Dilma Rousseff anuncia redução no preço da energia elétrica

Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1542790442

Pronunciamento da presidente teve pouco mais de 11 minutos.

Em pronunciamento em cadeia nacional de rádio e televisão, por ocasião do Dia da Independência, celebrado nesta sexta (07/09), a presidente da República Dilma Rousseff afirmou na noite desta quinta-feira (06/09) que, a partir do início de 2013, a conta de energia elétrica terá redução média de 16,2% para o consumidor doméstico e de até 28% para a indústria.

O anúncio oficial das novas tarifas, de acordo com Dilma, acontecerá na próxima terça-feira (11/09). “Vou ter o prazer de anunciar a mais forte redução que se tem notícia neste país nas tarifas de energia elétrica das indústrias e dos consumidores domésticos”, disse a presidente.

Leia nota oficial da Fiesp sobre o anúncio da redução do custo da energia elétrica

Dilma afirmou que a queda do custo da energia elétrica tornará o setor produtivo ainda mais competitivo e explicou por que a redução para as indústrias será maior do que para os consumidores domésticos.

“A medida vai entrar em vigor no início de 2013. A partir daí, todos os consumidores terão sua tarifa de energia elétrica reduzida, ou seja, sua conta de luz vai ficar mais barata. Os consumidores residenciais terão uma redução média de 16,2%. A redução para o setor produtivo vai chegar a 28% porque neste setor os custos de distribuição são menores, já que opera na alta tensão”, afirmou a presidente.

Dilma afirmou que a redução da tarifa de energia elétrica vai ajudar “de forma especial” as indústrias que estejam em dificuldades, “evitando demissões de empregados”.

“Os ganhos, sem dúvida, serão usados tanto para redução de preço para o consumidor brasileiro como para os produtos de exportação, o que vai abrir mais mercados dentro e fora do país”, disse.

Competitividade

Em sua fala, Dilma disse que a palavra “competitividade” vem a somar-se ao tripé “estabilidade, crescimento e inclusão” que, segundo ela, orienta o seu governo.

A presidente aproveitou o pronunciamento para justificar a redução do crescimento da economia brasileira, afirmando que o país está pronto para dar um “salto decisivo”.

“Como a maioria dos países, tivemos uma redução temporária no índice de crescimento. Mas já temos as condições objetivas, agora, para iniciar este novo e decisivo salto, cujos primeiro efeitos já serão percebidos no próximo ano e que vão se ampliar fortemente nos anos seguintes.”

Dilma abordou ainda o recentemente anunciado plano de concessões do setor de transportes. “Acabamos de assinar um conjunto de medidas que vai provocar no médio e no longo prazo uma verdadeira revolução no setor de transporte”, destacou, afirmando que a recém-criada Empresa de Planejamento e Logística (EPL) vai fazer uma “completa reformulação no setor de rodovias, ferrovias, portos e aeroportos”.

Segundo a primeira mandatária, o país está conseguindo uma marcha inédita de redução constante e vigorosa dos juros, “que fez a Selic [taxa básica de juros] baixar para cerca de 2% ao ano em termos reais e fez a taxa de juros de longo prazo cair para menos de 1% ao ano também em termos reais.”

A presidente disse ainda estar “disposta a abrir um amplo diálogo” com as forças políticas e produtivas para discutir o sistema tributário do país.

Veja o pronunciamento na íntegra