Em 2014, competitividade segue como prioridade na agenda do Departamento da Indústria da Construção da Fiesp, diz diretor

Anne Fadul, Agência Indusnet Fiesp 

“O nosso objetivo vai ser continuar levantando a bandeira de tornar o setor da construção mais competitivo como foi feito durante este ano. A competitividade da indústria vai ser a palavra de ordem para 2014”, afirmou diretor titular do Departamento da Indústria da Construção (Deconcic) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Carlos Eduardo Pedrosa Auricchio, na última reunião plenária do ano do Deconcic.

O encontro foi realizado na manhã desta segunda-feira (02/12), na sede da Fiesp, e contou com a presença de diretores do Deconcic, representantes de entidades do setor e do governo, como Milton Dallari, presidente da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU) e Quênio Cerqueira de França, secretário executivo do Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Segundo Auricchio, durante o mês de novembro, o Deconcic fez contato com algumas entidades para conhecer a visão de cada uma sobre os principais gargalos do setor.

Entre os pontos que devem merecer atenção em 2014 estão os seguintes temas: melhorias no modelo de gestão do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), controle das contas públicas, respeito a contratos, ações para desburocratização das atividades de construção e ajustes no Regime Diferencial de Contratação (RDC ).

E, ainda, entraves jurídicos como questões tributárias e legais, programa Federal de Concessões em Infraestrutura de Transportes, desburocratização e maior flexibilidade para o financiamento e acesso aos recursos do Governo, Saneamento, e Parceria Público-Privada (PPP). Outra questão importante a ser tratada no ano que vem será a questão da modernização da Lei.8666.

Outro ponto abordado na reunião foi a participação do departamento em eventos das entidades do setor e da Fiesp.

O diretor titular adjunto, Mario William Esper, listou as demandas de 2013 no programa Compete Brasil tratadas como prioridade nas esferas de planejamento e gestão, aspectos institucionais e segurança jurídica, funding, mão de obra, impactos tributários e custos produtivos e sustentabilidade. Segundo Esper, algumas delas permanecem no calendário no próximo ano. “Para o ano que vem, por exemplo, estamos organizando a Missão Empresarial Técnica do Building Information Modeling (BIM), que deverá ser realizado em março de 2014, na França. O objetivo é trocar experiências para a implementação desta tecnologia no Brasil, com o apoio da Embaixada do Brasil em Paris”, completou.

Um dos pontos levantados por alguns representantes na reunião foi a questão da segurança dentro da indústria da construção. Foi sugerido que haja uma inspeção periódica dentro dessa área. Para tanto, Auricchio convocou a formação de um grupo de trabalho. “A partir daí, já iniciaremos uma agenda específica para alimentar essa demanda no âmbito do Compete Brasil”, afirmou o diretor.

Sobre a Batimat 2013, a diretora titular adjunta Maria Luiza Salomé apresentou um resumo das atividades realizadas durante a missão da Fiesp. Para a diretora, a missão empresarial foi muito consistente. “Gostaria de agradecer toda a equipe e os participantes envolvidos, a Batimat 2013 foi um sucesso. Conseguimos cumprir tudo o que foi programado. A visita técnica, organizada pela Fundação Vanzolini aos bairros Tolbiac e Masséna, foi uma das melhores que já fizemos”, acrescentou Salomé. A diretora destacou também sobre o curso de Gestão Empresarial, no âmbito da Cátedra “Globalização e Mundo Emergente Fiesp-Sorbonne”.

O secretário executivo do Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), Quênio Cerqueira de França, fez uma apresentação institucional sobre o FGTS, que foi amplamente discutida durante a reunião, e disse estar à disposição do Deconcic/Fiesp para mais informações.

Com a relação a economia setorial, os representantes das entidades do setor acreditam que o Produto Interno Bruto (PIB) da Indústria da Construção será maior que a do Brasil, já que historicamente o número sempre fecha em dobro.

Por fim, Aurrichio agradeceu imensamente a colaboração de todas as entidades. “Gostaria de agradecer o empenho de cada um de vocês durante este ano. Que 2014 continue nesse ritmo para contribuirmos nos avanços da competitividade do setor da indústria da construção”.