David Cameron: ‘Estou aqui para encorajar o investimento do Reino Unido no Brasil’

Talita Camargo, Agência Indusnet Fiesp

(640x440)David Cameron, primeiro-ministro do Reino Unido. Foto: Ayrton Vignola

David Cameron, primeiro-ministro do Reino Unido, discursa em encontro com o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, o 1º vice-presidente da entidade, Benjamin Steinbruch, autoridades britânicas e empresários

“Se você não pode vencê-lo, junte-se a ele”. A citação foi feita pelo primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron,  ao se referir ao fato de que, no ano passado, o Brasil se tornou a sexta maior economia do mundo. “Estou aqui para encorajar o investimento do Reino Unido no Brasil”.

Cameron visitou a Federação Indústria do Estado de São Paulo (Fiesp), na manhã desta quinta-feira (27/09), e demonstrou grande entusiasmo com as possibilidades de negociações entre os dois países.

“Acho que há muitas oportunidades para a Inglaterra investir no Brasil”, afirmou destacando alguns dos setores de maior interesse, como o energético, que possui grande potencial de desenvolvimento; infraestrutura, em que acredita ter expertise para acrescentar muito;  indústria da defesa, pois a Inglaterra tem uma das maiores indústrias de defesa do mundo; educação, com parcerias nas universidades e instituições de ensino; além da ciência, tecnologia e em todas as indústrias em que o Reino Unido têm sido tradicionalmente forte.

“Eu também acredito que este é um momento brilhante para o Brasil investir no Reino Unido”, afirmou o líder britânico, enfatizando que seu país possui um governo amigável e aberto a negócios, além de ser e uma das economias mais flexíveis e de fácil investimento. “Estamos entre as dez principais indústrias de manufatura do mundo e os negócios do Brasil serão muito bem-vindos no Reino Unido”, afirmou.

Cameron assinalou outras vantagens do Reino Unido, como o fato de fazer parte da União Europeia e da língua inglesa. Agradeceu à Fiesp pela hospitalidade e se disse honrado com a visita: “Estou muito honrado em estar aqui em São Paulo, em estar aqui no Brasil”, disse, e acrescentou ter certeza de que os Jogos Olímpicos no Brasil, em 2016, serão um grande sucesso.

Ao concluir, o primeiro-ministro do Reino Unido se disse ansioso pelo encontro de amanhã (27/09) com a presidente Dilma Rousseff. “Há muitas discussões a serem feitas de governo para governo. Ambos os países têm interesses em mostrar para o mundo que a nossa economia está caminhando”.

Em encontro na Fiesp, Paulo Skaf recebe David Cameron, primeiro-ministro do Reino Unido

Juan Saavedra e Talita Camargo, Agência Indusnet Fiesp

Em sua primeira viagem oficial ao Brasil, o primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, visitou na manhã desta quinta-feira (27/09) a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Imagem relacionada a matéria - Id: 1537756642

Paulo Skaf recebe primeiro-ministro do Reino Unido


Cameron foi recebido pelo presidente da Fiesp, Paulo Skaf, em reunião reservada no gabinete, onde falaram sobre o incremento das relações comerciais bilaterais. “Expliquei ao primeiro ministro [Cameron] que nós não queremos nenhum tipo de protecionismo. O que queremos aqui é a competitividade”, disse Skaf sobre o encontro.

Em seguida, Skaf entregou ao chefe de governo a Ordem do Mérito Industrial São Paulo, mais relevante comenda da entidade.

Em seu discurso, Cameron disse que sua visita tem o objetivo de encorajar investimentos. “Acho que há muitas oportunidades para a Inglaterra investir no Brasil”, afirmou, destacando setores como o energético, infraestrutura e indústria da defesa, além de parcerias em educação, ciência, tecnologia. “Eu também acredito que este é um momento brilhante para o Brasil investir no Reino Unido”, conclui o chefe de governo do Reino Unido.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1537756642

Cameron com a medalha Ordem do Mérito Industrial

Cameron encerrou sua visita à Fiesp com uma rápida passagem  pelo Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso, onde viu alguns dos quadros da exposição “Observadores: Fotógrafos da Cena Britânica desde 1930 até hoje”.

O encontro empresarial reuniu uma delegação de mais de 50 pessoas da Grã Bretanha e da Irlanda do Norte e aproximadamente 60 empresários brasileiros.

Acompanharam Cameron na visita o ministro para Assuntos Estrangeiros do Reino Unido, Hugo Swire; o ministro para Comércio e Investimentos do Reino Unido, Lord Green; e o embaixador do Reino Unido no Brasil, Allan Charlton.

Participaram do encontro o embaixador do Brasil no Reino Unido, Roberto Jaguaribe; o 1º vice-presidente da Fiesp, Benjamin Steinbruch; o 3º vice-presidente da Fiesp, Josué Christiano Gomes da Silva; o 1º diretor secretário da Fiesp, Nicolau Jacob Neto; entre outros convidados.

Na véspera (26/09), a Fiesp recebera a visita dos ministros Lord Green (para Comércio e Investimentos do Reino Unido) e Hugo Swire (para Assuntos Estrangeiros do Reino Unido) e assinara acordos de cooperação em Serviços e Coalizão Brasileira para a Liberalização de Serviços.

Veja os principais momentos da visita do primeiro-ministro do Reino Unido à Fiesp,

“Precisamos da liderança do Brasil e da presidente Dilma”, afirma François Fillon

Edgar Marcel, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1537756642

François Fillon, primeiro-ministro da França. Foto: Junior Ruiz

Em conferência realizada na Fiesp nesta quinta-feira (15), o primeiro-ministro francês François Fillon certificou que a liderança do Brasil é essencial para superar a crise de confiança que a Europa atravessa.

“Devemos precisamente agora captar o imenso potencial ofertado por esta parceria estratégica entre os dois países, e afirmo solenemente que precisamos da liderança do Brasil e de sua presidente Dilma Rousseff”, declarou para uma plateia de autoridades e empresários brasileiros e franceses.

Com a ideia de compartilhamento da visão de um mundo multipolar, Fillon disse que tanto seu país quanto o Brasil sempre se opuseram ao pensamento de dominação pelas superpotências. “Cada Estado deve se fazer ouvir em cada continente. Os países procuram uma solução comum aos problemas mundiais, e a França e o Brasil contribuem para a estabilidade internacional entre as grandes nações.”

Ele reforçou: “Isso vale para o G20 e para o FMI, e também para o conselho de segurança do ONU, onde a França pleiteia um assento permanente para o Brasil, como faz para a Alemanha, Japão e Índia, sem esquecer o local justo que deve ser dado no Conselho de Segurança das Nações Unidas ao continente africano”.

Ao comentar o projeto de aproximação comercial e econômica do Brasil com outros países da América Latina, o primeiro-ministro foi enfático: “Vocês sabem muito bem com que determinação devemos nos empenhar para poder chegar nesse objetivo”. E adicionou que “hoje a questão da zona do euro atrapalha esses interesses. “Acho evidente que há uma parte de ideologia e outra de oportunismo nos ataques a esta união monetária”.

Contenção da crise

Imagem relacionada a matéria - Id: 1537756642

Paulo Skaf, presidente da Fiesp. Foto: Junior Ruiz

O presidente da Fiesp, Paulo Skaf, elogiou a adoção de medidas por parte do governo francês para a contenção da crise.

“A crise europeia é de endividamento público. O governo da França está tomando providências que nem sempre são medidas politicamente populares, mas corretas, o que é um bom exemplo”, sublinhou.

Skaf destacou que a Europa é um mercado de 500 milhões de consumidores “que interessa a todos”. Ressaltou também que o Brasil e a França tradicionalmente têm realizado muitas parcerias. “Em 2010, tivemos mais de US$ 1 bilhão de investimentos brasileiros na França e uma troca de comércio que lógico, pode ser muito ampliada.”