Especialistas debatem, no Humanidade 2012, comércio sustentável nas praias brasileiras

Flávia Dias, Agência Indusnet Fiesp

O comércio sustentável nas praias do litoral brasileiro é viável e passa pela criação de parcerias entre os setores público e privado. A solução foi sugerida por especialistas no segundo dia do painel “Gerenciamento Costeiro e Economia da Praia”, realizado nesta terça-feira (12/06), no Humanidade 2012 – evento da Fiesp e parceiros, paralelo à Conferência das Nações Unidades sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), que tem por objetivo realçar o importante papel que o Brasil exerce hoje como um dos líderes globais no debate sobre o desenvolvimento sustentável.

Durante o debate, os palestrantes defenderam uma rígida fiscalização às normas de preservação do litoral brasileiro. Medida que, segundo eles, contribuirá para o fim das praias privativas e o uso correto do espaço público, especialmente para o comércio na costa litorânea.

Neste sentido, a psicóloga do Sebrae-SP, Margareth Carvalho, mostrou um estudo da estrutura econômica das praias, destacando o perfil dos empreendedores e a chance deste negócio ser bem-sucedido. Com base nestas informações, a instituição elaborou cursos de capacitação específicos para este tipo de empreendedor. Segundo a psicóloga, o projeto beneficia mais de 400 barraqueiros.

“Nós descobrimos que esse público é ávido por conhecimento. Eles têm muito interesse em aprender mais e aperfeiçoar os serviços prestados”, afirmou Margareth, ressaltando o importante papel dos trabalhadores da costa litorânea na alavancagem da economia local. “Eles movimentam em torno de R$ 7 bilhões nas economias das praias, e esse valor tende a crescer até 20% com as Olimpíadas e a Copa do Mundo”, salientou.

O Humanidade 2012 é uma realização conjunta da Fiesp, Sistema Firjan, Fundação Roberto Marinho, Sesi-Rio, Sesi-SP, Senai-Rio, Senai-SP, com patrocínio da Prefeitura do Rio, do Sebrae e da Caixa Econômica Federal.