Alunos elogiam curso ‘Rumo à Gestão de Excelência’ do Deseg/Fiesp

Juan Saavedra, Agência Indusnet Fiesp

O curso “Rumo à Gestão de Excelência”, promovido nos dias 11/09 e 12/09 pelo Departamento de Segurança da Fiesp (Deseg) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), foi saudado por representantes da Polícia Civil.

Curso "Rumo ˆà Gestão de Excelência", promovido pelo Deseg da Fiesp. Foto: Helcio Nagamine

Delegados e peritos participam do curso "Rumo ˆà Gestão de Excelência", promovido pelo Deseg da Fiesp. Foto: Helcio Nagamine

“Excelentes o curso e a parceria com a Fiesp no sentido de demonstrar a importância da excelência em gestão”, elogiou o delegado de polícia Luis Henrique Fernandes Casarini, do Departamento de Polícia Judiciária de São Paulo (Deinter-4) de Bauru, no interior.

“A Polícia Civil já realiza de forma empírica a gestão. A aplicação de um método aprovado internacionalmente só vai trazer benefício à comunidade, que são os nossos clientes”, disse Casarini.

Edson Jorge Aidar, delegado de Polícia assistente do Departamento de Capturas e Delegacias Especializadas de São Paulo, acredita que embora a instituição já tenha um método de gestão, falta uma visão mais ampla de processos. A ideia, agora, é disseminar o conhecimento do curso – Aidar é professor da Academia de Polícia Civil. “Nas aulas vamos levar essa visão que tivemos aqui: a importância da prestação de serviço com excelência.”

Marcos Lazzarin, perito criminal da Diretoria do Instituto de Criminalística de São Paulo, disse que o curso terá utilidade prática. “Vamos implantar algo que nós estámos aprendendo na prática – antes [o Instituto] era administrado por delegados e hoje quem administra são os próprios peritos. O curso estabelece os processos e, ao invés de fazer de cima para baixo, a ideia é ver os problemas de cada setor, equipe por equipe, para depois a coisa tomar um corpo maior.”

Segundo o professor do curso, o coronel Renato Aldarvis, diretor do Deseg com doutorado em planejamento estratégico para organizações públicas, os alunos mostraram muito interesse nas aulas. “A percepção que se tem é de que eles estão ávidos por melhorias. Eles mesmos são críticos deles próprios. São pessoas com bom nível de informação e acostumadas ao exercício da intelectualidade”, salientou Aldarvis.

De acordo com Aldarvis, além da capacidade de exercer liderança, um bom gestor precisa ser uma pessoa flexível, bem informada e comprometida com a sua instituição.

Representantes da Polícia Civil do Brasil são recebidos na Fiesp

Agência Indusnet Fiesp,

Da esq. p/ a dir.: Marco Antonio Monteiro de Castro, presidente do Conselho Nacional dos Chefes de Polícia Civil; Ricardo Lerner, diretor-titular do Deseg da Fiesp e Domingos Paulo Neto, delegado-geral de Polícia de São Paulo

A Fiesp ofereceu no dia 1º de julho um jantar para cerca de 70 profissionais ligados à segurança pública. Participaram do encontro, realizado pelo Departamento de Segurança (Deseg) da entidade, delegados de polícia e diretores de academias de polícia civil de todos os estados brasileiros.

A comitiva visitou São Paulo para realizar uma série de reuniões relacionadas às mudanças curriculares na formação de delegados e à otimização do serviço da polícia.

“Precisamos iniciar um trabalho de valorização das academias de polícia civil do Brasil. Temos que nos preocupar com a formação técnica e moral dos novos policiais”, argumentou o diretor-titular do Deseg, Ricardo Lerner.

O diretor também defende o desenvolvimento de técnicas de investigação nas próprias academias de polícia e o ensino de gestão organizacional aos delegados.

“Preparem os homens do futuro. Os senhores serão responsáveis pela formação da nova geração que responderá pela segurança de um Brasil que vai crescer 7,5% neste ano”, aconselhou.


Bola da vez
Lerner disse que “o Brasil está entrando em uma nova fase, se tornando a ‘bola da vez’; as empresas estão se internacionalizando, e os novos consumidores já passam de 32 milhões de pessoas”.

“Esta população quer ser bem tratada como cidadão em uma delegacia. Temos que começar a mudar a qualidade dos serviços, e podemos começar isso nas academias”, acrescentou.


Melhoria
O presidente do Conselho Nacional dos Chefes de Polícia Civil, Marco Antonio Monteiro de Castro, explicou que a instituição da qual faz parte é também uma empresa: “Buscamos a melhoria desta empresa”.

Segundo Castro, há uma preocupação e até projeto de lei para que a Polícia Civil fique conhecida como a Polícia da Justiça.

Projeto de reengenharia da Polícia Civil é inaugurado em Piracicaba com apoio da Fiesp

Agência Indusnet Fiesp,

Na última segunda-feira (21), o governador do estado de São Paulo, Alberto Goldman, deu o pontapé inicial no projeto de reengenharia da Polícia Civil, inaugurando a nova sede do Deinter-9 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior, região 9, de Piracicaba).

O início da implantação do plano piloto foi marcado por jantar comemorativo, na Fiesp, no começo de maio, após a conclusão do estudo feito por uma consultoria especializada em gestão, que apontou a necessidade de otimização dos recursos. Esses dados serviram como critérios técnicos para o projeto inicial, da própria Polícia Civil.

De acordo com informações do governo estadual, o projeto visa melhorar a qualidade do trabalho exercido pela Polícia Judiciária, permitindo que os profissionais se dediquem mais à investigação policial.

Com a reengenharia, delegacias serão integradas em Centrais de Polícia Judiciária. Elas funcionarão em um mesmo prédio, com mais recursos humanos, materiais e tecnológicos para investigações e esclarecimentos de crimes.

Segurança
No início de 2009, três delegados da Deinter-9 interessados em desenvolver projeto de reengenharia da Polícia Civil de São Paulo procuraram o diretor-titular do Departamento da Indústria de Segurança (Deseg) da Fiesp, Ricardo Lerner.

Na ocasião do jantar de lançamento do projeto piloto, o diretor do Deseg declarou: “Este projeto pode revolucionar a forma de gestão da Polícia e servir como modelo ao Brasil”.