Desconforto com a economia está em todos os setores, diz presidente da Fiesp

Juan Saavedra, Agência Indusnet Fiesp

A preocupação com as perspectivas da economia brasileira não é apenas da indústria, mas de todos os setores, alertou o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Benjamin Steinbruch, na manhã desta segunda-feira (15/09) na abertura do 11º Fórum de Economia da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (FGV-SP).

“Na indústria já se materializou a realidade dos números que nós vivemos, mas estou falando de todos os outros setores. Na Fiesp temos uma boa avaliação daquilo que se passa com cada um dos setores. E na verdade esse desconforto está presente em cada um deles. A indústria, talvez, seja o caso mais particular, que se antecipou, mas na verdade o desconforto e o descontentamento está presente em tudo”, disse Steinbruch em mesa com a presença do ministro da Fazenda, Guido Mantega, no evento coordenado pela Escola de Economia da FGV-SP em parceria com a Fiesp, o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) e o Instituto Estudos Desenvolvimento Industrial (Iedi).

>> ‘Não há recessão’, afirma Guido Mantega em evento na FGV-SP
>> Benjamin Steinbruch: economia brasileira precisa de medidas imediatas 

Afirmando que “normalmente os números não mentem”, o presidente da Fiesp disse estar angustiado. “A realidade que nós vivemos não é uma mentira. Existe divergência entre aquilo que nós hoje estamos percebendo como realidade com os números que nos são apresentados – não só pelos governos, mas pelos economistas – que não refletem o dia a dia, a realidade, o cotidiano da produção e do emprego. Isso nos causa uma tremenda agonia e nos faz, talvez, os mais pessimistas com relação aos dias que nós estamos vivendo.”

Steinbruch: “Normalmente os números não mentem”. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

Steinbruch: “Normalmente os números não mentem”. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

 

Steinbruch aproveitou a presença do ministro Mantega para uma mensagem. “Eu não quero convencê-lo das ideias, porque acho que não conseguimos até agora”, assinalou. “Mas que a gente consiga pelo menos uma convergência de números”, ponderou, afirmando que as observações têm caráter construtivo.

“O empreendedor quer empreender. O que nos angustia é a perspectiva de recessão, de desemprego e de falta de investimento. Infelizmente essa é a realidade que estamos tentando passar de forma concreta e não estamos conseguindo”, concluiu o presidente da Fiesp.

Dieese: é preciso ‘grande convergência’ 

O diretor do Dieese, Clemente Ganz Lúcio, disse esperar que o debate no fórum possa ser um caminho para um acordo para um conjunto de políticas e reformas. “Nós precisamos de um espaço para fazer o debate e esse debate propiciar que esses sujeitos políticos sejam capazes de fazer o interesse geral daquilo que a sociedade quer.”

Segundo ele, a única possibilidade de acertar é com uma grande convergência política. “Para isso é preciso fazer grandes acordos. Esse fórum é sempre uma oportunidade de fazer isso. “

De acordo com o presidente da Fundação Getúlio Vargas, Carlos Ivan Simonsen Leal, uma parte dos problemas a economia brasileira tem origem internacional. “Tem uma situação que não é só do nosso controle, tem impacto global”, observou ao falar da situação europeia e do crescimento ainda expressivo da China. “O mundo inteiro tem complicações pesadas.

Segundo ele, políticas adotadas anteriormente tiveram sucesso, mas é preciso olhar para a frente. “Como vamos enfrentar esse brutal desafio estratégico. Como vamos competir o mundo? Como vamos aumentar o nosso investimento em infraestrutura? Como vamos atender às políticas sociais levantadas para o bem, acredito eu, nos últimos 12 anos?”, questionou.

“O nosso processo de discussão de estratégia vai ter que se aprofunda”, disse Leal, lembrando que são políticas de longo prazo.

O fórum, com a coordenação de Luiz Carlos Bresser-Pereira, tem dois dias de programação, com painéis ao longo desta segunda-feira (15/09) e de terça-feira (16/09).

Retrospectiva 2013 – O ano do presidente

Agência Indusnet Fiesp

Paulo Skaf na primeira inauguração do ano, em Presidente Epitácio. Foto: Junior Ruiz/Fiesp

O resultado dos investimentos em educação da indústria paulista foi uma das principais marcas em 2013 na agenda do presidente da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp), Paulo Skaf.

Em fevereiro, em Presidente Epitácio, Skaf deu início a uma maratona de inaugurações. No total, em 2013, foram abertas 22 novas escolas do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) nos seguintes municípios: Presidente Epitácio, Mococa, Tambaú, Guararapes, Votuporanga, Vinhedo, Americana, Bragança Paulista, Pirassununga, Descalvado, Jacareí, Avaré, Sumaré, Porto Ferreira, Jardinópolis, Santa Cruz do Rio Pardo, Presidente Prudente, Cajamar, Lençóis Paulista, Osvaldo Cruz, Barra Bonita e Hortolândia.

No Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP) foram inauguradas três escolas da rede nas cidades de Ourinhos, Pompeia e Mirassol, além de um núcleo de joalheria em São José do Rio Preto. Também foi aberto, em Rio Claro, o Laboratório de Ensaios em Implantes da Escola Senai Manoel José Ferreira. Em outubro, anunciou investimentos na unidade do Senai-SP em Itu. Em julho, Skaf assinou um convênio do Senai-SP com a GE para nova escola na área de saúde.

Na Fiesp e no Ciesp, o ano também foi de lutas e conquistas.  Logo no início do ano, o Diário Oficial da União ratificava o resultado positivo da campanha “Energia a Preço Justo”, iniciativa da Fiesp e do Ciesp  que culminou com um desconto de 20,2%, em média, na conta de luz para todos os brasileiros. “Reduzindo as contas de luz, os custos de produção serão reduzidos também, e bilhões de reais vão movimentar a economia. A medida beneficia todos os setores da sociedade, e atinge diretamente o bolso de cada brasileiro”, observou Skaf em nota oficial.

Em março, a presidente Dilma Rousseff anunciou a isenção de impostos para os produtos da cesta básica – outra antiga reivindicação da Fiesp.

Presidente da Fiesp na abertura do 8º Encontro de Logística e Transportes: aprovar MP dos Portos é ponto concreto para resolver parcialmente problema da competitividade brasileira. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Em maio, o presidente da Fiesp protagonizou uma campanha das entidades pela aprovação da Medida Provisória dos Portos – a MP foi aprovada pelo Congresso com a essência que a Fiesp defendia para aumentar a competitividade do país no setor. “A medida atende as reivindicações mais importantes dos setores produtivos: permite aumentar a oferta de operadores, promovendo maior concorrência e a consequente redução de custos portuários”, disse Paulo Skaf, presidente da Fiesp e do Ciesp.

Outra luta das entidades, contra o aumento do IPTU no município de São Paulo, ainda em curso, encerrou o ano de 2013 com desfecho positivo – o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) concedeu liminar que desautoriza o reajuste do IPTU nas bases propostas pela Prefeitura de São Paulo. A liminar não foi cassada em recursos da Prefeitura a instâncias superiores –  o STJ e SFT. “Suspensão é vitória para os cidadãos”, assinalou Skaf em artigo no final de dezembro.

O estímulo à inovação e ao empreendedorismo também foi um dos pontos altos, com a realização conjunta, em setembro, de dois grandes eventos no Pavilhão de Exposições Parque do Anhembi, em São Paulo: o São Paulo Skills 2013 e o Festival de Empreendedorismo (Festemp). “Inovação é pensar no futuro. Educação é pensar no futuro, empreendedorismo é pensar no futuro”, disse Skaf na cerimônia de abertura.

Para falar das iniciativas das entidades que representam a indústria paulista, o presidente concedeu entrevistas a canais de rádio e televisão, participando de programas como “Show Business” (Band); “Todo Seu”, de Ronnie Von (TV Gazeta); “Luciana by Night”, de Luciana Gimenez (Rede TV!); “Diálogo Nacional”, de Ruy Altenfeder (canal 9 da NET-SP); “Economia & Negócios”, da jornalista Fátima Turci (Record News); “Conta Corrente” (Globo News); “Esquenta!”, de Regina Casé, na Rede Globo;  “É Notícia”, de Kennedy Alencar (Rede TV!) e “Salomão”, de Salomão Schvarztman (Band News), entre outros.

Skaf recebeu ainda autoridades e chefes de governo. Entre eles,  o primeiro-ministro da Nova Zelândia, John Key, em março, e chefes de Estado como o presidente da França François Hollande, e Dilma Rousseff, em dezembro; o rei da Suécia Carl XVI Gustaf; e, em maio, o primeiro ministro do Haiti, Laurent Lamothe,; a secretária de comércio dos Estados Unidos da América, Rebecca Blank;  além do embaixador Roberto Azevêdo, novo diretor geral da OMC.

Em maio, o presidente da Fiesp participou ainda do 31º Encontro Econômico Brasil-Alemanha (EEBA 2013), que aconteceu no WTC, em São Paulo, evento que contou com a presença da presidente da República, Dilma Rousseff, e do presidente da Alemanha, Joachim Gauck.

http://az545403.vo.msecnd.net/uploads/2013/12/HN640x440_2344_a.jpg

François Hollande, presidente da França, recebe a Ordem do Mérito Industrial das mãos de Paulo Skaf, sob os aplausos de Dilma Rousseff. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

Esporte e Cultura

Os investimentos em esporte também foram um dos pilares da gestão do presidente do Sesi-SP, que incentivou o lançamento de novas modalidades esportivas: karatê (em Santos), badminton (na região de Presidente Prudente) e hóquei na grama (nas unidades de Mogi das Cruzes e Suzano).

Skaf também orientou a ampliação do programa “Atleta do Futuro”, iniciativa de formação esportiva gratuita, que chegou a 173 municípios, 73.959 alunos (já inclusos 20 mil alunos da rede escolar Sesi-SP) e 147 empresas madrinhas. Em outubro, em evento em Registro, o presidente do Sesi-SP assinou convênios do programa ‘Atleta do Futuro’ com prefeituras do Vale do Ribeira.

Como presidente do Sesi-SP, Skaf promoveu ainda a chegada de talentos da natação (Thiago Pereira, entre eles) do vôlei (Lucarelli, Lucão, entre outros) e do polo aquático (Tony Azevedo) para reforçar as equipes do Sesi-SP e inspirar novos praticantes do esporte.

Na Cultura, um dos destaques foi o anúncio do programa educacional do Sesi-SP em teatro musical, com a produção do espetáculo “A Madrinha Embriagada”, a realização de oficinas para jovens estudantes e a criação de um curso de formação de atores em teatro musical.

Skaf ainda participou da inauguração de exposições no Teatro do Sesi-SP como “Grandes Mestres da Arte Popular Ibero-Americana”, “O Prêmio Nobel – Ideias Mudando o Mundo” e “Jogos Olímpicos: Esporte, Cultura e Arte” e “#Adotei”, “Evita, Paixão e Ação”, entre outras.

Outra ação importante foi a parceria da Fiesp com o Grupo Cultural AfroReggae, anunciada em abril. A iniciativa já gerou resultados como a formatura da primeira turma do programa de capacitação profissional para egressos do sistema prisional, em cerimônia no mês de novembro.

Paulo Skaf entre o ministro Aldo Rebello (à esquerda) e Fernando Greiber (do Comcultura/Fiesp). Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

>> Acompanhe as notícias da Presidência da Fiesp

Veja a entrevista do presidente da Fiesp ao programa ‘Diálogo Nacional’

Agência Indusnet Fiesp

O presidente da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp), Paulo Skaf, foi o entrevistado da edição desta semana do “Diálogo Nacional”, programa de TV apresentado por Ruy Altenfelder.

No programa, exibido pela primeira vez na noite desta quarta-feira (02/10), no canal 9 da NET/SP, Skaf falou sobre sua trajetória até assumir a presidência da Fiesp. tratou de assuntos como burocracia, competitividade, impostos, economia, multa do FGTS, além dos investimentos em educação do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP).

>> Veja vídeo com a íntegra da entrevista no site do ‘Diálogo nacional’ 

>> Veja o vídeo com a íntegra da entrevista no canal do programa no Vimeo 

O programa será reprisado nas seguintes datas, horários e canais: 03/10 (5ª feira) – 19h30 – Canal 8 Campinas (NET 08); 03/10 (5ª feira) – 20h – São Paulo – Blue TV (TVA 18); 04/10 (6ª feira) – 18h – TV RP Ribeirão Preto (NET Digital 09); 04/10 (6ª feira) – 21h – TV COM Santos (NET 11); 06/10 (domingo) – 12h – São Paulo – Blue TV (TVA 18); e 08/10 (3ª feira) – 20h – TV C Belo Horizonte (NET 06).

Leia abaixo trechos da entrevista.

Educação

“Nós tivemos que substituir nossas escolas [do Sesi-SP] por outras novas que tivesse estruura adequada para ensino em tempo integral. Foram as mudanças essenciais: ensino fundamental em tempo integral e os três anos de ensino médio.”

“Nós temos um trabalho muito amplo na cultura. A nossa visão de educação é o conjunto de tudo isso. Educação é aprender matemática, português, história, geografia, mas é também ter atividades culturais; educação se aprende, se disciplina na quadra de esporte, dar saúde, educação é a forma como se alimenta. E é essa é a proposta da indústria de São Paulo através da do Sesi-SP e do Senai-SP. Dar oportunidades às pessoas verdadeiramente através de educação  de qualidade e completa.”

“Todas nossas escolas do Senai-SP são verdadeiros centros de inovação.”

Investimentos

“O mais importante para se ter investimento é segurança. Segurança de regras, segurança de comportamento, de posturas. Quando há segurança há retorno de investimentos. E, depois, retorno. Ninguém investe para não ter retorno. ”

Burocracia

“A forma de fazer diferente está em enfrentar realmete a redução de custeio, de desperdício, buscar qualidade na gestão, governança, diminuir a burocracia, simplificar para quem produz, para quem trabalha. (…) No Brasil as coisas são muito complicadas. Há muita burocracia.”

FGTS

“Esse adicional de 10% do Fundo de Garantia foi criado para cobrir um buraco na época. (…) Ele nasceu com uma finalidade que foi cumprida em 2010. Deveria ser extinto. Para nossa surpresa foi vetado pela presidente. (…) [Esse adicional] Aumenta o custo Brasil, diminui a competitividade.”

Presidente da Fiesp participa do programa ‘Diálogo Nacional’; primeira exibição acontece no dia 02/10

Agência Indusnet Fiesp

O presidente da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp), Paulo Skaf, é o convidado da edição do “Diálogo Nacional”, programa de TV apresentado por Ruy Altenfelder.

A primeira exibição do programa está prevista para quarta-feira (0210), às 23h, no canal 9 da NET/SP.

No programa, Skaf trata de assuntos como indústria brasileira, juros, câmbio e inflação, além dos investimentos em educação do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP).

Altenfelder é presidente do Conselho Superior de Estudos Avançados (Consea) da Fiesp e vice-presidente do Ciesp, além de presidir o Conselho de Administração do Centro de Integração Empresa Escola (CIEE), entre outras atividades.

O programa semanal “Diálogo Nacional”, no ar desde junho de 1998, traz entrevistas com personalidades e formadores de opinião de diversas áreas.

As reprises

03/10 (5ª feira) – 19h30 – Canal 8 Campinas (NET 08)
03/10 (5ª feira) – 20h – São Paulo – Blue TV (TVA 18)
04/10 (6ª feira) – 18h – TV RP Ribeirão Preto (NET Digital 09)
04/10 (6ª feira) – 21h – TV COM Santos (NET 11)
06/10 (domingo) – 12h – São Paulo – Blue TV (TVA 18)
08/10 (3ª feira) – 20h – TV C Belo Horizonte (NET 06)

Autoridades e personalidades participam de inauguração de escritório do AfroReggae em São Paulo; iniciativa conta com apoio da Fiesp

Guilherme Abati, Agência Indusnet Fiesp

Nomes como Hélio de la Peña (humorista), Dráuzio Varela (médico) e Serginho e Fabiana Claudino (medalhistas olímpicos de voleibol), entre autoridades, empresários, jornalistas e personalidades, prestigiaram na noite de quinta-feira (11/04) a inauguração do escritório do AfroReggae em São Paulo, o primeiro do grupo fora do Rio de Janeiro. O evento, que lotou o 18º andar do edifício Altino Arantes, o Banespão, no centro, marca o início da parceria entre a ONG carioca e a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Paulo Skaf discurso na abertura do escritório do AfroReggae em São Paulo. Foto: Ayrton Vignola/FIESP

“Utilizaremos a experiência que o AfroReggae conquistou com sua atuação no Rio de Janeiro para criar políticas sociais e projetos aqui no nosso estado. O primeiro projeto da parceria beneficiará os egressos do sistema penal. Com o trabalho conjunto faremos coisas concretas para ajudar as pessoas que precisam. É uma união que não vai apenas somar, mas vai multiplicar. Ao lado do AfroReggae podemos fazer ainda mais pela sociedade”, disse Paulo Skaf, presidente da Fiesp.

Skaf informou que a parceria começará sua atuação na capital, mas depois poderá ser ampliada para todo o estado de São Paulo. “Investir em pessoas sempre dá resultado. Esse encontro é apenas o começo. Muita coisa ainda virá”, garantiu.

José Júnior, coordenador do AgroReggae, foi enfático ao resumir seu sentimento com a inauguração. “É a realização de um sonho ver isso acontecendo. Sempre trabalhamos no Rio de Janeiro com pouca estrutura, mas com muita criatividade. Agora, aqui, com o apoio da Fiesp, temos uma megaestrutura. Podemos fazer ainda mais, qualificar ainda mais a sociedade. A cara do AfroReggae é a mistura, a miscigenação. São Paulo é assim. Aqui na inauguração temos empresários, políticos, professores, agentes culturais. Rico, pobre. Preto, branco. O cosmos é o limite para o AfroReggae”, disse Júnior.

Uma das pessoas beneficiadas pelas ações do AfroReggae, o carioca Washington Rimas, o Feijão, deu seu depoimento durante a cerimônia sobre a importância da ONG em sua transformação. “Eu era traficante. Com 19 anos era chefe do tráfico. O AfroReggae mudou minha vida, fui transformado pelo trabalho. No fim do mês participarei de um Fórum Econômico Mundial na América Latina. Não só eu fui mudado. Mais de três mil pessoas já foram transformadas. Muitos mais serão – agora também em São Paulo”, disse.

Autoridades

De acordo com o professor Walter Vicioni, diretor regional do Senai-SP, que vai proporcionar formação profissionalizante para egressos do sistema penitenciário, utilizando a tecnologia social do AfroReggae, a parceria é uma iniciativa excepcional da Fiesp.

“Temos um programa muito forte, mas juntar a experiência deles nós dará ainda mais chance de alcançar resultados muito melhores e de colocar mais gente em posição de adentrar o mercado de trabalho. Estou feliz pela ousadia do presidente [Paulo Skaf] de apoiar um movimento desse quilate”, disse o diretor regional do Senai-SP.

José Junior (do AfroReggae) Paulo Skaf (Fiesp) e Fabio Barbosa (Grupo Abril). Foto: Ayrton Vignola/FIESP

Ex-executivo do Santander Brasil, o presidente do grupo Abril, Fabio Barbosa, também falou sobre a parceria. “Conheci o trabalho de Junior há dez anos e ele me encantou. É uma referência de perseverança para todos nós. O AfroReggae é um presente para nossa cidade”, disse.

Marcial Portela Álvarez, presidente do Santander Brasil, outro parceiro da iniciativa, falou do relacionamento entre a instituição financeira e a ONG. “Nossa parceria com o AfroReggae é privilegiada, de longa data. É admirável ver a capacidade de transformação social que proporciona. Estamos muito satisfeitos com a chegada deles a São Paulo”, comentou.

O dirigente aproveitou a ocasião para comunicar que a inauguração do escritório é o primeiro passo de um projeto de conversão do Banespão em um centro para debates e ações de cunho social.

Personalidades

O humorista Helio de la Peña, do grupo “Casseta e Planeta”, celebrou a chegada do projeto a São Paulo. “O AfroReggae já faz trabalho bastante significativo no Rio, com repercussão no Brasil inteiro. Fincar o pé em São Paulo, centro financeiro, maior centro urbano, é um grande passo. É bom para São Paulo, e bom para o AfroReggae”, comentou.

Jogadores do time de vôlei do Sesi-SP também marcaram presença. “Quanto mais iniciativas como essa, melhor para todos. O AfroReggae abrirá novos espaços e dará mais oportunidade para quem precisa”, afirmou a jogadora Fabiana Claudino, do Sesi-SP. “É um projeto importante, que só vai beneficiar São Paulo”, disse o líbero Serginho.

O médico Dráuzio Varela analisou as possibilidades de atuação do grupo no estado de São Paulo. “Há tanta coisa para ser feita aqui em São Paulo. O desafio do AfroReggae é se adaptar às condições existentes aqui. Mas tenho certeza que eles conseguirão. São Paulo é uma cidade misturada. Não tenho dúvidas de que eles terão muito sucesso”, disse.

No encerramento do evento, o maestro João Carlos Martins se apresentou ao lado de jovens músicos da comunidade de Paraisópolis. “Eu me sinto pequeno diante do trabalho do AfroReggae. Apesar de eu fazer um trabalho social muito forte, o que eles fazem é uma lição para este velho maestro”, afirmou.

Presidente da Fiesp reforça importância da política de conteúdo local da Petrobras

Juan Saavedra, Agência Indusnet Fiesp

Ao encerrar o 13º Encontro Internacional de Energia da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), o presidente da entidade, Paulo Skaf, aproveitou para destacar trecho da palestra da presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, momentos antes, que explicou ser uma decisão de estratégia competitiva a manutenção da política de compras da estatal, que impõe aos fornecedores a obrigação de oferecer produtos com uma porção mínima, de 62% a 65%, de conteúdo feito no Brasil.

Paulo Skaf, em encerramento do Encontro de Energia

Segundo Skaf, é importante que a Petrobras use seus investimentos como fomento de uma política industrial para o Brasil. “Não teria sentido o aumento da produção de petróleo e de gás, com o pré-sal. Tem que alimentar a cadeia produtiva brasileira, para que a gente possa vender serviços, vender produtos, gerando riquezas e empregos para o nosso país.”

Skaf afirmou que há muitas pequenas e médias empresas de qualidade, e detentoras de tecnologia, que passam por dificuldades, e que podem ser direta ou indiretamente fornecedoras da Petrobras.

O presidente da Fiesp aproveitou para elogiar novamente a parceria com o Sistema Firjan, mencionando algumas das realizações conjuntas, como o próprio 13º Encontro de Energia, o evento Humanidade 2012 e o MBA para Gestores de Escolas Públicas.

E convidou a todos para a edição 2013 com um voto: “Espero que no ano que vem, todos venham aqui com  uma grande economia nas suas contas de luz, tanto nas suas casas como nas suas empresas.”

 Leia mais: ‘Queremos energia a preço justo para toda a sociedade. Não abrimos mão disso’, afirma Skaf