Importados vão abocanhar um terço do consumo de produtos têxteis no Brasil em 2013, prevê especialista

Flávia Dias, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540096265

Marcelo Prado: varejo de vestuário movimentou R$ 161,4 bilhões em 2012. Foto: Julia Moraes/Fiesp

Em 2013, cerca de um terço dos produtos têxteis consumidos no Brasil será de importados. A informação é do diretor do Instituto de Estudos e Marketing Industrial (IEMI), Marcelo Prado, que apresentou nesta terça-feira (16/04) uma série de dados de desempenho e  do setor têxtil nos anos de 2012-13 – e as perspectivas para o ano de 2013.

A palestra aconteceu durante a reunião mensal do Comitê da Cadeia Produtiva da Indústria Têxtil (Comtextil) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), na 3ª edição da Feira de Tecnologias para a Indústria Têxtil (Tecnotêxtil Brasil), no centro de exposições e convenções Expo Center Norte.

De acordo com Marcelo Prado, em 2012 o varejo de vestuário movimentou R$ 161,4 bilhões em 2012, com o crescimento de 2,4% na fabricação de peças. Segundo ele, a perspectiva para 2013 é de um aumento de 3,3% no número de peças. Apesar do resultado positivo, Prado enfatizou que o crescimento do varejo têxtil brasileiro em 2012 foi pequeno se comparado ao de outros setores, que registram elevação de 8,4%.

“O crescimento [varejo têxtil] foi aquém quando comparado ao do comércio varejista em geral, como, por exemplo, os setores de automóveis e de produtos da linha branca e marrom [eletrodomésticos], que receberam incentivos fiscais.  Nosso setor não recebeu nenhum tipo de benefício [fiscal] e, mesmo assim, não aumentou os preços, apesar do crescimento dos produtos importados”, enfatizou o diretor do IEMI.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540096265

Reunião do Comtextil aconteceu na feira Tecnotextil. Foto: Julia Moraes/Fiesp


Parcerias comerciais

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540096265

Carlos Pereira. Foto: Julia Moraes/Fiesp

No encontro, Carlos Pereira, gerente de projetos da empresa Nord France Innovation Développement, e sua comitiva, formada por representantes de indústrias têxteis da Espanha, França e Portugal, apresentaram oportunidades de negócios e parcerias comerciais na produção de produtos têxteis avançados, com destaque para os setores automotivos, aeronáutico e hospitalar.

“As empresas precisam trabalhar com produtos de mais valor. E este produto muitas vezes é para atender necessidades de outros setores. E isso inclui a criação de produtos têxteis avançados”, salientou.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540096265

Rafael Cervone. Foto: Julia Moraes/Fiesp

Opinião compartilhada 1º vice-presidente do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), Rafael Cervone Netto,  para quem a parceria entre a cadeia produtiva têxtil e os centros de inovação da Europa impulsionará o setor de produtos têxteis avançados.

“Buscamos no nosso dia a dia interagir com estes institutos. Alguns países europeus têm o centro de inovação com tecnologia de ponta, mas não têm mais a indústria. O momento é propicio para a integração entre os centros de tecnologia [europeus] e as indústrias brasileiras”, avaliou Cervone.

Sobre a Tecnotêxtil Brasil

Considerada a principal feira de tecnologias têxteis da Região Sudeste, a Tecnotêxtil Brasil 2013 apresenta os lançamentos de 300 marcas de empresas nacionais e internacionais. Entre os países expositores, podemos destacar fabricantes da Alemanha, China, Eslováquia, Estados Unidos, Índia, Itália, Peru, Reino Unido, Suíça e Turquia.

Paralelo ao evento, acontece a XXV Congresso Nacional de Técnicos Têxteis e o 1º Congresso Científico Têxtil e de Moda, promovidos pela Associação Brasileira de Técnicos Têxteis (ABTT), que reúne cerca de 1,5 mil profissionais, docentes e estudantes que participaram de palestras e apresentações de trabalhos acadêmicos que contemplam todos os elos da cadeia têxtil.