Sesi-SP busca vitória para acabar com escrita e, de quebra, encostar nos líderes da Superliga

Lucas Dantas, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1545222432

Tandara é um dos destaques da equipe do Sesi-SP. Foto: Everton Amaro/Arquivo Fiesp

Se a frase “não tem jogo fácil na Superliga” já pode ser um clichê, a partida desta sexta-feira (14/12) supera o modismo e se coloca num patamar acima. A partir das 21 horas, o Sesi-SP encara seu maior desafio na competição: enfrenta o líder do campeonato, o Sollys /Nestlé , na casa do adversário.  O confronto terá transmissão ao vivo do Canal SporTV.

Além de enfrentar uma das equipes favoritas ao título, o triunfo colocaria o time da indústria colado nos líderes e em ótimas condições para a disputa de uma vaga entre as oito equipes classificadas, além de encerrar um incômodo jejum. Em oito partidas realizadas, o Sesi-SP não conseguiu vencer nenhuma, apesar dos jogos sempre apertados.

Para a ponta Tandara, que jogou no Sollys a última temporada, a força do adversário vem do time com muitas jogadoras de seleção, mas a equipe da Vila Leopoldina não fica atrás e pode, sim, vencer a partida.

“Eles têm cinco campeãs olímpicas e uma grande responsabilidade. Nós sabemos disso e temos que usar essa pressão a nosso favor. Diminuir os erros, rodar bastante a bola, jogar como um time, como estamos fazendo, mas com atenção durante todo o jogo, sem parar. Temos um time muito bom, com várias jogadoras campeãs também, e sabemos que podemos vencer”, declarou Tandara, que não escondeu o gostinho especial que tem em enfrentar o ex-time. “Sei que a torcida vai pegar no meu pé, vai gritar, fazer barulho e tentar ajudar o Sollys ao máximo. Não posso deixar isso me abalar, mas não nego que dá sim uma motivação a mais. Quero jogar bem, mostrar que estou bem no Sesi-SP e conseguir a vitória”, completou.

O técnico Talmo de Oliveira reconhece as dificuldades do confronto, mas acredita que desta vez a história será diferente. Segundo o treinador, o time está melhor do que nas partidas anteriores e sabe o que precisa fazer para vencer.

“Sempre pensamos na vitória, mas sabemos que esse jogo é dos mais complicados. Temos que ir com tudo para conseguir tirar o máximo de Osasco”, declarou o técnico Talmo de Oliveira, que ainda não conta com a líbero Verê, mas tem o time inteiro à disposição. “Confio muito nas meninas. Elas estão mordidas e querem a vitória a qualquer custo, mas não podem deixar essa vontade passar por cima da atenção que precisam ter durante a partida. É um jogo definido nos detalhes”.

 Acompanhe outras notícias no site do Sesi Esporte 

Meninas do Sesi-SP buscam vitória em casa nesta terça-feira (11/12)

Lucas Dantas, Agência Indusnet Fiesp 

Após a sensacional vitória da última sexta-feira (07/12) contra o Usiminas, quando perdia por 2×0 e virou para 3×2, a equipe feminina do Sesi-SP se prepara para duas partidas em São Paulo, contra tradicionais rivais do Estado. O primeiro jogo será às às 22h desta terça-feira (11/12) , na Vila Leopoldina, na capital (com transmissão do Sportv), contra o São Bernardo, equipe que ainda não venceu na competição.

Em seguida vem o clássico contra o Sollys, na sexta-feira (14/12), às 21h, na casa do adversário. Para o jogo de terça, o técnico Talmo de Oliveira não quer nem saber da fase pela qual o rival está passando e garante que vai entrar com força máxima em busca da vitória, de preferência por três pontos.

“Não tem essa de jogo fácil ou difícil. O São Bernardo é uma ótima equipe que, por algum motivo, está com dificuldades. Elas vão se reerguer e não queremos que seja contra o Sesi-SP, principalmente na nossa casa. É um jogo difícil e muito importante para a classificação”, declarou o técnico.

Oliveira também teceu elogios à líbero Juliana, escolhida a melhor jogadora na partida contra o Usiminas: “Normalmente, se olha mais para os jogadores de ataque, mas a Juliana mostrou que a defesa também se destaca muito. Ela é muito técnica, tem um potencial muito grande por ser jovem e evolui bastante a cada jogo. Foi uma excelente contratação”, disse.

Para Juliana, o título foi consequência do trabalho da equipe, que soube virar um resultado adverso. “Fiquei muito feliz, nem esperava ganhar. Acho que foi muito importante pela nossa superação, pois viramos um jogo muito difícil. Isso é o que importa”, afirmou a carioca de 18 anos, que chegou ao Sesi-SP em 2012 e é só elogios à equipe. “Fui muito bem recebida aqui, desde o time ao pessoal da comissão técnica e da área administrativa. Isso me dá tranquilidade para fazer o meu melhor, que é jogar vôlei com calma”, completou.

O Sesi-SP ocupa a sexta colocação na classificação, com 9 pontos, e busca sua terceira vitória na competição. Após os confrontos desta semana, o time da indústria viaja ao Rio de Janeiro para o jogo contra o Unilever e, posteriormente, vai à Suíça para disputar o Top Volley International, torneio que reúne equipes campeãs na Europa e convidados.

Leia mais