Profissionalização de jovens e mulheres de baixa renda é destaque na 5ª Mostra

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

A 5ª Mostra Fiesp/Ciesp de Responsabilidade Socioambientavai reunir este ano exemplos bem-sucedidos de empresas que investiram no desenvolvimento social por meio de cursos profissionalizantes, educação de trânsito e ambiental, além de palestras sobre gestão pessoal.

A Ecovias faz parte desse grupo de empresas que vêm expor seus projetos e os resultados alcançados. Em julho de 2008, a concessionária de rodovias iniciou o projeto “De Bem com a Via”, com o objetivo de disseminar a educação para o trânsito às crianças e adolescentes que moram próximos às margens das rodovias do sistema Anchieta-Imigrantes.

Para alcançar o público-alvo, os organizadores do “De Bem com a Via” prepararam o Ecomóvel, carro adaptado que leva teatro, ações de educação para o trânsito e de preservação ambiental, música, palestras e brincadeiras educativas para crianças de 3 a 12 anos que moram nos arredores das rodovias. Desde seu lançamento, o projeto mais que triplicou o número de participantes chegando a 7.308 pessoas em 2011.

Geração de Renda

A montadora de carrocerias para ônibus Caio Induscar e a fabricante de eletrodomésticos Consul têm investido desde 2007 e 2010, respectivamente, em cursos de profissionalização e capacitação para gerar renda.

Com programas de treinamento voltados para familiares de seus funcionários, com idades de 15 a 17 anos, a Caio Induscar forma três turmas por ano para o mercado de trabalho e contrata 50% dos alunos. Ao todo são 13 encontros anuais com duração de três horas e meia cada.

Ainda na esteira da geração de renda e profissionalização, o Consulado da Mulher, cuja principal empresa mantenedora é a Consul, oferece a mulheres de baixa renda e pouca escolaridade assessoria para que possam alcançar melhores condições de vida por meio de uma atividade empreendedora. Apenas no ano passado, o projeto recebeu investimento de mais de R$ 3 milhões e beneficiou 1.399 mulheres em processos de geração de renda como o projeto Cooperlimpa de coleta seletiva.

Presente em 19 Estados do país, o Consulado da Mulher assessora 162 empreendimentos populares. A entidade é reconhecida pela Fundação Banco do Brasil, Unesco e KPMG como tecnologia social eficaz.

Serviço

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) irá sediar a edição 2011 da Mostra de Responsabilidade Socioambiental durante os dias 21, 22 e 23 de novembro. Para saber mais sobre a programação e como se inscrever gratuitamente, clique aqui.


Profissionalização de ex-atletas de alto rendimento é discutido em congresso

Celso Lopes, Agência Indusnet Fiesp

Giovane Gávio, bicampeão olímpico e mundial de voleibol, e José Alves dos Santos Neto, auxiliar técnico da seleção brasileira masculina de basquete, participaram nesta quarta-feira (19) da mesa redonda sobre Planejamento e Administração Esportiva e Recreativa. O foco do debate foi a profissionalização de ex-atletas e o tema é parte do 2º Congresso Ibero-americano de Instalações Esportivas e Recreativas, que acontece na Fiesp até sexta-feira (22).

Gávio, que começou a atuar como técnico a partir de 2005, após um período bem-sucedido de conquistas na seleção brasileira, acredita que a valorização desses profissionais no mercado é de extrema importância, pois não são apenas ex-atletas, mas pessoas com uma extensa bagagem prática no esporte e que podem agregar conhecimento teórico por meio de faculdade ou cursos.

Neto concorda com o colega e acrescenta que o governo deve potencializar condições para que o atleta possa ter conhecimento teórico a fim de seja um profissional do esporte em sua totalidade.

Giovane observa que a profissionalização é uma iniciativa própria do atleta. Complementou dizendo que órgãos como o Ministério dos Esportes e o COB vem desenvolvendo ferramentas que viabilizam oportunidades a esses profissionais: “É fundamental para o futuro do atleta ter uma formação de base. Assim ele colherá frutos do seu esforço”.

Formação

Questionado sobre seu futuro daqui a dez anos, Giovane disse que pretende continuar atuando como técnico, porém com maior experiência teórica embasada pelo curso de educação física que faz atualmente na faculdade paulista Uninove:

“Conhecimento é um fator que precisa constantemente ser adquirido, independentemente de idade e da atividade que desenvolvemos. Com certeza, o curso me proporcionará mais segurança nas questões técnicas que aparecerão a todo momento. Eu aprenderei muita coisa que ainda não vi por meio da universidade. Importante é investir em si mesmo, sempre”.