Entrevista: Empregabilidade dos 50+

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539849226

Por Karen Pegorari Silveira

A inclusão de profissionais acima dos 50 anos no mercado de trabalho nunca foi tão comentada como hoje. Empresas criaram processos seletivos específicos para contratarem estes profissionais e outras empresas foram criadas somente com esta finalidade. É o caso da MaturiJobs, uma startup que conecta empresas e profissionais seniores.

Nesta entrevista, o engenheiro de Software e criador da startup, Morris Litvak, conta sobre os desafios e benefícios de inserir esta geração no mercado de trabalho atual.

Leia Mais na Íntegra da Entrevista:

O que as empresas precisam saber sobre os profissionais acima dos 50 anos de idade?

Morris Litvak – As empresas precisam entender que os profissionais 50+ têm muito a contribuir. Além da experiência profissional e de vida, são pessoas com alto grau de comprometimento, responsabilidade e várias outras qualidades, que são complementares às dos jovens. É preciso pensar desta forma e não simplesmente comparar com os jovens. A integração intergeracional e a diversidade etária trazem inovação e qualidade, além de muitos outros benefícios ao ambiente de trabalho. É preciso quebrar os mitos e paradigmas e parar de achar que é normal limitar vagas com idade máxima.

Ao decidir empregar os chamados 50+, quais passos a empresa deve seguir?

Morris Litvak – A empresa deve se preparar antes de contratar. É fundamental levar este assunto aos líderes e gestores, e depois à toda a equipe, para que haja uma conscientização prévia sobre o assunto e o ambiente de diálogo intergeracional seja minimamente criado para tirar o melhor proveito das diferentes gerações, que precisam estar integradas. Depois, entender como e onde ela pode melhor aproveitar o profissional 50+ e buscar essas pessoas em sites como a Maturijobs, deixando todo o preconceito de lado.

Negócios com diversidade de profissionais se diferenciam da concorrência e aumentam seu sucesso, mas na prática quais os benefícios para as empresas e para a sociedade quando profissionais acima dos 50 se inserem no mercado de trabalho formal? Existem desafios?

Morris Litvak – Existem diversos desafios. O preconceito etário pode existir dos dois lados portanto além de preparar a empresa, é necessário que o profissional contratado também esteja preparado (aberto) para lidar com jovens e devidamente atualizado. Entender qual tipo de função essas pessoas podem fazer, diferenciando dos jovens, para que sejam complementares também é importante: o comprometimento diminui o turnover, a responsabilidade diminui o absenteísmo, a atenção e paciência melhoram a qualidade do atendimento, a credibilidade e confiança ajudam nas vendas, e por aí vai. Todas essas são características comumente presentes nos mais maduros, além da experiência. Mas as vezes é preciso ter paciência e sempre dar o devido espaço e voto de confiança para que eles possam mostrar suas qualidades, provendo também possibilidades de atualização contínua.

Como as empresas devem lidar com o conflito geracional? É possível gerar oportunidades através disso?

Morris Litvak – O jovem líder saber como lidar com alguém bem mais velho que ele em sua equipe é sempre um grande desafio, por isso a preparação prévia é essencial, através de palestras, workshops de sensibilização, consultoria, etc. As oportunidades são saber mesclar o que cada um tem de melhor, como já citado, de forma que cada geração aprenda e ensine uma à outra, gerando uma rica troca, extremamente benéfica a eles e à empresa.

Quando uma empresa te procura para contratar profissionais acima dos 50 anos, quais são as principais competências solicitadas?

Morris Litvak – São o comprometimento, responsabilidade e experiência. As posições com mais oferta na MaturiJobs atualmente são: vendas, atendimento ao cliente, administrativo/financeiro e gestão.

Em sua opinião, as empresas brasileiras e seus profissionais estão preparados para receber os 50+? Se não, como todos podem se preparar?

Morris Litvak – Eu diria que pouquíssimas empresas estão devidamente preparadas para isso no Brasil atualmente. É preciso começar desde já a levar este assunto para dentro das formas que falei, pois mais do que uma questão social, este é um assunto estratégico para as organizações, já que o público consumidor e a força de trabalho estão envelhecendo rapidamente no Brasil. As pessoas viverão cada vez mais e estão tendo cada vez menos filhos, e isso impactará profundamente o mercado de trabalho. O quanto antes as empresas começarem a se preparar para isso, mais prontas elas estarão para o Brasil maduro que está chegando, além da tendência de o governo criar incentivos e/ou cotas para isso após a reforma da previdência.

Empresário fala de suas expectativas ao participar do programa NAGI-PG

Dulce Moraes, Agência Indusnet Fiesp

Inovação, gestão de projetos e compartilhamento de informações sobre as necessidades do setor de petróleo e gás foram algumas das ênfases da primeira aula do curso do programa NAGI-PG, realizada nesta terça (29/1) na sede da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp).

Criado pela Fiesp e Ciesp), em parceria com a Universidade de São Paulo (USP), o programa tem como objetivo capacitar, até 2014, 400 empresas paulistas.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1539849226

Francisco Cordeiro, da SSE Sírio Sistemas Eletrônicos

Para o diretor-executivo da SSE Sírio Sistemas Eletrônicos (SSE-Brasil), Francisco Cordeiro, o curso é importante não só para sua empresa (que já atende à Petrobras), mas para qualquer outra interessada em se desenvolver com foco em inovação e também àquelas que querem entrar no setor de petróleo.

Com apenas quatro anos de existência, a SSE é uma das únicas brasileiras a desenvolver sistemas de controles para extração e transporte de gás natural e petróleo em tubulação no Brasil, e atende clientes também em outros países.

Cordeiro acredita que o curso irá ajudá-lo a enfrentar um dos principais desafios da empresa: falta de mão de obra altamente especializada para este exigente mercado. “Nossos principais colaboradores são engenheiros. Até encontramos profissionais com boa formação, aqui no Brasil, porém eles têm pouca experiência prática e vivência no setor.”

De acordo com o executivo, subsidiar treinamentos no exterior para seus funcionários representa um custo elevado para empresa. “Com o que estamos aprendendo sobre gestão de projetos, podemos aprimorar os treinamentos aqui e, com isso, baixar esses custos e tornarmos mais competitivo,” concluiu.