Bachiana emociona ao homenagear medalhistas de ouro do Sesi-SP

Amanda Demétrio, Agência Indusnet Fiesp

Foi com uma intensa salva de palmas que as mais de 1.400 pessoas na Sala São Paulo receberam na noite desta sexta-feira (26/8) Serginho, Douglas Souza, Bruninho e Lucão, atletas do Sesi-SP campeões de vôlei nos Jogos do Rio. Homenageados pela orquestra Bachiana Filarmônica Sesi-SP, sob a regência do maestro João Carlos Martins, os meninos de ouro do Brasil foram recebidos no palco de um dos mais charmosos e importantes pontos da capital paulista ao som do Hino da Vitória, tema do eterno Ayrton Senna.

Com a presença do presidente da Fiesp, do Ciesp e do Sesi-SP, Paulo Skaf, do diretor nacional de jornalismo da Band, Fernando Mitre, do ex-jogador de futebol e atual comentarista da TV Globo Walter Casagrande e do narrador, radialista e apresentador esportivo Galvão Bueno, o evento foi recheado de surpresas.

Ao som dos famosos bordões “É do Brasil” e “É ouro”, Galvão Bueno assumiu o microfone e levou para o palco 4 dos 12 atletas que mais uma vez marcaram a história do país. Aplaudidos de pé, com os flashes das câmeras e celulares registrando todos os ângulos do palco, o ambiente ficou em êxtase ao receber Serginho, líbero de 40 anos e maior medalhista olímpico em esportes coletivos, Douglas Souza, jovem promessa de 21 anos, e a dupla Bruninho e Lucão, que o Sesi-SP trouxe de volta da Itália.

“Eu gosto sempre de dizer que o esporte é umas das melhores ferramentas de inclusão social. Tivemos não só o vôlei e futebol, mas outros exemplos disso durante este mês. E temos aqui hoje um grande exemplo também, a Bachiana do Sesi-SP e os atletas do Sesi-SP juntos, isso é importante, mostrar para o mundo que podemos fazer as coisas bem feitas. Temos ferramentas e sabemos usá-las, se não fosse através da cultura nós não estaríamos aqui hoje”, comentou Galvão, que após elogiar e agradecer pelo convite do maestro ainda fez um pedido ao Brasil.

“Estou muito grato de estar aqui hoje, em poder fazer parte deste momento. E a única coisa que eu peço e espero, na altura dos meus 66 anos, sendo 42 de profissão, é que a gente possa ter, venha de onde vier, da forma que vier, uma política séria de apoio à cultura e ao esporte, porque assim fazendo nós estaremos melhorando a qualidade de vida de muita gente, que vai poder trabalhar, mostrar seu valor e ser na vida o que eles são e o que conseguiram. O Sesi-SP é um desses exemplos, e nada melhor que essa união, entre culturas neste momento.”

Emocionado com as palavras de Galvão, Serginho recebeu o microfone das mãos do narrador e apresentador e -mais uma vez ovacionado por todos- agradeceu pelo convite e carinho. Com um sorriso carismático no rosto e o jeito brincalhão, o líbero confessou preferir estar em um jogo a no palco naquele momento.

“Primeiro quero agradecer o convite do maestro, é uma honra muito grande poder estar neste palco, ao Galvão Bueno pelas palavras, e principalmente ao nosso clube, o Sesi-SP, que, através do nosso presidente Paulo Skaf, sempre nos ajudou, formando cidadãos e atletas de alto nível e colocando o esporte alinhado com a educação e a cultura. Estou muito honrado de estar aqui no meio de todas essas pessoas. Mas confesso que eu preferiria estar em um jogo agora, em uma final do que estar aqui em cima, estou com um medo danado.”

Medalhistas de ouro do Sesi-SP no palco com a Bachiana, regida por João Carlos Martins. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

 

Mesmo nervoso com a situação de estar em um placo junto com a Bachiana, Serginho ainda aproveitou o momento para compartilhar um pouco de suas crenças. “Conquistar uma medalha olímpica não é fácil. O Bernardinho nos falou em uma das últimas conversas, que o vitorioso é apenas o perdedor que tentou mais uma vez, então nós somos os perdedores que tentaram mais uma vez e conquistaram. Creio que o que vale e o que nos move é o que temos dentro do coração. E se nós conseguimos, nós não somos diferentes de vocês, somos todos iguais, então em qualquer coisa que a gente vá fazer, é colocar o coração e a dedicação. Qualquer um consegue, se eu consegui, qualquer um consegue”, finalizou, emocionado.

Recém-chegado ao time da capital paulista, o levantador Bruninho, mesmo tímido, não escapou das brincadeira de Serginho e também foi convidado a falar. Presente pela primeira vez em uma apresentação de orquestra, o capitão da seleção brasileira não só agradeceu o convite como também a todos os brasileiros pelo carinho que vem sentindo por onde passa.

“Eu só queria agradecer todas essas oportunidades que estou tendo aqui. É a primeira vez que venho a um concerto de música clássica, e vocês são sensacionais. E sobre a emoção de vencer uma olimpíada no Brasil, está sendo muito boa. A gente sentiu o carinho de cada brasileiro e ainda estamos sentindo nas ruas as pessoas orgulhosas do nosso trabalho, e isso demonstra que todo sacrifício valeu a pena. Isso paga qualquer medalha e qualquer prêmio, eu só tenho a agradecer a todos vocês.”

Paulo Skaf, presidente da Fiesp, do Ciesp e do Sesi-SP, participou da homenagem aos medalhistas. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

 

Uma grande homenagem não poderia terminar assim, apenas com agradecimentos. Com essas palavras, Galvão Bueno assumiu mais uma vez o microfone e fez um pedido especial ao maestro. Ao ser prejudicado por um manifestante nos Jogos Olímpicos de 2004, quando liderava a maratona, Vanderlei Cordeiro de Lima não pôde ouvir o hino nacional do Brasil, por ter chegado na terceira colocação. Assim, com o consentimento de todos os presentes e atendendo ao pedido, João Carlos Martins se dirigiu ao piano e encerrou o concerto, de modo encantador, com o som do hino brasileiro soando entre seus dedos.

Bachiana Filarmônica Sesi-SP 2016

A orquestra, que na temporada 2016 conta a história da música clássica por meio das Olimpíadas, apresentou em seu quarto espetáculo o tema Brasil. Sob os olhares atentos dos espectadores, João Carlos Martins iniciou a noite com a Abertura Zemira, de José Mauricio Nunes Garcia. Para maior dramaticidade o número traz efeitos teatrais de “relâmpagos e trovoadas” nos bastidores. Na sequência, o maestro trouxe para o palco dois grandes sucessos de Villa-Lobos (Trenzinho Caipira Fuga), e para fechar a primeira parte, Quem Sabe?, de Carlos Gomes.

Ainda interpretando peças de grandes compositores brasileiros, o segundo ato contou, sob a regência de Edson Beltrami, com as três danças de Camargo Guarnieri, Dança Brasileira, Dança Negra Dança Selvagem, e para selar seu comando frente à Bachiana, Beltrami mexeu com os sentidos da plateia ao apresentar, Fantasia, peça de autoria própria. E, passando a maestria de volta para Martins, Batuque, de Lorenzo Fernández, foi o número de encerramento do espetáculo.

Sesi-SP é vice-campeão paulista de vôlei masculino

Amanda Demétrio, Agência Indusnet Fiesp

Ao entrar em quadra na tarde deste domingo (1/11) no ginásio da Vila Leopoldina, o time masculino de vôlei do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) sabia que, para conquistar o quinto título do Campeonato Paulista, precisava vencer duas vezes o Funvic/Taubaté: primeiro o jogo e depois o Golden Set (set extra de 25 pontos). Mas não foi o que aconteceu. Depois de jogar bem e derrotar o Taubaté por 3 sets a 0 (25-20, 32-30 e 25-18) na segunda partida da final, a equipe chegou ao Golden Set e não conseguiu superar os adversários, que fizeram 33 a 31, e acabou ficando com o vice-campeonato.

Com os jogadores vibrando o tempo todo e com o forte apoio da torcida do ginásio da Vila Leopoldina, o Sesi-SP foi impecável durante a partida. Murilo se destacou nos bloqueios, Douglas Souza atacou bem, e Serginho salvou pontos espetaculares, mas no Golden Set o Taubaté acabou prevalecendo, errou menos e se tornou bicampeão.

Desde a formação do time, o Sesi-SP foi ao pódio em todas as edições do torneio. Atualmente a equipe conta com 4 títulos e 3 vice-campeonatos. O presidente da Fiesp e do Sesi-SP, Paulo Skaf, entregou o troféu de vice ao time.

Skaf entrega a Murilo troféu de vice do Campeonato Paulista. Foto: Everton Amaro/Fiesp

 

Para o capitão Murilo, os erros no contra-ataque e a bola final acabaram com o sonho no Paulista.

“Nós jogamos muito bem, fizemos uma partida melhor do que a primeira em Taubaté e chegamos bem para o Golden Set. Infelizmente perdemos muitas oportunidades no contra-ataque e eles encostaram no placar e levaram a melhor em uma bola que não recebemos”, comentou o camisa 8, que agora só pensa na Superliga.

“Agora nós temos uma semana para nos preparar para a Superliga, e assim como hoje, enfrentaremos muitos jogos fortes e difíceis. Será um campeonato muito disputado, teremos times como o próprio Taubaté, Campinas, Sada, o Canoas, com quem já vamos jogar na próxima segunda, então temos que trabalhar muito”, completou.

Lucarelli, atual Taubaté, foi o maior pontuador do jogo, com 34 acertos, sendo o  oposto Theo o melhor do Sesi-SP, com 25 pontos, seguido por Douglas Souza, com 23, e Murilo, com 21.

O Sesi-SP, com o técnico Marcos Pacheco, jogou com Theo, Aracaju, Murilo, Thiaguinho, Douglas Souza, Gustavão e o líbero Serginho. Entraram Sidão, Thiago Alves, Vinhedo, Rafael Araújo. O Taubaté entrou em quadra com Ialisson, Leozão, Lucarelli, Lipe, Otavio, Pedro e o líbero Felipe. Entraram Japa, Diego e Deivid.

Agora o Sesi-SP volta as atenções para a temporada 2015/16 da Superliga. A estreia está marcada para segunda-feira (9/11), diante do Canoas, em Porto Alegre.

Sesi-SP dominou os três sets da partida, com bons ataques e bloqueios. Foto: Everton Amaro/Fiesp

 

O jogo

Com um ataque fora do oposto Theo, foi o Taubaté que garantiu o primeiro ponto do jogo. Mas não segurou a dianteira por muito tempo. Logo o Sesi-SP entrou no jogo e abriu 3 a 1. Mantendo uma vantagem de dois pontos, o time da casa garantiu os dois tempos técnicos do set (8/6 e 16/14) e cresceu cada vez mais na partida. Com Thiaguinho distribuindo muito bem as bolas entre Theo, Murilo, Douglas, Aracaju e Gustavão o time não deu chances para o adversário e com 25 a 20 garantiu a primeira parcial do confronto.

O segundo set foi marcado pelo equilíbrio. Com poucos erros e disputando cada bola, as equipes não deram vez um para o outro. Apenas um ponto na frente, foi o Sesi-SP que garantiu a primeira parcial do set (8/7). Empatados em 10 a 10, foi a vez da torcida entrar em cena. Gritando e apoiando a equipe a cada ponto, o público na Vila Leopoldina presenciou um ponto de peito do líbero Serginho, após um ataque forte do Taubaté, e ainda um empate em 30 a 30 no fim do set. Com garra e determinação, mais uma vez o Sesi-SP foi superior e abriu dois pontos, garantindo mais uma parcial (32/30).

O terceiro set começou com o Sesi-SP abrindo boa vantagem (6/3) e logo de cara forçando o técnico adversário a pedir tempo para acalmar os ânimos. Ampliando ainda mais a vantagem, os meninos da Vila Leopoldina, embalados pela torcida, alcançaram as duas parciais técnicas (8/3 e 16/9) e seguiram com tranquilidade. Após dois pontos de saque do ponteiro Douglas Souza, a equipe chegou ao fim do set com 25/18.

No Golden Set, o Sesi-SP voltou a controlar as ações no início. Forçando bem o saque em cima do líbero Felipe, o time chegou a abrir 8/7 e depois 16/13. Na base da raça, o Taubaté chegou ao empate em 19/19. Depois o Taubaté soube aproveitar os erros de contra-ataque do Sesi-SP e fechou o jogo em 33/31.

HISTÓRICO

Ano     Colocação

2009    1º – (Sesi-SP x Brasil Vôlei/SBC)

2010    2º – (Vôlei Futuro x Sesi-SP)

2011    1º – (Sesi-SP x Medley/Campinas)

2012    1º – (Sesi-SP x Medley/Campinas)

2013    1º – (Sesi-SP x Brasil Kirin)

2014    2º – (Taubaté x Sesi-SP)

2015    2º – (Taubaté x Sesi-SP)

 

CAMPANHA 2015

FINAL

FUNVIC TAUBATÉ   3×1      SESI – SÃO PAULO

SESI – SÃO PAULO  3×0      FUNVIC TAUBATÉ

SESI – SÃO PAULO  0x1      FUNVIC TAUBATÉ (GOLDEN SET)

SEMIFINAL

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS    3×2      SESI – SÃO PAULO

SESI – SÃO PAULO  3×2      SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

SESI – SÃO PAULO  1×0      SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (GOLDEN SET)

QUARTAS DE FINAL

(Avançou direto para a semifinal após fazer a melhor campanha e se classificar em 1º)

FASE CLASSIFICATÓRIA

SESI – SÃO PAULO  3×0      CLIMED/ATIBAIA

SANTO ANDRÉ        1×3      SESI – SÃO PAULO

SESI – SÃO PAULO  3×0      SÃO BERNARDO

SÃO JOSÉ CAMPOS 2×3      SESI – SÃO PAULO

SESI – SÃO PAULO  3×0      VÔLEI BRASIL KIRIN

FUNVIC TAUBATÉ   3×2      SESI – SÃO PAULO

Murilo na recepção, na final do Campeonato Paulista 2015 contra o Taubaté. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Lucão desequilibra e Sesi-SP vence São Bernardo pela Superliga Masculina

Lucas Dantas, Agência Indusnet Fiesp

Com grande atuação de Lucão, o time de vôlei masculino do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) derrotou nesta quarta-feira o São Bernardo por 3 sets a 0 (25/18, 25/17, 25/21), chegando aos 34 pontos na Superliga e mantendo-se na quarta colocação. O central marcou 17 pontos, sendo 3 aces, o que ajudou bastante o time a sair com a vitória.

Na verdade, o Sesi-SP não correu riscos. Liderou desde o início e sempre esteve à frente no placar. Murilo fez sua primeira atuação como titular no campeonato nacional e jogou a partida inteira. Outro destaque foi Rogério, que atuou no lugar de Riad e apareceu bem nos bloqueios (4 no total).

Para o técnico Marcos Pacheco, o resultado foi bom, mas o melhor foi a rotatividade da equipe e a rapidez da partida, que não exigiu tanto dos jogadores que terão um confronto complicado sábado.

“O melhor foi a vitória, claro. Mas também demos chances para muitos jogarem e ficou uma boa atuação. Só o Riad não entrou. Isso é importante, pois queria ver o Rogério jogando um pouco. O time se comportou bem e conseguiu a vitória em três sets. Teremos uma sequência dura e um jogo assim ajuda muito”, disse o treinador ao final da partida.

Agora, o time se prepara para o confronto de sábado (31/01), na Vila Leopoldina, contra o Vôlei Canoas, às 17h.

O time que Marcos Pacheco mandou para o jogo foi Marcelinho, Rafael Araújo, Lucarelli, Murilo, Lucão, Rogério e o líbero Serginho. Entraram Mão, Thiaguinho, Aracajú e Maurício.

O primeiro set foi completamente administrado pelo Sesi-SP. O time soube impor a superioridade técnica com poucos erros e boas jogadas, principalmente pelo meio, ora com Lucão, ora com Rogério. Graças a erros cometidos pelo São Bernardo, a vantagem crescia no set e chegou a 10 pontos (21/11), mostrando que o Sesi-SP realmente entrou para matar o jogo. Durante uma sequência de quatro saques seguidos de André, o time chegou a ceder pontos para os rivais, mas com Lucão pelo meio, fechou em 25/19 e garantiu o primeiro set.

O segundo set começou mais apertado. O time da casa corrigiu os erros e manteve o placar sempre empatado até a primeira parada técnica (8/7). Mas Rogério assumiu o saque e só saiu depois do Sesi-SP chegar a 13/9. Com a gordura obtida, o time jogou mais solto e foi se encontrando em quadra. A diferença manteve-se na média de quatro pontos e Lucão aumentou com dois aces para 19/13. E também foi com um ace, mas de Murilo, que o Sesi-SP fechou o segundo set em 25/17, fazendo 2 a 0 no jogo.

O cenário no terceiro set começou como o segundo, mais equilibrado. Pacheco mandou Maurício para a quadra no lugar de Lucarelli. Embora não tenha cedido a vantagem em nenhum momento, o Sesi-SP demorou para deslanchar e só o fez com Lucão no saque, abrindo três pontos de diferença (14/11). O jogo teve um momento de tensão quando o central do São Bernardo Igor caiu sangrando após uma bolada no rosto, mas saiu andando e aplaudido do ginásio. Na volta, o Sesi-SP manteve a vantagem até fechar em 25/21 e acabar o jogo.

Foto: equipes de vôlei do Sesi-SP participam da campanha Novembro Azul

Agência Indusnet Fiesp

Serginho veste a camisa azul em apoio à campanha pela prevenção ao câncer de próstata. Foto: Lucas Dantas/Fiesp

Durante todo o mês de novembro, o Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) promove ações com o objetivo de conscientizar a população sobre a importância da prevenção ao câncer de próstata.

E a campanha também é voltada para a comunidade. Neste período, os líberos Serginho e Suelen, das equipes masculina e feminina de vôlei do Sesi-SP, usam uniforme azul.

A cor simboliza o movimento mundial conhecido como Novembro Azul, campanha para sensibilizar a população para os riscos e a necessidade de diagnóstico precoce para esse tipo de câncer.

Vôlei masculino: equipe vem forte para a Superliga 2014/15, diz Serginho

Ariett Gouveia, Agência Indusnet Fiesp

Convidados de honra do evento, os atletas Serginho, Lucão e Murilo, do time masculino do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP), participaram do evento de lançamento da Superliga de Vôlei 2014/2015, mais importante campeonato de clubes no Brasil.

Lucão, Serginho, Marcelinho, Murilo e Lucarelli: Sesi-SP vai crescer na competição. Foto: Everton Amaro/Fiesp

 

E a expectativa é de crescimento da equipe ao longo da competição. “Espero uma pedreira como foi o ano passado, uma Superliga bem disputada”, disse o líbero do Sesi-SP, Serginho.

“Como as outras equipes, o Sesi-SP vem muito forte e as pessoas que forem assistir aos jogos da Superliga vão ver um grande espetáculo, um dos maiores campeonatos de voleibol do mundo.”

Em sua décima Superliga, o central Lucão destacou a capacidade de evolução do Sesi-SP durante a competição. “Nossa preparação é diferente dos clubes que não têm atletas na seleção, que conseguem ter o grupo jogando junto mais tempo. Mas a gente está acostumado e consegue fazer com que o grupo cresça durante o próprio campeonato e fazer uma boa Superliga.”

O ponta Murilo vai desfalcar o Sesi-SP até janeiro de 2015, depois de uma cirurgia na clavícula, mas disse manter a confiança na equipe. “Ano passado, a gente acabou batendo na trave e perdemos a final [diante do Sada Cruzeiro]. Mas nessa Superliga vamos tentar estrear bem, ganhar confiança durante a competição e chegar bem no momento decisivo, que são os playoffs.”

>> CBV lança 21ª edição da Superliga de Vôlei, com a participação de 25 equipes

>> Atletas da equipe feminina do Sesi-SP falam de suas expectativas para a Superliga 2014/15

‘Professores’, Serginho e Marcelinho lideram jovem time do Sesi-SP

Lucas Dantas, Agência Indusnet Fiesp

Equipe prestigia o ponteiro Composto (camisa 6). Foto: Lucas Dantas/Fiesp

Sem poder contar com atletas como Lucão, Lucarelli e Murilo, todos a serviço da Seleção Brasileira que vai disputar o Mundial de Vôlei, o técnico Marcos Pacheco, comandante da equipe masculina de vôlei do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP), está recorrendo a jogadores muito jovens em posições-chave nesse começo de temporada.

Foi o que aconteceu no sábado (16/08), na vitória por 3 sets a 1 sobre o Santo André, na estreia pelo Campeonato Paulista. Na maior parte do jogo entraram em quadra o central Aracaju (21 anos) e o ponteiro Composto (19), e a equipe teve ainda o levantador Thiaguinho (21) e o oposto Rafael Araújo (23), na inversão. Um grupo bem jovem e com a responsabilidade de vestir a camisa do atual tricampeão paulista.

Para efeito de comparação, Eduardo Matheus, o Composto, tinha apenas 10 anos quando o líbero Serginho ganhou a medalha de ouro olímpica em Atenas-2004. E foi o próprio Serginho o primeiro a dar apoio e cumprimentar o jogador após um erro de recepção do ponteiro  na partida diante do Santo André.

Serginho, 38 anos, e o levantador e também medalhista olímpico Marcelinho, 39, são os  “professores” que guiam os garotos nesse início de temporada, muitas vezes com conselhos e palavras que ajudam a conter a ansiedade e a prepará-los para a dureza dos campeonatos.

“Eles estão passando por um processo normal de aprendizado. Eu passei por isso, todo mundo passa. O Aracaju era juvenil no ano passado. Esse ano já está no adulto. O Fabio também, o Douglas, Alisson, todos estão aprendendo ainda. Não tem como tirar a ansiedade deles. Isso eles não vão perder. Eu e o Marcelo precisamos ajudar˜, resume Serginho.

“Eu falo que eles precisam aproveitar a chance. Depois que acabar o Mundial da Seleção, os principais vão voltar e aí serão só 12 na quadra. Eles entram e jogam bem, têm que aproveitar, e a gente ajuda, passa calma. Mas a ansiedade sempre vai existir”, prossegue Serginho, que também lembra que as mudanças técnicas no esporte facilitam para os jovens hoje em dia.

“Eu comecei como ponteiro passador e tinha muita gente para me ajudar, mas era uma geração muito forte. O voleibol era muito diferente, de muito mais força física mesmo, o saque era mais forte. Hoje é muito saque flutuado, é diferente, os caras erram um saque e já começam a flutuar, com medo de errar de novo. Perdeu a força”, completa o líbero.


Marcelinho: transmitir tranquilidade

Aracaju (camisa 5) recebe palavras de incentivo do experiente Marcelinho. Foto: Lucas Dantas/Fiesp

O outro “mestre” da equipe, o capitão do time Marcelinho, também ressalta a idade dos companheiros e lembra que sua experiência em jogos mais difíceis é fundamental para passar tranquilidade para o elenco.

“É um grupo muito jovem mesmo. Mas eu também já fui jovem, como eles são. Eu acho que esse Campeonato Paulista é muito importante para eles vivenciarem esses momentos difíceis, essa ansiedade de sacar num 24/24 e saber o que fazer sem errar”, afirma o levantador.

“Eu e o Serginho já passamos por momentos tensos, os mais tensos possíveis. Então a gente acalma. Eu tenho que escolher o cara para quem vou levantar. Se tem um jogador num momento ruim, eu não vou dar a bola pra ele. E o Escada, no fundo, tem que cobrir o cara que ele sente mais inseguro também. Tem que dar força o tempo todo. Para nós é sensacional também. Ter a jovialidade deles nos motiva. E tenho certeza de que lá no futuro eles vão agradecer pelo que estão passando.”

Tal como seu companheiro na medalha de prata em Pequim, Marcelinho também acredita que hoje está mais “fácil” para os garotos e que a concorrência não é tão cruel quanto no seu início.

“Eu não tinha um Marcelinho do jeito que eu sou não. Naquela época era mais rígido, mais duro, mais quartel mesmo. Hoje é bem diferente. Na minha época eu tinha que ir na marra, o nível era muito alto, o mais velho queria te pegar, senão a gente tomava o lugar dele. Hoje tem muito mais conversa e paciência. Eles têm sorte de ser assim”, diz o levantador que, com a seleção brasileira, subiu ao lugar mais alto do pódio nos mundiais de 2002 e 2006.

Quem agradece muito os conselhos do levantador é Leandro Aracaju. O meio de rede de 21 anos teve o saque do jogo no último sábado e antes de soltar o braço, ouviu longos conselhos do capitão sobre como e onde deveria mandar a bola. Seguiu a dica e o time fechou a partida com vitória logo em seguida. Aracaju comemora a oportunidade de jogar com os “mestres” e aproveita para agarrar a chance, já que o central Lucão volta em questão de semanas.

“A experiência deles em quadra ajuda muito. Eles são calejados, dão toques, dicas e assim fica tudo muito mais fácil. Eu não esperava esse entrosamento tão bom com o Marcelinho no início da temporada. A gente conversa muito, eu vi alguns vídeos dele e estamos treinando para melhorar ainda mais. Mas ele já achou minha bola e isso é ótimo. Eu jogo para agarrar a oportunidade com as duas mãos, fazer o melhor possível, para quando o Lucão voltar, eu ficar ali no banco para ajudar. Tenho que dar o meu máximo agora”.

Pelo Campeonato Paulista, o Sesi-SP volta à quadra na próxima sexta-feira (22/08), contra o Rio Claro, às 19h, no Sesi-SP de Piracicaba.

Unidade do Sesi-SP em Diadema: R$ 13,8 milhões de investimentos em obras

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP), Paulo Skaf, apresentou, na manhã desta sexta-feira (25/04), os investimentos realizados na Escola Sesi de Diadema, na Grande São Paulo. A unidade, que funciona no Centro de Atividades José Roberto Magalhães Teixeira, recebeu aporte de R$ 13,8 milhões para a construção de novos laboratórios e a reforma total dos espaços pedagógicos.

A escola ganhou laboratórios de química e biologia e um segundo laboratório de informática. As 18 salas de aula foram reformadas para a adequação ao regime de educação em tempo integral. Já a biblioteca escolar foi ampliada e o laboratório de informática anteriormente existente foi modernizado. O projeto também contemplou a construção de duas salas de ciência e tecnologia e uma sala de atendimento aos pais.

Além dos espaços de aprendizagem, houve a ampliação da cozinha e do refeitório, a cobertura do pátio e dos passeios. A reforma e a ampliação da escola oferecerão ambientes mais propícios aos alunos, professores e demais profissionais que trabalham na unidade. Atualmente, a Escola Sesi de Diadema atende 652 alunos do ensino fundamental, 124 alunos no ensino médio e 474 alunos da Educação de Jovens e Adultos (EJA).

Essas ações foram recebidas com festa por aqueles que vivem a rotina do local, como a estagiária do núcleo de Cultura da unidade, a estudante de Artes Cênicas Ronélia Silva Damacena, de 28 anos. “A gente percebe a boa relação dos alunos com a escola”, disse. “A área cultural é muito forte aqui”.

Ela no comando do violão e ele sentado ao teclado, os estudantes Letícia Barros Souza e Jonatas de Macedo, ambos de 15 anos e matriculados no primeiro ano do ensino médio do Sesi-SP em Diadema, são dois frequentadores entusiasmados em relação às atividades oferecidas pela escola. “A infraestrutura oferecida é muito boa, temos professores qualificados”, disse Letícia. “O local aqui é grande, temos muito o que fazer”, completou Macedo. “Jogo vôlei na escola todas as sextas à noite”.

 

Skaf com os alunos do Sesi-SP em Diadema: 18 salas de aula reformadas. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

Skaf com os alunos do Sesi-SP em Diadema: 18 salas de aula reformadas. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

 

As boas instalações oferecidas pela unidade do Sesi-SP no município do ABCD paulista também foram elogiadas pelo superintendente da instituição e diretor regional do Senai-SP, Walter Vicioni Gonçalves. “Temos que comemorar a ampliação das instalações”, disse. “O Sesi-SP faz o que é preciso fazer para que a educação seja de fato uns instrumento de transformação das pessoas”.

Não tem outro jeito

Para Skaf, o trabalho feito pela indústria de São Paulo pela educação vai além das referências regionais, ficando entre os melhores exemplos na área em todo o mundo. O presidente da Fiesp e do Sesi-SP lembrou ainda que, em Diadema, o Sistema Sesi-SP de Ensino é adotado pela rede municipal de ensino, chegando a 32 mil alunos do infantil ao ensino fundamental. “Não tem outro jeito de transformar uma sociedade: é preciso investir em educação”, afirmou.

O exemplo do esporte

Ao lado de Skaf, presentes à cerimônia, estavam vários atletas do Sesi-SP, entre os quais os jogadores de volêi Murilo, Lucão e Serginho.

“Recentemente passamos por Ferraz, Vinhedo e Valinhos, treinando e tendo contato com mais de 1 mil crianças”, contou Murilo. “Além de treinar e vencer, estamos preocupados com a educação dos alunos do Sesi-SP”.

Para Lucão, alvo de brincadeiras de Skaf pelos seus 2,10m de altura, levar a sua experiência de atleta para os futuros talentos do esporte é um “compromisso bom”. “Queremos que eles se dediquem e que alcancem seus sonhos”, disse.

Serginho não estava menos animado. “Antes dos treinos, passamos em duplas pelas salas de aula, para conversar com os alunos”, contou. “Sinto orgulho de estar aqui e de vestir a camisa do Sesi-SP”.

A partir da esquerda, Murilo, Lucão e Serginho e atletas do Sesi-SP: compromisso com a educação. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

A partir da esquerda, Murilo, Lucão, Serginho e atletas do Sesi-SP: exemplo. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

 

Mais investimentos

 As escolas do Sesi-SP e do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) instaladas nos municípios de Diadema, Mauá, Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul e Ribeirão Pires já receberam R$ 345,9 milhões em investimentos. Juntas, essas unidades somam 89.637 matrículas e totalizam 20 escolas, sendo oito do Senai-SP e 12 do Sesi-SP.

‘A conquista delas nos orgulha’, diz Serginho sobre o título do vôlei feminino do Sesi-SP

Guilherme Abati e Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

A vitória da equipe feminina do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) no Sul-Americano Feminino de Clubes de Vôlei, neste domingo (09/02), sobre o Molico/Nestlé Osasco por 3 sets a 0 (25/21, 25/21 e 25/16), também motivou o time masculino da modalidade. Orgulhosos das companheiras, os jogadores da instituição elogiam a conquista e desde já desejam boa sorte para as atletas no Campeonato Mundial, na Suíça, em maio.

Entre os meninos, o central Sidão tem um motivo extra para celebrar o resultado: ele é noivo de Dani Lins. “Eu estava tão nervoso por elas que preferi ver o jogo de casa”, disse. “Elas sempre chegavam à final, agora deu tudo certo”.

Para o jogador, a conquista foi merecida. “O time delas está jogando muito bem neste ano. O volume do jogo está muito bom e a cobertura e o ataque, bem trabalhados. Até a vibração delas mudou”, afirmou.

O líbero Serginho foi outro que vibrou com a partida. “O mérito delas é muito grande”, disse. “Elas apresentaram um vôlei de alto nível e deram ao Sesi-SP um título importante, que prova a evolução da equipe”.

Serginho: “O mérito delas é muito grande”. Foto: Sesi-SP Mauá

Serginho: “O mérito delas é muito grande”. Foto: Sesi-SP Mauá

Para ele, além do orgulho, foi um estímulo e tanto para todos os atletas da modalidade na instituição. “A conquista delas nos motiva e nos orgulha”.

As outras que se cuidem

Segundo o ponta Lucarelli, as meninas do vôlei provaram ser “muito qualificadas”, já que tiveram um jogo “tranquilo”. “Elas estão de parabéns”, contou.

Tanto que o caminho está aberto para a obtenção de bons resultados no Campeonato Mundial, na Suíça, em maio. “Elas têm time para isso”, disse. “Quem deve se preocupar são os times de fora”.

 

 

 

Para estimular prevenção ao câncer de próstata, Sesi-SP apoia campanha ‘Novembro Azul’

Agência Indusnet Fiesp

A exemplo do mês passado, quando promoveu o “Outubro Rosa“, o Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) está apoiando o “Novembro Azul”, movimento internacional que estimula a prevenção contra o câncer de próstata.

Uma das primeiras ações com repercussão na mídia foi no sábado (02/11), quando o líbero Serginho, do time de vôlei do Sesi-SP, atuou com uma camiseta customizada, na cor azul, simbolizando a adesão à campanha. O jogo válido pela Superliga masculina teve transmissão ao vivo do canal Sportv.

Na sexta (01/11), as fanpages do Sesi-SP no Facebook passaram a exibir como avatar o laço azul, ícone da campanha.

Serginho, ao centro, de azul em nome da prevenção ao câncer de próstata. Foto: Lucas Dantas/Fiesp

O líbero Serginho, ao centro, de azul em nome da prevenção ao câncer de próstata. Foto: Lucas Dantas/Fiesp

 

Uma série de ações está programada ao longo do mês: a distribuição de pulseiras e flyers para alunos das escolas do Sesi-SP; a panfletagem na Avenida Paulista, em data a ser definida; ações de comunicação interna; atividades para colaboradores das entidades; distribuição de flyers aos Centros de Atividades do Sesi-SP e estímulo ao desenvolvimento de ações locais, entre outras.

A iniciativa é da Divisão de Esporte e Qualidade de Vida do Sesi-SP.

O câncer de próstata

A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Quando as células deste órgão começam a se multiplicar de forma desordenada, ocorre o câncer. A próstata fica, então, mais endurecida e a doença é facilmente descoberta no exame de toque retal.

O câncer de próstata é mais incidente que o câncer de mama, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), que em sua estimativa 2012/2013 apontou 60.180 novos casos de câncer de próstata e 52.680 de mama. Esse tipo de câncer é o sexto tipo mais comum no mundo, ainda de acordo com dados do Inca.

Pesquisa realizada pelo instituto Datafolha para a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), em 2009, constatou que o preconceito com o exame de toque retal ainda é forte no Brasil. Apenas 32% dos homens brasileiros declararam já ter feito o exame. Foram ouvidos 1.061 homens com idades entre 40 e 70 anos, de 10 capitais brasileiras (Belo Horizonte, Belém, Cuiabá, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro e São Paulo).

Pela Superliga masculina, Sesi-SP derrota Brasil Kirin por 3 sets a 0

Juan Saavedra, Agência Indusnet Fiesp

Em jogo na noite de sábado (02/11), o time masculino do Serviço Social da Indústria venceu pela terceira vez seguida o do Brasil Kirin/Campinas por 3 sets a 0 (21/15, 21/11 e 21/17) – desta vez pela Superliga masculina 2013/14. O jogo foi realizado no ginásio do Sesi Vila Leopoldina, em São Paulo.

Sidão e Lucarelli. Bloqueio do Sesi-SP funcionou. Foto: Lucas Dantas/Fiesp

 

Com o resultado, o Sesi-SP chega à sexta vitória em seis jogos na competição – bateu o Funvic/Taubaté, UFJF, São Bernardo Vôlei, Voltaço e Kappesberg Canoas. O time do técnico Marcos Pacheco é o terceiro na tabela de classificação, com 17 pontos, um atrás do líder Sada Cruzeiro e do vice-líder RJX.

Depois de superar o Brasil Kirin duas vezes consecutivas pelo Campeonato Paulista, o Sesi-SP não perdeu a concentração, pressionando a equipe visitante desde o início de cada set, com saques demolidores de Evandro e Lucão, e bem em todos os fundamentos. O bloqueio funcionou, a linha de passe distribuiu a bola na mão do levantador e Sandro variou bem as jogadas.

Evandro, oposto do Sesi-SP, com o goleiro Cássio. Foto: Lucas Dantas/Fiesp

“A gente está numa sequência boa. Conseguimos jogar bem, muito bem”, comentou o oposto Evandro depois de receber o troféu Viva Vôlei das mãos de um convidado especial: o goleiro Cássio, do Corinthians. O reconhecimento é concedido ao atleta melhor em quadra em escolha do treinador da equipe vencedora – Marcos Pacheco, no caso.

“Foi uma vitória importantíssima, que dá confiança. Foram duas semanas duríssimas, com três jogos por semana, mas está todo mundo de parabéns”, disse o central Sidão.

Uma das novidades do jogo foi a camisa customizada usada pelo líbero Serginho, em alusão ao apoio do Sesi-SP ao movimento Novembro Azul, alertando para a necessidade do exame de prevenção ao câncer de próstata.

O Sesi-SP entrou com Sandro, Ary, Sidão, Lucão, Evandro, Sidão e Serginho (líbero). Entraram Renan, Thiaguinho e Rogerio.

A equipe volta às quadras pela Superliga somente no último dia do mês (30/11), às 19h30, no ginásio Chico Neto, onde enfrenta o Moda Maringá (PR).

O jogo

Serginho - Vôlei

Serginho com camisa em alusão à campanha "Novembro Azul". Foto: Lucas Dantas

O primeiro set começou equilibrado. Alexandre Rivetti, técnico do Brasil Kirin, surpreendeu ao escalar Bergamo e Mineiro. Lucão, pelo meio de rede, levou o jogo para a primeira parada técnica: 07/06. Bem nos fundamentos, o Sesi-SP fez 10/07 com Lucarelli, em ponto de bloqueio. Lucão soltou o braço, a recepção devolveu e Lucarelli matou o ponto (15/08). Depois de uma sequência de pontos dos visitantes, que reduzira a diferença para 17/12, o técnico Marcos Pacheco pediu tempo. O Sesi-SP  voltou a rodar e o oposto Renan fechou o jogo em 21/15.

No segundo set, o Sesi-SP seguiu com ritmo forte no saque e bem em todos os fundamentos – a vantagem chegou a sete pontos quando Sidão, pelo meio, levou o jogo para a segunda parada técnica obrigatória. O set point veio com um ace de Evandro: 20/11. Um erro de Bergamo, do Brasil Kirin, decretou o fim do parcial: 21/11.

O terceiro set começou mais equilibrado depois de uma mudança na equipe visitante, que escalou o oposto Rivaldo, preterido na formação inicial. Lucão, que vinha bem no saque e no ataque, fez um ponto de bloqueio para levar o jogo para a primeira parada obrigatória do terceiro set. A vantagem aumentou depois de um erro de recepção do Brasil Kirin: Sandro não perdoou e fez o 08/05. Na segunda parada técnica, o técnico Marcos Pacheco, percebendo o risco de a equipe diminuir o ritmo, pediu mais concentração aos jogadores. Deu certo e a equipe conseguiu rodar até abrir cinco pontos de diferença em bloqueios de Lucarelli (17/13) e Sidão (18/13). Foi o suficiente para fechar o jogo com tranquilidade, em bola do ponteiro Ary: 21/17 e 3 sets a 0.

>> Conheça o elenco da equipe masculina do Sesi-SP 

Em noite de festa para Serginho, Sesi-SP vence primeira partida da semifinal do campeonato paulista de vôlei

Lucas Dantas, Agência Indusnet Fiesp

Serginho usou uma camisa diferente, em apoio à campanha Outubro Rosa. Foto: Divulgação

A noite era do aniversariante Serginho. Jogando com uma camisa especial para a campanha Outubro Rosa, o líbero de 37 anos surpreendeu ao marcar um ponto com rara habilidade e teve apenas um erro na vitória por 3 sets a 0 do time do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) sobre o do São José dos Campos. Os parciais foram de 21/18, 21/19 e 21/15 em partida válida pela primeira semifinal do campeonato paulista de vôlei realizada na noite de terça-feira (15/10), na casa do adversário.

O destaque foi a atuação dos centrais Lucão, com nove pontos, e Sidão, com oito. Com ataques precisos, a dupla desmontou a defesa da equipe do Vale do Paraíba e foram decisivos para o triunfo apo mostrar bom rendimento em fundamentos como saque e bloqueio.

A segunda partida da semifinal será na próxima sexta-feira (18/10), na Vila Leopoldina, às 19h. Em caso de vitória do São José, a vaga na final será decidida no chamado Golden Set – um set extra, de 21 pontos, novidade do regulamento da competição. Quem avançar enfrenta o vencedor do confronto São Bernardo x Brasil Kirin em dois jogos programados para os dias 27 e 31 de outubro.

Apesar da vitória por 3 sets a 0, o técnico Marcos Pacheco alertou para o alto número de erros. E prometeu que a equipe vai trabalhar ainda mais, de olho no segundo jogo e na retomada da Superliga 2013/14, na próxima terça-feira (22/10), contra o Volta Redonda, também no ginásio da Vila Leopoldina.

“Apesar do placar, o jogo não foi muito bom. Erramos demais. Só no primeiro set, demos 10 pontos para eles. Isso não pode acontecer. Podíamos ter imposto um ritmo melhor, ter feito uma partida melhor, como todo o respeito ao São José, mas foi um jogo abaixo do que o Sesi-SP tem para oferecer. Agora vamos trabalhar bastante, porque tem muita coisa para melhorar”, declarou o técnico, que já pensa na maratona que terá pela frente e as dificuldades futuras.

“Se passarmos para a final, será uma pedreira atrás da outra. Volta Redonda, Canoas, três jogos seguidos contra o Brasil Kirin (Paulista e Superliga)… Acabou a moleza e precisamos melhorar nossas deficiências agora. Mas não vamos dizer que está tudo ruim, pelo contrário. Temos problemas, mas uma vitória por 3 sets a 0 numa partida difícil como essa precisa ser muito valorizada. E sexta-feira [18/10] será muito mais difícil, tenho certeza”, finalizou Pacheco.

O jogo

Impulsionado pela torcida, que fazia muito barulho no ginásio do CTA de São José dos Campos, o time da casa forçou bastante o saque e forçou erros por parte do Sesi-SP. A equipe paulista chegou a equilibrar a etapa, mas o São José se mantinha firme e no ritmo dos torcedores, que vibravam muito a cada ponto, até conseguir o primeiro tempo técnico em 05/07. Após a conversa, o Sesi-SP começou a moldar o jogo à sua maneira. Com a eficiência do ponteiro Tiago Wesz, o Mão, no saque e nos ataques na ponta, além da força de Lucão de meio, o time virou o jogo e abriu três pontos de vantagem no segundo tempo técnico (14/11), mantendo a média até o final da primeira etapa, fechada em 21/18, em 23 minutos.

O segundo set começou bem melhor para o São José. Com Jean inspirado, o time forçou ainda mais no saque e chegou a abrir 02/07 no tempo técnico. Mais uma vez, Pacheco precisou acertar a recepção para conseguir botar o Sesi-SP de volta no jogo. Com calma e apostando também nos erros adversários, o time da indústria equilibrou a partida e empatou em 10/10, deixando o set em aberto. Com a entrada de Renan, a equipe cresceu e passou a virar bolas importantes, além de funcionar melhor no bloqueio. E foi com Renan que o Sesi-SP fechou o set em 21/19 em 24 minutos, abrindo 2 sets a 0 na partida.

A etapa final seguiu o script até então. O São José começando muito forte e fazendo o primeiro tempo técnico. Novamente, calma, conversa e o Sesi-SP assumiu o controle do jogo. Sem que o São José conseguisse fazer um único bloqueio na etapa, e ainda dando nove pontos através de erros, a equipe de Pacheco administrou o placar até fechar em 21/15, em 17 minutos, dando números finais ao jogo.

Sesi-SP anuncia renovação com Serginho para a temporada 2013/2014

Lucas Dantas, Agência Indusnet Fiesp 

O homem das defesas impossíveis continua. O Sesi-SP renovou com o líbero Serginho e garantiu assim a permanência de um ídolo da torcida brasileira e um ícone do esporte. Com 37 anos, o camisa 10 renovou por mais uma temporada e já avisa que não vê a hora de voltar a jogar diante da torcida. Símbolo de raça e dedicação, na segunda semifinal da Superliga 2013, contra o Cruzeiro, Serginho se machucou ainda no primeiro set, mas ficou em quadra até o final, fazendo um enorme sacrifício para atuar e defender o time.

O líbero Serginho renova mais uma temporada com o Sesi-SP. Foto: Lucas Dantas/Fiesp

 

“Estou muito satisfeito em renovar com o Sesi-SP. Eu me sinto em casa aqui, onde ganhei a Superliga e agora quero outra”, declarou Serginho, que,  pelo Sesi-SP, além da Superliga 2010/2011, ganhou três Copas São Paulo, dois campeonatos paulistas e o Sul-Americano de 2011. O líbero também mostrou empolgação ao falar do novo técnico da equipe, Marcos Pacheco.

“O time vai sofrer algumas mudanças; é normal ao final de cada temporada, mas o Pacheco é um cara conhecido por todos e ninguém discute sua capacidade para montar uma equipe. Um cara vencedor, sem dúvida. Estou bastante empolgado com a temporada e não vejo a hora de voltar a jogar na Vila Leopoldina.”

Serginho foi uma exigência do treinador. Ciente de sua experiência, além da técnica bem acima da média, Marcos Pacheco acredita que o medalhista olímpico em Atenas-2004 será mais do que o melhor líbero possível, mas também uma referência para o time nessa nova fase.

O líbero Lucianinho e o ponta Mão também renovaram contratos com o Sesi-SP para a próxima temporada. Foto: Julia Moraes/Fiesp

“Ele é muito importante para o time. Conhece o projeto muito bem, é um ídolo nacional, tem uma liderança incrível, experiência de sobra e a técnica, bom, nem precisa falar. Quero montar o time com responsáveis por áreas e ele será o chefe da defesa. O Serginho já é fundamental, mas esse ano será ainda mais”, disse Pacheco.

Além de Serginho e Sidão, o Sesi-SP também anuncia que renovou com o líbero Lucianinho e o ponta Mão. O time volta a treinar no dia 03 de junho, na Vila Leopoldina.

Exposição na Fiesp mostra 48 fotos de atletas de esportes olímpicos e paraolímpicos do Sesi-SP

Flávia Dias, Agência Indusnet Fiesp

Com presença de cinco medalhistas olímpicos da equipe do Sesi-SP – Thiago Pereira (natação), Dani Lins, Serginho, Sidão e Murilo (vôlei) –, o Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) inaugurou na noite de segunda-feira (15/04), em evento para convidados, a exposição fotográfica “Olhar a toda prova”.

O presidente da Fiesp, Paulo Skaf, abre e exposição "Jogos Olímpicos: Esporte, Cultura e Arte". Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

A mostra, aberta ao público até 30 de junho no Centro Cultural Fiesp, reúne 48 imagens de atletas do Sesi-SP sob o registro das lentes de fotógrafos como Claudio Edinger, Jonne Roriz, Marlene Bergamo e Renan Cepeda. A curadoria é de João Kulcsár.

Outra cerimônia aconteceu de forma paralela, a abertura da exposição “Jogos Olímpicos: Esporte, Cultura e Arte”, organizada pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB), com o apoio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Sesi-SP.

Em seu pronunciamento na abertura de “Olhar a toda prova”, o presidente da Fiesp e do Sesi-SP, Paulo Skaf, enfatizou que a indústria, por meio do Sesi-SP, vai dar uma contribuição concreta ao Brasil nos Jogos Olímpicos Rio-2016.

“Nós esperamos colocar pelo menos 50 atletas formados no Sesi-SP para defender as cores brasileiras nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro”, afirmou Skaf.

“A Fiesp está à disposição a colaborar com tudo que estiver ao nosso alcance para divulgar as próximas Olímpiadas”, acrescentou.

Professor Walter Vicioni na abertura de exposição fotográfica. Foto: Junior Ruiz/Fiesp

O superintendente do Sesi-SP, Walter Vicioni, enfatizou que a instituição passou a investir no esporte de alto rendimento a partir de 2005. “Nós fizemos grandes avanços no esporte, dando oportunidades e criando um processo educacional que pretende ser o exemplo e colaborar com o Brasil no desenvolvimento esportivo.”

Recém-chegado ao Sesi-SP, o nadador Thiago Pereira, medalhista de prata em Londres-2012, elogiou a iniciativa: “ É maravilhoso. Esta exposição sobre os atletas olímpicos é uma coisa muito boa. Faltava esse reconhecimento pelo esforço. São eventos como esse que motivam a gente cada vez mais a correr atrás de novos recordes, medalhas e de uma vaga para disputa de 2016”, avaliou o atleta.

Entre os fotografados estão os medalhistas olímpicos Serginho, Murilo, Dani Lins, Fabiana e Sidão (vôlei); Thiago Pereira (natação); Reinaldo Colucci (triatlo); Aline Ferreira (luta olímpica); Ana Marcela (maratonas aquáticas); Gustavo “Grummy” Guimarães (polo aquático); Hugo Praxedes (judô); Marco Aurélio Borges (atletismo paralímpico); Luisa Lisboa (bocha paralímpica) e Janaina Petit (vôlei sentado).

Acessibilidade

A exposição conta com seis fotos perceptíveis pelo tato, com legenda em braile, de registros fotográficos realizados por seis fotógrafos com deficiência visual durante os jogos da Superliga de vôlei 2012/13.

De acordo com o curador da mostra, durante o processo de captação das imagens, os fotógrafos contaram com o auxilio de um ajudante que descrevia o cenário para os deficientes visuais. Munidos destas informações, os artistas conseguiram fazer os seus registros fotográficos.

“Tanto deficientes visuais como todos que tiverem interesse poderão explorar diferentes sentidos nas visitas guiadas. Os visitantes serão convidados a perceber a exposição pelo tato e audição, e quem quiser poderá ver com os olhos”, afirmou João Kulcsár.

Serviço
Exposição Olhar a toda prova

Classificação indicativa: livre
Entrada gratuita
Local: Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso ( Espaço Fiesp II)
Avenida Paulista, 1.313 (em frente à estação Trianon-Masp do Metrô)
Os espaços têm acessibilidade.

Período expositivo: de 16 de abril a 30 de junho – segundas, das 11h às 20h; de terça a sábado, das 10h às 20h; e domingos, das 10h às 19h (entrada até 20 minutos antes do fechamento)

Agendamentos escolares e de grupos: de segunda a sexta-feira, das 10h às 13h e das 14h às 17h, pelo telefone (11) 3146-7396

Sesi-SP luta, mas se despede da Superliga masculina de vôlei

Flávia Dias e Talita Camargo, Agência Indusnet Fiesp

A equipe de vôlei masculina do Sesi-SP encerrou na manhã deste sábado (30/03), no ginásio da Vila Leopoldina, sua participação na Superliga masculina de vôlei 2012/2013. Jogando em casa, com o apoio da torcida, o time paulista mostrou muita garra, mas sofreu seu segundo revés para o Sada Cruzeiro por 3 sets a 0 na série melhor de três pelas semifinais do campeonato nacional. As parciais foram de 25/22, 25/23 e 36/34 em 1h50 de jogo.

Time masculino de vôlei do Sesi-SP se despede da Superliga Masculina 2012/2013. Foto: Hélcio Nagamine/Fiesp.

Com o resultado, o time mineiro conquistou a vaga na final. Maior pontuador da partida, com 19 acertos, o oposto Wallace (Sada Cruzeiro) recebeu o Troféu VivaVôlei. Pelo Sesi-SP, a pontuação foi liderada por Lorena (16), Murilo (12) e Éder (nove).

Ao final do jogo, o técnico do Sesi-SP, Giovane Gávio, elogiou a garra de seus comandados: “Eles [Cruzeiro] jogaram muito bem, mas hoje demos o nosso melhor. Infelizmente, este ano não dava para tirar mais do time”, enfatizou.

Durante a partida, o líbero do Sesi-SP, Serginho, machucou as costas após uma defesa, mas decidiu continuar em quadra ao lado dos seus companheiros de equipe: “Infelizmente eu senti as costas neste jogo por conta de uma lombalgia. Já tive isso, mas fazia tempo que não sentia dor e calhou de voltar justo hoje. Tomei injeção durante o jogo, mas ainda sinto dores”.

Giovane Gávio consola o levantador Sandro após a derrota do time. Foto: Hélcio Nagamine/Fiesp

Para o líbero, o excesso de contusões durante o campeonato prejudicou o rendimento da equipe: “Essa temporada foi bem difícil para gente, pois tivemos muitas lesões, com jogadores que ficaram afastados como o Sidão, Tiago Barth e hoje, eu”, avaliou.

Já o levantador Sandro, um dos grandes destaques do Sesi-SP na partida, reconheceu o bom desempenho do Cruzeiro: “Temos que enaltecer a equipe adversária que novamente sacou muito bem, dificultando o nosso jogo o tempo todo”.

Apesar da derrota, o atleta parabenizou os investimentos realizados pelos clubes de vôlei de todo o Brasil: “Ficamos felizes que equipes fortes, como a nossa e a deles [Cruzeiro], que têm base num projeto legal, tenham chegado à semifinal, mostrando a força do voleibol brasileiro mais uma vez”, analisou.

O jogo

No inicio da partida, a equipe do Sada Cruzeiro saiu na frente do placar, abrindo quatro pontos de vantagem (06/02). Durante a parcial, o time do Sesi-SP conseguiu reduzir para um ponto a vantagem do Minas no placar (16/17), porém o bloqueio eficiente da equipe adversária somado aos erros de saque e recepção do time do Sesi-SP, contribuíram com a vitória do Cruzeiro por 25/22.

A equipe do Sesi-SP não se deixou abater. Na volta para o segundo set, conseguiu explorar o bloqueio da equipe de Minas e, com bolas rápidas de contra-ataque, abriu três pontos de vantagem no placar (10/07). Na sequência, os jogadores do Sesi-SP cometeram erros de saque e recepção – falhas aproveitadas pelo time de Minas, que virou o placar para fechar a parcial em 23/25.

O terceiro set representava um tudo ou nada para o Sesi-SP. A equipe começou com três pontos de vantagem no placar (07/04). Liderado pelo bom aproveitamento do oposto Lorena, o Sesi-SP permaneceu a frente no placar (19/17), porém, cometeu dois erros de saque e recepção que garantiram o empate da equipe mineira (21/21). O final do set foi marcado pela disputa emocionante. No fim, o Cruzeiro levou a melhor vencendo por 36/34, e a partida por 3 sets a 0, encerrando, com isso, a participação do Sesi-SP na Superliga 2012/13.

Acompanhe o vôlei do Sesi-SP nas redes sociais

Twitter: @sesisp_volei 
Facebook: www.facebook.com/sesisp.volei

>> Leia mais notícias do Sesi-SP Esporte

Com Murilo e Serginho de volta, Sesi-SP busca a 13ª vitória seguida e a classificação antecipada para as semifinais

Lucas Dantas, Agência Indusnet Fiesp 

O técnico Giovane Gávio não pode reclamar. O time masculino de vôlei do Sesi-SP lidera o Campeonato Paulista com indiscutíveis 12 vitórias em 12 jogos (com apenas cinco sets perdidos) e pode se garantir na semifinal já na próxima partida, com uma rodada de antecedência. Além do retrospecto excepcional, o técnico ainda contará com a volta de dois jogadores que desde março não vestem a camisa do time em uma partida oficial. Depois do conquistar a medalha de prata nas Olimpíadas de Londres, Murilo e Serginho voltam ao time contra o Vôlei Futuro, nesta quarta-feira (26), às 20h, no Ginásio Plácido Rocha, em Araçatuba. O jogo terá transmissão do SporTV.

Apesar de relacionados, os dois jogadores não tiveram a titularidade confirmada por Giovane, que prefere ir com calma para evitar alguma lesão inesperada. “Eles estão voltando agora. Seu último jogo foi pela seleção e então tiraram férias. Já faz um tempo que não entram em quadra e o jogo será contra o terceiro colocado do campeonato. Precisa ter calma, mas só o fato de já estarem relacionados dá uma alegria enorme”, declarou o técnico.

Serginho também está ansioso. O líbero está à disposição de Giovane para toda a partida, mas sabe que a falta de ritmo pode influenciar na sua escalação. “Estou feliz por voltar, ainda mais contra um time bom e que investiu bastante no vôlei recentemente. Ainda estou sem ritmo, mas estou pronto para a partida inteira. Se vou jogar, aí depende do Giovane”.

Para o Sesi-SP garantir a primeira colocação na tabela, basta apenas vencer dois sets, não importando o resultado final. Porém, o objetivo não é outro que não a vitória para continuar com uma campanha irretocável até aqui. “Vamos para a vitória. A classificação já está garantida e podemos ainda conseguir uma bela vantagem se terminarmos na ponta, mas chegamos naquele estágio que o time que vencer mais e se superar. Também tem o adversário que quer acabar com a invencibilidade, então temos que entrar mais concentrados ainda”, declarou Giovani.

Após o jogo contra o Vôlei Futuro, a equipe do Sesi-SP fechará a primeira fase em casa contra o Medley/Campinas, sábado, às 21h. Os jogos da semifinal serão nos dias 04, 06 e 09 (se necessário), ainda sem mando de campo definido.

Serviço:

Vôlei Futuro x Sesi-SP
Data – 26 de setembro de 2012 às 20h – Transmissão SporTV
Local – Ginásio Municipal de Esportes Dr. Plácido Rocha – Rua Coelho Neto s/n, Vila Santa Maria, Araçatuba, São Paulo

Brasil esbarra em gigante russo e atletas do Sesi-SP ganham prata no vôlei masculino

Juan Saavedra, Agência Indusnet Fiesp

Dessa vez não deu. Depois de um início avassalador, em que chegou a abrir dois sets de vantagem, o Brasil foi derrotado neste domingo (12/08), em Londres, pela equipe da Rússia no tie-break por 3 sets a 2 (19/25, 20/25, 29/27, 25 /22 e 15/09) em duas horas e sete minutos de jogo. Com o resultado, a seleção ficou com a medalha de prata – a equipe conta com três atletas do Sesi-SP (Serginho, Sidão e Murilo).

É a terceira medalha de Serginho (ouro em Atenas-2004 e prata em Pequim-2008) e a segunda de Murilo (prata em Pequim-2008).

Rússia e Brasil perfilados antes do jogo

 

O jogo

O Brasil foi absoluto nos dois primeiros sets, comandando o placar o tempo inteiro. Fechou o primeiro set em 24 minutos (25/19) e o segundo parcial em 26 minutos (25/20).

No terceiro set, o técnico russo, Vladimir Alekno, surpreendeu ao mexer na formação da equipe, deslocando o central Dmitriy Muserskiy, gigante de 2,18m, para a posição de oposto, e improvisando o oposto Maxim Mikhaylov como ponteiro passador. A aposta deu certo e os russos equilibraram o jogo, que passou a ser disputado ponto a ponto em cada virada de rede.

Ainda assim, o Brasil fez o 19/16 com Wallace e chegou aos 22/19 em erro de Muserskiy. Os russos empataram em 22/22, mas Wallace manteve a tranquilidade pela saída de rede: 23/22. Lucão, em jogada rápida, conseguiu o primeiro match point (24/23), mas a Rússia salvou.

Murilo (camisa 8 ) fez 18 pontos no jogo.

A seleção de Bernardinho obteve novo ponto da medalha de ouro (25/24), mas a Rússia novamente empatou para conseguir em seguida seu primeiro set point (26/25). Sidão empatou (26/26), mas os russos conseguiram mais um set point em rali emocionante (28/27), fechando o parcial ao bloquear Lucão, em parcial de 34 minutos.

No quarto set, Giba entrou no lugar de Dante, que sentiu uma lesão. Foi o momento do Brasil se perder no jogo. Sem ritmo de competição, Giba cometeu erros na recepção e no ataque, e Wallace passou a errar mais pela saída de rede. Bernardinho escalou Thiago Alves no lugar de Giba, mas os russos seguiram bem no jogo, abrindo 19/14. O Brasil ensaiou uma reação no final, mas não foi suficiente. Os russos fecharam o segundo set com 25/22 em erro de saque de Murilo. Jogo empatado em sets (2 a 2).

No tie-break, Dante entrou no sacrifício, mas o Brasil não se reencontrou na quadra do complexo Earls Court. Jogando como oposto, Muserskiy – 31 pontos na partida – continuou imparável e os russos fecharam o jogo: 15 /9.

O ponteiro Murilo fez 18 pontos (16 pontos de ataque e dois de bloqueio), enquanto Sidão conseguiu quatro no saque, sete atacando e três bloqueando. Serginho liderou as estatísticas do jogo na defesa, com 18 bolas – três a mais que o russo Obmochaev. Murilo conseguiu pegar sete bolas.

Leia mais

Com grande atuação de Sidão, vôlei masculino do Brasil vence Sérvia de virada: 3 sets a 2

Juan Saavedra, Agência Indusnet Fiesp

Sidão foi o maior pontuador do Brasil no jogo contra a Sérvia. Divulgação/FIVB

A Sérvia era uma das lanternas do grupo B. Mas o time dos Balcãs não facilitou em nada a vida do Brasil. Em partida de duas horas e dois minutos, a equipe do técnico Bernardo Rezende, o Bernardinho, precisou de cinco sets (22/25, 25/15, 20/25, 25/22 e 15/9) para superar os atuais campeões europeus, em confronto realizado na noite de sábado (04/08) pelo torneio de vôlei masculino dos Jogos Olímpicos de Londres.

Com a vitória de virada, o Brasil somou oito pontos pelo Grupo B e garantiu classificação para as quartas de final.

O destaque foi a atuação de Sidão, central do Sesi-SP. O meio de rede marcou 15 pontos – sete de ataque, seis de bloqueio e dois no saque.

Sempre muito concentrado na recepção (26 passes perfeitos em 33), Murilo Endres, ponteiro do Sesi-SP, também teve boa atuação, marcando 12 pontos – nove de ataque e três de saque – e defendendo cinco bolas.

Serginho defendeu sete bolas e contribuiu com 19 passes perfeitos em 27 recepções.

A próxima partida será contra a Alemanha, na segunda-feira (06/08), às 18h (horário de Brasília).

O jogo

Murilo Endres fez 12 pontos e se destacou no passe, com alto índice de acertos.

Mais concentrada no início, a seleção da Sérvia comandou o placar durante quase todo o primeiro set. Chegou a abrir 8/5, mas o Brasil empatou em 8/8 em bloqueio de Vissotto, e, depois, em 9/9 em ataque de Murilo. Liderados por Uros Kovacevic, os campeões europeus abriram quatro pontos (15/11) e administraram uma vantagem de dois a quatro pontos até o final, fechando o set em um ataque de Aleksandar Atanasijevic desviado para fora pelo bloqueio de Dante.

Com outra atitude, a equipe de Bernardinho impôs seu jogo e comandou o placar no segundo set . A Sérva chegou a empatar em 6/6, mas o Brasil conseguiu abrir margem de sete pontos (15/8) em saque de Sidão. A vantagem chegou a 10 pontos em saque de Murilo (24/14). Vissotto empatou a contagem de sets em 1 a 1 em bloqueio para fora de Nikola Kovacevic.

No terceiro set, as equipes mantiveram equilíbrio no placar até o 19/19. Sidão errou seu saque e a Sérvia, aproveitando o serviço de Atanasijevic, abriu quatro pontos (23/19).  O time dos Balcãs fechou o terceiro set (25/20) em 26 minutos.

Bernardinho mexeu na formação da equipe para o quarto set, escalando o oposto Wallace e o central Rodrigão nos lugares de Vissotto e Lucão. E deu certo. O Brasil abriu vantagem (15/11), mas a Sérvia chegou a assustar (19/19). Wallace fechou o set em 25/22, empatando a contagem em dois sets.

No quinto set, o tie-break seguiu equilibrado até 6/5, mas com ataques de Murilo (7/5) e bloqueio de Sidão (8/5), a seleção brasileira deslanchou, deixando a virada bem encaminhada em bloqueio de Bruno (10/5) e mais um ataque de Murilo (11/5) não defendido por Atanasijevic. O técnico da Sérvia, o montenegrino Igor Kolakovic, tentou mudar o rumo do placar com um pedido de tempo, mas já era tarde. Um erro de Nikola Kovacevic determinou mais uma vitória brasileira (15/9), por três sets a dois.

 


Leia mais

 

Serginho e Murilo, do Sesi-SP, buscam título inédito da Superliga

Agência Indusnet Fiesp (com informações de Photo&Grafia Comunicação – Belo Horizonte, MG)

Durante treino antes da partida final, Serginho...

O título é o objetivo de todos no Sesi-SP, mas, para dois jogadores em especial, o momento é ainda mais importante. O líbero Serginho, campeão olímpico, e o ponta Murilo, campeão mundial, são jogadores experientes e consagrados, mas entre os muitos títulos conquistados pela dupla não há o da Superliga. Dessa vez, na decisão de domingo (24), às 10h, contra o Sada Cruzeiro, a meta é complementar o currículo.

Serginho afirma que existe essa atenção com a próxima partida. “Em todas as finais, o intuito é conquistar o título. Estou correndo atrás desse resultado há bastante tempo e agora o objetivo é ainda maior. É um título que eu não tenho e sei que é uma conquista muito importante também para a instituição, que utiliza o esporte para passar conceitos de superação e trabalho em equipe para toda a garotada de sua rede de ensino. O vôlei somou bastante nesse sentido, tanto que em apenas dois anos de atuação o time chegou à final”, disse o jogador, hoje com 35 anos.

... Murilo e equipe se prepararam em busca do título inédito

O líbero destaca, também, a importância do grupo: “Eu, particularmente, tenho o desejo de ter esse título, mas não é só por mim. Já joguei em muitas equipes, mas essa é diferenciada. Quero ganhar pelo grupo, pois há respeito, amizade e carinho entre todos nós do Sesi-SP”.

O pensamento é o mesmo para Murilo, de 29 anos, considerado o melhor jogador da última Liga Mundial, em 2010. “Bati na trave em 2001, quando fui vice da Superliga, depois passei um tempo fora, e, no ano passado, saímos antes do que esperávamos, nas quartas-de-final. Dessa vez é um título que todos nós queremos ainda mais”, sublinhou.

O ponta do Sesi-SP disse que o momento da final será especial. “Tento não ficar pensando muito nisso, mas sei que, dentro da quadra, na hora da final, vai vir toda a história na minha cabeça e vou querer agarrar esse título de qualquer maneira. Será como a conquista de um título mundial”, destacou Murilo.

Preparação

Serginho, Murilo e toda a equipe do Sesi-SP fizeram mais um treino no Mineirinho na manhã desta sexta-feira (22), quando o técnico Giovane reforçou o trabalho. “Ainda fizemos um treino pesado. Treinamos no horário da partida e isso é importante para os jogadores. Por isso considerei esse o principal treinamento da semana. A partir de agora, já começamos a reduzir o ritmo”, concluiu Giovane.

Antes do jogo de domingo (24), que decidirá o campeão da Superliga 2010/2011, o Sesi-SP ainda treinará neste sábado (23), a partir das 17h30, e domingo (24), às 9h, novamente no Mineirinho.

Leia mais:

Acompanhe todas as notícias do Sesi-SP na Superliga Masculina de Voleibol

Veja aqui a galeria de fotos