Escola Senai de Bauru conquista o 1º lugar no concurso Nataltec

Rosângela Gallardo, Agência Indusnet Fiesp

Projeto vencedor, da Escola de Bauru: inspiração nos lambe-lambes do século XIX. Foto: Divulgação Senai-SP

A Escola Senai João Martins Coube, de Bauru, foi a grande vencedora, segundo o critério do público, do concurso Nataltec, realizado simultaneamente à exposição homônima ocorrida entre os dias 6 e 16 de dezembro, no Espaço Fiesp.

A unidade inspirou-se nos singelos lambe-lambes do século XIX para realizar a demonstração de uma gráfica digital rápida na qual softwares e hardwares de última geração atuam integrados para imprimir cartões e fotos personalizadas em um punhado de segundos. Para se lembrar do trabalho o ano todo, os visitantes ganharam um calendário de mesa, com a própria foto caracterizada como Papai Noel.

Em segundo lugar ficou a Escola Senai A. Jacob Lafer, de Santo André, que utilizou conceitos de mecânica e pneumática para dar vida a José, Maria e ao Menino Jesus. O que mais impressionou, segundo os visitantes, foi a movimentação das paredes, que se curvavam diante do Filho de Deus. O trabalho também levou a primeira colocação na categoria Consciência Ambiental por reciclar garrafas PETs para compor o cenário.

A terceira colocada foi a Escola Senai Mario Henrique Simonsen, de Piracicaba, que trouxe princípios de robótica para um presépio da idade média feito com blocos de montar. Entre a montagem dos personagens e a concepção da programação dos movimentos, foram mais de seis meses de trabalho duro, que envolveu alunos e docentes.

A cesta de basquete interativa, da Escola Márico Bagueira Leal, de Franca, ficou em quarto lugar. O projeto utilizou recursos de mecânica e eletrônica para criar uma tabela dançante, arquibancada com animada torcida programada para dar o hola aos jogadores e um marcador eletrônico que identificava a pontuação das bolas segundo sua cor.

Na quinta colocação ficou a Escola Suíço-Brasilera, de Santo Amaro, da Capital. A unidade desenvolveu o divertido game tour virtual. No jogo, o visitante era desafiado a ajudar o Papai-Noel a recolher o máximo possível de presentes, apesar dos insistentes perus que tentavam retardar sua missão por não gostarem do Natal. Além do humor irreverente, o trabalho incluiu o desenvolvimento e a integração de sofisticadas tecnologias, incluindo software, plataforma mecânica interativa e envio de comandos via bluetooth.

Nos onze dias de visitação, a exposição recebeu 9013 pessoas, batendo recorde de público no domingo, quando passaram pelos 600 metros da mostra mais de 2.000 visitantes.