Sesi-SP vence Brasil Kirin e está na final da Superliga Masculina

Talita Camargo, Agência Indusnet Fiesp

O time do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) levou a melhor no segundo jogo das semifinais da Superliga Masculina de Vôlei contra o Brasil Kirin/Campinas, na manhã deste sábado (05/04), no Ginásio Taquaral, em Campinas, por 3 sets a 2 (parciais de 21/15, 21/19, 17/21, 17/21 e 15/09); garantindo, assim, vaga na final do campeonato, que acontece no próximo domingo (13/04), em Belo Horizonte (MG), contra o Sada/Cruzeiro.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1545170265

Sidão, Serginho e Marcos Pacheco: vibração após ponto de bloqueio no quinto set. Foto: Caio Lopes/Fiesp


Com o time titular completo (Sandro, Renan, Sidão, Murilo, Lucão, Lucarelli e o líbero Serginho), o jogo foi equilibrado e durou duas horas. Com disputa ponto a ponto, o Sesi-SP saiu na frente nos dois primeiros sets, mas deixou o Brasil/Kirin empatar e o jogo foi decidido apenas no quinto set.

“A semifinal é muito intensa e é diferente de toda a trajetória da Superliga, porque e foca muito em um adversário”, explicou o técnico Marcos Pacheco, que acredita que a semifinal é definitiva e não dá oportunidades. “Vamos curtir essa vitória que foi muito difícil, pois foi uma semifinal nacional com ingredientes regionais”, disse.

A equipe ainda não se acertou no saque, mas o entrosamento do levantador Sandro com Renan cresceu bastante e trouxe mais confiança à equipe. “Está todo mundo de parabéns. O time inteiro me ajudou muito nas duas últimas semanas e meu entrosamento com o Sandro melhorou devido ao tanto que a gente treinou”, afirmou Renan, que foi o maior pontuador da partida, com 16 pontos, e que se diz ‘muito feliz’ por chegar à primeira final da Superliga de sua carreira.

Para Sidão, que já passou por quatro finais de Superligas, esse foi um jogo digno de semifinal: “A gente sabia que vinha uma ‘baita’ de uma pedreira por aí”, disse. O central avaliou que a equipe começou jogando bem, mas deixou o ataque cair e o adversário crescer. “Eles começavam na frente e a gente virava no final do set, depois eles começaram a jogar melhor e paramos de errar mais no quinto set, quando conseguimos manter uma estabilidade e abrir bastante pontos”, afirmou.

“O jogo começou fácil para nós, mas o bloqueio deles e nossos erros de sque colaboraram para ajudar a equipe deles, mas o quinto set fomos superiores e tomamos conta do jogo”, afirmou o ponteiro Manius, que entrou em momentos decisivos da partida.

O levantador Sandro foi eleito o melhor jogador em quadra e recebeu o Troféu Viva Vôlei. A torcida compareceu ao ginásio e motivou o time durante toda a partida. Com a derrota, o Brasil/Kirin se despede da competição. A partida marcou, também, a despedida do campeão olímpico André Heller das quadras. O jogador encerrou sua carreira e foi homenageado pelos atletas, técnicos e torcedores de ambas as equipes ao final do jogo.

O jogo

Imagem relacionada a matéria - Id: 1545170265O Sesi-SP entrou com o time titular completo, mas foi o adversário quem saiu na frente. Em seguida, Renan garantiu a vantagem. O Brasil Kirin bloqueou a bola de Lucão e empatou o jogo, mas Lucão desceu o braço para deixar tudo igual novamente. O primeiro tempo técnico foi a favor do Sesi-SP, com o placar em 07/05. Mas o Brasil/Kirin passou o bloqueio do Sesi-SP e reverteu o placar em 08/07. O time recuperou a vantagem, mas se atrapalhou em quadra e deixou o adversário empatar em 10/10. Foi o ataque de Lucão que deixou o Sesi-SP na frente de novo e ter o segundo tempo a seu favor, em 14/13.

Lucão acertou no saque e o técnico adversário pediu tempo (15/13). Mas o Sesi-SP abriu vantagem de quatro ponto (18/14). O bloqueio duplo de Sidão e Murilo garantiram o 19º ponto do Sesi-SP. O líero Serginho salvou uma bola difícil e o time chegou ao set point, o que levou o Brasil/Kirin a fazer alterações. Mas Murilo fechou o primeiro set em 21/15, aos 22’44”.

Sidão abriu o placar do segundo set. E o Sesi-SP conseguiu vantagem de 05/03. Sandro levantou Lucarelli garantiu o 07/04, levando o time ao primeiro tempo técnico. O Sesi-SP encontrou sintonia em quadra, garantindo a vantagem em 08/05, mas o adversário empatou e o técnico Marcos Pacheco pediu tempo. O Brasil/Kirin mudou o placar e cresceu no jogo (10/08), mas o canhoto Renan diminuiu a vantagem (10/09). E depois do erro de saque de Sidão, o bloqueio duplo de Renan e Lucão diminui a diferença para 11/10. Murilo salvou a bola e deixou para Lucão, que finalizou com uma inteligente largadinha (13/11). Thiaguinho e Rogério entraram para o reforço, e foi justamente o levantador que, com uma largadinha, garantiu o 12º ponto do Sesi-SP. Lucão desceu o braço e diminuiu o placar para (14/13). Sandro e Renan voltaram para quadra. E foi o levantador que subiu ao lado de Sidão para bloquear o adversário e fazer o 14º ponto. Sidão desceu o braço e diminuiu, mais uma vez, a diferença (16/17), mas o Brasil/Kirin passou pelo bloqueio paulistano (18/16). Lucão marcou dois pontos com confiança e empatou o jogo em 18/18, o que levou o técnico adversário a pedir tempo. Foi o bloqueio duplo de Lucão e Lucarelli que trouxe a vantagem de volta ao Sesi-SP (19/18). E um novo bloqueio do time paulistano levou a equipe ao set point. O ponto do adversário levou Pacheco a pedir tempo. Num estouro do bloqueio adversário que jogou a bola para fora, o Sesi-SP fechou o segundo set em 21/19, aos 27′.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1545170265

O levantador Sandro foi eleito o melhor jogador da partida e ganhou o Troféu Viva Vôlei. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

O Brasil/Kirin abriu o placar do terceiro set, mas o Sesi-SP empatou em 02/02. Numa diagonal inteligente, Lucarelli deixou tudo igual em Campinas (03/03), mas o adversário manteve a vantagem e o sexto ponto deles foi um ace polêmico por marcações contraditórias dos juízes, o que levou Marcos Pacheco a pedir tempo (06/03). Mas o primeiro tempo técnico foi a favor do Brasil/Kirin (07/03), que errou o saque seguinte e diminuiu o placar a favor do Sesi-SP (07/04). O saque de Lucarelli foi uma bomba e garantiu o quinto ponto da equipe. Renan desceu o braço na diagonal e garantiu o sétimo ponto. Mas o Sesi-SP não conseguiu para o adversário e a vantagem aumentou para 10/07. O bloqueio duplo de Lucarelli Sidão fez o 10º ponto do Sesi-SP, que não desistiu facilmente. Renan subiu no 11º ponto, mas o Brasil/Kirin marcou em seguida (13/11). Numa reversão inteligente, Sandro marcou, mas o segundo tempo técnico foi a favor do time da casa (14/12). Rogério, que entrou no jogo ao lado de Thiaguinho, fez o 13º ponto. E, em seguida, o Sesi-SP empatou (14/14). Sandro e Renan voltaram ao jogo. O Brasil/Kirin fez novo ace e passou na frente de novo (16/14). Em mais uma marcação polêmica do juiz, o Brasil/Kirin fez 18/15 e Pacheco pediu tempo. Na disputa na rede, Murilo levou a melhor e fez o 16º ponto. Lucarelli diminuiu a diferença em 20/17 e o técnico adversário pediu tempo. Mas o Sesi-SP não conseguiu mais reverter o placar e o Brasil/Kirin fechou o set em 21/17, aos 26′.

O quarto set começou disputado ponto a ponto. Mas o Brasil/Kirin levou a vantagem do primeiro tempo técnico (07/06). O Sesi-SP logo empatou (09/09), mas o adversário fez abriu vantagem (13/10) e Marcos Pacheco pediu tempo. Murilo garantiu o 11º ponto e, em seguida, Sidão também marcou, mas o segundo tempo técnico foi a favor do adversário (14/12). Manius entrou no lugar de Murilo e Sidão diminuiu o placar para 16/14. Mas o adversário cresceu no jogo e ganhou vantagem de quatro pontos (18/14), fazendo Pacheco pedir novamente tempo. Com cinco pontos de diferença, o Brasil/Kirin chegou ao set point e Rogério e Thiaguinho entraram no lugar de Sandro e Renan. Na larginha de Manius, a diferença diminuiu para 20/17, quando o téncico adversário pediu tempo e o ponteiro Murilo voltou ao jogo. No erro de saque de Lucarell, o Brasil/Kirin fechou o set em 21/17, aos 24’36”.

No quinto set, foi difícil de a bola cair no chão de ambos os lados da quadra. O Brasil/Kirin saiu na frente. mas Lucarelli logo empatou e, em seguida, ultrapassou o adversário (02/01). Murilo teve destaque e levou garra e confiança ao time, que disputou cada ponto. Renan fez o quarto ponto de saque e, numa largadinha inteligente, Lucão deixou o placar em 05/03, animando a torcida. O técnico adversário pediu tempo e o bloqueio duplo do Sesi-SP não funcionou (05/04). O saque do Brasil/Kirin derrubou Murilo na recepção, mas o time paulistano garantiu o sexto ponto. Lucarelli forçou o saque na rede, mas em bola disputada, Renan fez o sétimo ponto da equipe, que ficou com a vantagem do tempo técnico (08/05). Murilo desceu o braço com força (09/05) e o líbero Serginho salvou o Sesi-SP da largadinha adverária, mas foi o bloqueio de Sidão que deixou o placar em 10/06, levando o técnico adversário a pedir tempo. O bloqueio do Brasil/Kirin mandou a bola para fora e o Sesi-SP abriu vantagem de cinco pontos (11/06). Sidão garantiu o 12º ponto. Manius entrou no lugar de Lucão e, com o placar em 12/08, Marcos Pacheco pediu tempo. Murilo subiu alto na rede para fazer o 13º ponto e o bloqueio duplo de Sidão e Manius levou o Sesi-SP ao match point. Foi Renan quem fechou o jogo em 15/09, aos 16′.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1545170265

Sidão e Murilo tentam conter ataque de Gustavão, central da equipe de Campinas. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp