Prefeitura de São Paulo explica na Fiesp Plano Municipal de Esporte

Graciliano Toni, Agência Indusnet Fiesp

A reunião desta segunda-feira (31/10) do Comitê da Cadeia Produtiva do Desporto da Fiesp (Code) teve a apresentação da minuta do Plano Municipal de Esporte de São Paulo. Sílvia Vidor, analista da Secretaria Municipal dos Esportes (Seme), explicou que a proposta é um documento técnico, elaborado a partir de um processo amplo e democrático, e não o projeto de uma gestão. E pediu a contribuição do Code.

O início do projeto, em 2011, surgiu em cooperação técnica com a Unesco e a Agência Brasileira de Cooperação. Uma consultoria foi contratada para ajudar no trabalho, fazendo a análise de planos de Barcelona, Madri e Amsterdã e do Sistema Nacional de Esporte. Grupos de trabalho com a participação de 19 instituições –incluindo o Sesi-SP- levaram à escolha de 9 temas norteadores, submetidos a consulta pública de 17 a 23 de maio.

Compiladas as sugestões, a equipe gestora chegou a seis eixos temáticos:

esporte como hábito de vida para todos;

esporte de formação e triagem de talentos;

atuação municipal no esporte de alto rendimento;

ampliação e requalificação da rede de equipamentos esportivos municipais e valorização do patrimônio municipal relacionado ao esporte;

desenvolvimento econômico e científico por meio do esporte;

governança e promoção do amplo controle social.

A partir daí foram construídas as metas de curto, médio e longo prazo, usando para isso entrevistas com servidores dos diferentes setores da Seme. As ações devem ser implementadas entre 2017 e 2021.

Metas e ações ficaram em consulta pública de 5 a 16 de outubro. Houve 272 comentários e 99% de aprovação, explicou Sílvia. Agora são aguardadas contribuições para que o plano vire lei.

Mario Frugiuele, coordenador do Code, ressaltou a importância do planejamento no esporte. “Ter um trabalho organizado, pensando nas necessidades atuais e pensando no futuro, é importantíssimo.”

Na abertura da reunião, Frugieuele destacou a importância da atividade física, entre outros fatores porque há o aumento da expectativa de vida dos brasileiros e o envelhecimento da população.

Outra apresentação durante a reunião do Code, relacionada ao tema da saúde, foi feita por Rogério Tavares, da Valle/Ampag, que explicou o Valle Esportes, cartão de incentivo à prática esportiva corporativa. Ideia é estimular quem não tem o hábito de praticar atividade física. A empresa define quantos e quais colaboradores receberão o benefício, a partir de R$ 100 por mês, valor que pode ser usado em qualquer estabelecimento que aceite a bandeira Visa. Há um programa de acompanhamento e motivação, que gera relatórios para a empresa, mostrando a evolução dos funcionários.

O uso do Valle Esportes, disse Tavares, pode permitir à empresa reduzir o FAP (Fator Acidentário de Prevenção) do Seguro de Acidente de Trabalho, devido à Previdência Social, com o reenquadramento de sua alíquota multiplicadora.

Victor Hajjar relatou a participação do Code na audiência pública da comissão de juristas responsável pela elaboração de anteprojeto para a Lei Geral do Desporto.

Reunião do Code em que foi apresentada minuta do Plano Municipal de Esporte de São Paulo. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp