem escola”, explica Ligia.

Porém, ele ainda deseja cursar uma faculdade a distância. “A maior dificuldade é que ainda são exigidas algumas aulas presenciais e, no caso dele, é muito complicado”, afirmou Ligia.

Leia mais


Superliga feminina: Sesi-SP perde clássico contra Sollys/Nestlé por 3 sets a 1 na Vila Leopoldina

Talita Camargo e Juan Saavedra, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539618201

Suque e bloqueio do Sollys/Nestlé foi decisivo. Na foto, Thaisa e Fabiola sobem contra Tandara. Foto: Everton Amaro

No confronto que já é um clássico paulista, melhor para as visitantes. Em 1h59 de jogo, o Sesi-SP foi derrotado na noite desta terça-feira (05/02), no ginásio da Vila Leopoldina, em São Paulo (SP), pela equipe do Sollys/Nestlé/Osasco – atual campeã mundial – por 3 sets a 1 (25/17, 19/25, 25/18 e 25/15). O compromisso  valeu pela sétima rodada do returno da Superliga feminina de vôlei 12/13.

A partida contou com a presença de oito das 12 campeãs olímpicas em Londres-2012: Dani Lins, Fabiana Claudino e Tandara (Sesi-SP) e Adenízia, Fê Garay, Jaqueline, Sheilla e Thaísa (Sollys/Nestlé Osasco).

Alternando saques forçados e táticos, o time de Osasco teve no bloqueio um de seus destaques, com 16 pontos. A vencedora do Troféu VivaVôlei foi a central Thaisa, do Sollys/Nestlé, maior pontuadora do jogo, com 20 acertos. Pelo Sesi-SP, Tandara fez 17 pontos, seguida por Sassá e Fabiana Claudino, ambas com nove.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539618201

Dani Lins: "Não fizemos um bom jogo aqui; dá para melhorar." Foto: Everton Amaro

Após a partida, a levantadora do Sesi-SP, Dani Lins, comentou o resultado e falou das dificuldades de enfrentar as adversárias. “Elas têm um saque muito forte, o que dificulta muito. Não fizemos um bom jogo aqui; dá para melhorar. Agora temos que buscar uma boa classificação para chegar bem aos playoffs”, afirmou.

A central Bia acredita que enfrentar o Sollys/Nestlé é quase o mesmo que jogar contra a seleção brasileira. “No primeiro set demos uma ‘desandada’, mas no segundo jogamos como tínhamos planejado antes do jogo”, explicou, afirmando que o time adversário sacou muito bem e teve um bloqueio quase perfeito. “Elas têm o melhor saque e bloqueio da Superliga”, enfatizou.“Vamos para a próxima!”, falou, otimista. “Temos duas semanas para treinar antes do jogo contra o Unilever. Precisamos dessa vitória para dar uma crescida no time e vamos em busca disso”, concluiu.

De acordo com o técnico Talmo de Oliveira, o Osasco tem muito poder de contra-ataque e um saque que dificulta a linha de passe. “No segundo set, a gente equilibrou e conseguiu neutralizar”, comentou. “Acho que temos que continuar trabalhando, já pensando no playoff”, completou.

Com a derrota, o time do Sesi-SP fica na quinta posição da classificação geral, com 31 pontos (10 resultados positivos e seis negativos). O próximo desafio do Sesi-SP será contra o time da Unilever/Rio de Janeiro, no sábado (16/02), às 19h15, na Vila Leopoldina.

O jogo

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539618201

Sassá, durante jogo Sesi-SP x Sollys/Nestlé. Foto: Everton Amaro

A partida começou equilibrada e o Sesi-SP abriu vantagem de três pontos, mas o Sollys/Nestlé virou para 06/03, forçando o técnico Talmo de Oliveira a pedir tempo. Combinando saque e bloqueio bem posicionado, o time de Osasco abriu boa diferença e caminhava tranquilo para fechar o set, mas em boa passagem de Sassá pelo saque, o time do Sesi-SP diminuiu a diferença para 22/16, o que levou o técnico Luizomar de Moura, do Sollys/Nestlé, a interromper a partida para conversar com suas atletas. Daí em diante, prevaleceu o saque do Osasco, dificultando o passe do Sesi-SP. A equipe laranja fechou o primeiro set por 25/17, com um bloqueio de Fernanda Garay.

O Sesi-SP voltou determinado para o segundo set e largou na frente, abrindo vantagem de 05/01. O sexto ponto levantou a torcida: defesa sensacional de Tandara e ponto de contra-ataque em largadinha de Sassá. Um erro na recepção do Sollys/Nestlé fez o Sesi-SP chegar ao 15º ponto. Fabiana, em outra largadinha, garantiu o 21º ponto do time da indústria e uma vantagem confortável. O empate em sets veio com a ponteira Tandara, que fez o passe e atacou explorando o bloqueio: 25/19.

No terceiro set, o time de Osasco voltou a sacar forte e abriu boa diferença no placar. Depois de uma sequência de erros, o técnico Talmo de Oliveira pediu tempo e chegou a tirar Dani Lins. Mas não teve jeito: o Sollys/Nestlé fechou o set com 24/18.

No quarto e último set, o Sollys/Nestlé mostrou as características que levaram a equipe a conquistar o campeonato mundial em outubro, combinando intensidade no saque e um bloqueio bem afinado com a defesa. Aos 11 minutos de jogo, o técnico Talmo de Oliveira tirou Elisângela e colocou Jéssica. Mas o Sollys/Nestlé, bem postado na rede, finalizou a partida: 25/18.

Leia mais


Sesi-SP aproveita parada na Superliga para disputar torneio na Suíça com forças europeias

 Lucas Dantas, Agência Indusnet Fiesp 

Aproveitando a parada de 21 de dezembro a 11 de janeiro na Superliga, o time feminino do Sesi-SP rumará para a Europa onde disputará o Top Volley International, torneio amistoso realizado em Basel, na Suíça, que está em sua 24ª edição.

A competição ocorrerá dentre os dias 27 a 29 de dezembro e contará com cinco equipes além do time da indústria: Volero Zurich (Suíça), Racing Club de Cannes (França), Dínamo Bucarest (Romênia), Galatasaray (Turquia) e Muszyna (Polônia). Para o técnico Talmo, o torneio virá em boa hora para manter o time ativo e testar as jogadoras em escolas diferentes do vôlei mundial.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539618201

Estrelas do voleibol brasileiro, a levantadora Dani Lins (3) e a ponteira Fabiana. Foto: CBV


“Vamos disputar com forças e escolas diferentes, o que é um aprendizado constante. Manteremos o ritmo de jogo e enfrentaremos equipes interessantes, o que agregará experiências ao nosso time”, declarou o treinador, que já avisou que irá com o time completo para vencer. “Queremos vencer sim, e vamos com força máxima para isso. Os testes são importantes, mas ver o nome do Sesi-SP no topo é mais ainda”.

Apesar da viagem rápida e de longa distância, Talmo acredita que o torneio ajudar no amadurecimento de algumas jogadoras. “Os times ficarão aqui treinando e nós estaremos em uma disputa forte. As mais jovens também ganham mais experiência e visualizam o vôlei como é jogado lá fora. Frio não nos preocupa, pois é tudo aquecido. E ao invés de treinarmos apenas, teremos ótimas partidas para jogar”, apontou. Quem também gostou da viagem foi a levantadora Dani Lins. Para a jogadora, encarar essas equipes é ampliar experiências. E ainda uma possibilidade de conhecer outros referenciais.

“Parece um bate e volta, mas não é. Vamos jogar um campeonato interessante e ainda ganhamos uma viagem para um lugar lindo. E como vamos com o time completo, fica melhor ainda. O aprendizado contra essas escolas, mesmo que em poucas partidas, é muito válido”, afirmou a camisa 03 do Sesi-SP.

A Superliga feminina terá uma pausa do dia 22/12 a 11/01 para as festas de fim de ano (a masculina não terá a quebra). Antes da viagem, o time do Sesi-SP enfrentará nesta sexta-feira (21/12), fora de casa, Unilever, no Rio de Janeiro. Na volta, no dia 11 de janeiro (sexta-feira), o adversário será o São Caetano, também fora de casa.

O Top Volley International é um torneio disputado desde 1989 com times de diversos países. Outras equipes brasileiras já participaram do Top Volley International, como o Unilever e o Osasco. A Bandsports transmitirá os jogos do Sesi-SP. Confira a tabela abaixo.

Serviço:
24º Top Volley International – Suíça – Dezembro de 2012
Local: ST. Jacob Hall
* Os times são divididos em dois grupos de três. Os dois melhores se classificam para as semifinais.

27 de dezembro (quinta-feira)
15h30 (horário do primeiro jogo. As demais partidas ocorrerão na sequência).
Dinamo Bucareste x Volero Zurich
Racing Club de Cannes x Galatasaray
Sesi-SP x Dínamo Bucareste
BPS Muszyna x Racing Club de Cannes

28 de dezembro (sexta-feira)
15h30
Volero Zurich x Sesi-SP
Galatasaray x BPS Muszyna
Primeira semifinal
Segunda semifinal

29 de dezembro (sábado)
17h00
Decisão de 5º e 6º
Decisão de 3º e 4º
Final

Acompanhe outras notícias no site do Sesi Esporte

Vôlei masculino reencontra seu jogo e emplaca segunda vitória seguida na Superliga

Lucas Dantas, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539618201

Líbero Serginho comemora a segunda vitória consecutiva do Sesi-SP na Superliga. Foto: Alexandre Arruda/CBV

No sábado (15/12), o time masculino do Sesi-SP mostrou a todos que qualquer crise que poderia existir acabou e agora é começar a acumular as vitórias. Com o triunfo de 3 sets a 1 sobre o Vivo Minas (25/17, 23/25, 25/20, 25/13), no sábado, em Belo Horizonte, a equipe obteve 100% de aproveitamento na sua passagem por Minas (antes, na quinta (13/12), bateu o Sada Cruzeiro por 3×0) e consolidou a boa fase na Superliga 2012/2013.

“Conseguimos reencontrar nosso jogo, mas tem muita coisa a melhorar ainda. Não tem jogo fácil, é uma pedreira atrás da outra e se não mantivermos o ritmo, poderemos cair novamente”, declarou o técnico Giovane Gávio após o jogo de sábado. Na partida, o central Sidão foi escolhido como o melhor em quadra e ganhou o prêmio Viva Vôlei.

“Muito bom receber esse prêmio e ganharmos de novo. Estávamos precisando emplacar uma sequência para ganhar confiança e mostrar que os problemas ficaram para trás”, afirmou o meio de rede que marcou cinco pontos de bloqueio do total de 17 em todo o jogo.

O time masculino do Sesi-SP volta à quadra nesta quinta-feira (20/12), contra o Canoas, em casa, a partir das 18h.

Acompanhe outras notícias no site do Sesi Esporte

Em jogo com oito campeãs olímpicas, Sesi-SP sofre virada: 3 a 2 para Sollys/Nestlé

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539618201

Fabiana e Sassá. Foto: Arquivo CBV/Alexandre Arruda

Agência Indusnet Fiesp, com infomações do site da CBV

O público que acompanhou o ginásio José Liberatti, em Osasco (SP), viu em ação uma partida digna das oito campeãs olímpicas em quadra. No confronto entre Sollys/Nestlé (de Thaisa, Jaqueline, Fernanda Garay e Sheilla), e Sesi-SP ( Fabiana, Dani Lins e Tandara), vitória das donas da casa por 3 sets a 2 (20/25, 27/29, 25/20, 25/18 e 15/11), em 2h34 de jogo.

Apesar do revés, o técnico do Sesi-SP, Talmo de Oliveira, a evolução de sua equipe e o desempenho do adversário.

“O time do Sollys/Nestlé tem uma consistência muito grande. A Sheilla entrou e começou a desafogar o jogo. Durante a partida, perdemos um pouco da paciência e não conseguimos mais virar. Precisamos corrigir uns detalhes que fazem a diferença no final do set, mas a nossa equipe está evoluindo e estou satisfeito por isso”, declarou Talmo.

A oposto Sheilla, Sollys/Nestlé, foi premiada com o Troféu VivaVôlei, de melhor do jogo. Fernanda Garay, ponteira da equipe de Osasco, bateu o recorde de pontos em uma partida desta 19ª edição da Superliga, com 35 acertos.

O Sollys/Nestlé do técnico Luizomar de Moura jogou com Fabíola, Ivna, Thaisa, Dani Suco, Jaqueline e Fernanda Garay. Líbero: Camila Brait. Entraram: Sheilla, Karine, Gabi e Larissa

O Sesi-SP de Talmo de Oliveira atuou com Dani Lins, Elisângela, Fabiana, Bia, Tandara e Sassá. Líbero: Juliana. Entraram: Jéssica, Marcela, Ingrid e Roberta.

Na oitava rodada da Superliga, o Sesi-SP enfrenta a Unilever na sexta-feira (21/12), às 21h, no ginásio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro (RJ) para com transmissão do SporTV.

O jogo

No primeiro set, o Sesi-SP comandou o placar desde o primeiro tempo e abriu cinco de vantagem: 08/03. A diferença logo aumentou para sete pontos a favor do Sesi-SP (11/4), mas foi reduzida (11/13). Em bloqueio de Thaisa, o Sollys/Nestlé foi para o segundo tempo técnico com um empate em 16 pontos. Bem no bloqueio, a central Bia ajudou o Sesi-SP a abrir (22/17) e fechar em 25/20.

No segundo set, o Sesi-SP manteve o ritmo e fez 05/01. O Sollys/Nestlé empatou com Fernanda Garay (06/06) e, no bloqueio de Thaísa, virou: 07/06. O jogo seguiu equilibrado (14/14), mas o Sesi-SP abriu para 18/15. As mandantes viraram (22/21), mas o Sesi-SP conseguiu impor-se no final: 29/27.

O terceiro set começou igualmente disputado. O Sollys/Nestlé conseguiu abrir vantagem de três pontos (08/05), mas o Sesi-SP empatou em 10 pontos. Movida por uma atuação inspirada de Fernanda Garay, a equipe de Osasco passou à frente (21/17) e, apesar do Sesi-SP ensaiar uma reação (22/20), o Sollys/Nestlé seguiu melhor e venceu por 25/20.

No quarto set, o Sollys/Nestlé, animado, fez 08/04, mas a Tandara reduziu a diferença para um ponto (11/10). No bloqueio de Thaisa, o time da casa fez 16/13 e, com a oposto Sheilla já em quadra, venceu por 25/18, levando o jogo para o tie-break.

O quinto e set decisivo começou disputado (02/02), mas as donas da casa logo fizeram 06/03. O técnico do Sesi-SP, Talmo de Oliveira, pediu tempo, mas sua equipe não conseguiu evitar o melhor momento do Sollys/Nestlé: 15/11.

Sesi-SP conhece adversários da Superliga Feminina 2012-13

Flávia Dias, Agência Indusnet Fiesp 

Em busca do título inédito da Superliga Feminina de Vôlei 2012-13, o time do Sesi-SP já sabe quais serão os seus adversários na disputa do campeonato nacional. A tabela com datas e horários dos jogos foi divulgada pela Confederação Brasileira de Voleibol (CBV). A estreia da equipe do técnico Talmo de Oliveira acontecerá no dia 23 de novembro (sexta-feira), às 18 horas, contra o time do E.C Pinheiros, no ginásio do Sesi Vila Leopoldina, em São Paulo.

Nesta edição, o torneio conta com a participação de dez equipes: Sollys/Nestlé (SP) , Unilever (RJ), Usiminas/Minas (MG), Banana Boat/Praia Clube (MG), São Bernardo Vôlei (SP), E.C Pinheiros (SP), Rio do Sul (SC), São Caetano (SP) e Vôlei Amil (SP), além do próprio Sesi-SP.

Como na edição anterior, o torneio será divido em duas fases: etapa classificatória e eliminatórias.

Na fase classificatória, todos os times jogam entre si, em rodadas de turno e returno. As oito melhores equipes garantem uma vaga na disputa das quartas de final, com os seguintes cruzamentos: 1ºx8º; 2ºx7º; 3ºx6º e 4ºx5º, no sistema de playoffs com série melhor de três. Nas semifinais, as equipes classificadas disputarão séries de três partidas. Já a grande final acontecerá em apenas um único jogo.

Veja aqui a tabela completa dos jogos do Sesi-SP na Superliga Feminina de Vôlei

Acompanhe outras notícias no site do Sesi Esporte 

Sesi-SP perde para Sollys/Nestlé no Paulistão e termina primeira fase na terceira colocação

Flávia Dias, Agência Indusnet Fiesp

Em jogo válido pela última rodada da fase inicial do campeonato paulista, o ginásio do Sesi Vila Leopoldina se transformou em um caldeirão na manhã deste sábado (15/09). Em quadra, duas potências do voleibol feminino brasileiro: Sesi-SP e Sollys/Nestlé.

Campeonato paulista de vôlei feminino. Sesi-SP x Sollys/Nestlé. Foto: Everton Amaro

Sesi-SP termina 1ª fase do Paulistão na vice-liderança. Foto: Everton Amaro

Mesmo jogando em casa, o Sesi-SP não suportou o volume de jogo do time adversário e acabou perdendo por 3 sets a 0 (26/24, 25/16 e 25/21). Com o resultado, a equipe encerra a primeira fase do paulistão na terceira colocação, com 12 pontos. Invicto na competição, o time de Osasco é lider isolado da competição.

A partida marcou a estreia da oposta Tandara e o retorno da levantadora Dani Lins, ambas medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Londres-2012.

O técnico do Sesi-SP, Talmo de Oliveira, exaltou a qualidade da equipe adversária – o Sollys/Nestlé conta com quatro titulares da seleção brasileira (Jaqueline, Sheila, Fê Garay e Taisa, além da reserva Adenízia). Mas acredita que suas atletas estarão mais entrosadas no retorno.

Em seu retorno ao time do Sesi-SP, a levantadora Dani Lins disse acreditar que a ausência de atletas como a líbero Michele e a atacante Sassá comprometeu o rendimento do time e mostrou otimismo com o desempenho da equipe no decorrer da competição.

“A gente fez um jogo bom hoje e conseguiu manter a frente em alguns momentos. A quantidade de treino que fizemos com esta equipe foi pouca, já que as campeãs olímpicas tiveram folga após a conquista do ouro [a própria Dani Lins, Fabiana e Tandara]. Mas sabemos que para ganhar da gente o adversário vai ter que suar muito. E foi o que aconteceu hoje. Temos ainda muita coisa para corrigir. Esperamos conseguir isto no segundo turno”, afirmou.

O jogo

No inicio do primeiro set, o Sesi-SP conseguiu abrir três pontos de vantagem (12/09), mas falhas no bloqueio permitiram que o time de Osasco virasse o placar (16/ 15). A equipe do técnico Talmo de Oliveira conseguiu empatar (22/22), mas a reação não foi suficiente – Sollys/Nestlé fechou em 26/ 24 em 32 minutos de jogo.

Aparentemente desconcentrada depois do revés inicial, a equipe do Sesi-SP não fez um bom segundo set. Logo de início, o Sollys/Nestlé abriu três pontos (04/01). Com as orientações da oposta e capitã Elisângela, o Sesi-SP reagiu e conseguiu o empate (05/05), mas o bloqueio mostrou dificuldades para impedir as viradas de bola adversárias. O Sollys/Nestlé ampliou em seis pontos a vantagem no placar (15/09) e venceu a parcial por 25/16, em 26 minutos de jogo.

No terceiro set, o mais disputado da partida, o Sollys/Nestlé começou à frente no placar, mas o Sesi-SP virou com jogadas rápidas da central Fabiana (13/10). O equilíbrio permaneceu (17/17) e o Sesi-SP chegou a abrir dois pontos de vantagem (20/18). Mas prevaleceu o bom entrosamento das visitantes: 25/21 no terceiro set, 3 sets a 0.

Sesi-SP recebe Sollys na Vila Leopoldina para apagar derrota e recuperar a ponta

Lucas Dantas, Agência Indusnet Fiesp

A partida deste sábado (15/09) do time feminino de vôlei do Sesi-SP contra o Sollys/Nestlé promete. Na escalação das duas equipes, oito jogadoras campeãs olímpicas em Londres. Na tabela, a disputa pela melhor posição no final do turno. Em quadra, duas equipes que prometem realizar uma partida memorável e disputada ponto a ponto.

Sesi-SP x Sollys/Nestlé tem tudo para ser o grande jogo da última rodada do primeiro turno do Campeonato Paulista de Vôlei Feminino, no ginásio da Vila Leopoldina, às 11h.

Pelo Sesi-SP, o técnico Talmo de Oliveira conta com as medalhistas olímpicas Fabiana, Tandara e Dani Lins para superar o Sollys/Nestlé, que tem as também campeãs em Londres Adenízia, Jaqueline, Thaísa, Sheilla e Fernanda Garay, sob o comando de Luizomar de Moura. Um confronto de ouro, sem dúvida, que o técnico do Sesi-SP vê como uma decisão.

“Ainda tem o segundo turno, mas esse jogo é diferente, um dos principais do campeonato. Tem quase uma seleção do outro lado”, declarou Oliveira, que colocou o adversário de sábado no triângulo dos favoritos ao título paulista. “As equipes do Sesi-SP, Sollys e Amil despontam como fortes candidatas ao título, mas ainda há muitos jogos pela frente e tudo pode acontecer”, salientou.

Apostas

A tabela, contudo, dá algumas pistas para futuras apostas. Enquanto não haviam se enfrentado, as três equipes ganharam todos os seus jogos com pouquíssimos sets perdidos. A primeira derrota do Sesi-SP foi exatamente para a Amil, no último sábado (08/09), por 3×1. O resultado do embate entre os times de Osasco e Campinas, na última quarta-feira (12/09), foi a vitória do Sollys, por 3×0.

Para o jogo deste sábado (15/09), a equipe do Sesi-SP não contará apenas com Sassá, que ainda se recupera de lesão. Mas as campeãs olímpicas Fabiana, Tandara e Dani Lins estão confirmadas para a partida, porém, o técnico não adianta se começam jogando.

“Elas estão recuperando a forma física e técnica após as Olimpíadas. Já Tandara e Fabiana, recém-contratadas, ainda estão se entrosando com a equipe, o que é natural. Mas tenho até o dia do jogo para definir a escalação”, disse Oliveira.

Serviço
Sesi-SP x Sollys/Nestlé
Data/horário: 15 de setembro de 2012, às 11h
Local: Ginásio da Vila Leopoldina – Rua Carlos Weber, 835, Vila Leopoldina, São Paulo
Entrada Franca

Leia mais