Produção mais limpa é caminho sem volta, afirma especialista

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) iniciou, em março passado, ciclo de palestras em universidades reforçado com a realização de workshops recentes em instituições de Ensino Superior.

À frente da divulgação da Produção Mais Limpa, Eduardo San Martin, membro do Conselho Superior de Meio Ambiente (Cosema) da Fiesp e diretor-titular do Departamento de Meio Ambiente (DMA) do Ciesp, esteve nesta quarta-feira (30), na Universidade São Judas Tadeu (USJT).

O objetivo foi debater como produzir reduzindo o consumo de energia, água e matéria-prima, gerando menos resíduos e elementos tóxicos. Outras vantagens da Produção Mais Limpa dizem respeito à amortização dos riscos ambientais e ocupacionais, minimizando custos, inclusive.

San Martin lembrou, na abertura do evento, que a primeira lei ambiental do País – paulista – data de 1976. Já a lei de crimes ambientais tem somente dez anos, dimensionando o quanto a discussão sobre o Meio Ambiente ainda é nova, no Brasil, e tem um longo caminho a ser percorrido. O questionamento que se sobressai neste processo é como gerar menos poluentes no processo produtivo.

“A Produção Mais Limpa é um capital para a indústria, como sempre reforça o presidente da Fiesp/Ciesp, Paulo Skaf. Trata-se de bônus, pois traz redução de custos e incorpora em seu processo produtivo uma eficiência maior. A sociedade cobrará cada vez mais este carimbo ambiental no produto, o envolvimento com a sustentabilidade”, avaliou San Martin.

Já Elias Pozenato, à frente dos cursos de Administração da USJT, opinou que hoje a preocupação com a sustentabilidade está otimizada nos países mais desenvolvidos, mas os países da América Latina e também o Brasil entendem a importância exponencial do tema.


`

Parceria

“Agora, com os convênios firmados com a Fiesp, a academia está em moldes internacionais, apesar de embrionária”. A frase resulta da força da parceria do setor produtivo e da universidade, expressa pelo coordenador de estágio dos Cursos de Engenharia Elétrica e da Computação, Alberto Akio Shiga. “A Produção Mais Limpa dentro da academia é uma necessidade, pois é um local para alunos e professores pensarem melhor o desenvolvimento”, completou.

Segundo Shiga, há quatro anos alunos de engenharia desenvolveram uma espécie de triciclo para o transporte de material de recicladores de São Caetano do Sul, na região metropolitana de São Paulo. Além do mais, a preocupação com a eficiência energética deu origem a sistema de captação solar, no campus Mooca da Universidade.


Concurso P+L: estímulo à academia



O ”

Incentivo às Práticas de Produção Mais Limpa

” é tema de concurso promovido pela Fiesp/Ciesp para estudantes do Ensino Superior. Trata-se do reconhecimento às dezessete universidades parceiras que vão apresentar sugestões até o dia 16 de outubro. A solenidade de premiação ocorrerá durante a

Conferência de Produção Mais Limpa

, na sede da federação, em 23 de novembro.

Indústria debate Produção Mais Limpa em universidades

Agência Indusnet Fiesp

O programa “Produção Mais Limpa” na indústria é tema de workshops que serão realizados em diversas Instituições de Ensino Superior ao longo do mês de setembro, começando nesta segunda-feira (31/08), no Instituto Presbiteriano Mackenzie e nas Faculdades Integradas Rio Branco.

A iniciativa é da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp/Ciesp), por meio do Departamento de Micro, Pequena e Média Indústria (Dempi). O objetivo é discutir a produção de bens com menor consumo de energia, água e matéria-prima.

Estarão à frente dos debates: Paulo Skaf, presidente da Fiesp/Ciesp,  e Eduardo San Martin, especialista em Controle da Poluição Ambiental, membro do Conselho Superior de Meio Ambiente (Cosema) da Fiesp e diretor-titular do Departamento de Meio Ambiente do Ciesp.

Skaf participará dos encontros agendados na Pontifícia Universidade Católica (1º/09, às 19h30), Escola Superior de Propaganda e Marketing (02/09, às 8h30), Universidade de Santo Amaro (15/09, às 19h30) e Faculdades Metropolitanas Unidas (22/09, às 19h30). O líder empresarial tratará das perspectivas para a economia brasileira, em 2009, e responderá as perguntas do público universitário.

Também estão programados debates nos seguintes locais:

  • Universidade de São Paulo: 03/09, às 12h30;
  • Universidade Cruzeiro do Sul: 10/09, às 20h;
  • Trevisan Escola de Negócios: 14/09, às 20h;
  • Centro Universitário Belas Artes: 16/09, às 19h;
  • Centro Universitário da FEI: 21/09, às 14h;
  • Anhembi-Morumbi: 21/09, às 19h30;
  • Instituto Mauá de Tecnologia: 29/9, às 20h;
  • Universidade São Judas Tadeu: 30/9, às 9h.


Concurso P+L: estímulo à academia

O “Incentivo às Práticas de Produção Mais Limpa” é tema de concurso promovido pela Fiesp/Ciesp para estudantes do Ensino Superior. Trata-se do reconhecimento às universidades parceiras que apresentarem sugestões de ações até 16 de outubro. A solenidade de premiação ocorrerá em 23 de novembro, durante a Conferência de Produção Mais Limpa, na Federação.

Anos 90: produção mais limpa chega ao Brasil

A Fiesp está atenta ao assunto desde o início da década de 90. A partir de 1996, a entidade passou a integrar a mesa de Produção Mais Limpa, coordenada pela Cetesb. Em 2002, firmou acordo com a Cetesb para a produção de Guias de Produção Mais Limpa dos setores industriais.

O conceito de produção mais limpa surgiu nos Estados Unidos, migrou para a Europa nos anos 80, e a porta de entrada no Brasil deu-se nos anos 90, pela Cetesb, motivando a indústria a se engajar nesse esforço. O pioneirismo coube ao atual presidente da Fiesp/Ciesp, Paulo Skaf, então à frente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil (Abit).