Brasil insiste no erro de construir sem planejar, diz presidente do Sinaenco

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540134990

José Roberto Bernasconi, presidente regional do Sinaenco e membro do Consic/Fiesp

Para evitar o atraso de diversas obras, não só nos estádios, mas também de infraestrutura, deveriam ter sido feitos planejamentos e projetos de engenharia antes de as construções serem iniciadas pelo país, analisou nesta terça-feira (10/04) o presidente do Sindicato Nacional de Arquitetura e Engenharia Consultiva (Sinaenco), José Roberto Bernasconi.

A avaliação de Bernasconi, que também é membro do Conselho Superior da Indústria da Construção da Fiesp (Consic), seria óbvia não fosse o histórico de obras malsucedidas no Brasil, por falta de planejamento, que geram problemas de mobilidade urbana nas grandes cidades do país.

“No Brasil, os construtores reclamam de serem malvistos e que as obras param. Isso é verdade, mas, por outro lado, é preciso planejar o jogo antes e só depois fazer a licitação da obra”, argumentou Bernasconi durante reunião com empresários e membros do Consic na Fiesp.

O engenheiro reiterou que é de responsabilidade da construção e da arquitetura elaborar estudos, planos e programas para “boas obras”, acrescentando que um item indispensável em qualquer planejamento é o estudo do impacto socioambiental.

“Aqui no Brasil nós insistimos em contratar obras sem projetos. Continuamos fazendo a coisa de forma errada e queremos ter resultado diferente. O projeto de engenharia vai dar eficiência na aplicação de recursos”, alertou o presidente regional do Sinaenco.

Preparação

Doze cidades se preparam para receber os jogos da Copa 2014. As obras envolvem a reforma de estádios para adequação ao padrão estabelecido pela Fifa e a construção de novas arenas, além de reformas em trechos viários e a criação de novos trajetos e linhas para o transporte.

De acordo com o Portal 2014, criado pelo Sinaenco e outras empresas do ramo de construção e tecnologia, dos 12 estádios que estão sendo reformados ou construídos, cinco apresentam andamento da obra abaixo do esperado para o período: Arena da Baixa, em Curitiba; Arena Pernambuco, em Grande Recife; Estádio das Dunas, em Natal; Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre; e Arena Corinthians, na zona leste de São Paulo.