Delegação da Holanda mostra na Fiesp experiência de estímulo ao esporte

Graciliano Toni, Agência Indusnet Fiesp

A participação de uma delegação da Holanda na reunião desta quarta-feira (23/3) do Comitê da Cadeia Produtiva do Desporto da Fiesp (Code) mostrou o interesse do país pelo mercado brasileiro de produtos esportivos e representou mais um passo na aproximação entre os dois países. A Holanda tem produção de 6 bilhões de euros (perto de R$ 25 bilhões) por ano ligada ao esporte e estrutura exemplar de incentivo à prática esportiva. Mario Frugiuele, diretor do Code, lembrou que as ações da Fiesp buscam estimular a indústria e ressaltou a importância da presença da delegação para fornecer informações sobre experiências europeias.

John van de Laar, do Orange Sports Forum, (consórcio holandês de esportes e inovação, destacou que a Holanda é o sexto maior exportador do mundo, e um PIB da indústria do esporte de 6 bilhões de euros por ano. Também disse que a Holanda é muito eficiente na produção de medalhas, ocupando o primeiro lugar relativo (considerando investimento/resultado).

O Fórum Orange, explicou, surgiu da crença de que o compartilhamento de conhecimento e a cooperação representam o caminho para o sucesso da indústria do esporte na Holanda.

Em relação ao Brasil, destacou a discrepância entre esportes mais praticados e mais assistidos na TV. Disse que o país está entre os que são considerados interessantes como mercado e demonstrou interesse em saber como trabalhar com o Brasil, conhecendo os planos de negócios que funcionam aqui.

Van de Laar começou sua apresentação com a exibição de vídeo mostrando como Holanda e Brasil se conectam via esporte. Provando que os holandeses são bons perdedores, incluiu vitória brasileira sobre os holandeses no vôlei de praia.

Também participou Maaike Romijn, do programa Sport Innovator, que falou sobre a agenda da Holanda no esporte, destacando o duplo desafio que a área representa, porque pode ter grande impacto na reputação do país, e o exemplo pode levar à melhora na qualidade de vida. Seu foco também é o compartilhamento de dados e de tecnologia, entre governo e empresas e entre elas.

Kamiel Maase destacou a existência de 27 mil clubes esportivos na Holanda, acessíveis, tocados por voluntários, sendo muito bem organizados, sendo cerca de 7.000 de futebol. Há 70 a 75 federações, ligados à organização guarda-chuva olímpica, e um ministério de saúde, esporte e bem-estar.

Eduardo  Giacomazzi, Coordenador adjunto do Comitê da Cadeia Produtiva da Bioindústria da Fiesp (BioBrasil), disse que a Holanda, país com o qual trabalha em bioeconomia, dá exemplos de como integrar setores. Apoio à internacionalização e ao desenvolvimento de pequenas empresas também é forte no país. Combinação de consórcios é algo em que se tem trabalhado com a Holanda. Lembrou que a Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) já tem consórcio estabelecido com a Holanda na área de biotecnologia (B-Basic), em modelo que pode ser estendido para outras áreas. Outras agências brasileiras poderiam ser envolvidas. OSF poderia ter um pé em São Paulo também.

Carlos Eduardo Negrão, da Fapesp, lembrou o programa de financiamento a fundo perdido para pequenas empresas. Novidade é possibilidade de expandir para o esporte. Citou dois dias de encontro muito interessante na Fapesp, começando na parte científica, mas se expandindo para a inovação. Há, disse, uma grande oportunidade de estímulo com os Jogos Olímpicos. “Espero muito que a gente possa evoluir e tenha várias propostas” no esporte. “Queremos muito essas propostas da iniciativa privada.”

Ana Bacellar, diretora de marketing do comitê paraolímpico, disse que há muito a aprender com a Holanda. Lembrou que o país investe muito em tecnologia, ciência, saúde e planejamento estratégico. Luiz Garcia, responsável por relações internacionais e institucionais, convidou a delegação holandesa a conhecer o centro de treinamento paraolímpico a ser inaugurado em maio, com investimento em conhecimento.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544686402

Reunião do Code com participação de delegação da Holanda. Foto: Everton Amaro/Fiesp