Senai Mix Design: Bem-vindos ao outono-inverno 2016

Isabela Barros

Bem-vindos ao outono-inverno de 2016. Entre os designers e especialistas em moda do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP), a temporada de frio do próximo ano já inspira tendências variadas, referências a serem trabalhadas pela indústria para chegar às vitrines mais adiante. Assim, para ajudar quem produz, a instituição lançou, nos dias 01 e 02 de julho, o projeto Senai Mix Design. A iniciativa incluiu palestras, apresentações de empresas, oficina e o lançamento da publicação Direções Criativas para o Outono-Inverno 2016.

O Senai Mix Design divulga informações de moda e tendências de comportamento e consumo para os setores de vestuário, calçados, botas, joias folheadas e bijuterias. Para levantar esses dados, foram realizadas visitas a feiras internacionais, análise de relatórios de agências especializadas e monitoramento de jornais, sites e revistas, entre outros meios de comunicação.

De acordo com a designer e consultora Andressa Campideli, da Escola Senai “Francisco Matarazzo”, no Brás, na capital paulista, o tema central das referências para a próxima temporada de frio é “paradoxos”. Já as chamadas direções criativas, ou seja, as tendências em si, são divididas em três grupos: “medo encantado”, “ficção realista” e “coletivo particular”.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544851590

Oficina do Senai Mix Design em São Paulo: tendências para orientar a indústria. Foto: Divulgação


O “medo encantado” envolve peças românticas, leves, mas com um certo ar sombrio. Como isso pode virar realidade nas lojas? A partir de roupas com bordados ou padronagens florais, mas com fundo escuro, por exemplo. E, conforme Andressa, “uma certa dramaticidade”. “Teremos muitas pregas, laços, golas altas. Tudo com um toque vitoriano”, explica. Entre as cores de referências estão nude, vinho e azul escuro.

Já a “ficção realista” une “tecnologia e tradição”. “A androginia é chave para entender o que vai fazer sucesso no próximo outono-inverno”, diz Andressa. “As roupas vão além dos gêneros, com peças de alfaiataria para mulheres”, afirma. “O toque feminino fica por conta de um cinto, um detalhe, por exemplo”. Cores para esse grupo de tendências? Azul mais claro, cinza e verde intenso, entre outras.

Fechando as direções criativas, o “coletivo particular” discute a noção do “coletivo que fortalece o individual”. “Aqui entra em cena a liberdade de expressão nas roupas”, diz Andressa. “E isso com muita influência dos anos 1960 e 1970, com experimentações estéticas”. Nesse item, as cores predominantes são aquelas mais vivas, como verde e coral.

Segundo Andressa, empresários do setor têxtil podem se inspirar nas três direções criativas e suas características para pensar no que produzir. “Uma boa dica é pensar num balanço dessas três referências, avaliar com quais dela as marcas mais vão se identificar”, afirma.

Quer saber mais? Essas e outras informações estão disponíveis no caderno produzido pelo Senai Mix Design, que pode ser adquirido no site do projeto: http://mixdesign.sp.senai.br

Além disso, é possível conferir, no portal, quando a iniciativa chegará a outras cidades do estado de São Paulo. Estão previstas palestras em Americana, Limeira, Franca e Jaú.

Conceitos de universos orientam as direções criativas para a Primavera-Verão 2015/2016

Dulce Moraes, Agência Indusnet Fiesp

O universo foi elemento retratado nas direções criativas da edição Primavera-Verão 2015/2016 do caderno Senai Mix Design, elaborado por especialistas do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP). Esse conceito foi abordado nos temas: “Multiverso”, “Comuniverso” e “Euniverso”.

Em evento realizado na terça-feira (20/01) no auditório do Centro de Design de Moda do Senai-SP, as designers de moda Andressa Campideli, Debora Catelani e Alessandra Lanzeloti explicaram os fatores e as referências de cada uma dessas tendências, apresentaram a paleta de cores predominante em cada uma e, ainda, os tipos de tecidos, texturas e formas que serão tendência para a moda de vestuário feminino, masculino e infantil.

Veja um resumo das tendências para cada uma das três direções criativas:

Multiverso

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544851590

Andressa Campideli, designer de moda do Senai. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Para especialista Andressa Campideli, essa tendência resume a busca do homem por universos desconhecidos, seja o espacial sideral ou o mundo submarino. Também traz a referência da ficção científica, das conexões e do uso cada vez frequente das tecnologias sem fio.

“Hoje, temos as mídias sociais e não dá para esquecer que o nosso consumidor tem acesso a elas a todo tempo, seja no smartphone ou tablets. Portanto, é preciso pensar em aproximar os produtos desses consumidores que são aficionados por esse mundo galáctico e desconhecido”, recomendou.

Andressa explicou  que essa tendência também tem a ideia de cuidado com o meio ambiente e os empresários não podem deixar de explorar essa consciência ambiental em seus produtos.

A paleta de cores da tendência “Multiverso” destaca o azul, nos tons mais escuro (como o sideral) ao mais claro, além do lilás (nebulosa), verde profundo (alga), tons galácticos de cinza, prata, metalizados e branco e preto.

Para a moda feminina, a tendência são as formas alongadas e fluídas, com mais movimento e leveza, trazendo sensualidade, recortes assimétricos, transparências, presença de nós e franjas.  Nas coleções masculinas, as apostas são os cortes assimétricos, a silhueta slim e  uma fusão entre alfaiataria e sportwear nos tecidos acetinados, telados e também a malha mesh.

Silhueta fluída e delicada é a posta dessa tendência para a moda infantil, com tecidos leves, discretas transparências, estampas e bordados.


Comuniverso

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544851590

A designer de moda Debora Catelani no lançamento do Senai Mix Design. Foto: Everton Amaro

A busca pela valorização do coletivo, das relações humanas e das culturas  diversas é a inspiração do conceito “Comuniverso”.

Na opinião da designer de moda Debora Catelani, essa tendência mostra o crescente interesse das pessoas pela história e pelas culturas exóticas, o que tem sido propiciado pela facilidade de mobilidade de conhecer e explorar territórios sem sair de casa. “Há um hibridismo muito grande porque a gente olha para as coisas e não sabe mais a origem. São misturas de referências culturais, étnicas e de comportamentos fundidas em produtos e no nosso cotidiano. É uma grande fusão”, explicou.

A designer destacou ainda a ascensão dos produtos “on demand”, em que cada vez mais os produtos são realizados para atender a necessidades e preferências do consumidor.

Para essa tendência, a paleta de cores traz tons mais vivos mesclando os terrosos com as cores vibrantes.

Na moda feminina serão destaques as franjas, patchwork, bordados, silhuetas grandes e cropped (recortado), cintura alta, pantalona, flears, e mangas largas.

Para a moda masculina a silhueta será mais quadrada em modelagens amplas e largas, com tecidos trabalhados em dupla face, sarjas estampadas, denins, camisa de gola estilo paletó, decote em “V” alogando e as listras irregulares.

No vestuário infantil, a inspiração mescla o moderno e o artesanal, com peças em denin estampado ou temas tropicais com flores e frutas e o xadrez vichi. Haverá predominância também da gola padre e suas variações e das regatas em malha com detalhes aplicados e listras.

A designer Alessandra Lanzeloti alertou sobre os cuidados com acessórios e apliques em roupa infantil, pois está para sair uma norma sobre esse tipo de produto.

Euniverso

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544851590

Alessandra Lanzeloti no lançamento do Senai Mix Design. Foto: Everton Amaro

A individualidade, a busca pela felicidade, pela espiritualidade, pelo autoconhecimento e pela paz interior são os enfoques da direção criativa Euniverso’. “Essa inspiração está relacionada com a vida descomplicada, com um certo despojamento”, explicou Alessandra Lanzeloti.

Nesse contexto, a designer destacou a importância de a área de desenvolvimento de produtos levar em conta as preocupações da sociedade atual, como o respeito às mulheres nas diversas culturas e outros temas como a busca pelo direito à igualdade racial, respeito a homoafetividade, entre outros.

Outro exemplo do enfoque ao “indivíduo” é a  participação do  consumidor na elaboração dos produtos, como na campanha “Cocriar” da indústria de cosmético Natura, que permite que o consumidor contribua para a elaboração dos produtos da marca.

A paleta de cores dessa tendência traz muitos azuis, verdes, lilases, arroxeados, laranja, tons zen, nude e pele. O branco, por outro lado, será a cor predominante na estação.

Para a moda feminina, a silhueta está mais descomplicada, elegante e minimalista em peças amplas, estilo esportivo e macacões unissex.

Para o público masculino, a moda será a silhueta alongada, andrógena, com ganchos baixos e estilo casual. Os tecidos terão um aspecto amassado e molhado e com malhas aparentando estar delicadamente puídas e rasgadas. Há ainda a mistura do terno com camiseta e a subtração de elementos da roupa, como uma camisa sem manga ou gola.

Na moda infantil há predominância de cores como o azul, laranja, verde e branco em silhuetas descomplicadas, confortáveis e em tecidos de algodão e linho com aparência de lavado e amassado. Composições calmantes e lúdicas.

Designers do Senai-SP apresentam tendências para a moda Primavera Verão 2015/2016

Dulce Moraes, Agência Indusnet Fiesp

Empresários do setor de confecção e vestuário, estilistas e profissionais e estudantes de moda receberam, na noite desta terça-feira (20/01), durante o lançamento do Senai Mix Design, uma verdadeira aula do que deverá ser sucesso na Primavera-Verão 2015/16.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544851590

As especialistas na área de moda do Senai-SP, Alessandra Lanzeloti, Andressa Campideli e Debora Catelani, mostraram as direções criativas e tendências para Primavera Verão 2015-16. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Os participantes foram apresentados às macrotendências de comportamento e as inspirações pesquisadas em todo o mundo e que devem guiar as estratégias de mercado e os profissionais do mundo da moda de vestuário, acessórios, calçados, joias, folheados e bijuterias.

A palestra foi apresentada pelas especialistas e autoras do caderno “Senai Mix Design Primavera-Verão 2015/2016 – Direções Criativas”, no auditório do Centro de Design de Moda do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP), no bairro do Brás, em São Paulo. O caderno tem custo de R$ 59,90 e está disponível para pré-venda no site  do programa.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544851590

O kit Senai Mix Desing Primavera-Verão 2015/16 trazem publicações impressas e em formato digital. Foto: Divulgação

No evento – o primeiro de uma agenda que inclui outras cinco cidades –, a designer de moda Alessandra Lanzeloti destacou as inovações do material desenvolvido. “Na edição deste ano, além da versão impressa dos cadernos, todo o conteúdo está sendo disponibilizado em forma digital e os conteúdos setoriais para vestuário, calçados e bolsa e joias e bijuterias estarão em um pendrive. Isso vai facilitar muito o uso dessas informações pelos profissionais de criação”, disse.

Para Debora Catelani, também designer de moda do Senai-SP, a nova edição está mais objetiva em relação à anterior. “Para nós, mudar a cada edição, dar uma nova cara a edição, é um grande desafio, pois as mudanças são muito sutis.”

Para a consultora e mestre em Moda Andressa Campideli, uma das autoras do “Caderno Direções Criativas” ao lado de Alessandra e Debora, foi necessário um amplo trabalho de pesquisa global, acompanhado de estudos de casos de empresas.

Leia também: Conceitos de Universos orientam as direções criativas para a Primavera-Verão 2015/2016

A vivência de empresários e profissionais das indústrias tornou os workshops e oficinas realizados pelo Senai-SP uma experiência enriquecedora, na opinião de Alessandra. “Há alguns empresários que vêm acompanhando todas as edições”, comentou.

Neste ano, o Senai Mix Design promove o lançamento do Caderno, palestras e encontros setoriais nas cidades de Franca, Americana, Jaú, Birigui e Limeira.

Confira a programação no site do Senai Mix Design.

>> Conceitos de Universos orientam as direções criativas para a Primavera-Verão 2015/2016

Senai-SP apresenta produtos e serviços em evento de design

Agência Indusnet Fiesp

O Serviço Nacional de Aprendizagem de São Paulo (Senai-SP) participa, de 12 de agosto a 07 de setembro, no Conjunto Nacional, do VIVA Design, uma plataforma de relacionamento para designers, empresas, indústrias e marcas inovadoras, que divulga novos projetos, produtos e tendências.

O VIVA Design é realizado pela Associação Objeto Brasil em parceria com o Conjunto Nacional e a Paulista Viva e faz parte da programação oficial da Design Weekend da Editora Abril.

Produtos do Senai-SP e da Rede Senai-SP Design serão expostos no evento destacando características como: tecnologia, inovação e melhorias significativas. Também serão apresentados produtos desenvolvidos por meio do Edital de Inovação e outros que estejam no contexto da exposição.

No estande, ficarão disponíveis as duas mais recentes publicações do Senai Mix Design, Primavera/Verão 2015 e Outono/Inverno 2015, juntamente com mostra de tecidos, estampas e padronagens desenvolvidas a partir de três direções criativas.

A Editora Senai-SP também apresentará todas as suas publicações, que ficarão à venda na Livraria Cultura.

A premiação do Idea Brasil será realizada durante o evento, no dia 05 de setembro. Quatro projetos do Senai-SP foram premiados na edição 2014: Ambulância, Grill para Fogão, Brinquedo Educativo e Cronos Micromotor para Podólogos.

Serviço:
VIVA Design
12 de agosto a 07 de setembro
Das 9h às 22h
Conjunto Nacional – Av. Paulista, 2.073 – São Paulo/SP

Diferenciais podem estar nos detalhes, defendem designers do Senai Mix Design

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

Se o fabricante produz 50 modelagens, que aumente esse número para 54, mostre quatro produtos diferenciados e ofereça-os aos poucos para o mercado, orienta a designer de artefatos de couro e instrutora do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP), Melissa Bosquê.

Ela é uma das autoras do box Senai Mix Design Outono/Inverno 2015, formado por quatro livros que reúnem tendências e inspirações para os setores de vestuário, artefatos de couro, calçados e joias folheadas e bijuterias.

“É difícil sair da cópia porque, quando o empresário vai vender, as pessoas já estão querendo o que está na tendência e ele sente a necessidade de seguir esse parâmetro”, reconhece Melissa. “Mas é possível ganhar o volume de dinheiro com o que o mercado está pedindo e, em paralelo, fazer algumas experiências”, complementa.

Melissa destaca que as empresas que têm mais liberdade para sair dessa opção são as que atuam em segmentos específicos.

Melissa: desafio de inovar sem perder o foco no mercado. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

Melissa: desafio de inovar na produção sem perder o foco no mercado. Foto: Beto Moussalli/Fiesp


“A gente conhece uma empresa que fabrica bolsas para cinegrafistas. Ela atende o pessoal que trabalha em TV, portanto não tem muito concorrente e consegue sair mais da tendência”, conta. “Agora quem trabalha com a bolsa para moda precisa fazer realmente o que o mercado aceita, mas sem deixar de ter diferenciais. Se você tem 50 peças, faça 54 e mostre quatro opções diferenciadas”, orienta a designer.

Questão de estilo

O desafio de sair da cópia também se aplica ao setor de semi joias e bijuterias finas. Na avaliação da designer e também autora do Senai Mix Design Maysa Neves Pimenta, o conforto de copiar ainda se sobrepõe ao desafio de criar.

“Não só no setor da joia, mas em todos os setores é muito mais cômodo olhar o que lançou na novela, no desfile e copiar. É importante acreditar no trabalho do designer e ter isso como um norteador, ter a visão de que a marca precisa ter um direcionamento e estilo”, defende.

Embora defenda a independência criativa do fabricante, Maysa ressalta a importância do equilíbrio entre tendência global e o viés da cultura local para emplacar um produto no mercado.

“Não é só uma questão de tendência de moda, mas de consumo. Então pode ser um produto totalmente autoral, mas ele tem de ter uma carinha do que está sendo traçado internacionalmente, caso contrário ele não está inserido no mercado”.

Sustentabilidade

Referência de moda e comportamento, a produção e o consumo sustentáveis de vestuário e acessórios também podem ser aplicados à realidade dos fabricantes de pequeno porte.

A designer Melissa alerta, no entanto, para que a mudança de hábito da empresa ocorra aos poucos. “Não adiantar levar a fábrica de ponta cabeça. O negócio é fazer inovação com uma linha pequena de produto com matéria-prima 100% orgânica e testar a reação dos clientes. Depois ele [empresário] pode investir mais no processo inteiro”, orienta.

Para micro e pequenas empresas

Os cadernos de inspirações do Senai Mix Design Outubro/Novembro – 2015 são voltados para a empresa de micro e pequeno porte, afirma Melissa Bosquê.

“O empresário grande sai para pesquisa, eles estão nas feiras de matéria-prima, têm equipes próprias para esse trabalho. O box é mais um material que ele consegue. Para a pequena e micro empresa, é um material essencial, com todas as informações compiladas para que ele as use no dia-a-dia”, explica a designer.

Há uma preocupação da equipe do Senai Mix Design, segundo Melissa, em adequar as tendências encontradas nas feiras e nos desfiles fora do país para a realidade do consumidor brasileiro. “A gente traz tudo o que viu de matéria-prima em feiras e desfiles lá fora como filtro para o Brasil”, conta.

A designer de joias, Maysa Neves Pimenta, pensou até no empresário que fabrica suas peças sozinho enquanto elaborava o caderno de joias folheadas e bijuterias finas. “Eu enxergo o Senai Mix Design como um orientador para que essas pessoas desenvolvam produtos com diferencial e não tenham que brigar só pelo preço, mas ter seu lugar no mercado com identidade de marca”, garante.


Estamos saindo do caricato e aprendendo a variar, diz autora do Senai Mix Design

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

O fabricante de vestuário brasileiro vem deixando, com o tempo, de fazer caricatura e se importando mais em misturar o que é tendência global com as características do País. O senso de cópia, no entanto, ainda tem bloqueado em parte o avanço do valor agregado na indústria nacional.

A avaliação é da professora Débora Catelani. Ela é designer de vestuário no Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) e uma das autoras do box de inspirações e direções criativas  de moda do Senai Mix Design Outono-Inverno 2015. A professora e designer Alessandra Lanzelotti também colaborou para o encarte de tendências em vestuário, calçados e acessórios.

“A gente tem que ser único e universal, ou seja, tem que estar sempre de olho lá fora, mas também agregar o nosso valor”, afirma Débora. “Precisamos sair do caricato, estamos aprendendo cada vez mais a mesclar essas coisas”, diz.

A edição do Mix Design para o outono e inverno 2015 explora o significado do escapismo, ou seja, rotas de fuga desse tempo.  Neste box, o industriário do setor encontra três direções criativas para fabricar roupas e acessórios dentro desse conceito: Escape Essencial, no que diz respeito aos valores essenciais da vida e a reaproximação do homem com a natureza, e Escape Experimental, que se refere a experimentar coisas novas, e o Escape Surreal, representando um mundo de fantasia.

Os cadernos do Senai Mix Design Outono-Inverno 2015: referências para a indústria. Foto: Divulgação

Os cadernos do Senai Mix Design Outono-Inverno 2015: referências para a indústria. Foto: Divulgação


“A gente mostra a visão global e como isso pode ser aplicado no Brasil e melhorado”, conta.

Valor agregado e público

Para Débora, a indústria brasileira ainda enfrenta dificuldade em criar suas próprias peças, “ainda tem muito a questão da cópia infelizmente”. Ela avalia ainda que, para empregar o desejado valor agregado em peças de vestuário de maneira assertiva em termos de comercialização, é necessário, acima de tudo, detectar o público-alvo.

“Ele [o empresário] tem de ter um raio x exato de quem é seu público para atender de forma de correta”, afirma a designer.

Segundo ela, o box Senai Mix Design traz, ao final de cada uma das três direções criativas, uma estratégia para o empresário de como empreendê-las.

“No Escape Surreal, por exemplo, a gente orienta para que o produtor crie um vínculo com o seu consumidor, crie uma história, que seja a da marca, que o consumidor se identifique”, explica. “No caso do Escape Essencial, a gente fala da questão de mostrar os prazeres de um consumo consciente, valorizando o essencial com qualidade”.

Fuga em tecidos, cortes e acessórios

Débora destaca alguns tecidos que podem inspirar os fabricantes de vestuário. Uma aposta da designer é o veludo cotelê. “Dependendo da cor, pode estar em qualquer direção.”

O box também traz um material específico explicando as variadas nomenclaturas da estampa xadrez.

Os denins com aspectos resinados podem ser aplicado na direção Essencial. “As pessoas que se preocupam com isso preferem uma estética bem minimalista, sem excessos”, diz. “Há também a mistura em termos de cores, de tons terrosos com cinzas urbanos, uma integração do campo como urbano”, explica.

Experimentação

Já a direção Escape Experimental oferece inspirações voltadas para o conceito de experimentar coisas novas, tendo a tecnologia como uma aliada.

“A gente mostra como a tecnologia tem empoderado as pessoas, elas compartilham o que sabem com as outras, uma simples hashtag pode parar o mundo, ou seja, elas têm poder nas mãos”, esclarece.

Para esta direção, a designer ajudou a preparar uma cartela de cores bem variada, a diversificação também se apresenta nas modelagens.

“Há uma mistura muito grande de referências do vestuário, a nossa cartela para essa direção é totalmente colorida, contrastante, com modelagens experimentais, mistura de materiais, visual mais divertido”,

Débora também conta que aproveitou a atual popularidade dos vilões das fábulas para criar as direções criativas do Escape Surreal.

“É a fuga da realidade para a imaginação, para o conto de fadas. E a questão dos vilões, o lado sombrio, já não mais considerada algo tão ruim assim porque essas pessoas estão entendendo que o ser humano tem os seus defeitos, o seu lado mais sombrio”, explica a designer.

Para as roupas, ela acredita que visuais mais carregados e detalhados expressam bem esse conceito. A cartela de cores para essa direção possui tons mais escuros, tendo o preto como líder, seguido pelo tom de vinho, verde pesto e azul marinho.

“Elementos góticos como fachadas de igreja podem ser transportados ricamente para o universo do vestuário. Assim como o mundo dos espetáculos, do circo, do ilusionismo”, revela.

Senai Mix Design

Além do livro de inspirações para o setor vestuário, o box Senai Mix Design Outono-Inverno 2015 conta com mais cadernos voltados para as indústrias de Calçados, Artefatos de Couro e de Joias Folheadas e Bijuterias.

A publicação também apresenta encartes com amostras de materiais que incluem tecidos, couros, laminados sintéticos, acrílicos, borrachas e metais banhados, bem como cartela de cores destacável com referência de códigos Pantone®.

Em São Paulo, a instituição oferece palestras e oficinas voltadas para os setores destacados pelos cadernos. Em Americana, Santo André, São José do Rio Preto, Franca e Cerquilho, a programação será voltada para indústria de vestuário. As cidades de Franca, Jaú e Birigui devem receber palestras e oficinas voltadas para o setor de calçados. Limeira fecha o circuito de eventos com foco em joias folheadas e bijuterias.

Para saber mais, só clicar aqui.

Rusticidade e calor humano são apostas para vestuário e couro do Senai Mix Design

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

No que se refere às tendências da moda no país, o elemento natural terra pode ser interpretado como autenticidade, a água pode ser aplicada como mutação, o fogo como calor humano e o ar como onipresença.  Os pesquisadores e criadores do Senai Mix Design associaram esses fenômenos naturais e suas interpretações a estamparias, modelagens, tecidos e cores no caderno de inspirações para primavera-verão 2014/15 produzido pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP).

“A intenção do caderno não é a cópia, mas o desenvolvimento, a criação”, explica Alessandra Lanzeloti, pesquisadora e desenvolvedora do projeto. “É pegar referência e trabalhar misturando”, completou.

Conjunto de cinco livros com macrotendências de comportamento e consumo destinado às indústrias de vestuário, couro, calçados e joias e bijuterias, o Senai Mix Design primavera-verão 2014/2015 oferece a seguinte leitura: os quatro elementos também ditam o mundo da moda nessa estação.

“A gente vai ver muita rusticidade em materiais. Tudo que é da terra tem o seu o valor: cerâmica, grãos, mosaico, artesanato em pedra de sabão. Isso tudo serve de inspiração para produtos”, conta Débora Catelani, que também pesquisou e desenvolveu as direções criativas do material. “Vamos desde o solo do Nordeste até o artesanato em couro, fazemos várias conexões com Cândido Portinari. Isso é reconhecer o que temos como história”, defende.

Palestra sobre tendências para a primavera-verão 2014/2015 no Senai Mix Design. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Palestra sobre tendências para a primavera-verão 2014/2015 no Senai Mix Design. Foto: Everton Amaro/Fiesp


No caso da terra, a autenticidade e o valor às raízes podem ser observados nos tons terrosos, amendoados e caramelo dos tecidos, afirma Alessandra. “A cor terra é a aposta, há os tons magenta, violeta e abóbora, que lida com as questões da herança cultural”, explica ela se referindo, entre outros aspectos, às influências indígenas e africanas.

Segundo ela, os tecidos com aspectos desgastados e estamparias étnicas também assumem um lugar importante na primavera-verão 2014/15. “Estamos falando de um étnico bem global, que mistura influências”, diz.

Alessandra acredita que a proposta de corte das roupas para o próximo verão é algo mais solto. Sobre as cores predominantes, “para os homens é verde oliva e, para as mulheres, os tons terrosos”.

A mutação, associada a ao movimento da água, se traduz no vestuário brasileiro em forma de tecidos com apelo esportivo, com ares futuristas, aspectos tecnológicos. Para os denins, se aplicam as lavagens com manchas.

“Para o feminino, a tendência é uma silhueta assimétrica”, afirma a designer. “A fenda é um ponto importante de um ou dos dois lados. São elementos trazidos para o casual,  tecidos com aspecto emborrachado que têm a aparência da fluidez da água”, explica. Ela acredita que os looks monocromáticos são importantes para o vestuário masculino na próxima primavera-verão.

Já o fogo foi traduzido pelos criadores do Senai Mix Design em calor humano. Alessandra explica que a proposta é acentuar o toque, o aconchego.

“É um universo bem romântico, com cores nude. São tecidos agradáveis ao toque da pele”, afirma. As alusões à pele e às suas imperfeições também fazem parte da proposta. “Os tecidos plissados, amassados lembram as rugas, as imperfeições. Essa visão também rende boas fontes para o desenvolvimento do tecido”.

Para as mulheres, Alessandra acredita que os chamados vestidos-camisola, modelos com alças finas, vão voltar dos anos 1990 com mais força na próxima primavera-verão. Para os homens os tons nude também se aplicam.

A onipresença identificada no elemento ar sugere a mobilidade urbana. Para facilitar o dia a dia nas metrópoles, a sugestão é usar tecidos esvoaçantes, como gramatura leve e modelos com silhueta mais desestruturada, explica ela.

Para o jeans, as lavagens são mais acinzentadas, azuladas e esverdeadas.  As peças com bolsos funcionais e os tecidos inteligentes devem prevalecer para o vestuário masculino.  As mulheres também ganham vestidos estilo T-shirt e saias longas.

Couro

A bolsa saco, ou bolsa estilo Noé, volta à cena, segundo a designer Melissa Bosquê. “Tanto no tamanho médio quanto no tamanho pequeno, é uma modelagem que vai estar muito forte”, afirma a responsável pelo conteúdo do caderno destinado à indústria de artefatos de couro.

A mistura de mais de um tipo de couro nas bolsas assume um papel mais importante na moda para o acessório, acredita Melissa. “Nos dois últimos verões, a bolsa já veio com até quatro cores diferentes e com recortes estratégicos”, lembra. Mas, segundo ela, “agora isso não está tão forte e o que vem com mais força é justamente o tom sobre tom e duas texturas diferentes”, garante.

Ainda em texturas, a tendência para couro gravado com estampa de cobra também é aposta para a próxima primavera-verão. “Pode ter brilho ou não, o maior importante é a estampa de cobra”.

Aplicação no vestuário

O couro também deve ganhar mais espaço em aplicações no vestuário.  Melissa acredita que aplicações de couro vazado em roupas e outros acessórios devem fazer mais sucesso no Brasil, uma vez que são mais leves e mais adequadas para o clima do país.

Embora a tendência de cor na moda internacional seja branco para roupas e acessórios, a designer acredita que a opção deve ser ampliada no caso de vestuário brasileiro.

“Para bolsas, o preto e branco está muito forte, mas, para o nosso verão, outras cores devem ocupar uma maior porte da coleção e acompanhar essa combinação”, afirma.

Senai Mix Design tem site com informações sobre tendências para a indústria

Agência Indusnet Fiesp

Você já viu o novo site do  Senai Mix Design? A iniciativa consiste na apresentação de inspirações e tendências para os setores de vestuário, calçados, artefatos de couro, joias folheadas e bijuterias. Trata-se de um projeto desenvolvido pelas unidades especializadas nas áreas relacionadas e publicado pela Senai-SP Editora.

Assim, para saber o que vai chamar a atenção dos consumidores nas próximas temporadas, vale ficar de olho nas dicas apresentadas.

Todas as informações estão organizadas no chamado Box. O material é formado por cinco cadernos. Um deles é direcionado para as macrotendências e comportamentos de consumo, sendo chamado de Direções Criativas. Os outros quatro são voltados para cada setor da cadeia, com informações e aplicações específicas, sempre considerando o mercado brasileiro. Tudo ilustrado com imagens de inspiração, texturas e cores. Um guia para produções futuras que pode ser adquirido pelo site.

E isso não é tudo: o portal traz ainda a agenda de lançamento da publicação, sempre acompanhado de palestras e oficinas de especialistas. Vale a pena conferir, só clicar aqui.

Senai-SP apresenta as tendências de vestuário e artefatos de couro para 2014/2015

Ariett Gouveia, Agência Indusnet Fiesp

O Serviço Nacional Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) promoveu nesta terça-feira (28/01) a palestra “Tendências Primavera-Verão 2014-15 para vestuário e artefatos de couro”, em sua unidade do Brás. O evento abriu a edição do Senai Mix Design, que acontece até o dia 13/02 na capital e no interior de São Paulo, e também o lançamento do Caderno de Tendências.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544851590

Temporada Primavera/Verão 2014 -As principais tendências para vestuário, artefatos de couro, calçados e joias folhadas e bijuterias. Foto: Everton Amaro/FIESP

O objetivo do Senai-SP é apresentar o que será destaque nesta temporada e as principais tendências para vestuário, artefatos de couro, calçados e joias folhadas e bijuterias. “O Senai Mix Design unificou as pesquisas destes setores para ampliar a qualidade do trabalho por meio do cruzamento de informações e fortalecendo o uso do design como diferencial competitivo para a indústria”, disse o diretor do Senai-SP do Brás, Marcelo Costa.

A designer do Senai-SP Débora Catelani informou as macrotendências e as inspirações para a próxima temporada e também como usar esses elementos como estratégia para a indústria.

“Trabalhamos com quatro direções criativas: a autenticidade, que está ligada com o elemento natural terra; a mutação, conectada com a água; o calor humano, com o fogo; e a onipresença, com o ar”, explicou Débora. “A solidez da terra, a fluidez da água, o calor do fogo e a leveza do ar são elementos cruciais para as criações da primavera-verão.”

Com base nestas direções criativas, as designers Alessandra Lanzeloti e Melissa Bosquê, também do Senai-SP, falaram, respectivamente, sobre as tendências nas áreas de vestuário e artefatos de couro.

Alessandra apresentou a cartela de cores da primavera-verão 2014-15 (terra, coral, nude e verde-glass estão entre os destaques), e também das estampas, tecidos e modelagens para homens, mulheres e crianças. Melissa mostrou as cores, formatos e texturas para cintos, bolsas e acessórios de couro, masculinos e femininos.

A pesquisa completa para os setores de vestuário, artefatos de couro, calçados e joias folhadas e bijuterias está no Caderno de Tendências, produzido pelo Senai-SP. A publicação foi entregue ao público presente na palestra e será disponibilizado para venda pela Editora Senai.

Senai-SP antecipa tendência de moda Primavera-Verão 2014/15

Agência Indusnet Fiesp 

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544851590

Evento antecipa para a indústria da moda tendências da Primavera-Verão 2014/2015.Foto:Divulgação/Senai-SP

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) promove, a partir de 28 de janeiro, o Senai Mix Design, evento que antecipará para a indústria da moda as tendências da estação Primavera-Verão 2014/2015. Estão programadas palestras, oficinas e o lançamento de um box de inspirações, com cadernos que trazem análise das tendências de moda para os seguintes setores: vestuário; calçados; artefatos de couro; joias folheadas e bijuterias.

O box é composto por cinco volumes, sendo um deles voltado para macrotendências de comportamento e consumo e os demais direcionados para cada um dos setores, com análises e tendências específicas.

O box Senai Mix Design primavera-verão 2014/2015 será lançado no período de 28 de janeiro a 13 de fevereiro, nos principais polos produtivos relacionados aos setores de vestuário, calçados e acessórios do estado de São Paulo. As apresentações serão realizadas nos municípios de São Paulo, Franca, Jaú, Birigui, Americana, Santo André, Limeira, Cerquilho, São José do Rio Preto e Araçatuba.

Em cada cidade haverá uma palestra de lançamento onde serão apresentadas as tendências para a estação primavera-verão 2014/15. Os palestrantes serão profissionais do Senai-SP especialistas nos setores contemplados. Nas cidades de São Paulo, Franca, Jaú, Birigui, Americana e Limeira ainda serão oferecidas oficinas de design, gestão e processos elaboradas de acordo com o foco de cada polo produtor.

O box de inspirações e tendências será distribuído gratuitamente durante a palestra de lançamento, e será comercializado posteriormente pela Senai-SP Editora.

Serviço

Senai Mix Design
Data: 28/01/2014 a 13/02/2014

Aplicativo Digital – Senai Mix Design Inverno 2013


Imagem relacionada a matéria - Id: 1544851590O Senai Mix Design– Inspirações para Calçados, Bolsas e Artefatos é um book de inspirações com foco em pesquisas para a captação da essência brasileira alinhada às macrotendências globais, produzido pelo Núcleo de Tecnologia e Design do Couro e do Calçado do Senai-SP.

Os aplicativos digitais  com conteúdo exclusivo em seu computador (Windows ou Macintosh) e também estão disponíveis para iPad na App Store.

Para acessar o  aplicativo Senai Mix Design – Inverno 2013, clique aqui.



Book de Inspirações Senai Mix Design Verão 2013/14

Imagem relacionada a matéria - Id: 1544851590

O book de inspirações Senai Mix Design traz o panorama do cenário brasileiro em relação ao mundo e mostra fatores que interferem na maneira de planejar, produzir, vender e consumir produtos, bem como no direcionamento de pesquisas voltadas para o setor.

O material é formado por um book em formato de fichário com painéis com exemplos de criações conceituais, vitrinas e comerciais criados a partir de imagens, cartela interativa de cores, materiais e estampas. Também contém imagens destacáveis para formação de painéis de inspiração e um aplicativo digital com conteúdo exclusivo compatível com os sistemas operacionais Windows, Macintosh e iOS (iPad).

Para acessar as últimas edições, clique aqui.