Iniciativas Sustentáveis: Lubrasil – Promoção da saúde biopsicossocial

Por Karen Pegorari Silveira

O modelo de saúde biopsicossocial é um conceito amplo que estuda a causa ou o progresso de doenças utilizando-se de fatores biológicos (genéticos, bioquímicos, etc), fatores psicológicos (estado de humor, de personalidade, de comportamento, etc) e fatores sociais (culturais, familiares, socioeconômicos, médicos, etc). O modelo biopsicossocial é o contrário do modelo biomédico atual, o qual atribui a doença apenas a fatores biológicos como vírus, genes ou anormalidades somáticas.

Este conceito, se usado dentro das organizações, pode promover a saúde, bem-estar, qualidade de vida e produtividade dos colaboradores e apesar de poucas empresas utilizarem, algumas já notam os benefícios da adoção desse modelo, como a Lubrasil, empresa do setor industrial de rerrefino de óleo lubrificante da cidade de Piracicaba, no interior paulista.

A empresa promove de forma integral a saúde de seus colaboradores por meio de ações que envolvem a saúde biológica, psicológica e comportamental. As atividades desenvolvidas na empresa vão desde as Sipat (Semana Interna de Prevenção de Acidentes no Trabalho), passando por consultas com psicólogos e workshops para sensibilização, inclusão e acolhimento de pessoas com deficiência.

De acordo com a supervisora de Recursos Humanos da Lubrasil, Vivian R. Lanzoni Menichetti, notou-se a necessidade de desenvolver uma cultura inclusiva entre os colaboradores a partir da dificuldade que eles apresentavam em relação a convivência e relacionamento com as pessoas com deficiência. “O principal desafio foi trabalhar a empatia, fazendo com que os mesmos se colocassem no lugar da pessoa com deficiência e se sensibilizassem para o respeito às suas necessidades e potencialidades”, relata.

Para dar vida ao desenvolvimento de uma cultura inclusiva, a Lubrasil teve o apoio do SESI com o Programa de Inclusão de Pessoas com Deficiência na Indústria. O objetivo do projeto é o de desenvolvimento de lideranças e gestores sobre conceitos básicos relacionados à promoção da diversidade e gestão de inclusão como valores estratégicos para o negócio e parte da Responsabilidade Corporativa. Foram realizados workshops de sensibilização e capacitação com lideranças e colaboradores.

Vivian conta ainda que após esta participação foi possível perceber mudanças no comportamento dos colaboradores, no sentido de ampliar a reflexão sobre as barreiras enfrentadas no dia a dia pelas pessoas com deficiência e com isso conseguiram incentivar a adoção de novas atitudes na convivência e relacionamento dos mesmos.

As atividades, segundo a supervisora de RH, proporcionaram melhora no relacionamento, engajamento e aproveitamento das pessoas com deficiência tornando-as parte do todo. Em sua percepção, os colaboradores estão com um novo olhar sobre a Inclusão.

Com relação a saúde psicológica dos colaboradores, a empresa implementou o Projeto Plantão Psicológico, que consiste no atendimento individual através de acolhimento, escuta e intervenção de uma psicóloga. Segundo Vivian, de um modo geral, as demandas observadas eram referentes a conflitos de relacionamento dentro da empresa, problemas com dependência química e problemas familiares.

A atenção à saúde e bem-estar físico dos colaboradores também é trabalhada na empresa através de conscientização. São realizadas palestras com temas de ergonomia, prevenção de câncer, saúde bucal, prevenção de acidentes, proteção auditiva, entre outros temas relevantes. Mais de 100 colaboradores participaram das últimas iniciativas em favor da saúde.

Para o presidente da Lubrasil, Nilton Torres de Bastos, as ações de Responsabilidade Social ajudam as empresas a engajarem seus colaboradores em temas importantes para sua competitividade, como saúde, qualidade de vida e inclusão. “A atividade da Lubrasil envolve riscos de uma refinaria e de transporte de resíduo perigoso e havia uma resistência por parte dos nossos colaboradores em colocar pessoas com deficiência no quadro. Para conscientizar e sensibilizar esses profissionais foi preciso um trabalho especializado como o do SESI, o que garantiu o bom relacionamento profissional e a aceitação desses trabalhadores”, relata Bastos.

Sobre a Lubrasil

A Lubrasil Lubrificantes, tem como principal atividade a coleta e o rerrefino de óleo lubrificante usado e ou contaminado (OLUC), a matriz está localizada em Piracicaba (SP) e possui filiais (pontos de coleta de oluc) distribuídas nas cidades de Santos (SP); Ribeirão Preto (SP); Serra (ES); Feira de Santana (BA); Rio Largo (AL); Araucária (PR); e Betim (MG). Atualmente possui 192 pessoas em seu quadro de colaboradores e possui certificações das normas NBR ISO 9001:2008, ISO 14001-2004 e OHSAS 18001:2007.

publicado em 03 de abril de 2018

Mostra de Música Instrumental do Sesi-SP movimenta Piracicaba

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp, de Piracicaba

Há seis anos, a Mostra Sesi de Música Instrumental de Piracicaba vem recrutando novos admiradores da música instrumental no interior paulista. Por enquanto, afinal, o desejo do diretor da escola do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) da cidade é de que a iniciativa faça parte de um circuito estadual.

“Eu gostaria que essa mostra não fosse algo que ficasse nos portões do Sesi de Piiracicaba, mas que ganhasse outras unidades. Por que não?”, disse, neste domingo (03/08), no encerramento da Mostra, Marcelo Astolphi Mazzei, diretor da unidade da instituição no município, a 160 quilômetros da capital paulista.

Após seis anos, o balanço que Mazzei faz do programa é positivo. Em sua primeira edição, a Mostra de Música Instrumental apresentou três atrações. Este ano foram 11, além de workshops com músicos renomados como os bateristas de jazz Alexandre Cunha e o argentino Daniel Pipi Piazzolla, neto de Astor Piazzolla.

Mazzei: balanço positivo da iniciativa, com 11 atrações em 2014. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

Mazzei: balanço positivo da iniciativa, com 11 atrações em 2014. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

Uma novidade da edição de 2014 do evento foi a divulgação do primeiro da DVD com shows da edição anterior. “A gente firmou a parceria com a editora do Sesi para a gravação de um DVD. É o primeiro selo de música da editora Sesi”, diz Mazzei.

Jazz e tango

Pouco antes das 18h do domingo (03/08), as cadeiras do Teatro do Sesi de Piracicaba iam aos poucos sendo ocupadas por músicos, instrumentistas e curiosos. O motivo: um workshop que seria administrado pelo baterista argentino Daniel Pipi Piazzolla em poucos minutos.

Por volta das 18h05, Pipi entrou no palco para falar sobre jazz contemporâneo. De camiseta branca, calças jeans e boné, o baterista apresentou ritmos, andamentos e rudimentos (padrões) aplicados à bateria de jazz.

“Para mim o mais importante é saber todos os 40 rudimentos básicos. E, no jazz contemporâneo, é importante identificar o acento de cada um deles, dessa maneira você está apto para improvisar em qualquer melodia”, disse Pipi.

O artista alertou para a necessidade de treinar o ouvido escutando muita música, além de estudar as técnicas. “Todas essas influências que tenho foi por ter ouvido muita música. Muitas vezes nos agarramos só aos exercícios, mas é importante escutar de tudo”, aconselhou.

Piazzolla, o avô

A influência do tango e, principalmente de Astor Piazzolla, é nítida na música de Pipi. Entre outras histórias, ele falou um pouco da relação com o avô e seu trabalho.

Pipi: “Todas essas influências que tenho foi por ter ouvido muita música”. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

Pipi: “Todas essas influências que tenho foi por ter ouvido muita música”. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

Piazzolla dissolveu paradigmas do tradicional tango argentino entre as décadas de 1950 e 1960 ao incluir elementos do jazz em suas composições. Inovações como a quebra de ritmo foram tão fortes que eclodiram em um movimento conhecido como Novo Tango, o que acarretou, no entanto, em críticas ao artista antes dele alcançar fama internacional.

“Meu pai tocava muito com o meu avô nos anos 1970. Então eu tenho muita influência do tango e, especialmente, do meu avô”, conta Pipi.

Outra influência forte, segundo ele, foi o baterista de jazz Tony Williams, que ganhou fama ao tocar pela primeira vez com o jazzista Miles Davis em um grupo que ficaria conhecido como Miles Davis Quintet.

Ouvintes e curiosos

A presença de Pipi atraiu bateristas e guitarristas de diferentes gêneros musicais ao Teatro do Sesi de Piracicaba.

Um deles foi o professor de música Fabrício Felix, de 40 anos, curioso em ouvir as histórias de Pipi. “Um cara que vem de fora, com o parentesco que ele tem, chamou a minha atenção”, disse.

Ele veio acompanhado do seu ex-aluno de bateria Jean Gimenez, de 37 anos. Embora seja baterista de hardcore, Jean conta que ficou curioso para conhecer Pipi Piazzolla e técnicas de bateria de jazz. “Eu vim na base da curiosidade mesmo. Não conhecia a técnica de jazz e fique bem impressionado”, afirmou.

Jean, à esquerda, e Fabrício: curiosos para ouvir Pipi Piazzolla. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

Jean, à esquerda, e Fabrício: curiosos para ouvir Pipi Piazzolla. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

Outro colega de Fabrício, o guitarrista Fernando Groppo, de 26 anos, também prestigiou ao workshop com Pipi. “Como guitarrista de rock, eu tenho uma influência muito grande do blues, que é a mesma influência do jazz, então, apesar de ser diferente, vem da mesma raiz”, disse.

Hora do show

Após o workshop, Pipi Piazzolla trocou as palavras por baquetas e timbres, tocando clássicos de seu avô Piazzolla repaginados por sua banda de jazz contemporâneo, a Escalandrum, e algumas composições autorais. O grupo está em seu terceiro álbum.

Com um trio de metais agulhado, um contrabaixo enérgico, piano e bateria virtuosos, muito improviso e variações, Escalandrum tirou o fôlego da plateia ao remontar temas como Primavera Porteña e Vayamos al Diablo, de Astor Piazzolla.

Entre uma canção e outra, Pipi se manifestou. “Essa é a nossa proposta, fazer um jazz com a cor da nossa música”. Em outro momento, ele retribuiu ao carinho transmitido pela plateia de Piracicaba. “Para nós é um sonho tocar nesse país onde tanta música maravilhosa tem nos inspirado”.

Mais cedo, foi a vez grupo feminino Quarteto Elas apresentar suas músicas influenciadas pelo jazz e com forte apelo para elementos brasileiros, como o triângulo tocado pela percussionista e uma escaleta comandada pela pianista que remete ao som do acordeom.

O Quarteto Elas em sua apresentação na Mostra: elementos brasileiros. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

O Quarteto Elas em sua apresentação na Mostra: elementos brasileiros. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

 

“Apesar do frio na barriga, estamos felizes e gratas em participar da mostra”, brincou a guitarrista Gabi Gonzales.

 

 

Piracicaba ganha nova escola do Sesi-SP para 881 estudantes

Ariett Gouveia, Agência Indusnet Fiesp, de Piracicaba

O Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) acaba de inaugurar oficialmente mais uma nova escola – desta vez em Piracicaba, município a aproximadamente 180 quilômetros da capital.

Com um aporte de R$ 11,5 milhões, a nova unidade –em funcionamento desde o início do ano letivo no Jardim Planalto – atende 881 alunos, sendo 672 no ensino fundamental em tempo integral, 160 no médio e 49 na educação para jovens e adultos (EJA).

A cerimônia de inauguração, realizada na manhã desta quinta-feira (08/05), contou com a presença do presidente do Sesi-SP e da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, e do prefeito de Piracicaba em exercício, João Chaddad, além de autoridades locais e dirigentes da Fiesp e do Sesi-SP.

Crianças fazem apresentação na cerimônia que inaugurou oficialmente a nova escola do Sesi-SP em Piracicaba. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

Ao chegar na nova unidade do Sesi-SP, Skaf foi recebido pelos alunos, que entregaram a ele uma árvore da felicidade e uma camiseta do tradicional clube de futebol da cidade, o XV de Piracicaba. Os estudantes também fizeram uma apresentação musical nas dependências da escola.

Na solenidade, o presidente do Sesi-SP declarou ser um privilegiado por poder colocar em prática os objetivos da indústria paulista. “Se tenho condições de sempre ter novos sonhos, de levar à frente o sonho da indústria que é investir nas pessoas, é porque temos pessoas que trabalham no Sesi-SP e no Senai-SP [Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo] e realizam, dia a dia, esses objetivos. Nos nove anos que presido as entidades da indústria nossos sonhos foram realizados graças a esses guerreiros e guerreiras.”

Skaf também reforçou a importância de oferecer educação de qualidade para garantir um futuro melhor para o país. “Depois de ter adquirido o bem mais valioso, que é o conhecimento, de praticar esporte, de participar de atividades culturais, de ter se alimentado bem, certamente esse jovem que se forma no Sesi-SP e no Senai-SP não vai precisar de penitenciária.”

“Se hoje a gente tivesse para todos os jovens do Brasil a mesma oportunidade, a médio prazo, iríamos melhorar muito a segurança e a saúde do país. Investindo em educação, vamos trabalhar na causa do problema e não apenas nos seus efeitos.”

No seu discurso, o diretor de Educação e Cultura do Sesi-SP, Fernando Carvalho, falou sobre a educação como prioridade para a indústria. “Mais do que escolas modernas e bem equipadas, a indústria prioriza a qualidade de educação, tendo como objetivo principal o desenvolvimento integral do cidadão”, afirmou.

“Lembrando Paulo Freire, educar é impregnar de sentido e intencionalidade o que fazemos a cada instante. Todos os educadores do Sesi-SP têm isso impregnado na sua prática diária. Dessa forma, com educação de qualidade para todos, é possível transformar uma sociedade e um país”, concluiu Carvalho.

A equipe de atletismo do Sesi-SP de Piracicaba também participou do evento. “A vida é feita de oportunidades. E a oportunidade que o Sesi-SP oferece para os cerca de 130 jovens do atletismo é fantástica”, exclamou o técnico da equipe, Darci Ferreira da Silva, afirmando na sequência que cinco dos melhores atletas do Brasil em suas categorias integram a equipe de rendimento do Sesi-SP.

340 alunos participam das finais da Copa Senai-SP em Piracicaba

Agência Indusnet Fiesp

Neste sábado (07/12), mais de 340 alunos do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP)  participaram das finais da Copa Senai 2013. O evento aconteceu no Centro de Atividades (CAT) Mario Mantoni, em Piracicaba, e contou com disputas em cinco modalidades: futebol de salão, vôlei, basquete, tênis de mesa e xadrez.

Neste ano, participaram da primeira fase da competição 86 unidades da instituição, reunindo mais de 20 mil alunos nas cinco modalidades esportivas.

Após as disputas das fases iniciais – em que cada unidade escolar realiza jogos para definir a equipe representante da escola para cada modalidade e faixa etária –, os alunos disputam a fase regional, em oito grupos definidos por proximidade geográfica.

Walter Vicioni, superintendente do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) e diretor regional do Senai-SP, participou  do evento.

Vicioni, o terceiro da esquerda para a direita, prestigiou o evento em Piracicaba neste sábado (07/12). Foto: Divulgação

Vicioni, o terceiro da esquerda para a direita, prestigiou o evento em Piracicaba. Foto: Divulgação

Cadeira odontológica adaptada para cadeirantes ganha prêmio no Inova Senai

Giovanna Maradei, Agência Indusnet Fiesp

A categoria Materiais e Produtos, disputada entre os alunos do Senai-SP, no prêmio Inova Senai 2013, teve como grande vencedor a cadeira odontológica adaptada com uma plataforma para cadeirantes. Projeto desenvolvido pela Escola Senai Mário Dedini, de Piracicaba.

A premiação do Inova Senai 2013 foi feita durante a última edição do São Paulo Skills, maior campeonato do ensino profissionalizante do estado, em setembro, no Anhembi, na capital paulista.

Além de inovadora, a proposta dos alunos José Augusto Marques de Almeida, Giovane Colletti, Felipe Costa e Filipe Florêncio da Silva, promete facilitar o dia a dia das pessoas com dificuldades de locomoção, que terão mais independência de movimentos, e dos profissionais da saúde, no caso, os dentistas.

Segundo o supervisor do projeto, o professor Milton Antonio Scarpelini, uma das vantagens da cadeira adaptada “é que para o atendimento do paciente cadeirante, não é necessário o auxilio de uma ou mais pessoas para fazer a transferência da cadeira de rodas para a cadeira odontológica, como é feito atualmente”.

Ilustração da cadeira adaptada vencedora do Inova Senai 2013 na categoria Materiais e Produtos. Foto: Divulgação

Ilustração da cadeira adaptada vencedora do Inova Senai na categoria Materiais e Produtos. Foto: Divulgação

 

A ideia

A ideia surgiu da dificuldade do aluno do curso técnico em Eletromecânica José Augusto. Formado em odontologia, ele tem um consultório onde atende alguns pacientes com redução de mobilidade e sentia na pele a necessidade de um equipamento que facilitasse o atendimento.

Na prática, o projeto ainda não foi usado para uma consulta, mas, segundo Milton, a proposta foi muito bem aceita tanto pelos profissionais da área quanto pelos pacientes que chegam ao consultório em cadeiras de rodas. ”Já realizamos uma pesquisa junto aos profissionais que atendem regularmente pacientes com deficiência e a maioria se mostrou entusiasmada com a possibilidade de atender num equipamento como esse”, explica. “Entrevistamos também o Vereador André Bandeira, que é cadeirante e percebeu que o atendimento neste equipamento além de dar acessibilidade e inclusão, faz com que o paciente ganhe autonomia para ir sozinho ao dentista.”

Responsabilidade Social

Para o professor, desenvolver um projeto com engajamento social é diferente de trabalhar em um projeto comum, principalmente por permitir que o grupo ajude pacientes com deficiência física, dando a eles maior conforto, acessibilidade e, principalmente, autonomia. Para ele, com esse projeto o grupo teve a possibilidade de participar efetivamente da inclusão social.

Os vencedores já haviam apresentado o projeto em forma de maquete na IX Feira de Ciência e Tecnologias da escola Senai Mário Dedini, em maio de 2013. Lá eles também ficaram em primeiro lugar, o que, segundo Scarpelin, os motivou a dar andamento à construção do equipamento.

Cultura de inovação

A vitória no Inova Senai, segundo o professor, é motivo de muito orgulho. “Para nós foi uma grande satisfação ver o nosso trabalho reconhecido em um evento de grandes proporções como no Inova, e ainda ganhar o primeiro lugar”, afirma. “Foi maravilhoso. Ter o trabalho reconhecido e premiado é motivo de orgulho para nós e para a escola.”

A instituição de Piracicaba também está construindo uma promissora tradição nesse campo: esse já é o terceiro prêmio da escola no Inova. Segundo Wilson Antônio Reis, diretor da escola, com ele cria-se na escola “uma pequena cultura de inovação”.

O Inova Senai

O prêmio Inova Senai, promovido pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP), reuniu entre os dias 25 e 28 de setembro, no Anhembi, na capital paulista, 80 projetos de inovação desenvolvidos por alunos, professores e funcionários de 46 unidades de todo o estado de São Paulo.

O objetivo é a criação de soluções para diversos setores da indústria, estimulando o empreendedorismo, a inovação e o desenvolvimento de tecnologias. Os três melhores de cada categoria, como foi o caso da cadeira odontológica adaptada com plataforma para cadeirante, são convidados a se inscreverem na etapa nacional do prêmio, que ocorrerá em 2014.

Formandos do Senai-SP em montagem de sistemas automotivos têm Paulo Skaf como patrono

Edgar Marcel e Rosângela Gallardo, Agência Indusnet Fiesp

Paulo Skaf, Walter Vicioni e o prefeito de Piracicaba, Barjas Negri, comemoram certificação dos alunos do Senai-SP: oportunidade de fazer a diferença na sociedade

 

 

O presidente da Fiesp e do Senai-SP, Paulo Skaf, foi o patrono de 80 formandos do curso de montagem de sistemas automotivos, formatado para a unidade da montadora Hyundai instalada em Piracicaba.

Pouco antes da solenidade, realizada na Escola Senai Mario Henrique Simonsen nesta sexta-feira (9), Skaf falou sobre as iniciativas da indústria paulista para atender à vocação automobilística na região de Campinas e entregou os diplomas aos alunos.

“Como patrono da turma, vim desejar sucesso a todos os formandos. Independentemente deste curso, vocês devem continuar realizando outros cursos para se manterem atualizados. E esta escola estará sempre de portas abertas para ajudá-los profissionalmente”, declarou.

O líder empresarial sublinhou que o Brasil é o País do futuro e do presente, que precisa de pessoas qualificadas e preparadas. E emendou: “Vocês, jovens, serão os grandes atores do desenvolvimento da Nação”.

Meritocracia

O Senai é uma entidade que acredita na cultura de méritos e resultados, qualidades que passaram a ser decisivas a partir do século 19, na visão de Walter Vicioni, diretor regional da entidade.

“Adotamos o princípio do ‘aprender fazendo’, pois acreditamos que uma profissão dá identidade às pessoas e, além disso, oportunidade de fazerem a diferença na sociedade”, destacou Vicioni.

“Oxigênio”

Barjas Negri, prefeito de Piracicaba, revelou que durante sua posse, em 2005, disse ao presidente Paulo Skaf que as escolas do Senai eram importantes, mas que elas precisavam ser “oxigenadas”. Hoje, na solenidade, Negri declarou outra situação: “Estou muito feliz de ver que você, Skaf, está realizando esta tarefa em todo o Estado, de inaugurar novas unidades do Senai e modernizar as já existentes”.

O prefeito detalhou ainda que no parque automotivo implantado serão oferecidos mais de 1.600 empregos, na primeira fase de atuação da Hyundai: “A parceria do Senai-SP foi decisiva para que isso acontecesse”, finalizou.

Leia mais:

Saiba mais sobre as inaugurações do Sesi/Senai-SP

Projeto de reengenharia da Polícia Civil é inaugurado em Piracicaba com apoio da Fiesp

Agência Indusnet Fiesp,

Na última segunda-feira (21), o governador do estado de São Paulo, Alberto Goldman, deu o pontapé inicial no projeto de reengenharia da Polícia Civil, inaugurando a nova sede do Deinter-9 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior, região 9, de Piracicaba).

O início da implantação do plano piloto foi marcado por jantar comemorativo, na Fiesp, no começo de maio, após a conclusão do estudo feito por uma consultoria especializada em gestão, que apontou a necessidade de otimização dos recursos. Esses dados serviram como critérios técnicos para o projeto inicial, da própria Polícia Civil.

De acordo com informações do governo estadual, o projeto visa melhorar a qualidade do trabalho exercido pela Polícia Judiciária, permitindo que os profissionais se dediquem mais à investigação policial.

Com a reengenharia, delegacias serão integradas em Centrais de Polícia Judiciária. Elas funcionarão em um mesmo prédio, com mais recursos humanos, materiais e tecnológicos para investigações e esclarecimentos de crimes.

Segurança
No início de 2009, três delegados da Deinter-9 interessados em desenvolver projeto de reengenharia da Polícia Civil de São Paulo procuraram o diretor-titular do Departamento da Indústria de Segurança (Deseg) da Fiesp, Ricardo Lerner.

Na ocasião do jantar de lançamento do projeto piloto, o diretor do Deseg declarou: “Este projeto pode revolucionar a forma de gestão da Polícia e servir como modelo ao Brasil”.