Balanço do Rally da Pecuária 2012 aponta perspectivas favoráveis para produtores

Edgar Marcel, Agência Indusnet Fiesp

O Rally da Pecuária 2012 registrou uma melhoria significativa nas informações coletadas em nove Estados brasileiros. Durante a cerimônia de encerramento, que aconteceu na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) nesta terça-feira (23/10), o diretor da Agroconsult e membro do Conselho Superior do Agronegócio (Cosag) da federação,  André Pessoa, afirmou que avaliação deste ano teve foco qualitativo e quantitativo das estatísticas, avaliadas pelas cinco equipes das consultorias Agroconsult e Bigma.

André Pessoa, diretor da Agroconsult e membro do Cosag/Fiesp. Foto: Everton Amaro

“Tiramos conclusões heroicas, e hoje estamos felizes por mostrar números com mais consistência na avaliação realizada. Demos um passo importante no levantamento dessas informações”, afirmou Pessoa. Foram medidas as condições das pastagens e das fazendas de criação de gado do país, bem como os índices zootécnicos e a qualidade do rebanho nacional.

O diretor da Agroconsult revelou que a pecuária está sob pressão por causa da competição com outras atividades, como a agricultura. “Nos próximos 10 anos, as atividades de produção de grãos, açúcar e reflorestamento demandarão 15,3 milhões de hectares, e nossa expectativa é de que 82% venha da pastagem. É um desafio enorme”, comentou.

Entretanto, as perspectivas são muito favoráveis para a pecuária brasileira, que necessita de investimentos em tecnologia e aumento de produtividade, recuperação de venda via tecnificação e levantamento de informações do setor. “O sucesso depende da genética, estratégia de nutrição do gado, sanidade, reprodução, manejo e fertilização das pastagens, integração com lavoura e florestas, além de gestão e sucessão”, listou André Pessoa.

Metodologia realista

Maurício Nogueira, sócio-diretor da Bigma. Foto: Everton Amaro

Para Mauricio Nogueira, sócio-diretor da Bigma, o Rally da Pecuária 2012 foi muito mais conclusivo que o do ano anterior. “Conseguimos ir a campo com metodologia mais realista e conseguimos levantar dados inéditos”, opinou.

Os métodos utilizados, segundo ele, foram: registro fotográfico e anotação do ponto com GPS, avaliação das condições e uso da pastagem, homogeneidade do pasto, volume de massa, tipo de capim e invasoras presentes.

Nogueira apontou o perfil da amostra do Rally da Pecuária 2012:

  • Rebanho médio: 3.400 cabeças;
  • Rebanho total: 1,3 milhão;
  • Área média da pecuária: 2.356 hectares;
  • Ocupação média: 1,44 cabeças por hectare.
  • Rebanho total confinado: 549 mil cabeças;
  • Produtividade média estimada: 6,96 hectares por ano.

 

“Concluímos que a amostra foi muito mais rigorosa e realista esse ano. Não podemos dizer que a pecuária piorou”, avaliou Mauricio Nogueira, ao informar que o rebanho dos produtores vem aumentando em 52,1% dos casos, enquanto se manteve estável em 39,3% e reduziu em 8,6% dos avaliados.

“Os pecuaristas pretendem reformar mais de 14% das pastagens ao ano, o que nos permite concluir que há um espaço enorme de oportunidades para o produtor economizar, adotando técnicas mais eficientes para lidar com as pastagens. A demanda por tecnologia do pecuarista é maior que a do agricultor”, completou.

Entrega de Homenagens

Durante o evento também foi feita a entrega de homenagens aos apoiadores e patrocinadores do Rally 2012.  As empresas que patrocinam a iniciativa são Dow AgroSciences, Vale, Marfrig, MSD e Heringer. São apoiadoras do Rally 2012, instituições como a Fiesp, Embrapa e INPE, além das indústrias Mitsubishi Motors, Famato, Famasul e BeefPoint.

Patrocinadores e apoiadores do Rally 2012 recebem troféu. Foto: Julia Moraes