Benjamin Steinbruch: quem quer governar o país precisa dizer quais são seus planos

Agência Indusnet Fiesp

Governar um país não é um passeio no parque; é preciso ter competência, sonhos, ousadias, utopias, planos, ideologia, equipes e, principalmente, uma enorme disposição de trabalho para empurrar as mudanças que precisam ser feitas. A afirmação é do primeiro vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Benjamin Steinbruch, em sua coluna quinzenal publicada nesta terça (06/05) no jornal Folha de S. Paulo.

O empresário critica a falta de discussão de projetos para o futuro do país pelos candidatos à Presidência. Steinbruch também afirma que algumas perguntas, como, por exemplo, sobre crescimento econômico e geração de emprego, são indispensáveis para aqueles que pretendem governar o Brasil.

É preciso “colocar em primeiro plano as propostas de atuação nas várias áreas da economia e da sociedade em geral, aquelas que podem trazer esperanças para o futuro”, afirma o vice-presidente da Fiesp.

Para ler o artigo na íntegra, acesse o site do jornal Folha de S.Paulo.

Paulo Skaf reassume entidades do setor produtivo

Nota oficial

Imediatamente após o resultado das eleições em São Paulo, o candidato do Partido Socialista Brasileiro (PSB) ao governo do estado, Paulo Skaf, reassumiu as presidências da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), do Instituto Roberto Simonsen (IRS), do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) e do Serviço Social da Indústria (Sesi) de São Paulo, bem como, a primeira vice-presidência da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Skaf estava licenciado dessas instituições desde o final de maio, quando assumiu um compromisso cívico de participação democrática, levando à sociedade de São Paulo novas propostas. Foram quatro meses, nos quais teve a oportunidade de estreitar o seu conhecimento do estado e, ainda, aproximar-se da população, ouvir seus reclamos, conhecer suas expectativas para o futuro. “Foi muito bom estar junto às pessoas, saber como pensam, o que esperam dos governantes”, comentou.

Skaf participou de todos os debates promovidos pela mídia sempre com excelente avaliação, concedeu dezenas de entrevistas, visitou todas as Regiões do estado, fez várias palestras e, em especial, dialogou “ao vivo” com a sociedade pela Internet. Ao receber mais de um milhão de votos, volta às instituições que preside com a certeza de que – embora as limitações e adversidades naturais de uma campanha política majoritária –, mereceu o reconhecimento de mais de um milhão de eleitores em todo o estado.

Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp)

Candidatos à Presidência se posicionam em relação a propostas do agronegócio

Agências Indusnet Fiesp,

Os três principais candidatos à Presidência da República – Dilma Rousseff (PT), Marina Silva (PV) e José Serra (PSDB) – responderam, por meio de vídeos de 20 minutos de duração, às seis perguntas enviadas às suas assessorias por grupo de entidades representativas do agronegócio.

As questões basearam-se num documento aprovado em reunião extraordinária em julho deste ano, realizada conjuntamente com o Fórum Abag. Fundamentadas por cinco pilares, as propostas são consideradas essenciais ao segmento, na opinião de seus principais representantes.

Denominado “Agronegócio – Desenvolvimento e Sustentabilidade: Plano de Ação 2011/2014/2020”, engloba os seguintes temas:

  • Garantia de renda ao produtor;
  • Infraestrutura e logística;
  • Política de omércio exterior;
  • Pesquisa, desenvolvimento e inovação;
  • Defesa agropecuária;

 

 

Institucionalidade

De acordo com o ex-ministro e presidente do Conselho de Agronegócio (Cosag) da Fiesp, Roberto Rodrigues, as entidades, baseadas nas propostas dos candidatos, apoiarão aquele que melhor se adequar às necessidades da cadeia produtiva.

“Nós somos totalmente apartidários, ou melhor, suprapartidários, pois nos interessa o que é bom para o agronegócio, independentemente de qual partido vem a proposta”, ressaltou Rodrigues nesta segunda-feira (2), durante reunião do Cosag.

As respostas serão apresentadas durante o Congresso da Associação Brasileira de Agribusiness (Abag), na próxima segunda-feira (9), no Sheraton São Paulo WTC Hotel, na Capital. O evento, que contará com a participação do Cosag, ocorrerá das 9h às 23h. Programação e mais informações podem ser obtidas no site: http://www.abag.com.br.

Mais eficiência
A reunião do Cosag também tratou a respeito do movimento Brasil Eficiente, coordenado pelo membro do Conselho Superior de Economia (Cosec) da Fiesp, Carlos Rodolfo Schneider.

Conforme explicou, o Brasil Eficiente é pautado em três propostas. A primeira é aglutinar as posições das entidades e instituições dispostas a participar. Para o conselheiro, muitos projetos referentes à reforma tributária foram produzidos por organizações importantes, mas não conseguiram boa inserção porque estavam isolados.Segundo Schneider, a iniciativa nasceu na Fiesp e pretende chamar a atenção da população, da classe política e, principalmente, dos candidatos a cargos executivos e legislativos, sobre a importância de se fazer a reforma tributária, com redução dos impostos, simplificação da estrutura de arrecadação e racionalização da gestão dos recursos públicos.

Schneider também argumentou que a reforma tributária não consegue avançar porque nenhum governo – seja federal, estadual ou municipal – quer abrir mão da receita que possui. Assim, a segunda estratégia é trabalhar receita e despesa públicas ao mesmo tempo, pois uma não pode ser aliviada sem saídas eficientes para a outra, defendeu.

Por fim, sinalizou que a finalidade mais importante é a inserção da sociedade no debate tributário. De acordo com Schneider, a comunicação e o esclarecimento da sociedade são os passos que levarão, de fato, à politização da pauta do movimento.

“Para atingirmos patamares políticos precisamos da população. Quando consultadas, as pessoas não têm noção de quantos impostos estão embutidos nos produtos e serviços que consomem”, salientou o coordenador. “E quando esclarecemos isso a elas, praticamente todas dizem que preferem não pagar esses tributos e aplicar seu dinheiro por conta própria”, completou.

Vice-presidente da Fiesp recebe homenagem da Santa Casa

Agência Indusnet Fiesp, 

O vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), João Guilherme Sabino Ometto, foi outorgado “Irmão Remido” da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, nesta quarta-feira (23), na Capital.

O título é conferido às pessoas que se destacam pela representatividade em ações de caráter social e por serviços ou contribuições oferecidas à instituição de saúde.

“Os paulistas e os brasileiros têm uma eterna gratidão à esta instituição multissecular, pela maneira como acolhe a população desta megalópole, especialmente uma parcela tão sofrida e carente, como aquela que é vista, diariamente, circulando nos seus corredores e pavilhões imponetentes”, afirmou Ometto ao receber a homenagem. Lembrou, ainda, que a instituição é a maior Santa Casa do mundo e a maior prestadora do Sistema Único de Saúde (SUS).

Ao saudar o novo empossado, Luiz Gonzaga Bertelli, também irmão da confraria, destacou a trajetória de Ometto e seu papel na implantação da governança corporativa nas empresas do setor sucroalcoleiro onde atuou, bem como seu trabalho em organizações não-governamentais.

Ometto também é vice-presidente da Futurong, presidente do Instituto João e Belinha Ometto, coordenador do Sindicato do Açúcar e do Álcool do Estado de São Paulo e membro dos Conselhos Universitário da USP, do Centro de Integração Empresa Escola (CIEE) e da Associação Comercial de São Paulo.

Parceria
A Fiesp, por meio do Comitê da Cadeia Produtiva da Saúde (Comsaude), é parceria em diversas ações promovidas pela Santa Casa. Dentre os projetos está a campanha para captação, doação e transplante de órgãos, além de:

  • Realização de palestras de divulgação e treinamento dos profissionais de saúde da entidade, que juntos reuniram 852 pessoas;
  • Decoração natalina da ala pediátrica e entrega de brinquedos para as crianças internas;
  • Distribuição de presentes com a participação de equipes médicas recreativas no dia das crianças;

Novo projeto de apoio na divulgação de treinamentos, cursos, orientações e eventos, por meio de vídeo conferência, para unidades de todo o estado de São Paulo e entidades do setor de saúde.

Santa Casa
Fundada em 1543, a Irmandade Santa Casa de Misericórdia de São Paulo é a mais antiga instituição assistencial da cidade de São Paulo e o maior hospital filantrópico da América Latina.

A instituição atende mais de 10 mil pessoas por dia em todas as especialidades médicas; possui 2.000 leitos; registra uma média mensal de 90 mil atendimentos ambulatoriais; 75 mil atendimentos de emergência; 3.500 cirurgias; 8.000 internações e 347 mil exames.