No Diário de S. Paulo, Paulo Skaf defende o fim da multa de 10% do FGTS

Agência Indusnet Fiesp

Nesta segunda-feira (22/07), o presidente da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp/Ciesp), Paulo Skaf, escreveu, em artigo no jornal Diário de S. Paulo, sobre o Projeto de Lei Complementar nº 200/2012, aprovado na Câmara dos Deputados e agora nas mãos da presidenta Dilma Rousseff, a quem cabe sancionar o projeto, que extingue os 10% de multa do FGTS pagos pelas empresas em casos de demissão sem justa causa.

De acordo com Skaf, a contribuição extra, criada em 2001, veio para compensar os prejuízos na conta do FGTS gerados “pelo fracasso dos planos Verão e Collor” e já “deveria ter acabado há muito tempo”, afinal, já cumpriu o seu objetivo: “as empresas continuam tendo de recolher a taxa diretamente para o caixa do governo. Somente no último ano as empresas desembolsaram mais de 2,7 bilhões de reais”.

Em seu texto, o presidente da Fiesp e do Ciesp argumentou que a extinção dos 10% do FGTS “trará alívio para as empresas de todos os setores da economia e de todos os portes”. E mais: “num país em que o cidadão é penalizado com uma carga tributária elevadíssima, é preciso pôr um ponto-final nas cobranças indevidas, que encarecem ainda mais o custo de produzir no Brasil, desestimulam o emprego e freiam os investimentos”.

Para ler o artigo na íntegra, só conferir abaixo.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539678864