No Rally da Pecuária, Skaf destaca avanço e eficiência do setor

Graciliano Toni, Agência Indusnet Fiesp

Na apresentação, nesta quinta-feira (24 de agosto), dos resultados do Rally da Pecuária 2017, o presidente da Fiesp e do Ciesp, Paulo Skaf, destacou o avanço da tecnologia empregada pelos criadores e a eficiência do setor. “Os milhões de envolvidos na pecuária sabem investir, produzir e ultrapassar as barreiras da economia brasileira” afirmou na abertura da cerimônia, realizada no prédio da Fiesp.

“Temos muitas vantagens competitivas e temos que aproveitá-las”, disse o presidente da Fiesp e do Ciesp. “Como não ser otimista em relação ao Brasil, com este território, clima, e especialmente o povo do país? Apesar de estarmos debaixo de tempestade, precisamos olhar para a frente, com otimismo.” Em sua avaliação, o “pensamento positivo vai atuar como catalisador da retomada do crescimento”, criando depois um ciclo virtuoso que levará à geração de empregos e ao aumento da arrecadação.

Skaf destacou avanços no último ano, com a reforma trabalhista, nova lei do petróleo, teto dos gastos, inflação sob controle.

Mario Sergio Cutait, diretor titular do Departamento do Agronegócio da Fiesp (Deagro), também destacou o otimismo em relação ao setor, que tanto na agricultura quanto na pecuária apresenta enorme resiliência. “Produzimos alimento seguro, de qualidade, competitivo.”

André Pessôa, membro do Conselho Superior do Agronegócio da Fiesp (Cosag), lembrou que o ano foi difícil, com eventos fora do setor que tiveram impacto sobre sua cadeia produtiva, mas que foram superados.

No Rally da Pecuária, equipes técnicas realizam um levantamento completo de informações in loco sobre as condições das pastagens e da bovinocultura nas áreas de cria, recria, engorda e confinamento do país.

Cerimônia de apresentação dos resultados do Rally da Pecuária 2017, na Fiesp. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Mais de 11% das áreas de pastagens brasileiras estão em estágio degradado

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

Mais de 11% das áreas de pastagens visitadas pelas equipes do Rally da Pecuária,  expedição de especialistas que analisa a qualidade das pastagens a da produção pecuária na maior parte dos estados do país,  apresentaram estágio avançado de degradação ou estão degradadas, o que significa uma necessidade de intervenção para reforma ainda este ano ou nos próximos 24 meses. A afirmação foi feita,  na noite desta quarta-feira (04/06), pelo  sócio e coordenador de Pecuária da consultoria Agroconsult, responsável pela iniciativa, Maurício Nogueira.

Segundo Nogueira, que participou do encerramento do Rally da Pecuária na Federação das Indústria do Estado de São Paulo (Fiesp), 9,4% das áreas de pastagens do país estão semidegradadas enquanto 2,3% estão degradadas.

“Se eu extrapolar esse resultado para a área de pastagem brasileira, estou falando de 5 milhões de hectares que teriam de ser refeitos esse ano”, explicou ele.   “E há mais 14 milhões que, em 20 a 24 meses, estariam degradadas”, avaliou.

Nogueira: necessidade de ação em até 24 meses em algumas áreas. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

Maurício Nogueira, coordenador da Agroconsult, durante encerramento do Rally da Pecuária na Fiesp. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

Um pasto que não volta mais 

Ao participar da cerimônia de encerramento, o sócio-diretor da Agroconsult, André Pessoa, esclareceu que o conceito de degradação aplicado durante as amostragens é de um pasto que não volta mais. “Acabou. Tem de ser reformado. E aqueles pastos em estágio avançado de degradação podem caminhar para degradados em muito pouco tempo”.

Também presente, o diretor do Departamento de Agronegócio (Deagro) da Fiesp, Benedito da Silva Ferreira, reiterou a urgência em rever a utilização de áreas dedicadas à pastagem.

“Fala-se muito da possibilidade de avançarmos de forma expressiva a produção agrícola em áreas de pastagens, mas a pergunta fundamental é:  como está o nível de degradação desses pastos? Será que uma pecuária muito bem produzida é capaz de entregar resultados econômicos parecidos com os de uma lavoura de soja, por exemplo?”, questionou o diretor da Fiesp.

Ferreira: pecuária equivalente à produtividade dos grãos. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Ferreira: pecuária equivalente à produtividade dos grãos. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Segundo Nogueira, a expedição deste ano verificou um incremento acima do esperado de plantação de grãos em áreas anteriormente usadas para pastagens em regiões como o sul do Pará. “Estamos vendo muito mais soja em regiões nas quais nem esperávamos que fossem plantar tão cedo. Na medida em que a gente passava pela estrada, víamos muito milho safrinha plantado com bastante toco de lado na cerca, mostrando que aquilo era pasto até o ano passado ou retrasado”, contou o coordenador da Agroconsult.

Infraestrutura

O Rally da Pecuária percorreu 55 mil quilômetros pelo país e, segundo Nogueira, mais de 40% das estradas apresentaram deficiências de infraestrutura.

“Muitas vezes a gente se deparava com estrutura precária. Infelizmente, por questões de logística e custo, não conseguimos ir em regiões do Rio Grande do Sul com muitos rebanhos, regiões do Acre e no nordeste do Pará, mas no futuro pretendemos ir”, contou.

O presidente em exercício da Fiesp, Benjamin Steinbruch, acompanhou parte da apresentação dos resultados do Rally da Safra. Além dos entraves de logística, ele mencionou o preço da arroba, que na véspera ficou estável, em R$ 120 à vista, segundo a Scot Consultoria. “O preço está bom, mas poderia estar melhor. Está razoável”, disse.

Steinbruch: preço razoável da arroba. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Steinbruch: preço razoável da arroba. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Produção

Segundo a Agroconsult, a produção de carne bovina do Brasil deve registrar um incremento de 4% este ano, para 10,65 milhões de toneladas (equivalente carcaça).

Nogueira ponderou, no entanto, que as demandas local e externa devem ser suficientes para absorver esse crescimento. “Mesmo assim a demanda vai ser suficiente para manter os preços nos patamares mais elevados que estamos vivendo”, acrescentou.

O Rally da Safra entregou 415 questionários, realizou 76 entrevistas completas com produtores e promoveu 12 eventos regionais. A expedição que atingiu pelo menos 1.100 pecuaristas se encerrou na noite desta quarta-feira (04/06), na sede da Fiesp.

Feito bandeirantes

Ometto: informações para melhorar a competitividade da carne brasileira. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Ometto: informações para melhorar a competitividade da carne brasileira. Foto: Everton Amaro/Fiesp

De acordo com segundo vice-presidente da entidade, João Guilherme Sabino Ometto, ao menos 30% dos sindicatos da Fiesp são ligados à cadeia do Agronegócio.

“Queremos prestigiar o trabalho que os profissionais da Agroconsult têm feito, saindo como verdadeiros bandeirantes entrando pelo Brasil e trazendo todas as informações para melhorar a competitividade da carne, o abastecimento e a segurança alimentar do país”, disse Ometto.

Rally da Pecuária: vencedores da premiação em 2014 são apresentados na Fiesp

Guilherme Abati, Agência Indusnet Fiesp

O Rally da Pecuária anunciou, na noite desta quarta-feira (04/06), em solenidade realizada na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), os vencedores da edição 2014 da premiação.

Confira a seguir a relação de premiados.

Excelência Zootécnica

Na categoria Excelência Zootécnica, o vencedor foi Cláudio Fernandes Braga, da fazenda Conforto, localizada em Nova Crixás, no estado de Goiás.

A propriedade, de 9 mil hectares e lotação permanente de 23 mil cabeças em recria e engorda, é a primeira no Brasil a implantar o floculador de grãos. Além disso, já trabalha com software de gerenciamento de rastreabilidade bovina, sistema de pestejo rotacionado irrigado via pivô central e sistema de pestejo rotacionado em sequeiro.

Manejo de Pastagens

Na categoria Manejo de Pastagens, o vencedor foi Eire Enio de Freitas, proprietário da fazenda Medalha Milagrosa, em Prata, Minas Gerais. Freitas optou pela integração lavoura e pecuária, trabalhando em áreas já abertas com produtividade e qualidade.

Freitas: integração entre lavoura e pecuária. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Freitas: integração entre lavoura e pecuária. Foto: Everton Amaro/Fiesp

A fazenda opera em um área de 617 hectares para pastagens, dos quais 70% são fertilizados anualmente, com 3,2 cabeças de gado por hectare, produzindo entre 6 e 7 mil litros de leite por dia.

Pecuarista do Ano

Diogo de Castilho Neto, proprietário da fazenda Tabapaju, em Sales, São Paulo, recebeu o prêmio de melhor pecuarista de 2014 do Rally da Pecuária.  Neto opera com 4,6 cabeças por hectare ao ano em média, utilizando sistema de recria e engorda, integrando pastagens bem manejadas e programas de suplementação a pasto.

Neto: o pecuarista do ano. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Neto: o pecuarista do ano. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Na área fertilizada, em torno de 150 hectares, a fazenda mantém 22,8 cabeças por hectare. Nessa área, a estimativa é de produtividade de 96 arrobas por hectare/ano.

Prêmio “Régis Alimadro” de Jornalismo

A vencedora do prêmio dedicado à imprensa especializada foi Suzana Inhesta, da Agência Estado.

Homenagem ‘in memorian’ a Gustavo Silva Camarotti

O engenheiro agrônomo Gustavo Silva Camarotti, falecido em dezembro de 2012, foi homenageado na solenidade pelos serviços prestados e pela contribuição para a criação de metodologias de análise de campo que hoje são referência no mercado pecuário.

Os familiares do homenageado, Tereza e Luis Camarotti, receberam a honraria.

Prêmio Gustavo Camarotti – Jovem Talento da Pecuária

O vencedor da primeira edição do prêmio, cujo objetivo é reconhecer a atuação de novos talentos do setor, foi Rosler Dallamaria, de apenas 23 anos.

Dallamaria: novo talento da pecuária reconhecido. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Dallamaria: novo talento da pecuária reconhecido. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Dallamaria é o proprietário de duas fazendas no norte do Mato Grosso do Sul, as quais, somadas, possuem área de 16 mil hectares de pastagens, dos quais seis mil são corrigidos e fertilizados ao ano.

A ocupação, nas duas propriedades somadas, é de 23 cabeças por hectare, com produtividade de 10,6 arrobas por hectare/ano.

Retrospectiva 2012 – As principais ações da Fiesp na área de agronegócio

Agência Indusnet Fiesp

No ano de 2012, como forma de contribuição para o desenvolvimento do agronegócio brasileiro, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), por meio de seu Departamento do Agronegócio (Deagro), apoiou iniciativas, estimulou debates e elaborou estudos.

Outlook Brasil 2022

Outlook Brasil 2022. Foto: Divulgação

Em maio, especialistas da Fiesp, em parceria com o Instituto de Estudos do Comércio e Negociações Internacionais (Icone), elaboraram as projeções para o agronegócio brasileiro para os 10 anos seguintes. O documento, intitulado Outlook Brasil 2022, analisou 16 produtos agroindustriais – entre eles milho, soja, carnes e fertilizantes – e traçou projeções para o consumo doméstico, produção, exportação, importação, estoques, área plantada e consumo de fertilizantes. Impactos futuros desses segmentos na economia e infraestrutura de transporte do país também foram mensurados.

Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Jorge Alberto Portanova Mendes Ribeiro Filho. Foto: Helcio Nagamine

O tema ganhou destaque no seminário Segurança Alimentar e Sustentabilidade no Agronegócio, realizado em junho, no Rio de Janeiro, como parte da programação do megaevento Humanidade 2012 – iniciativa da Fiesp e de parceiros para realçar o papel do Brasil no debate mundial sobre sustentabilidade durante a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20).

O seminário teve a participação do ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Jorge Alberto Portanova Mendes Ribeiro Filho, do vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), Geraldo Coutinho e do presidente da Organização das Cooperativas Brasileira (OCB), Márcio Lopes de Freitas. E discutiu meios para garantir o cumprimento das Metas do Milênio, que prevê a produção de alimentos para sete milhões de habitantes no planeta sem prejudicar o meio ambiente.

Também no Humanidade 2012, a entidade organizou uma reunião entre ministros da Agricultura e autoridades governamentais estrangeiras para debater a experiência brasileira em agricultura tropical.

Na sequência, o Deagro da entidade divulgou um levantamento sobre o peso dos tributos sobre os alimentos no Brasil. Na ocasião, em artigo publicado no jornal Folha de S. Paulo o deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) e o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, enfatizaram a necessidade de se desonerar os alimentos, lembrando que são os pobres os mais atingidos pela carga tributária.

Rally da Pecuária

André Pessoa, coordenador do rally da pecuária e sócio-diretor da Agroconsult. Foto: Júlia Moraes

A edição 2012 do Rally da Pecuária registrou uma melhoria significativa nas informações coletadas em nove unidades da federação brasileiras. Durante a cerimônia de encerramento, realizado na sede da Fiesp, o diretor da Agroconsult e membro do Conselho Superior do Agronegócio (Cosag) da entidade,  André Pessoa, afirmou ter chegado a “conclusões heroicas”, já que a avaliação apontou números mais consistentes.

Apesar de estar sob pressão devido à competição com outras atividades, como a agricultura, Pessoa afirmou que as perspectivas para o setor no Brasil são mais favoráveis, mas há necessidade de investimentos em tecnologia e aumento de produtividade.

China

Subdiretor-geral do Departamento de Cooperação Internacional da China, Xie Jianmim, quer conhecer as demandas do mercado brasileiro. Foto: Everton Amaro

Em novembro, durante visita ao Brasil, o subdiretor-geral do Departamento de Cooperação Internacional da China, Xie Jianmim, participou de um encontro empresarial promovido pela Fiesp. Acompanhado por uma comitiva de 20 pessoas, entre representantes do governo e de grupos empresariais do setor de agronegócio chinês, Jianmim afirmou que o principal objetivo da vista foi conhecer as demandas do mercado brasileiro e, também, prospectar ações e projetos de cooperação comercial no setor de agronegócio entre os países, contemplando as áreas de pesquisa, desenvolvimento e inovação tecnológica.

Homenagem

Em outubro, o diretor-titular do Deagro/Fiesp, Benedito da Silva Ferreira, recebeu, no Rio de Janeiro, o prêmio Destaques – A Lavoura, concedido pela Sociedade Nacional de Agricultura (SNA). Benedito da Silva Ferreira foi reconhecido na categoria Informação.

Rally da Pecuária 2011 aponta crescimento da safra de pasto

Flávia Dias, Agência Indusnet Fiesp

André Pessoa, coordenador do rally da pecuária e sócio-diretor da Agroconsult. Foto: Júlia Moraes

O crescimento de 17% da área de pastagem e o aumento da lotação de animais por hectare foram alguns dos dados divulgados nesta terça-feira (30), pela Agroconsult e Bigma, na sede da Fiesp, durante a apresentação dos resultados do Rally da Pecuária 2011.

De acordo com André Pessoa, coordenador do rally da pecuária e sócio-diretor da Agroconsult, pela primeira vez uma equipe de expedição técnica conseguiu medir, in loco, a pecuária bovina de corte e a qualidade das pastagens no Brasil. Os técnicos visitaram nove estados, totalizando 30 mil quilômetros percorridos. “Graças ao empenho dos técnicos e ao apoio dos nossos colaboradores, construímos indicadores de confiabilidade e qualidade, que serão úteis para os produtores”, avaliou Pessoa.

Também presente no evento, o diretor-titular do Departamento de Agronegócio (Deagro) da Fiesp, Benedito da Silva Ferreira, disse que o estudo foi um importante passo na captação de informações do setor pecuário: “Não é possível intensificar os investimentos e políticas públicas eficientes sem uma base de dados confiáveis”.

Resultados

A expedição técnica percorreu, entre 26 de setembro e 11 de novembro de 2011, as principais regiões de cria, recria, engorda e confinamento de gado em novo estado brasileiros, onde estão concentrados 75% do rebanho bovino, correspondentes a 85% da produção de carne no País.

O estudo constatou uma disponibilidade de pastagem 17% maior que a expectativa pré-rally. Para os pesquisadores, o bom desempenho foi resultado dos investimentos dos pecuaristas na aquisição de novas tecnologias e, também, o aumento da composição dos rebanhos de categoria mais leve (animais mais jovens), reduzindo o peso médio e a demanda por capim.

Outra novidade foi o aumento da lotação média de gado por hectare. Os dados apontam 1,6 animais por hectare, contra uma lotação média brasileira de 1,22 animais por hectare. Com relação ao confinamento, o levantamento apontou um aumento de 23,8% no número de animais confinados. Para o próximo ano, a expectativa é que o crescimento seja superior a 18%.

Além disso, os produtores desejam melhorar as áreas de pastagem. Segundo Mauricio Palma Nogueira, coordenador do rally da pecuária e sócio-diretor da Bigma Consultoria, 75% dos produtos entrevistados afirmaram que pretendem realizar alguma reforma: “Vale lembrar que a recuperação da pastagem custa 60% de uma reforma”, alertou.

De acordo com a expedição técnica, apenas 12% das pastagens avaliadas precisam de reformas, tendo em vista que o pasto encontra-se em estado avançado de degradação. Já 18% podem ser recuperados com o uso de tecnologias adequadas.

Na próxima semana, os dados serão apresentados para os representantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Sobre o evento

O Rally da Pecuária é uma expedição nacional que avalia, in loco, a situação atual da pecuária bovina de corte nas principais regiões produtoras do Brasil. Durante a expedição, os técnicos visitaram 90 fazendas, amostraram 400 pastos e realizaram eventos com pecuaristas convidados, que responderam a 431 questionários com informações qualitativas. Os dados coletados foram decisivos para o mapeamento do setor.