Em audiência com Dilma, Paulo Skaf diz que Fiesp está ao lado do governo para aprovar MP 579

Agência Indusnet Fiesp

A aprovação da MP 579, que propõe a redução da conta de luz e a prorrogação de concessões no setor de energia elétrica, foi o principal tema da audiência do presidente da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp), Paulo Skaf, com a presidente da República, Dilma Rousseff. O encontro de aproximadamente duas horas terminou na noite de terça-feira (30/10), em Brasília (DF).

Skaf: aprovação da MP 579 vai recuperar parte da competitividade brasileira. Foto: Junior Ruiz.

 

“O que nós falamos foi de estarmos juntos cerrando fileiras no Congresso. Garanti à presidente que eu, pessoalmente, vou me empenhar 100% para que realmente seja aprovada a MP 579 e que as contas de luz tenham desconto a partir de janeiro. Este é o objetivo”, disse Skaf em entrevista coletiva à imprensa após o encontro com Dilma.

De acordo com o presidente da Fiesp e do Ciesp, existem 431 emendas à MP 579. “Nós avaliamos, analisamos todas elas e 18 emendas são positivas, pedem transparência, redução de taxas, e outras não são positivas. Vamos ter grande cruzada no Congresso e estaremos juntos com o governo para a MP 579 ser aprovada no mês de dezembro e todos os brasileiros terem desconto na sua conta de luz a partir de janeiro [de 2013].”

A redução média de 20%, proposta pelo governo federal na MP 579, é correta, assinalou Skaf. “Vai beneficiar todos os consumidores brasileiros, vai recuperar parte da competitividade brasileira, inclusive da indústria, vai ser bom para os hospitais e para todos.”

Perspectivas da economia para 2013 também foram tratadas no encontro com Dilma. Foto: Junior Ruiz

As amortizações do investimento nas usinas também foram tema da conversa com a presidente da República. “Não houve rompimento de contrato nenhum. Pelo contrário. Esses contratos de concessão iriam vencer em 2015. Aqueles que quiserem, esperam até 2015 e vamos ter novos leilões”, explicou Skaf.

Segundo Skaf, a mera prorrogação com preços elevados, sim, representaria um erro. “Contavam com uma prorrogação com preço alto, cobrando pela terceira vez uma mesma usina da sociedade brasileira”, acrescentou.

Skaf comentou ainda sobre os recentes apagões no setor elétrico na região Nordeste. “Eu falei com a presidente que é uma coincidência muito grande esses apagões depois da Medida Provisória. Eu estou com uma pulga atrás da orelha.”

A economia brasileira foi outro tema do encontro. “Fizemos uma análise da economia e dos resultados de crescimento deste ano, das perspectivas para o ano que vem”, disse Skaf.