Governo deve entregar 3,4 mi de moradias do Minha Casa, Minha Vida até 2014, diz ministro das Cidades

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

O programa Minha Casa, Minha Vida, do governo federal, completou a entrega de um milhão de moradias este ano, afirmou o ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, durante a abertura do Construbusiness 2012 – 10º Congresso Brasileiro da Construção  – evento realizado na manhã desta segunda-feira (03/12) pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

10º Construbusiness - Ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro. Foto: Everton Amaro

Ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro: 'Haveremos de chegar em 2014 com 3,4 milhões de unidades contratadas no programa'. Foto: Everton Amaro

Segundo Ribeiro, o governo deve superar a meta de três milhões de moradias até 2014. “Amanhã vamos participar de um evento para celebrarmos um milhão de moradias entregues ao povo brasileiro”, ele antecipou durante o evento.

O ministro informou que a meta de três milhões de moradias até 2014 foi acrescida de mais 400 mil unidades. “Haveremos de chegar em 2014 com 3,4 milhões de unidades contratadas no programa.”

Pelos cálculos de Ribeiro, o Minha Casa, Minha Vida gerou em 2011 uma renda de R$ 23,6 bilhões em empregos diretos. A expectativa para 2012 é de uma renda de R$ 34 bilhões.

“O setor da construção civil gera emprego de forma imediata. Isso faz com que a nossa economia possa ser ativada, impulsionada de forma igualmente rápida”, comentou.

A continuidade do programa se deu após a Fiesp sugerir, durante um encontro do Construbusiness, o aumento no subsídio para habitação voltada à população de baixa renda.

Programa Compete Brasil

10º Construbusiness - José Carlos de Oliveira Lima. Foto: Everton Amaro

José Carlos de Oliveira Lima: 'Com a adoção das ações propostas, vamos construir um Brasil competitivo'. Foto: Everton Amaro

Em sua 10ª edição, o Construbusiness elaborou um programa completo, chamado Compete Brasil, com soluções para resolver dificuldades ainda não solucionadas no setor de Construção até 2022 (ano do bicentenário da República).

Elaborado pela Fiesp, o documento oferece propostas em Planejamento e Gestão; Aspectos Institucionais e Segurança Jurídica; Funding; Mão de Obra; Impactos Tributários e Custos Produtivos, além de Sustentabilidade.

O objetivo central da federação é elevar o Brasil à condição de 5ª economia do planeta, uma vez que o setor de Construção responde por 8% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil e por 42% da Formação Bruta de Capital Fixo.

Para cada R$ 1 produzido nesse setor, R$ 1,88 são adicionados à produção total do país; a cada R$ 1 milhão investidos em Construção, 70 novos empregos são criados no Brasil. A construção remunera seus trabalhadores, em média, 11,7% acima de outros setores da economia.

“Com a adoção das ações propostas, vamos construir um Brasil competitivo”, afirmou José Carlos de Oliveira Lima, vice-presidente e presidente do Conselho Superior da Indústria da Construção (Consic) da Fiesp.