Investimento em modal rodoviário e transporte público é um dos meios para colocar o Brasil nas vias do desenvolvimento

Agência Indusnet Fiesp 

O anúncio do governo em investir R$ 42 bilhões na malha rodoviária para construção de 7.500 quilômetros de vias no Brasil, por meio do Programa de Investimento e Logística, é um dos temas que será discutido no 8º Encontro de Logística e Transporte, promovido pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), nos dias 6 e 7 de maio, no Hotel Unique.

Os novos modelos de concessão representam a consolidação de ideia de que a participação do setor privado é fundamental para a reversão de deficiências acumuladas durante décadas. Comparativamente aos países com os quais disputa posições no cenário internacional, o Brasil está muito abaixo em todos os indicadores de extensão e qualidade de infraestrutura do setor.

Sendo responsável por mais de 60% do transporte de cargas e de 40% do transporte interestadual de passageiros, o setor rodoviário é apontado como predominante entre todos os modais. Isso representa cerca de 6% do Produto Interno Bruto do País. No entanto, cerca de 30% de toda a extensão da malha viária brasileira está danificada pela falta de manutenção, o que resulta em prejuízos para o transporte de cargas fazendo o Brasil perder competitividade.

Outro assunto crítico que também será discutido durante o evento será a mobilidade urbana. O intuito do debate é encontrar soluções avançadas para a coletividade. Estratégias inovadoras devem ser implantadas para estimular novas formas de expansão e modernização do transporte coletivo. Em São Paulo, por exemplo, há um grande projeto para a ampliação do metrô com investimentos previstos de R$ 22 bilhões para beneficiar as linhas 5-Lilás, 15-Prata, 17-Ouro e 4-Amarela. A primeira fase vai ampliar os 74 quilômetros da malha para mais de 100 e deve estar pronta entre 2014 e 2016. A rede, que transporta 4 milhões de passageiros por dia, se expande em quatro frentes com 4.680 operários nos canteiros de obras.

Mas será que os investimentos previstos para o setor serão suficientes para pôr um fim no caos logístico brasileiro? “Com a atuação da  Empresa de Planejamento e Logística (EPL), esperamos que sejam feitos bons planejamentos. Se ela condicionar leilões de expansão da oferta, os investimentos forem feitos e os ativos construídos, bem geridos, isso resolverá os problemas do setor”, afirma Carlos Cavalcanti, diretor-titular do departamento de infraestrutura (Deinfra) da Fiesp.

Serviço

8º Encontro de Logística e Transporte
Data e horário: 6 E 7 de maio – das 8h30 às 18h
Local: Centro de Convenções do Hotel Unique (Av: Brigadeiro Luis Antonio, 4700 – Jd Paulista – São Paulo)