Concorrência no Sistema Financeiro

No dia 09 de novembro de 2015, aconteceu a Mesa de Debates do Grupo de Estudos de Direito Concorrencial da Fiesp/Ciesp. O assunto do encontro foi “Concorrência no Sistema Financeiro” e contou com a presença do Senador Antonio Anastasia, do Dr. Victor Rufino, Procurador-Geral do CADE, e dos Professores Jean-Paul Veiga da Rocha, Gesner Oliveira, e Jairo Saddi, especialistas no assunto.


Nota Informativa do Senado Federal nº 0782/2015

Projeto de Lei do Senado nº 350/2015 

Entrevista: Como incluir um programa de ecoeficiência em sua empresa

Imagem relacionada a matéria - Id: 1545141373

Por Karen Pegorari Silveira

Segundo o escritor Alcir Vilela Júnior Jacques Demajorovic, as empresas ecoeficientes são aquelas que obtêm benefícios econômicos, agilidade em seus processos e qualidade de seus produtos, com redução nos custos associados aos desperdícios de água, energia e materiais; à medida que obtêm benefícios ambientais por meio da redução progressiva da geração de resíduos sólidos, efluentes líquidos e emissões atmosféricas, introduzindo em seu processo gerencial o conceito de prevenção da poluição e de riscos ocupacionais.

Mas como introduzir, na prática, a ecoeficiência em sua empresa?

Perguntamos ao especialista Marcus Nakagawa*, que é sócio-diretor da iSetor e Mestre em Administração com foco em Sustentabilidade na Estratégia de Negócios das Empresas, quais as ações básicas para iniciar um programa de ecoeficiência.

Leia na íntegra a entrevista:

Quais os primeiros passos para uma empresa incluir ações de ecoeficiência em sua rotina?

Marcus Nakagawa – O primeiro passo para qualquer ação de ecoeficiencia na empresa é realizar um bom diagnóstico com todos os dados e números disponíveis na organização. Geralmente, nesta fase é importante já ir relacionando com que colaborador e departamento fica cada documento e dado. E já ir aos poucos engajando cada um deles, explicando para que servem estes dados e este trabalho, pois, na visão desta pessoa será mais um trabalho a realizar. Um segundo passo seria tabular os dados, buscar a razão financeira deles. Por exemplo, se o dado for água, o quanto está se gastando em quantidade e financeiramente quanto está custando a conta. Outro exemplo seria com os resíduos. Geralmente as empresas pagam para retirarem os resíduos, o que se pode fazer é a famosa separação e reciclagem e a venda de materiais. Estes são exemplos mais comuns, mas podemos levantar também os gastos de energia, ruídos, calor etc. O terceiro passo é preparar um plano de ação para aumentar a eficiência e a economia de dinheiro. Neste plano de ação podem entrar soluções modernas e inovadoras como uma pequena central de geração de energia solar ou eólica. Ou ainda, utilizar o lixo orgânico para fazer composto orgânico para uma horta para a cozinha dos funcionários. O quarto passo é mobilizar a todos os envolvidos e seus superiores para que as metas e as ações sejam cumpridas. Muita comunicação interna e alta direção da empresa motivadas e sendo porta vozes do projeto. O quinto passo é controlar os números e as economias financeiras e celebrar as vitórias. Isso mesmo celebrar as metas alcançadas e superadas com festas, brindes, homenagens, fotos na intranet e todas estas ferramentas de motivação. O sexto passo é divulgar internamente e externamente para que seja benchmarking de outras áreas das empresas e de outras empresas.

Como engajar os colaboradores?

Marcus Nakagawa – O engajamento dos colaboradores tem que começar desde o primeiro passo, ou seja, desde o diagnóstico. É necessário um evento de lançamento do projeto oficial e muitas ferramentas de comunicação da alta direção destacando a importância dos trabalhos, fazendo, dessa forma, com que colaborador tome conhecimento da mobilização. O outro momento é engajar a todo instante todas as áreas e departamentos envolvidos no diagnóstico, no desenho do plano de ação, no controle, na divulgação e principalmente na celebração das vitórias.

Quais ações não podem faltar em um plano de ecoeficiência?

Marcus Nakagawa – A elaboração do diagnóstico, o desenvolvimento do plano de ação, a mobilização de todos os envolvidos, o controle, a celebração e a divulgação dos resultados do plano.

É preciso criar um grupo interno que fique responsável ou é dever do RH?

Marcus Nakagawa – Sim, criar um comitê de ecoeficiência seria o modelo ideal, sendo ele um time multidepartamental com gestores, assistentes e estagiários. Um time engajado que acredite realmente na sustentabilidade e que, de preferência, pratique isso em casa também. Se caso isso não for possível, antes de iniciar o projeto será necessário uma capacitação do time para poder mostrar o porquê deste plano.  E assim, sensibilizar os funcionários e motivá-los a participar ativamente em vez de simplesmente ser uma atividade a mais que não estava no job description de cada um. A causa também tem que ser utilizada como ferramenta de motivação e engajamento, afinal o tema é muito interessante e está na “moda”.

Como medir os resultados de cada ação

Marcus Nakagawa – Na fase do diagnóstico é fundamental parametrizar todos os dados a serem buscados e controlados. Dados como controle de água, resíduos, energia, materiais, ar, solo, entre outros, são fundamentais. Para isso existem especialistas ambientais e de sustentabilidade para cada segmento de mercado e de atividade de negócio. No comitê ou time de ecoeficiência a soma de conhecimento também será fundamental para a coleta de informações e definição de indicadores e metas. Com isso, fecha-se uma periodicidade que pode ser trimestral, semestral ou anual, sempre com coletas de dados mensais, e assim medimos os resultados e os indicadores. Dentro da ecoeficiência, o dado que mais faz sentido para as empresas é a economia de dinheiro, porém existem outros dados como conhecimentos adquiridos, trabalho em equipe, motivação por trabalhar na empresa, trabalho interdepartamental, clima organizacional, além de outros não podem ser esquecidos na hora da mensuração.

* Marcus Nakagawa, é Mestre em Administração com foco em Sustentabilidade na Estratégia de Negócios das Empresas pela PUC-SP, sócio-diretor da iSetor – empresa de gestão administrativa e financeira e idealizador e presidente do conselho deliberativo da Abraps (Associação Brasileira dos Profissionais de Sustentabilidade).

Termina no dia 18 de março prazo para inscrições no Prêmio de Mérito Ambiental da Fiesp

Agência Indusnet Fiesp

Com o objetivo de incentivar o setor produtivo a desenvolver boas práticas ambientais, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo promove anualmente, desde 1995, o “Prêmio Fiesp de Mérito Ambiental”.

Para a edição de 2013, as empresas poderão inscrever, no máximo, dois projetos em duas categorias distintas: micro e pequeno porte (até 99 empregados) e médio e grande porte (a partir de 100).

As empresas interessadas em participar devem fazer sua inscrição preenchendo o formulário online disponível na página do Prêmio Fiesp de Mérito Ambiental.

A ficha de inscrição e o envio dos trabalhos que concorrem ao prêmio devem ser enviados até o dia 18 de março.

Premiação e forma de avaliação

As vencedoras receberão troféu e também o selo do Mérito Ambiental.O resultado será divulgado durante a solenidade de premiação, em junho de 2013.

Os critérios de julgamento levarão em conta a otimização do uso de recursos naturais, além dos resultados obtidos com a implementação do projeto. A Comissão Julgadora é constituída por representantes de mais de uma dezena de entidades e universidades.

Edição anterior

Imagem relacionada a matéria - Id: 1545141373Na edição de 2012 do Prêmio foram recebidos 41 cases. A Honda Automóveis venceu na categoria média e grande empresa com o projeto “Redução na emissão de Compostos Orgânicos Voláteis (VOC) nos processos produtivos“, ao motivar os funcionários no desenvolvimento de projetos na área de gestão ambiental e adotar políticas de sustentabilidade.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1545141373Na categoria micro e pequena, o primeiro lugar ficou com a Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda, com a “Viabilidade da melhoria competitiva através da sustentabilidade e gestão do meio ambiente”.

A empresa desenvolveu projetos socioeducativos na área ambiental junto aos funcionários, nos últimos dez anos, percebendo novas oportunidades para o negócio.

Sesi-SP apresenta a exposição Nelson Rodrigues 100 anos

Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1545141373O Serviço Social da Indústria (Sesi-SP) apresenta, de 11 de outubro a 16 de dezembro, a exposição Nelson Rodrigues 100 anos sobre a obra do escritor Nelson Rodrigues (1912-1980), no Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso. Com curadoria de Ruy Castro, a mostra está instalada em 140 m², a caminho do foyer do Teatro do Sesi São Paulo, e revela as várias faces desse homem que deixou marcas no teatro, jornal, cinema, televisão e futebol. A iniciativa é mais uma homenagem do Sesi-SP ao centenário de nascimento do dramaturgo.

Materiais raros como as primeiras edições de seus livros, filme em cores sobre seu cotidiano, fotos reveladoras, o áudio de contos de “A Vida como Ela É…” com o elenco da Rádio Nacional, as frases famosas de Nelson, entre outras instalações, estarão expostos até 16 de dezembro. A entrada é gratuita.

Sobre o projeto Nelson Rodrigues 100 Anos Sesi-SP

O projeto do Sesi-SP em comemoração ao centenário de Nelson Rodrigues inclui espetáculos, leituras dramáticas, exposição, debates e oficinas. Os destaques do projeto, que tem curadoria de Ruy Castro, biógrafo de Nelson, e direção artística de Marco Antônio Braz, especialista na obra rodriguiana, são a abrangência da programação, a participação de personalidades (entre as quais muitas pessoas que conviveram com ele), a abordagem de aspectos menos conhecidos do dramaturgo – como jornalista, escritor, cronista esportivo e folhetinista – e o caráter pedagógico das ações com os mais de 400 alunos de iniciação teatral dos Núcleos de Artes Cênicas do Sesi-SP.

Para mais informações, clique aqui.

Sobre Ruy Castro

Ruy Castro é escritor e jornalista. Começou como repórter em 1967 e trabalhou nos principais veículos da imprensa carioca e paulistana. Atualmente, é colunista da Folha de S. Paulo. Como escritor, desde 1990, notabilizou-se pelas biografias de figuras importantes da cultura brasileira, como Carmen Miranda, Garrincha e Nelson Rodrigues – sobre quem escreveu o livro O Anjo Pornográfico, lançado em 1992 e hoje na 26ª reimpressão.

Serviço
Exposição Nelson Rodrigues 100 anos
Local: Térreo Inferior do Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso (av. Paulista, 1.313 – Metrô Trianon-Masp)
Período expositivo: de 11 de outubro a 16 de dezembro de 2012
Datas e horários: todos os dias, das 11h às 21h, com entrada até 20 minutos antes do fechamento.
Agendamentos escolares e de grupos: de segunda a sexta-feira, das 10h às 13h e das 14h às 17h, pelo telefone (11) 3146-7396
Classificação indicativa: livre

Setor ferroviário: Senai-SP apresenta projeto do centro de formação profissional

Edgar Marcel, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1545141373

Da esquerda para a direita: Mario Seabra R. Bandeira, presidente da CPTM; José Antonio Martins, presidente do Simefre; Paulo Skaf , presidente da Fiesp e do Ciesp; Walter Vicioni Gonçalves, diretor do Senai-SP e superintendente do Sesi-SP; e Julio Diaz, diretor de Infraestrutura do Ciesp

O presidente da Federação e Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp), Paulo Skaf, recebeu na manhã desta quinta-feira (02/08), na sede da federação, as principais lideranças  e representantes do setor ferroviário paulista. Durante a reunião, foi apresentado o projeto de implantação do centro de excelência do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai-SP) destinado à formação profissional de técnicos para o setor de construção, manutenção e operação ferroviária do Estado de São Paulo.

Skaf, que também preside o Sesi-SP e o Senai-SP,  falou sobre a importância do projeto: “Temos que nos antecipar aos fatos no sentido de ter aquilo que seja o melhor do mundo”, recomendando aos diretores das entidades a realização de visitas técnicas para conhecer a expertise de países líderes em tecnologia ferroviária, como China e Estados Unidos.

O diretor técnico do Senai-SP, Ricardo Terra, detalhou a proposta do Senai-SP em resgatar a cultura ferroviária no Estado. Entre as premissas da instituição estão a criação da escola ferroviária, a reestruturação e modernização da oferta já disponível e a busca de parcerias para estruturar ambientes com as mais modernas tecnologias do setor.

Terra antecipou que a futura escola ferroviária abrangerá cursos em todos os níveis: cursos de aprendizagem industrial, curso técnico, curso superior e de formação inicial e continuada. Além disso, contemplará também a parte teórica da fabricação, manutenção e operação no transporte de cargas e passageiros.

Ainda de acordo com o diretor técnico do Senai-SP, o investimento previsto para o Centro Senai de atendimento ao setor ferroviário será da ordem de R$ 60 milhões. Esse valor abrange o custo com equipamentos e obras em área construída projetada de 20 mil metros quadrados e uma área total de terreno de 30 mil metros quadrados, incluindo um pátio para manobras e testes. O nome da cidade na qual será construído o Centro Senai  será revelado em setembro.

“Rodoviarização”

José Antonio Fernandes Martins, presidente do Sindicato Interestadual da Indústria de Materiais e Equipamentos Ferroviários e Rodoviários (Simefre), afirmou que o Brasil é um país feito “fora dos trilhos”, em alusão à “rodoviarização” dos transportes.

“Segundo o Ministério das Cidades, a frota brasileira – que abrange ônibus, automóveis, caminhões e implementos rodoviários – cerca de 70 milhões de veículos”, revelou Martins, que comparou os dados aos parcos números de trens no Brasil: 100 mil de carga e 4 mil de passageiros. O presidente do Simefre finalizou comentando que a decisão da Fiesp, de liderar a formação profissional nas escolas do Senai-SP, será “um fato histórico na área ferroviária”.

Paulo Skaf recebe Lula na Fiesp

Juan Saavedra e Talita Camargo, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1545141373

Paulo Skaf recebe o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na Fiesp

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, recebeu na manhã desta terça-feira (26/06), em seu gabinete, o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva.

Em seguida, Skaf acompanhou Lula até o auditório da Fiesp onde o Instituto Lula promove seminário com conselheiros e convidados para elaborar uma proposta inicial – museológica e arquitetônica – do Memorial da Democracia.

O projeto do Memorial da Democracia prevê a construção na região da Luz– zona central de São Paulo – de um espaço destinado a resgatar a história de lutas do povo brasileiro pela liberdade e que incluirá o acervo particular de Lula.

Além da mulher de Lula, dona Marisa Letícia, participam do evento Paulo Okamoto e Paulo Vannuchi, presidente e diretor Instituto Lula, respectivamente.

Entre os convidados do Instituto Lula estão historiadores, cientistas sociais e artistas.

Ana de Hollanda

A ministra da Cultura, Ana de Hollanda, também participou do seminário organizado e realizado pelo Instituto Lula na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

De acordo com a ministra, o projeto pode se utilizar da Lei Rouanet e que todas as portas institucionais possíveis foram abertas para a viabilização da construção do Memorial.

Ana de Hollanda considera importante a construção do Memorial. “A democracia não foi construída de uma hora para outra”, explicou, ressaltando que as novas gerações “não sabem que a democracia é fruto de muitas lutas.”

Projeto eliminou contaminação no solo e poluição atmosférica

Camila Grillo, Agência Indusnet Fiesp

A preservação do meio ambiente por meio de ações inovadoras tem gerado resultados eficientes na economia. Um exemplo é a Guarany Indústria e Comércio Ltda., que com o projeto “Eliminação do desperdício de óleo solúvel nos Centros de Usinagem” gerou uma economia de R$ 36.597 por ano.

A empresa passou a reutilizar o óleo incorporado ao cavaco, tendo retorno anual de 1.530 litros. Essa experiência rendeu o 1º lugar na categoria Micro e Pequena Empresa do Prêmio de Mérito Ambiental. O case será um dos exemplos a ser apresentado na 5ª Mostra Fiesp/Ciesp de Responsabilidade Socioambiental, de 21 a 23 de novembro, na sede da federação.

Com investimento de R$ 6.500, a indústria conseguiu eliminar a contaminação do solo onde o cavaco era depositado e reduzir a poluição atmosférica. Além disso, obteve retorno do valor em menos de cinco meses. A empresa destinou adequadamente os resíduos e as sucatas provenientes do processo de usinagem, reduziu o desperdício de óleo e valorizou o cavaco, cujo valor de venda subiu de R$ 6,50 para R$ 7,50, quilo, um aumento de 15,38%.

Rally sustentável

Outro exemplo de ação para o meio ambiente é o projeto da General Motors, “Chevrolet Flexpedition – Um passeio pela GM do futuro”. A indústria levou 20 jornalistas para conhecer o conceito de sustentabilidade aplicado em suas unidades de São Caetano do Sul, São José dos Campos, Sorocaba, Indaiatuba, Mogi das Cruzes, Rio Grande do Sul (Gravataí) e Argentina (Rosário).

A imprensa pode conhecer de perto o processo de reciclagem, da indústria, redução de consumo e resíduos, uso de tecnologias limpas, reflorestamento, captação de CO², envolvimento da comunidade em ações educativas e equilíbrio entre a economia ambiental e social.

A expedição mostrou, na prática, que é possível atingir um equilíbrio entre a produção de carros e o meio ambiente. O resultado foi uma evolução nas relações entre empresa e seus diversos públicos. A ação foi acompanhada de perto pelos clientes da marca através de um blog, interação nas redes sociais e, também, comunicação impressa.

Desenvolvimento Social e Resultado Econômico

Para ilustrar as práticas de responsabilidade socioambiental realizadas pelos mais diversos setores da sociedade, a 5ª Mostra de Responsabilidade Socioambiental também contará com a presença decases das premiadas Oxiquímica, Metalúrgica Inca, Grafimec e Eletrolux.

Com o tema “Desenvolvimento Social e Resultado Econômico”, o evento reunirá empresários, governos e entidades da sociedade civil para debater o desenvolvimento sustentável e o crescimento econômico.

Serviço
5ª Mostra Fiesp/Ciesp de Responsabilidade Socioambiental
Tema: Desenvolvimento Social e Resultado Econômico
Período: 21, 22 e 23 de novembro de 2011
Local: Sede da Fiesp, Av. Paulista, 1313 (em frente ao Metrô Trianon)