Cirurgiões-dentistas fazem na Fiesp prevenção de câncer bucal

Agência Indusnet Fiesp

A Associação Brasileira de Cirurgiões-dentistas (ABCD) realizou nesta quarta-feira (25 de outubro), em parceria com o Comitê da Cadeia Produtiva da Saúde e Biotecnologia da Fiesp (ComSaude), a Campanha Sorria para a Vida, de detecção precoce de câncer bucal. Para o atendimento foram usadas duas odontovans, estacionadas sob a marquise do prédio da Fiesp.

A Campanha Sorria para a Vida é realizada pela ABCD, Conselho Regional de Odontologia (CRO-SP), Associação Paulista de Cirurgiões-dentistas (APCD) e Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos e de Laboratórios (Abimo).

O exame gratuito, rápido, indolor e seguro, foi realizado por cirurgiões-dentistas voluntários em duas vans adaptadas como consultório dentário. Qualquer pessoa pôde passar pela avaliação, indicada principalmente para idosos, fumantes, usuários de próteses dentárias e adolescentes. O câncer bucal mata se não houver prevenção e tratamento. Os casos suspeitos foram encaminhados para biópsia em centros especializados. Se o diagnóstico de câncer bucal for confirmado, o paciente passará a receber o tratamento indicado para a doença.

Consultórios móveis usados na Campanha Sorria para a Vida, de detecção precoce de câncer bucal. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

 

Doença silenciosa e grave

O câncer de boca surge, geralmente, como uma úlcera (ferida) indolor sem cicatrização. Uma afta que não cicatriza em 15 dias deve ser investigada. No entanto, a doença também pode se manifestar em forma de manchas e caroços. O câncer bucal é uma doença silenciosa e grave. O Brasil tem a terceira maior incidência da doença no mundo, perdendo apenas para Índia e República Tcheca. “O diagnóstico precoce pode reduzir o índice de óbitos, que chega a um terço dos casos”, explica o presidente da ABCD. Nos últimos anos, o HPV – por sua rápida disseminação entre jovens e idosos – tem sido um dos fatores de risco para o câncer bucal, e a população desconhece esse fato.

Neste mês de celebração do Dia do Cirurgião-dentista estão sendo realizadas cinco ações, na Capital e em cidades do interior. A ABCD já levou a Sorria para a Vida a 68 localidades, atendeu mais de 22.000 pessoas, das quais 1.300 apresentaram lesões.

‘Homem que é homem cuida de si’, diz oncologista em palestra para colaboradores da Fiesp e do Sesi-SP

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

“Homem que é homem cuida de si, não acha que o toque retal vai afetar a sua masculinidade”. Foi com esse alerta que o oncologista Fernando Maluf, chefe do Centro Avançado de Oncologia Clínica do Hospital São José, de São Paulo, abriu a sua palestra sobre o câncer de próstata para os colaboradores da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP), na manhã desta terça-feira (26/11), no Teatro do Sesi-SP, na Avenida Paulista.

O evento fez parte das atividades da campanha Novembro Azul, de prevenção à doença. Com direito à plateia lotada. “O cuidado com a saúde deve ir além do mês de novembro e durar os 12 meses do ano”, afirmou Maluf. “O Brasil é um país marcado pelo preconceito em relação à prevenção do câncer de próstata”, disse. “É na hora da doença, no hospital, que o paciente reflete por que não foi homem consigo mesmo e com a sua família, por que não se fez o exame preventivo”.

Dessa forma, o médico lembrou que 50% dos homens brasileiros nunca procuraram um urologista. “Para cada homem que procura assistência médica sem sintomas, oito mulheres fazem a mesma coisa”, afirmou. “É por isso que os homens vivem, em média, sete anos menos que as mulheres no país”.

Maluf explicou aos participantes que a próstata é um órgão do tamanho de uma noz localizado na região da pelve. Sua função no corpo? Produzir uma parte do sêmen, o líquido que contém os espermatozoides e é liberado no ato sexual.

Maluf, à esquerda, e Skaf: campanha em nome da prevenção que salva vidas. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Maluf, à esquerda, e Skaf: campanha em nome da prevenção que salva vidas. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

 

De acordo com o oncologista, surgem, todos os anos, 1 milhão de casos novos de câncer de próstata em todo o mundo. A cada seis homens, um tem chances de desenvolver a enfermidade, proporção que aumenta de um a cada três entre aqueles com parentes próximos que tiveram a doença, os de raça negra (que têm os tumores mais agressivos) e os obesos.

A boa notícia é que as chances de cura são grandes. “Entre 80% e 95% dos casos o câncer de próstata é curável”, explicou o médico. “Mas tudo fica mais difícil quando os sintomas levam o médico ao paciente, por isso a prevenção é tão importante”.

Prevenir é preciso

Por falar em prevenção, o oncologista lembrou que, para pacientes sem parentes próximos com a doença, não obesos e não negros, é preciso realizar exames anuais a partir dos 50 anos. Para os que têm mais chance de desenvolver a doença, os exames devem ser feitos a partir dos 40 anos.

Que exames são esses? O PSA, um exame de sangue que mede os níveis da enzima de mesmo nome produzida pelas células da próstata e o toque retal. Mas o médico avisou: “Há tumores que não se expressam bem pelo PSA”.

Segundo Maluf, o câncer de próstata tem como característica a grande variedade dos tumores. “A sua doença não é igual a do seu amigo”, afirmou. “Há pacientes com tumores que não se desenvolvem há 30 anos e outros morrem com um ano de tratamento, por isso é preciso avaliar bem cada caso”.

O tratamento da doença é feito basicamente por cirurgia, radioterapia ou observação continuada. “A nossa vontade é curar todos os pacientes, de preferência com tratamentos simples, baratos e com poucos efeitos colaterais”, disse Maluf.

Ao final da palestra,  o presidente da Fiesp e do Sesi-SP, Paulo Skaf, subiu ao palco para agradecer pela apresentação do médico, a quem pediu aplausos. “O câncer de próstata, assim como o de mama, é de grande risco, mas, diagnosticado a tempo, pode salvar vidas”, afirmou.

Vicioni Gonçalves: fim dos “preconceitos arraigados” em nome da qualidade de vida. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Vicioni Gonçalves: fim dos “preconceitos arraigados” em nome da felicidade. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Também presente ao evento, o superintendente do Sesi-SP e diretor regional do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP), Walter Vicioni Gonçalves, é preciso substituir os “preconceitos arraigados” por uma “atitude preventiva em benefício da vida com qualidade”. “Vamos ser todos nós felizes”.

 

 

Fiesp discute prevenção, repressão e crimes contra meio ambiente

Agência Indusnet Fiesp,

Na próxima quinta-feira (2/9), acontece na sede da Fiesp o seminário “A Ação do Poder Público na Prevenção, Repressão e Investigação de Crimes contra o Meio Ambiente”, com a participação dos maiores especialistas do País em jurisdição sobre o tema. O evento é organizado pelos departamentos jurídicos e de meio ambiente da Fiesp/Ciesp.

A questão ambiental vem sendo objeto de contínua preocupação por parte dos órgãos públicos e da sociedade como um todo. O avanço dos diplomas legislativos e o papel exercido pelo País nas negociações envolvendo os acordos relativos às mudanças climáticas reforçam esta percepção.

A observância de padrões ambientalmente corretos pelas empresas tem se tornado uma constante, sem prejuízo à fiscalização dos órgãos ambientais, atuação do Ministério Público e aplicação da lei pelo Poder Judiciário.

O seminário tem como finalidade trazer informações e esclarecer os procedimentos adotados pelo Poder Público (Polícia Civil, Ministério Público Estadual), entre outros, em relação ao tema. Além disso, mostrará a competência e o entendimento do Poder Judiciário no trato desta matéria; a responsabilidade criminal da pessoa jurídica, seus sócios e administradores; e o papel do advogado na aplicação da Lei de Crimes Ambientais.

Serviço
Data: 2 de setembro
Horário: 8h30 às 12h30
Local: Auditório do 4º andar, na sede da Fiesp
Endereço: Av. Paulista 1313, Capital