Produção limpa também gera ganhos econômicos para empresas, diz diretor-adjunto da Fiesp

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

Diretor do Departamento de Meio Ambiente do Ciesp, Eduardo San Martin

A prática de produção limpa gera às empresas ganhos econômicos e reduções de custos fantásticos e precisam continuam sendo mostradas, segundo o diretor do Departamento de Meio Ambiente do Ciesp, Eduardo San Martin.

“Ao debatermos questões ligadas à redução de consumo de água, por exemplo, a empresa também reduz custo”, explicou San Martin, que também é diretor-adjunto do DMA na Fiesp.

Ele moderou o painel Pesquisa, Desenvolvimento e Logística de Distribuição de Biocombustíveis da 5ª Mostra Fiesp/Ciesp de Responsabilidade Socioambiental, no qual empresas como a Martin-Brower (MB), gigante norte-americana especializada em logística e soluções para o mercado de fast-food, mostraram casos bem-sucedidos de produção limpa.

Mediante parceiras com uma rede de restaurantes do mercado de fast-food, a MB implementou um ciclo fechado para recuperação do óleo utilizado no preparo dos alimentos para conversão em biodiesel para uso na logística, com o objetivo é reduzir as emissões de gás carbônico.

“No momento em que o óleo comestível volta ao processo e é transformado no óleo combustível, há um circuito fechado desse processo. É o que se pretende com todos os produtos, com todos os materiais e com todos os elos da cadeia de consumo”, afirmou San Martin.

A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), criada por Lei em 2010, estabelece a reinserção de um resíduo ao processo produtivo de determinada indústria.

Universidades, Fiesp e empresas assinam protocolo de cooperação para produção limpa

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

Empresas e universidades firmaram nesta quarta-feira (08/06) um acordo de cooperação no esforço de desenvolver produção mais limpa na indústria. Representantes de sete instituições e 14 companhias estiveram presentes no Teatro do Sesi São Paulo para formalizar a parceria testemunhada por pelo menos 400 convidados, entre eles empresários, especialistas em meio ambiente e estudantes.

O documento, resultado de uma ação dos departamentos de Meio Ambiente (DMA) e de Micro, Pequena e Média Indústria (Dempi) da entidade,  foi assinado durante a cerimônia de encerramento da XIII Semana Fiesp/Ciesp de Meio Ambiente pelo presidente da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp/Ciesp), Paulo Skaf.

Skaf assina protocolo de cooperação entre Fiesp, empresas e universidades no encerramento da XIII Semana Fiesp/Ciesp de Meio Ambiente

Nelson Pereira dos Reis, diretor-titular do DMA, e Marco Antonio dos Reis, diretor-titular adjunto do Dempi, também assinaram o protocolo de cooperação.

“Esses novos agentes que chegarão ao mercado de trabalho sem estarem viciados, no bom sentido, no antigo modelo de produção podem nos auxiliar com projetos de produção mais limpa”, disse Eduardo San Martin, diretor de Meio Ambiente do Ciesp e diretor-titular adjunto do Departamento de Meio Ambiente da Fiesp, sobre a contribuição dos estudantes para soluções de gestão ambiental na indústria.

As universidades que assinaram o protocolo são: Anhembi Morumbi, Centro Universitário Belas Artes de São Paulo, Faculdade Metropolitanas Unidas, Faculdades Rio Branco, Universidade Mackenzie, Universidade Santo Amaro e Universidade São Judas Tadeu.

“Essas faculdades começam a se apresentar aos seus universitários como uma universidade com postura diferenciada no mercado de trabalho em relação às questões ambientais”, avaliou San Martin.

Presidente da Fiesp, Paulo Skaf, empresários e representantes de universidades posam para foto após assinarem protocolo de cooperação

 

Indústria e academia

A aproximação de indústrias e universidades vem sendo estimulada pela Fiesp, desde 2009, com palestras sobre o tema Produção Mais Limpa em pelo menos 17 faculdades.

“Esse trabalho com relação a meio ambiente começou há três anos. É realmente algo concreto”, afirmou Paulo Skaf, acrescentando que a responsabilidade socioambiental da indústria “deixou de ônus para ser um bônus.”

  • Clique aqui para ver a lista das instituições e empresas participantes do projeto