Prefeito de Lisboa chama empresários para instalar indústrias em Portugal

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

Antonio Costa, prefeito de Lisboa, capital e a cidade mais populosa de Portugal, visitou na manhã desta quarta-feira (30/04) a sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Em reunião com empresários brasileiros e autoridades portuguesas, Costa convidou o empresariado brasileiro a instalar suas indústrias na Grande Lisboa, região mais populosa de Portugal com 18 municípios.

O encontro foi conduzido pelo presidente do Conselho Superior de Comércio Exterior (Coscex) da Fiesp, embaixador Rubens Barbosa.

“A cidade de Lisboa não é o tipo de centro para a indústria. Mas a região, sim. Na Grande Lisboa é possível e estamos interessados em que ocorra a instalação de atividade industrial. Quero chamar atenção para o fato de que produzir em Portugal significa circular para todo o mercado europeu sem qualquer tipo de restrição”, disse Antonio Costa.

Segundo ele, algumas regras de política comercial da União Europeia (UE) com o Brasil acabam por restringir a penetração de produtos brasileiros, mas “se a produção for em Lisboa, já está dentro da UE”.

Rui Pinto Coelho, diretor da Invest Lisboa, uma iniciativa da Câmara Municipal da capital portuguesa e da Câmara do Comércio e da Indústria Portuguesa para estimular negócios na região, apresentou oportunidades investimentos em alguns setores.

Segundo Coelho, Lisboa oferece incentivos fiscais para indústrias que queiram investir em projetos imobiliários na região. Ele ainda apresentou o programa Licenciamento Zero, que isenta de licenciamento pequenas instalações de serviços na capital.

O prefeito Antonio Costa, no entanto, ponderou que o programa, voltado para a atividade comercial, também tem sido usufruído por boa parte do segmento industrial desde que “se observa e cumpra as leis de comércio já existentes”.

O presidente do Coscex, Rubens Barbosa, questionou sobre eventuais incentivos fiscais para a instalação de empresas brasileiras em Lisboa que não sejam do ramo imobiliário. A dúvida foi esclarecida pelo Cônsul Geral de Portugal em São Paulo, Paulo Lopes Lourenço.

“Dependendo da escala do investimento e da indústria a Aicep [agência do governo porguês para comércio e investimento]  negocia o tipo de incentivo”, afirmou Lourenço.


Energia renovável e startups

Em sua apresentação, Coelho também incentivou os empresários a investir em projetos de energia renovável.  A companhia Energias de Portugal (EDP), com negócios no Brasil, é a quarta maior do mundo em energias renováveis. E, segundo Coelho, 57% da eletricidade consumida em Lisboa é de fontes renováveis.

De acordo com o diretor da Invest Lisboa, outro campo de negócios bem sucedidos na região é o empreendedorismo. Ao menos 30% dos empreendedores da cidade são estrangeiros e a taxa de mortalidade de empresas como as startups é de 4%.

“A economia portuguesa está de fato saindo de uma crise financeira, mas acreditamos que, com um potencial futuro muito grande e criação recorde de empresas, Lisboa tem dado exemplo enorme no apoio ao empreendedorismo”, destacou.

Também participou da reunião o diretor titular adjunto do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Derex) da Fiesp, Antônio Fernando Guimarães Bessa, e o  diretor titular adjunto do Departamento da Indústria da Construção (Deconcic), Manuel Carlos de Lima Rossitto.

Na ocasião, Rossito convidou as autoridades portuguesas para conhecer o Observatório da Construção, espaço no site da Fiesp com informações sobre essa cadeia produtiva.