IBGE: Produção industrial apresenta sinais de melhora

A forte queda medida na indústria em dezembro de 2008, -12,7%, ainda está muito longe de ser compensada pelos fracos crescimentos de janeiro (2,2%) e de fevereiro (1,8%) deste ano, anunciados na quarta-feira (1º) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Isto porque o nível atual de produção registrado no bimestre jan-fev de 2009 é 17,2% – percentual menor do que foi verificado no mesmo período do ano passado.

Para que a produção industrial registrasse simples estagnação em 2009 (nenhum aumento sobre 2008), ainda assim seria necessário um crescimento médio de 3,0% ao mês, entre março e dezembro deste ano. Diga-se de passagem, um desempenho nunca antes registrado na série histórica desse mesmo índice.

Sob tal contexto é elevada a probabilidade de que a produção industrial registre, em 2009, uma considerável queda.

É por isso que a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) tem defendido um intervalo menor para as reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), bem como uma queda maior da taxa básica de juros. Além da redução do IOF.

“Essas providências, especialmente no atual quadro de crise, trariam mais investimentos na produção e, por consequência, elevação nos índices de crescimento, mantendo e criando empregos no Brasil”, segundo Paulo Skaf, presidente da Fiesp.