Atividade industrial em 2015 deve cair até 5%, afirma Paulo Skaf

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

A atividade da indústria deve apresentar uma queda de até 5%, informou o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, ao comentar os resultados do IBGE sobre a produção do setor manufatureiro. Ele voltou a defender nesta quarta-feira (1/4) um ajuste fiscal concentrado na corte de gastos do governo.

“Se compararmos fevereiro de 2015 com fevereiro de 2014, houve uma queda bastante importante. Os setores que tiveram desempenho bastante ruim nesse mês de fevereiro foram: automotivo, fármacos e químicos”, disse Skaf.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1540096502

Paulo Skaf, presidente da Fiesp, em coletiva imprensa na sede da entidade. Foto: Everton Amaro/Fiesp


Segundo a pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a produção industrial brasileira caiu 0,9% em fevereiro em relação a janeiro. Já na comparação com o mesmo mês do ano passado, a atividade do setor despencou 9,1%, o menor desempenho desde 2009.

“Em 2014 tivemos um resultado, tanto na economia brasileira quanto no desempenho industrial, ruim. E, lamentavelmente, a expectativa para 2015 é pior ainda”, afirmou o presidente da Fiesp.

Demora no ajuste

Skaf afirmou ainda que a demora no ajuste fiscal é “péssima” para uma eventual retomada da recuperação da indústria.

“O que nós gostaríamos é que o ajuste fiscal já tivesse sido feito, e através do corte de despesas do governo e não da forma cômoda de buscar mais imposto”.

Ele voltou afirmar que o novo patamar cambial é uma boa notícia para a indústria brasileira, mas alertou que leva tempo para os efeitos positivos da desvalorização do Real ante o dólar serem percebidos.

“O câmbio não responde imediatamente, os mercados lá fora também não estão num período de vacas gordas e não ficam esperando o momento que o Brasil resolve exportar e ter um câmbio justo”, disse.