Setor produtivo apoia manifestação do dia 13, afirma Skaf

Graciliano Toni, Agência Indusnet Fiesp

Em entrevista coletiva após reunião nesta segunda-feira (7/3) com mais de 100 representantes de entidades empresariais, o presidente da Fiesp e do Ciesp, Paulo Skaf, disse que os participantes, movidos pela perda de credibilidade e da confiança na presidente Dilma Rousseff e sua incapacidade de recuperá-las, decidiram por unanimidade apoiar a participação, “pacífica e respeitosa”, na manifestação marcada para dia 13 de março em várias cidades. Skaf revelou que irá ao protesto em São Paulo, na avenida Paulista, com sua família, e se comprometeu a telefonar para o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, pedindo-lhe que se manifeste garantindo a segurança dos que quiserem participar.

Um grande movimento no dia 13, disse Skaf durante a reunião, é a resposta adequada às vozes contrárias aos que defendem a mudança urgente no governo. As entidades presentes devem fazer ao longo da semana a defesa da participação nas manifestações de domingo, que pedem a saída da presidente Dilma Rousseff e apoiam a operação Lava Jato e a punição dos corruptos.

No encontro, realizado na sede da Fiesp e do Ciesp, os participantes reiteraram, também de forma unânime, o apoio à campanha “Não Vou Pagar o Pato”, contra o aumento de impostos e a volta da CPMF. Além de dar nova energia à campanha, os participantes decidiram fazer pressão sobre o Congresso Nacional, para não permitir a elevação da carga tributária.

A campanha nasceu em setembro de 2015 de reunião semelhante, também realizada na casa da indústria paulista. Já foi lançada em 5 capitais e 22 cidades e conseguiu o apoio de mais de 1,2 milhão de pessoas.
>> Ouça boletim sobre o apoio às manifestações do dia 13

Imagem relacionada a matéria - Id: 1545237442

Reunião na sede da Fiesp e do Ciesp que definiu apoio às manifestações de 13 de março. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp