Esclerose múltipla é tema do primeiro +Saúde do ano

Mariana Soares, Agência Indusnet Fiesp 

O primeiro +Saúde do ano, promovido pelo Comitê da Cadeia Produtiva da Saúde e Biotecnologia (ComSaude) da Fiesp, deu ênfase à orientação e sensibilização para a esclerose múltipla. Muita gente que transitou pela calçada da avenida Paulista, no domingo (17/2), parou para receber informações e passou por testes neurológicos a fim de vivenciar atividades práticas que simularam as dificuldades dos pacientes, como déficits motores, perda de sensibilidade e alterações visuais. Tudo isso para entender como é o cotidiano de um portador de esclerose múltipla.

O objetivo do +Saúde é informar a sociedade sobre temas relevantes ao bem-estar e qualidade de vida, uma vez que a orientação é a maior aliada no combate a doenças e a agilidade no diagnóstico facilita a qualidade de vida dos pacientes.

De acordo com Sumaya Afif, uma das diretoras da Associação Brasileira de Esclerose Múltipla (ABEM), as vivências com as limitações dos pacientes aproximam as pessoas dos portadores da doença que é crônica e sem causa definida, ou seja, não há prevenção. O importante é sensibilizar. “Quanto mais informação circular sobre a doença, as deficiências e barreiras do portador de esclerose, menor será o preconceito sofrido pelos portadores. Trazer para a avenida Paulista essa discussão é um marco, um divisor de águas no que diz respeito a inserção das pessoas com esclerose na sociedade”, reforça.

A administradora Adriana de Arruda recebeu o diagnóstico de esclerose múltipla há dez anos. Na época, antes de os médicos atestarem que ela era portadora da doença, manifestaram-se sintomas como visão dupla e perna com dormência. “Eu realizo as atividades cotidianas com algumas limitações, mas tenho uma vida feliz. É muito bom poder falar isso para as pessoas”, completa.

O médico neurologista Rodrigo Thomaz alertou para os sintomas mais comuns de esclerose múltipla: visão dupla e perda de visão de uma vista, dormência ou sensação de formigamento, tremor nas mãos, paralisia parcial ou total de uma parte do corpo, problemas na fala (arrastada ou lenta), fraqueza em excesso, déficit na coordenação dos movimentos, perda de controle da bexiga e do intestino e arrastar os pés ao caminhar.

No início da doença, os sintomas são geralmente leves. Mas voltam a aparecer. De acordo com o especialista, é importante esclarecer como identificar os sinais, mas também serve para desmistificar o termo esclerose. “A sociedade precisa entender como vivem os pacientes. Um evento como esse é importante porque mostra, inclusive, para os empregadores que pessoas com esclerose múltipla podem exercer funções remuneradas, ou seja, não precisam ser excluídas do mercado de trabalho”, alerta.

Interessados em obter outras informações sobre a doença e seu tratamento, podem acessar o site da ABEM: www.abem.org.br

Imagem relacionada a matéria - Id: 1553332837

O primeiro +Saúde do ano, promovido pelo Comitê da Cadeia Produtiva da Saúde e Biotecnologia (ComSaude) da Fiesp, deu ênfase à orientação e sensibilização para a esclerose múltipla. Foto: Karim Kahn

+Saúde distribui 100 bengalas verdes para portadores de baixa visão

Agência Indusnet Fiesp

A deficiência visual é a que mais afeta pessoas no mundo. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 40 milhões de indivíduos vivem com baixa visão ou cegueira. Para que uma pessoa possa ser diagnosticada com baixa visão, é preciso que a sua acuidade visual esteja abaixo dos 30% no melhor olho. Pensando em mais de 6 milhões de brasileiros diagnosticados com baixa visão, a nova edição do +Saúde, em parceria com a iniciativa Bengala Verde e o Grupo Retina, promoveu ações que beneficiam as pessoas que vivem com esse problema, no último sábado (18/8).

A baixa visão é caracterizada por problemas que não podem ser resolvidos com óculos ou cirurgias, e acaba afetando diversas atividades comuns, como caminhar sozinho, reconhecer rostos, dirigir, cozinhar ou até praticar esportes. Como essas pessoas não são cegas e geralmente têm aparência absolutamente normal, muitas vezes sofrem preconceito nas ruas, no metrô e no trabalho. Por isso, o Grupo Retina trouxe para o Brasil a campanha Bengala Verde, que se juntou ao +Saúde para difundir este instrumento de cor específica para identificar os portadores de baixa visão, servindo para orientação, mobilidade e inclusão social.  A instituição distribuiu 100 bengalas verdes para portadores de baixa visão já selecionados.

Além disso, a ação também abordou sobre o avanço das pesquisas na área, bem como orientou sobre recursos existentes que possam melhorar a qualidade de vida das pessoas com essas doenças. O Grupo apoia pacientes com doenças degenerativas da retina, como a degeneração macular relacionada a idade (DMRI), retinose pigmentar, doença de Stargardt, síndrome de Usher e demais distrofias da retina de caráter hereditário.

E ainda, exibindo a tecnologia a favor da sociedade, esta edição levarou aos visitantes a demonstração do OrCam MyEye, dispositivo inovador produzido por uma empresa israelense que lê e identifica pessoas, cédulas, textos, embalagens, para melhorar a qualidade de vida de cegos e portadores de baixa visão.

O +Saúde é uma iniciativa do Comitê da Cadeia Produtiva da Saúde e Biotecnologia (ComSaude – Fiesp) que, com o apoio de parceiros, promove a informação como forma de prevenção de riscos à saúde.

Ação na calçada da Fiesp oferece inclusão social

Campanha Bengala Verde, promovida na calçada da Fiesp. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

Caminhada partindo da Fiesp promove conscientização sobre autismo

Agência Indusnet Fiesp

O Comitê da Cadeia Produtiva da Saúde e Biotecnologia da Fiesp (ComSaude), em parceria com a Associação Inspirare, APABB (Associação de Pais, Amigos e Pessoas com Deficiência, de Funcionários do Banco do Brasil), Associação de Amigos do Autista, Centro LUMI, Projeto Integrar, Mãos Amigas e TEApoio, realizou neste domingo (8 de abril), das 11h às 15h, na avenida Paulista, a caminhada pelo autismo.

O objetivo do evento foi informar a população e quebrar estigmas sobre o Transtorno do Espectro do Autismo. O serviço de utilidade pública faz parte do +Saúde, programa de prevenção e educação, uma espécie de balcão de orientação.

Desde 2007, 2 abril foi escolhido pela ONU como Dia Mundial de Conscientização do Autismo. A data tem como objetivo divulgar informações e derrubar preconceitos em relação ao Transtorno do Espectro do Autismo (TEA), que afeta a capacidade de comunicação, socialização e comportamento, cuja incidência em crianças no mundo é maior do que a soma dos casos de Aids, câncer e diabetes juntos e atinge 1 a cada 68 crianças no Brasil.

Muito participantes da caminhada vieram com uma peça de roupa azul, cor que representa o transtorno e sua maior ocorrência em pessoas do sexo masculino (cerca de quatro vezes mais do que em meninas).

“A participação de familiares, amigos e de toda e qualquer pessoa interessada ajuda na conscientização sobre o assunto e, consequentemente, favorece a inclusão destas pessoas. Por isso, convocamos a população a se esclarecer e unir esforços por esta causa”, afirma Adriana Moral, presidente do Centro LUMI, que desde 2012 apoia esta iniciativa.

Sobre o +Saúde

A ação é uma iniciativa do Comitê da Cadeia Produtiva da Saúde e Biotecnologia da Fiesp (ComSaude). Seu objetivo é promover campanhas de educação e conscientização com entidades ligadas ao Comitê, que têm como foco de suas atividades a atenção ao paciente.

O serviço de utilidade pública acontece a cada primeiro domingo do mês na calçada em frente à Fiesp. Durante o ano serão trabalhados diferentes assuntos importantes relacionados à saúde que são pauta contínua de discussão, como o diabetes e a doação de órgãos, por exemplo.

O +Saúde conta com a participação de parceiros que representam instituições sem fins lucrativos, sociedades de profissionais da saúde, entidades setoriais, hospitais, profissionais da saúde e empresas do setor.

“Esta ação demonstra o compromisso da Fiesp com a saúde da população, priorizando a informação e a educação como formas de melhoria da saúde. O objetivo do ComSaude é fazer com que os domingos na Paulista sejam não só um espaço para o lazer, mas também um ambiente de orientação e conscientização do cidadão, que passa a entender que a prevenção é o melhor caminho para uma vida saudável”, explica Ruy Baumer, coordenador-titular do ComSaude.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1553332837

Caminhada pela avenida Paulista, saindo da Fiesp, promoveu conscientização sobre o autismo. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

Obesidade infantil é tema do programa +Saúde, da Fiesp

Agência Indusnet Fiesp

A 6ª edição do programa +Saúde, da Fiesp, realizada neste domingo (2 de julho), teve como tema a obesidade infantil, um problema sério que está crescendo a cada dia no Brasil. A ação ocorreu na calçada da Fiesp, na avenida Paulista.

Durante três horas, endocrinologistas pediátricos e nutricionistas da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Regional São Paulo (SBEM-SP) deram orientação sobre os cuidados com a alimentação para evitar a obesidade infantil, um problema de saúde pública que hoje atinge cerca de 15% das crianças brasileiras. Só no Sudeste, a incidência de obesidade entre crianças de 5 a 9 anos é de 38,8%, de acordo com dados da Abeso (Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica).

Os voluntários também distribuíram material explicativo e checaram o índice de massa corporal (IMC) e circunferência abdominal dos participantes mirins.

O principal objetivo do evento é levar informação adequada, direcionar as pessoas para serviços de saúde e evitar que tantos problemas relacionados à obesidade infantil ocorram.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1553332837

Endocrinologistas pediátricos e nutricionistas da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia participaram do +Saúde. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp



Sobre o programa

A ação é uma iniciativa do Comitê da Cadeia Produtiva da Saúde e Biotecnologia da Fiesp (ComSaude), que tem como objetivo promover campanhas de educação e conscientização com entidades ligadas ao comitê, que têm como foco de suas atividades a atenção ao paciente.

O serviço de utilidade pública acontece no primeiro domingo de cada mês na calçada em frente à Fiesp, sempre após a apresentação cultural promovida pela Fiesp e pelo Sesi-SP. Durante o ano, serão trabalhados diferentes assuntos importantes relacionados à saúde que são pauta contínua de discussão, como o diabetes e a doação de órgãos, por exemplo.

O +Saúde conta com a participação de parceiros que representam instituições sem fins lucrativos, sociedades de profissionais da saúde, entidades setoriais, hospitais, profissionais da saúde e empresas do setor.

“Esta ação demonstra o compromisso da Fiesp com a saúde da população, priorizando a informação e a educação como formas de melhoria da saúde. O objetivo do ComSaude é fazer com que os domingos na Paulista sejam não só um espaço para o lazer, mas também um ambiente de orientação e conscientização do cidadão, que passa a entender que a prevenção é o melhor caminho para uma vida saudável”, explica Ruy Baumer, coordenador-titular do ComSaude.

Sobre a SBEM-SP

A SBEM-SP (Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia do Estado de São Paulo) pratica a defesa da Endocrinologia, em conjunto com outras entidades médicas, e oferece aos seus associados oportunidades de aprimoramento técnico e científico. Consciente de sua responsabilidade social, a SBEM-SP presta consultoria junto à Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, no desenvolvimento de estratégias de atendimento e na padronização de procedimentos em endocrinologia, e divulga ao público orientações básicas sobre as principais doenças tratadas pelos endocrinologistas.

Programa +Saúde, da Fiesp, dá orientação sobre doação de sangue

Agência Indusnet Fiesp

Em sua quinta edição, o programa +Saúde, da Fiesp, teve como tema neste domingo (4 de junho) a doação de sangue. Durante 4 horas, profissionais voluntários de saúde da Fundação Pro-Sangue e a Embaixada Mundial de Ativistas pela Paz deram orientação na calçada do prédio da Fiesp, na avenida Paulista, sobre a prática da doação de sangue como um ato de solidariedade para salvar vidas.

Os voluntários distribuíram material informativo sobre a importância da doação. O principal objetivo do evento foi levar informação adequada e direcionar as pessoas para serviços de saúde e locais para doação de sangue.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1553332837

Em sua quinta edição, o programa +Saúde, da Fiesp, teve a distribuição de material informativo sobre doação de sangue. Foto: Fiesp

Saúde bucal é tema do programa + Saúde na Paulista

Agência Indusnet Fiesp

Preocupada com a saúde da comunidade, a Fiesp, em parceria com o Sesi-SP, realizou a segunda ação do Programa +Saúde, neste domingo (5 de março), na avenida Paulista.

Durante 4 horas, voluntários das Associações Brasileira e Paulista de Cirurgiões Dentistas (ABCD e APCD) distribuíram para o público da Paulista material informativo sobre a importância dos cuidados com a saúde bucal para a prevenção do câncer e de outros riscos à saúde.

O serviço de utilidade pública faz parte do +Saúde  – programa de prevenção e educação, uma espécie de balcão de orientação.

Sobre o Programa

A ação é uma iniciativa do Comitê da Cadeia Produtiva da Saúde e Biotecnologia da Fiesp (ComSaude), que tem como objetivo promover campanhas de educação e conscientização com entidades ligadas ao Comitê, que têm como foco de suas atividades a atenção ao paciente.

O serviço de utilidade pública acontece a cada primeiro domingo do mês na calçada em frente à Fiesp, sempre após a apresentação cultural promovida pela Fiesp e pelo Sesi. Durante o ano serão trabalhados diferentes assuntos importantes relacionados à saúde que são pauta contínua de discussão, como o diabetes e a doação de órgãos, por exemplo.

O +Saúde conta com a participação de parceiros que representam instituições sem fins lucrativos, sociedades de profissionais da saúde, entidades setoriais, hospitais, profissionais da saúde e empresas do setor.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1553332837

Voluntários da ABCD e APCD deram instruções ao público. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp