Empresas mostram os benefícios de fazer o bem

Agência Indusnet Fiesp

O último dia (27/08) da Mostra Fiesp/Ciesp de Responsabilidade Socioambiental colocou na mesa de discussões o compromisso das empresas com a ética e o exercício da cidadania, como alicerces para gestões mais competitivas e lucrativas.

Por meio do “Programa Sou Legal” da Fiesp – que tem o objetivo de difundir o conceito de Responsabilidade Social Empresarial como uma ferramenta de gestão –, as empresas mostraram como é fácil praticar o bem.

A proposta do programa é adequar o cotidiano empresarial às práticas e condutas éticas, em suas diversas frentes de atuação. De acordo com a Fiesp, a iniciativa incentiva o diálogo sobre melhoria das relações trabalhistas; importância do consumo consciente; combate à pirataria e estímulos de políticas que visam a competitividade.

Troca de resíduos recicláveis por descontos na conta de luz

Nesta esteira, a Coelce – terceira maior distribuidora de energia do Nordeste e responsável por todo o abastecimento de energia no Estado do Ceará – criou o programa “Ecoelce”, que possibilita a troca de resíduos recicláveis por descontos na conta de energia elétrica da população.

Conforme o chefe do Departamento de Inovação e Projetos de Pesquisa da Coelce, Odailton Arruda, o programa nasceu a partir de uma pesquisa realizada em 184 comunidades de baixa renda da Grande Fortaleza.

O resultado mostrou que grande parte do lixo gerado pelos moradores é depositado inadequadamente no meio ambiente. Esta mesma população apresenta os maiores índices de inadimplência e furto de energia elétrica, implicando o aumento das perdas de energia.

“A Coelce diminui a inadimplência, o consumidor ganha dinheiro e as empresas de reciclagem ganham matéria-prima para trabalhar”, disse Arruda. “Com esta iniciativa, a população de baixa renda recebe o incentivo ao consumo organizado e eficiente da energia elétrica e contribui, significativamente, para a redução do impacto ambiental provocado pelos resíduos sólidos”, explicou.

Como funciona?
Imagem relacionada a matéria - Id: 1545077503Por meio da conta de energia, o cliente obtém um cartão magnético com seus dados pessoais e uma cartilha explicativa sobre como separar os resíduos. Após a seleção, o consumidor se dirige a um posto de coleta, onde estes resíduos serão pesados e, a partir de uma escala de valores, recebe os créditos a partir do peso de cada lixo reciclável.

Os resultados impressionam. Desde o início do projeto, que tem cerca de ano ano e meio, a empresa já concedeu quase R$ 800 mil em descontos; recolheu mais de 6,4 mil toneladas de resíduos; conta com cerca de 1,6 mil clientes cadastrados; realizou a economia de dois milhões de quilowatts de energia e de 57 milhões de litros de água.

Também do Ceará vem outro bom exemplo. Trata-se da Sanny Underware – fabricante de peças íntimas –, que desenvolveu o projeto “Zelo”, de prevenção ao câncer de mama e de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST). O programa consiste na implantação de etiquetas nas peças com informações sobre como prevenir o câncer de mama, AIDS e outras DST´s.

“Com esta ação colocamos nossos produtos no foco da informação”, explicou a presidente da empresa, Teresa Joca. “A Sanny desenvolve este programa por acreditar que cada cidadão pode contribuir para um mundo melhor e que o marketing com base na responsabilidade social pode chegar a construir, a longo prazo, um valor diferencial para a marca e uma vantagem competitiva à empresa”, completou.

Programa Sou Legal defende competitividade e desenvolvimento ético e responsável

Agência Indusnet Fiesp

Durante a Mostra Fiesp/Ciesp de Responsabilidade Socioambiental, o Programa Sou Legal  fortalecerá o compromisso das empresas com a ética e o exercício da cidadania, como alicerces para gestões mais competitivas e lucrativas.A campanha é iniciativa do Comitê de Responsabilidade Social (Cores) da Fiesp.

De acordo com sua diretora, Eliane Belfort, “uma das ações mais importantes do Cores foi a elaboração do ‘Programa Sou Legal’. Nosso principal objetivo é difundir o conceito de Responsabilidade Social Empresarial como uma ferramenta de gestão, que pode e deve contribuir para melhorar o emprego, a competitividade, o crescimento e o lucro das empresas”.

A proposta do empreendimento é adequar o cotidiano empresarial a práticas e condutas éticas, em suas diversas frentes de atuação. Assim, incentiva o diálogo sobre melhoria das relações trabalhistas; importância do consumo consciente; combate à pirataria e estímulos de políticas públicas que visam à competitividade industrial.

“Para ampliar esse tipo de debate surgiu a Mostra de Responsabilidade Socioambiental, que pretende divulgar políticas e práticas de responsabilidade empresarial”, explica a diretora.

Para ela, com a reunião de empresários, governo e sociedade civil organizada, “propiciamos a discussão sobre novos modelos de gestão, que conciliam desenvolvimento econômico, social e ambiental, de forma responsável e sustentável”.

Por meio de seminários temáticos – voltados a clientes e fornecedores de grandes empresas, nos principais pólos regionais do Estado –, a campanha defende a importância da educação, saúde, esporte e lazer como fatores que desenvolvem o comprometimento, a criatividade e a produtividade dos trabalhadores.

Na opinião da diretora de produtos da Sanny Underware, Tereza Joca, debatedora do programa durante a Mostra, a empresa desenvolve esse Programa “por acreditar que cada cidadão pode contribuir para um mundo melhor e que o marketing com base na responsabilidade social pode chegar a construir, a longo prazo, um valor diferencial para a marca e uma vantagem competitiva para a empresa”.

Para cumprir os propósitos da campanha, o Cores firmou parcerias com inúmeras instituições, que apoiam o industrial na criação de políticas de responsabilidade social. Entre elas estão: Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT); Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH); Alfabetização Solidária; Associação Brasileira do Câncer; Bolsa de Valores Sociais/Bovespa; Canal Futura; Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE);Instituto Ethos e Uniethos; Sebrae e Sesi-SP.