PIB de 2015 deve cair 1,7%, projeta Fiesp

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

O fraco desempenho da atividade econômica brasileira no último trimestre de 2014 deve ter gerado a pior herança estatística para a expansão econômica em 2015. A avaliação é do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depecon) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

A equipe econômica da entidade revisou para baixo suas projeções para o Produto Interno Bruto (PIB).  O Depecon, que antes previa um ganho de 0,5% para o PIB em 2015, agora estima uma retração de 1,7% para este ano.

O departamento projeta ainda uma queda de 0,3% do PIB no quarto trimestre de 2014 em relação ao período imediatamente anterior. O prognóstico anterior era de expansão de 0,2% para os últimos três meses do ano.

Segundo o Depecon, o carregamento estatístico para o PIB de 2015 caiu de 0,0% para -0,3%. E ainda não foram incorporados às previsões para este ano choques como o risco de racionamento de água e energia elétrica.

Ajuste fiscal

De acordo com o departamento, o ajuste fiscal promovido pelo governo para reequilibrar as contas públicas deve gerar um impacto de -0,4 ponto percentual no total do PIB este ano.

Para 2015, a meta oficial de superávit primário é de 1,2% do PIB. E para ser alcançada, é necessário um esforço fiscal de 1,8% do PIB.

PIB da Indústria

Para o PIB da indústria de transformação, o Depecon da Fiesp também revisou a previsão de um recuo de 1,1% para uma queda de 4,9% em 2015.

“A despeito da significativa desvalorização do Real, que traz ganhos de competitividade para a indústria nacional, a combinação de diversos fatores negativos prejudicará a retomada do setor. Entre os principais vetores negativos, destacamos a retirada de alguns mecanismos importantes como o Reintegra e a Desoneração da Folha”, afirmou a equipe em nota.

>>Clique aqui para acessar as previsões do Depecon

Infográfico: Fiesp e Ciesp revisam projeções para a economia em 2014

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

O Produto Interno Bruto (PIB) deve encerrar o ano de 2014 com crescimento de apenas 0,7%, de acordo com projeção da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp). O prognóstico foi revisado para baixo pelo Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depecon) das entidades, que em março deste ano previa um crescimento de 1,4% da economia brasileira.

Veja essa e outras projeções do Depecon neste infográfico: