Esclerose múltipla é tema do primeiro +Saúde do ano

Mariana Soares, Agência Indusnet Fiesp 

O primeiro +Saúde do ano, promovido pelo Comitê da Cadeia Produtiva da Saúde e Biotecnologia (ComSaude) da Fiesp, deu ênfase à orientação e sensibilização para a esclerose múltipla. Muita gente que transitou pela calçada da avenida Paulista, no domingo (17/2), parou para receber informações e passou por testes neurológicos a fim de vivenciar atividades práticas que simularam as dificuldades dos pacientes, como déficits motores, perda de sensibilidade e alterações visuais. Tudo isso para entender como é o cotidiano de um portador de esclerose múltipla.

O objetivo do +Saúde é informar a sociedade sobre temas relevantes ao bem-estar e qualidade de vida, uma vez que a orientação é a maior aliada no combate a doenças e a agilidade no diagnóstico facilita a qualidade de vida dos pacientes.

De acordo com Sumaya Afif, uma das diretoras da Associação Brasileira de Esclerose Múltipla (ABEM), as vivências com as limitações dos pacientes aproximam as pessoas dos portadores da doença que é crônica e sem causa definida, ou seja, não há prevenção. O importante é sensibilizar. “Quanto mais informação circular sobre a doença, as deficiências e barreiras do portador de esclerose, menor será o preconceito sofrido pelos portadores. Trazer para a avenida Paulista essa discussão é um marco, um divisor de águas no que diz respeito a inserção das pessoas com esclerose na sociedade”, reforça.

A administradora Adriana de Arruda recebeu o diagnóstico de esclerose múltipla há dez anos. Na época, antes de os médicos atestarem que ela era portadora da doença, manifestaram-se sintomas como visão dupla e perna com dormência. “Eu realizo as atividades cotidianas com algumas limitações, mas tenho uma vida feliz. É muito bom poder falar isso para as pessoas”, completa.

O médico neurologista Rodrigo Thomaz alertou para os sintomas mais comuns de esclerose múltipla: visão dupla e perda de visão de uma vista, dormência ou sensação de formigamento, tremor nas mãos, paralisia parcial ou total de uma parte do corpo, problemas na fala (arrastada ou lenta), fraqueza em excesso, déficit na coordenação dos movimentos, perda de controle da bexiga e do intestino e arrastar os pés ao caminhar.

No início da doença, os sintomas são geralmente leves. Mas voltam a aparecer. De acordo com o especialista, é importante esclarecer como identificar os sinais, mas também serve para desmistificar o termo esclerose. “A sociedade precisa entender como vivem os pacientes. Um evento como esse é importante porque mostra, inclusive, para os empregadores que pessoas com esclerose múltipla podem exercer funções remuneradas, ou seja, não precisam ser excluídas do mercado de trabalho”, alerta.

Interessados em obter outras informações sobre a doença e seu tratamento, podem acessar o site da ABEM: www.abem.org.br

Imagem relacionada a matéria - Id: 1555715443

O primeiro +Saúde do ano, promovido pelo Comitê da Cadeia Produtiva da Saúde e Biotecnologia (ComSaude) da Fiesp, deu ênfase à orientação e sensibilização para a esclerose múltipla. Foto: Karim Kahn

Na calçada da Fiesp especialistas orientam sobre saúde bucal

Agência Indusnet Fiesp

Para marcar a celebração pelo Dia do Dentista, o ComSaude (Comitê da Cadeia Produtiva da Saúde e Biotecnologia da Fiesp), em parceria com o Crosp (Conselho Regional de Odontologia de São Paulo) e com a ABCD (Associação Brasileira de Cirurgiões-Dentistas), promoveu nesta quinta-feira (25 de outubro) um dia dedicado a orientações de como fazer uma higiene bucal correta, exames e muita informação para manter o sorriso da população sempre saudável.

No espaço cedido pela Fiesp, a iniciativa conta ainda com o apoio da Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos e Odontológicos (Abimo) e da Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas (APCD).

No local foram feitos exames para detecção do câncer de boca, com equipes de saúde bucal fazendo o atendimento em duas unidades móveis totalmente equipadas. Com uma proposta educativa, modelos de “macro boca” ficaram disponíveis no espaço, com especialistas orientando a população sobre como escovar os dentes, passar o fio dental e realizar a limpeza bucal de forma correta.

“Essa é uma ação valiosa, pois é voltada para a prevenção. Além disso, oferece uma oportunidade, a pessoas que têm dificuldade de acesso a profissionais, de fazer exames importantes”, destaca Gabriela Gazola, coordenadora executiva do ComSaude.

O ComSaude apoia as entidades da cadeia produtiva de saúde, biotecnologia e nanotecnologia. Foi criado para estabelecer uma comunicação imparcial com todo o setor, incentivando a interlocução de pautas e visando fomentar o diálogo entre todas as partes envolvidas.

Parte das ações do Dia do Dentista na calçada da Fiesp. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

Parte das ações do Dia do Dentista na calçada da Fiesp. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

Cirurgiões-dentistas fazem na Fiesp prevenção de câncer bucal

Agência Indusnet Fiesp

A Associação Brasileira de Cirurgiões-dentistas (ABCD) realizou nesta quarta-feira (25 de outubro), em parceria com o Comitê da Cadeia Produtiva da Saúde e Biotecnologia da Fiesp (ComSaude), a Campanha Sorria para a Vida, de detecção precoce de câncer bucal. Para o atendimento foram usadas duas odontovans, estacionadas sob a marquise do prédio da Fiesp.

A Campanha Sorria para a Vida é realizada pela ABCD, Conselho Regional de Odontologia (CRO-SP), Associação Paulista de Cirurgiões-dentistas (APCD) e Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos e de Laboratórios (Abimo).

O exame gratuito, rápido, indolor e seguro, foi realizado por cirurgiões-dentistas voluntários em duas vans adaptadas como consultório dentário. Qualquer pessoa pôde passar pela avaliação, indicada principalmente para idosos, fumantes, usuários de próteses dentárias e adolescentes. O câncer bucal mata se não houver prevenção e tratamento. Os casos suspeitos foram encaminhados para biópsia em centros especializados. Se o diagnóstico de câncer bucal for confirmado, o paciente passará a receber o tratamento indicado para a doença.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1555715443

Consultórios móveis usados na Campanha Sorria para a Vida, de detecção precoce de câncer bucal. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp


Doença silenciosa e grave

O câncer de boca surge, geralmente, como uma úlcera (ferida) indolor sem cicatrização. Uma afta que não cicatriza em 15 dias deve ser investigada. No entanto, a doença também pode se manifestar em forma de manchas e caroços. O câncer bucal é uma doença silenciosa e grave. O Brasil tem a terceira maior incidência da doença no mundo, perdendo apenas para Índia e República Tcheca. “O diagnóstico precoce pode reduzir o índice de óbitos, que chega a um terço dos casos”, explica o presidente da ABCD. Nos últimos anos, o HPV – por sua rápida disseminação entre jovens e idosos – tem sido um dos fatores de risco para o câncer bucal, e a população desconhece esse fato.

Neste mês de celebração do Dia do Cirurgião-dentista estão sendo realizadas cinco ações, na Capital e em cidades do interior. A ABCD já levou a Sorria para a Vida a 68 localidades, atendeu mais de 22.000 pessoas, das quais 1.300 apresentaram lesões.

‘Homem que é homem cuida de si’, diz oncologista em palestra para colaboradores da Fiesp e do Sesi-SP

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

“Homem que é homem cuida de si, não acha que o toque retal vai afetar a sua masculinidade”. Foi com esse alerta que o oncologista Fernando Maluf, chefe do Centro Avançado de Oncologia Clínica do Hospital São José, de São Paulo, abriu a sua palestra sobre o câncer de próstata para os colaboradores da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP), na manhã desta terça-feira (26/11), no Teatro do Sesi-SP, na Avenida Paulista.

O evento fez parte das atividades da campanha Novembro Azul, de prevenção à doença. Com direito à plateia lotada. “O cuidado com a saúde deve ir além do mês de novembro e durar os 12 meses do ano”, afirmou Maluf. “O Brasil é um país marcado pelo preconceito em relação à prevenção do câncer de próstata”, disse. “É na hora da doença, no hospital, que o paciente reflete por que não foi homem consigo mesmo e com a sua família, por que não se fez o exame preventivo”.

Dessa forma, o médico lembrou que 50% dos homens brasileiros nunca procuraram um urologista. “Para cada homem que procura assistência médica sem sintomas, oito mulheres fazem a mesma coisa”, afirmou. “É por isso que os homens vivem, em média, sete anos menos que as mulheres no país”.

Maluf explicou aos participantes que a próstata é um órgão do tamanho de uma noz localizado na região da pelve. Sua função no corpo? Produzir uma parte do sêmen, o líquido que contém os espermatozoides e é liberado no ato sexual.

Maluf, à esquerda, e Skaf: campanha em nome da prevenção que salva vidas. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Maluf, à esquerda, e Skaf: campanha em nome da prevenção que salva vidas. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp


De acordo com o oncologista, surgem, todos os anos, 1 milhão de casos novos de câncer de próstata em todo o mundo. A cada seis homens, um tem chances de desenvolver a enfermidade, proporção que aumenta de um a cada três entre aqueles com parentes próximos que tiveram a doença, os de raça negra (que têm os tumores mais agressivos) e os obesos.

A boa notícia é que as chances de cura são grandes. “Entre 80% e 95% dos casos o câncer de próstata é curável”, explicou o médico. “Mas tudo fica mais difícil quando os sintomas levam o médico ao paciente, por isso a prevenção é tão importante”.

Prevenir é preciso

Por falar em prevenção, o oncologista lembrou que, para pacientes sem parentes próximos com a doença, não obesos e não negros, é preciso realizar exames anuais a partir dos 50 anos. Para os que têm mais chance de desenvolver a doença, os exames devem ser feitos a partir dos 40 anos.

Que exames são esses? O PSA, um exame de sangue que mede os níveis da enzima de mesmo nome produzida pelas células da próstata e o toque retal. Mas o médico avisou: “Há tumores que não se expressam bem pelo PSA”.

Segundo Maluf, o câncer de próstata tem como característica a grande variedade dos tumores. “A sua doença não é igual a do seu amigo”, afirmou. “Há pacientes com tumores que não se desenvolvem há 30 anos e outros morrem com um ano de tratamento, por isso é preciso avaliar bem cada caso”.

O tratamento da doença é feito basicamente por cirurgia, radioterapia ou observação continuada. “A nossa vontade é curar todos os pacientes, de preferência com tratamentos simples, baratos e com poucos efeitos colaterais”, disse Maluf.

Ao final da palestra,  o presidente da Fiesp e do Sesi-SP, Paulo Skaf, subiu ao palco para agradecer pela apresentação do médico, a quem pediu aplausos. “O câncer de próstata, assim como o de mama, é de grande risco, mas, diagnosticado a tempo, pode salvar vidas”, afirmou.

Vicioni Gonçalves: fim dos “preconceitos arraigados” em nome da qualidade de vida. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Vicioni Gonçalves: fim dos “preconceitos arraigados” em nome da felicidade. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Também presente ao evento, o superintendente do Sesi-SP e diretor regional do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP), Walter Vicioni Gonçalves, é preciso substituir os “preconceitos arraigados” por uma “atitude preventiva em benefício da vida com qualidade”. “Vamos ser todos nós felizes”.



Fiesp discute prevenção, repressão e crimes contra meio ambiente

Agência Indusnet Fiesp,

Na próxima quinta-feira (2/9), acontece na sede da Fiesp o seminário “A Ação do Poder Público na Prevenção, Repressão e Investigação de Crimes contra o Meio Ambiente”, com a participação dos maiores especialistas do País em jurisdição sobre o tema. O evento é organizado pelos departamentos jurídicos e de meio ambiente da Fiesp/Ciesp.

A questão ambiental vem sendo objeto de contínua preocupação por parte dos órgãos públicos e da sociedade como um todo. O avanço dos diplomas legislativos e o papel exercido pelo País nas negociações envolvendo os acordos relativos às mudanças climáticas reforçam esta percepção.

A observância de padrões ambientalmente corretos pelas empresas tem se tornado uma constante, sem prejuízo à fiscalização dos órgãos ambientais, atuação do Ministério Público e aplicação da lei pelo Poder Judiciário.

O seminário tem como finalidade trazer informações e esclarecer os procedimentos adotados pelo Poder Público (Polícia Civil, Ministério Público Estadual), entre outros, em relação ao tema. Além disso, mostrará a competência e o entendimento do Poder Judiciário no trato desta matéria; a responsabilidade criminal da pessoa jurídica, seus sócios e administradores; e o papel do advogado na aplicação da Lei de Crimes Ambientais.

Serviço
Data: 2 de setembro
Horário: 8h30 às 12h30
Local: Auditório do 4º andar, na sede da Fiesp
Endereço: Av. Paulista 1313, Capital